Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Gâmbia: Investidores turcos querem explorar potencialidades em investimentos na Gâmbia.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Uma delegação de alto-nível de investidores turco chegou nesta segunda-feira, em Banjul, para uma longa visita de dois dias, a convite do embaixador turco na Gâmbia, HE Ergin Soner, visando a busca de oportunidades e maneiras de investir na Gâmbia. 

Pode-se recordar que, durante a visita de Estado histórico a Turquia no início deste ano, Sua Excelência Sheikh Professor Alhaji Dr. Yahya AJJ Jammeh, Nasirul Deen Babili Mansa estendeu o convite aos membros da comunidade de negócios da nação trans-continental para explorar as vastas oportunidades na Gâmbia. Desde então, o número de investidores turcos que visitam Banjul tem aumentado significativamente. 

A visita à Gâmbia do proprietário e presidente do Conselho da Companhia de Construção Kuanta, Sr. Bulent Kilincarslan que está em consonância com esse quadro. Sua Empresa Kaunta faz muitos projetos de construção, mas a sua principal área de atuação é a construção do aeroporto. A Companhia também mexe com aviação, com jatos e ambulâncias aéreas. 

Devido ao reconhecimento internacional da empresa, ele foi premiado com muitos contratos para a construção de aeroportos em diferentes países. O último aeroporto construído pela empresa foi na Tanzânia, e agora uma outra construção de um aeroporto está em curso na Uganda. 

Durante os seus compromissos no país, o maior investidor HE foi acompanhado em reuniões por  Embaixador Soner, com Autoridades da Gâmbi: o secretário de Gabinete, Noah Touray; ministro dos Transportes, Obras e Infra-estrutura, Ousman Badjie; Ministro do Comércio, Integração Regional e Emprego, Abdou Jobe; o Secretário Permanente do Ministério das Finanças e Assuntos Económicos, Abdoulie Jallow; o diretor-geral da Aviação Civil (GCAA) da Gâmbia, Abdoulie Jammeh; e o diretor em exercício de gestão da International Airlines (GIA) of Gambia, Ebrima Sallah. 

Nos encontros, o embaixador turco deu a entender que com base nas instruções de Sua Excelência, o Presidente da República da Gâmbia, que ele precisava encontrar a pessoa certa e a companhia certa para a construção de um segundo aeroporto "moderno" na Gâmbia, e ele não podia encontrar alguém melhor do que o Sr. Bulent Kilincarslan e sua Construtora Kuanta. Neste sentido, ele expressou sua gratidão ao Kuanta por honrar o convite. 

O embaixador destacou o interesse de Kuanta na construção de um segundo aeroporto moderno para a Gâmbia, dando referência à visita do Sr. Kilincarslan à Gâmbia sendo sua segunda vez em apenas seis meses. Ele também observou que a empresa tem interesse em alguns dos projectos em curso do actual aeroporto; por exemplo, o projeto complexo para Carga. 

Tanto o diplomata e o investidor em visita disseram que Kuanta é uma empresa global poderosa que está pronto para fornecer financiamento para a construção do segundo aeroporto moderno. Sublinharam a necessidade relevantes das autoridades da Gâmbia para fornecer uma garantia estatal em um MOU de pelo menos uma ou duas páginas para o arranque do processo de construção. A empresa só está à espera de luz verde das autoridades da Gâmbia para iniciar estudos de viabilidade. 

H.E. Soner reiterou seu desejo de ter mais negócios e maior assistência técnica entre a Turquia e a Gâmbia. Em vista disso, ele expressou seu desejo de atrair investidores turcos para o país. Ele citou as negociações em curso das autoridades com a Turkish Airlines com voos diretos a partir de Istambul para Banjul, que segundo ele, iriam ajudar a estourar o fluxo de turistas ricos da Turquia para Gâmbia. Mas ele foi rápido em acrescentar que a formação de equipes para um aeroporto moderno, novos hotéis à beira-mar e boa infra-estrutura que leva estes turistas a hotéis seria muito útil para o desenvolvimento do setor de turismo no país. 

Sr. Kilincarslan também trocou idéias com as autoridades competentes da GCAA que diz respeito à possibilidade de criação de escola de aviação, escola de formação, a ligação do novo aeroporto moderno a ser construído com o antigo, cabides de manutenção de aeronaves, plano de seguro / contingência etc.

