Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

terça-feira, 15 de abril de 2014

Gâmbia proíbe voos de vizinhos atingidos por Ebola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




Gâmbia proibiu voos de países da África Ocidental atingidos por Ebola e de desembarque no seu território, disseram nesta terça-feira os funcionários do aeroporto.

Os funcionários do Aeroporto Internacional de Banjul disseram sob condição de anonimato que o Presidente Yahya Jammeh ordenou as companhias aéreas a cancelar todos os voos da Guiné, Libéria e Serra Leoa, em uma tentativa de evitar a propagação do vírus mortal.

"Esta decisão das autoridades da Gâmbia deixou os passageiros em potencial encalhados nesses países Africanos a oeste  que viajam para Banjul ...  ", disse um funcionário do aeroporto, falando sob condição de anonimato.

" Brussels Airlines, que transita de Freetown para Europa, só é permitido para deixar passageiros lá, mas não para embarcar qualquer um para seguir viagem. "

O surto na Guiné é um dos mais mortais da história, com 168 casos " clinicamente compatível " com a doença do vírus Ebola relatados, incluindo 108 mortes, desde o início do ano, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS ).

O surto começou nas florestas do sul do país empobrecido, mas se espalhou para a capital Conakry, uma cidade portuária na extensa costa  e possui dois milhões de pessoas.

A vizinha Libéria relatou 21 casos suspeitos, incluindo 10 mortes.

Mali também tem casos suspeitos, mas não parece ter adotado alguma proibição, enquanto a Serra Leoa, que não tem casos suspeitos, está na lista de países proibidos.

Negócios " agora perto de ruína "

Não houve confirmação oficial imediata da proibição de Gâmbia, mas um funcionário do aeroporto disse à AFP através de uma carta datada de 10 de abril sob aplicação de medidas que haviam sido enviadas para as companhias aéreas, enquanto o governo de Serra Leoa disse que está em negociações com Banjul sobre a questão.

Serra Leoa, onde duas vítimas suspeitas morreram e foram enterrados antes que pudessem ser testados, disse que não estava questionando o direito da Gâmbia agir, mas não tem idéia sobre a razão que existe por trás desta decisão.

"O governo da Serra Leoa está a envolver o governo gambiano sobre o assunto e fornecendo todos os detalhes do sistema de vigilância colocada sob efeito contra a doença ", disse o porta-voz do governo Abdulai Bayratay.

"Nós ainda não temos nenhum teste laboratorial confirmado de qualquer surto de Ebola aqui e isto foi certificado pela OMS, que está trabalhando com nossas equipes de saúde.

" Passageiros da Serra Leoa estão viajando livremente para a Grã-Bretanha, Bélgica e para todo o mundo sem obstáculos. "

Testemunhas no Lungi International Airport disseram à AFP que em torno de 100 serra-leoneses, em sua maioria comerciantes, estavam planejando viajar para a Gâmbia, mas tiveram seus vistos e seus vôos cancelados.

" Meu negócio agora está perto de ruína. Aceitei dinheiro de pessoas que planejavam um casamento e eu estava comprometido a retornar em poucos dias e entregar a mercadoria, mas com esta proibição agora, eu estou em uma jam , " disse o comerciante têxtil Alimamy Turay.

Gâmbia, é um país de cerca de 1,8 milhões, é um dedo do território ladeando o rio Gâmbia, cercado por Senegal de ambos os lados e com uma costa atlântica estreita.

Jammeh, de 48 anos, é muitas vezes ridicularizado por tomar decisões unilaterais e aparentemente impetuosas, bem como os abusos dos direitos e o amordaçamento da imprensa.

Em março, ele disse que a ex-colônia britânica estaria deixando o Inglês como sua língua oficial e, em 2008 , ele deu um ultimato para gays e lésbicas deixarem o seu país, dizendo que ele iria " cortar a cabeça " de qualquer homossexual encontrado na Gâmbia.

Dois anos mais tarde, a União Europeia cancelou 22.000.000 € ( $ 30 milhões) de ajuda por causa de preocupações com os direitos humanos e as questões de governança.

# africareview.com

Jornalista da Guiné Bissau continua desaparecida em Angola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

                                                            Jornalista Milocas Pereira
As autoridades angolanas ainda não se pronunciaram sobre o desaparecimento em Luanda da jornalista e professora universitária guineense, Milocas Pereira, há mais de um ano, e o suposto assassinato pela polícia de um cidadão também guineense,  António Maurício Bernardo.

A Liga Guineense dos Direitos Humanos publicou recentemente uma carta aberta enviada ao Procurador-Geral da República de Angola, João Maria de Sousa, exigindo que se investiguem os dois acontecimentos.

