Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

terça-feira, 14 de abril de 2015

Costa do Marfim: Alassane Ouattara aos homens de negócios franceses: "Eu vou colocar todos os esforços para organizar uma eleição presidencial aberta, transparente e democrática".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Entretien

2015 é um ano de eleições na Costa do Marfim e a seis meses (6) da eleição presidencial de outubro próximo, o presidente Alassane Ouattara assegurou aos membros do Movimento das Empresas da França (MEDEF), liderado por Sr. Patrick Lucas, no palácio presidencial, no Plateau, quanto à organização de eleições transparentes na Costa do Marfim: "a Costa do Marfim tem feito muitos esforços em vários domínios. Em termos econômicos, o crescimento ainda é forte, os défices estão sob controle e significativos investimentos estão sendo feitos no setor de energia. O diálogo político ainda está em curso com os partidos da oposição como o FPI e eu gostaria de tranquilizar os empresários sobre o meu desejo de fazer todos os esforços para organizar uma eleição presidencial aberta, transparente e democrática. " Patrick Lucas, que está em sua segunda visita à Costa do Marfim, após uma que realizou com o presidente francês em Abidjan, disse que sua alegria por estar de volta nas margens da lagoa Ebrie, desta vez à frente de uma delegação representando "todos os sectores com forte participação das pequenas e médias empresas." Durante as suas trocas, Patrick Lucas comentou sobre a situação sócio-política na Costa do Marfim e reflete o compromisso do MEDEF para apoiar este país no caminho do desenvolvimento: "Estou feliz com alteração da situação socio-económica da Costa do Marfim. "Le Mouvement des Entreprises de France" (MEDEF) está disposto a acompanhar a Costa do Marfim no caminho do desenvolvimento. " Antes da delegação do MEDEF, Alassane Ouattara se reuniu com Vincent Le Guennou, PDG da Parceria da Capital Emergente, sempre no palácio presidencial do Plateau O intercâmbio entre o Presidente da Costa do Marfim e o anfitrião girava em torno de questões relacionadas com o acesso à água e eletricidade. Vincent Le Guennou está empenhada em apoiar a Costa do Marfim "neste boom econômico que reflete o seu crescimento."

#abidjan.net

Telemóvel: Orange CI apresenta sua liderança no mercado da Costa do Marfim.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Conférence

O Diretor Geral da Orange na Costa, o Sr. Marfim Mamadou Bamba, apresentou, nesta terça-feira, em uma conferência, o lugar de liderança que ocupa no mercado da Costa do Marfim, a empresa que ele dirige.
Com base nas figuras-chave em várias áreas, Bamba mostrou que a Orange CI esteve  sempre à cabeça do pelotão dos operadores que operam na Costa do Marfim.
Na verdade, ele indicou que a sua empresa está entre outros, como o primeiro operador que tem 3G + com cobertura em torno de 44% da população, o primeiro operador com transmissão em fibra óptica (7300 fibras ópticas que cobrem o país), a primeira operadora de Mobile Monney (1º na África Ocidental), etc.
Quanto ao futuro, o chefe da Orange CI disse estar pronto a jogar o seu papel de precursor, notadamente a nível da licença 4G onde diz esperar pela luz verde do regulador.
"Nós temos por ambição desenvolver-se não apenas na Costa do Marfim, mas em toda a África", disse Bamba.

R. KRA

#abidjan.net

Crise Maliana: nova reunião em Argel, a mediação internacional no impasse da crise Maliana (402) - O governo do Mali (156) - CMA (8).

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Lors de précédentes négociations à alger, le 1er septembre 2014.
Em negociações anteriores em Argel, em 1 de Setembro de 2014. © Farouk Batiche / AFP

Liderado pela Argélia, a mediação internacional sobre a crise no norte do Mali pensa ter encontrado um acordo de paz. Mas se ele foi rubricado por Bamako depois de 1º de março, a Coordenação dos movimentos armados de Azawad (CMA) expôs suas condições através de um documento, que JA obteve uma cópia.
A Argélia, o líder da mediação na crise do Mali convidou todas as partes interessadas ​​para se apresentarem em 15 de abril, em Argel. Objetivo: convencer a Coordenação dos movimentos armados de Azawad (MAC) para o acordo pré-inicial de paz aceito por Bamako, e, em seguida, as discussões abertas entre 16 e 17 de Abril, sobre as emendas ao texto a integrar eventualmente antes da assinatura final.
Mas, em Bamako, Ibrahim Boubacar Keita levou a mal a situação. "Inicialmente, o presidente do Mali se recusou a enviar representantes. Ele tinha posto como condição pre-avaliável o parágrafo da CMA sobre o acordo. Mas no último minuto, ele finalmente concordou em enviar uma equipe do governo a Argel ", informou uma fonte ocidental.

As condições da CMA
Em Nouakchott, Mauritânia, a CMA, por sua vez, realizou uma conferência de imprensa na segunda-feira, 13 de Abril, ao anunciar que iria boicotar o convite. "Nós não enviaremos qualquer um dos nossos membros a Argel", disse Moussa Ag Assarid, representando a coligação na Europa. Em um documento remetido a mediação internacional, em 17 de março em Kidal, que Jeune Afrique obteve uma cópia (veja abaixo),  a CMA pós mais condições para chegar à mesa de negociações, notadamente o "reconhecimento oficial de Azawad  como uma entidade geográfica, política e jurídica, bem como a criação de uma reunião inter-regional que reúne as regiões de Gao, Timbuktu, Kidal (...). "
Ao nível da segurança, CMA quer definir, ele mesmo", a lista dos combatentes e determina (r) suas grades. As forças de defesa e segurança dentro de Azawad será composta por nacionais 80% de Azawad e ao nível dos postos de comando ", o documento de duas páginas.

Enfim, a respeito do desenvolvimento do norte do Mali, o texto pede a "efetivação de um fundo especial para Azawad no orçamento do Estado de até 40% ao longo de um período de 20 anos, a fim de eliminar a atraso de mais de 50 anos ". Mas também que a "exploração de recursos minerais e energéticos  de Azawad (seja) sujeito a prévia autorização da Assembleia Inter-Regional, após consulta da Assembleia Regional. A quota de 20% da produção será atribuído ao Azawad, com prioridade para a região em causa "...

Que futuro comum?
Só uma coisa é certa agora: apenas os membros da mediação internacional estarão bem representados em Argel em 15 de Abril, para ver "como fazer avançar o processo de paz", disse um dos seus membros em Bamako. E entre as duas partes em conflito, as negociações serão muito difíceis.
"Para Bamako, uma análise significativa do norte do Mali, em Bamako, tudo deve ser feito para mostrar que o movimento de mediação de Azawad são apenas os traficantes de drogas, que fizeram um pacto no tempo de terroristas da AQMI, de modo que não pode haver qualquer discussão real com eles. Os movimentos armados, eles próprios, querem mostrar que não há mais um futuro comum com Bamako, dados os abusos do exército maliano contra os  civís e atraso proporcionado ao Desenvolvimento do Norte em relação ao resto do país ". Em uma palavra: é um impasse.



#jeuneafrique.com

Total de visualizações de página