Enquanto Embaixador Soner e Sr. Kilincarslan espera um feedback rápido sobre aspectos técnicos envolvidos, ambos manifestaram o seu apreço e gratidão a todos aqueles que os receberam. De acordo com eles, eles não foram só recebidos calorosamente, mas também foram encorajados por aqueles que os receberam em seus escritórios. 


# Daily Observer

Seis militares perdoados por tentativa de golpe de Estado na Guiné-Bissau.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Presidente da República guineense indultou seis militares detidos em 2012, depois do chamado "caso 21 de outubro", acusados de um ataque ao regime saído do golpe de Estado de 12 de abril do mesmo ano.


Seis militares, incluindo o Capitão do Exército Pansau Intchama, condenados a vários anos de prisão pelo Tribunal Militar Superior da Guiné-Bissau, por terem alegadamente atentado contra o regime saído do golpe militar de abril de 2012, viram nesta terça-feira (30.09) indultadas as suas penas pelo Presidente da República.
Através de um decreto presidencial, José Mário Vaz justifica a decisão, que classifica como “um gesto de encorajamento ao perdão”, com “o início do processo de reconciliação no seio da sociedade guineense em geral e, em particular, da classe castrense, em prol da edificação de uma força e segurança republicanas, ao serviço do Estado de Direito Democrático”.

De acordo com o diretor de gabinete do Chefe de Estado guineense, Octávio Lopes, “este primeiro indulto refere-se a esse caso, mas é intenção do Presidente da República, por ocasião das festividades de dezembro, proceder a um novo indulto, abrangendo civis”.
José Mário Vaz, Presidente da República da Guiné-Bissau
“É um resgate do ensino de Cabral, segundo o qual o Homem pode, a todo o momento, recuperar e tornar-se útil à sociedade”, acrescentou o diretor do gabinete do Presidente da República.

Perdão por um assalto falhado
A 21 de Outubro de 2012, um grupo de homens armados tentou tomar de assalto o Regimento de Para-Comandos em Bissau, durante a madrugada. O assalto terá falhado e os homens puseram-se em fuga, contabilizando-se seis mortos no local.

O ataque ao quartel e a detenção de Pansau Intchama elevaram a tensão no seio da classe castrense que conquistou o poder na Guiné-Bissau através de um golpe de Estado a 12 de abril.

Militares receavam que estivesse em curso uma “caça às bruxas” com contornos étnicos e políticos. Mais tarde, Pansau Intchama e os restantes militares foram julgados e condenados, apesar das várias vozes que clamavam que tudo não passava de uma invenção das chefias militares, autoras do golpe que destituiu do poder as autoridades eleitas.
O analista político Fafaly Kwdawo não entende porque é que o Presidente começou por este caso especifico, sublinhando que “a reconciliação nacional na Guiné-Bissau não se limita a um golpe de Estado”.

“Há muitos casos que foram protagonizados no país e que ainda requerem tratamento. Podemos colocar a questão: porquê começar justamente por este caso?”, questiona.
Uma "filosofia global" para a reconciliação

Na opinião de Kwdawo, é urgente que os órgãos de soberania do país tenham uma visão concertada da reconciliação nacional, o que ainda não existe. “É urgente que a sociedade civil seja levada em conta”, diz o analista, frisando que “esta iniciativa do Presidente não aparece enquadrada numa política global”.

A iniciativa, afirma ainda Fafaly Kwdawo, “aparece solta” e, por isso, “é preciso que o Presidente defina agora publicamente qual é a sua filosofia global da reconciliação nacional”.

Entre as pessoas indultadas pelo Presidente da República estão o Tenente Coronel na reserva Braima Djedjo, o 2º Sargento João Entchem Sambú, o Furriel Paulino Djata, o desmobilizado Gicol Biague e o civil Damiano Djata, todos condenados no âmbito do mesmo processo no Tribunal Militar Superior da Guiné-Bissau.

A captura de Pansau Intchama resultou em quatro mortes em Bolama. Os quatro civis foram forçados a indicar o esconderijo de Intchama.
# dw.de

Total de visualizações de página