Até ao momento nem a Polícia Nacional nem a Procuradoria-Geral da República se pronunciou sobre os desaparecimentos.

O jornalista Reginaldo Silva que acompanha os dois casos diz não ser novidade o desaparecimento de cidadãos em Angola, e que pelo que nota não há qualquer vontade das autoridades angolanas em esclarecem o assunto.

“Não é novidades que aqui desaparecessem cidadãos,” disse.

“Desde 77, que vêm desaparecendo cidadãos e sem qualquer explicação,” acrescentou Silva para quem  “parece que não há uma clara vontade das autoridades em esclarecerem pelo o tempo que se arrasta e até agora não ouvimos nenhum pronunciamento das autoridades” .

Miloca Pereira desapareceu em Júlio de 2012 e António Maurício Bernardo, foi encontrado morto numa das celas da 23ª esquadra Polícia Nacional do município da Samba.

Não se sabe quais são as razões da detenção do cidadão António Maurício Bernardo.

OIÇA A REPORTAGEM AQUI.

# VOA

Rússia: Eleições na Guiné-Bissau.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

                                                           Eugénio Costa Almeida, Ph.D                                                                         

O Alto-representante da ONU para a "estabilização política" da Guiné-Bissau, senhor Ramos-Horta, há pouco tempo, não deixou de aconselhar que todos aceitem o veredicto das urnas e do vencedor, chamar todos ao Governo para que o resultado seja um executivo forte e unido na persecução de uma boa-governação.

Ou seja, e por outras palavras, e a interpretação é minha, aconselhou aos partidos que se unissem para evitarem que os militares voltem a fazer das suas e se arrumem, uma vez mais, no Poder (até porque agora não há desculpa que os militares angolanos - Missão de Cooperação Militar de Angola na Guiné Bissau (MISSANG) - estão no país para o dominar...).

São candidatos à presidência os seguintes pretendentes:
1- Arregado Mantenque Te (PT)
2- Abel Incada (PRS)
3- Paulo Gomes (Independente)
4- Jose Mario Vaz (PAIGC)
5-  Ibrahima Sorry Djalo (PRN)
6- Jorge Malu (Independente)
7- Afonse Te (PRID)
8- Nuno Gomes Na Bian (Independente - apoiado pelo fantasma de Koumba Yalá)
9- Helder Lopes Vaz (RGB-MB)
10-  Iaia Djalo (PND)
11- Domingos Quade (Independente)
12- Cirilo de Oliveira,Partido Socialista (PS)
13- Luis Nancassa (Independente)

Às legislativas candidatam-se os partidos:
  1. Frente Democrática Social (FDC)
  2. Manifesto do Povo (MP)
  3. Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC)
  4. Partido da Convergência Democrática, PCD
  5. Partido da Nova Democracia (PND)
  6. Partido Republicano da Independência para o Desenvolvimento (PRID)
  7. Partido da Reconciliação Nacional, PRN
  8. Partido da Renovação Social (PRS)
  9. Partido Social Democrata (PSD)
  10. Partido Socialista da Guiné-Bissau (PSGB)
  11. Partido dos Trabalhadores (PT)
  12. Partido Unido Social Democracia (PUSD)
  13. Resistência da Guiné-Bissau (RGB/Movimento Bâ-Fata)
  14. União para a Mudança (UM)
  15. União Patriótica Guineense (UPG)

Vamos aguardar que o acto seja o mais calmo, sensato e o resultado o mais democraticamente aceite.

E sem fantasmas, de preferência...

Eugénio Costa Almeida, Ph.D
Investigador/Researcher do CEI (ISCTE-IUL)
# pravda.ru

Costa do Marfim: A luta contra a violência contra mulheres e crianças - O Comitê Nacional realizou sua primeira reunião.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Lutte

© Ministérios por DR. 
Luta contra a violência contra mulheres e crianças: Anne Ouloto troca seu ponto de vista com o Comitê Nacional, nesta segunda-feira, 14 de abril de 2014 em  Abidjan no Plateau. A Comissão Nacional de Luta contra a violência contra mulheres e crianças, um órgão consultivo presidido pela Ministra da Solidariedade, Família, Mulheres e Crianças, Anne Désirée Oulotto. Foto: Ministra da Solidariedade, Família, Mulheres e Crianças - Anne Désirée Oulotto.


O Comité Nacional de Luta contra a violência contra mulheres e crianças, um órgão consultivo presidido pela Ministra da Solidariedade, Família, Mulheres e Crianças, Anne Désirée Oulotto se reuniu nesta segunda-feira, como parte de uma reunião de informação, em preparação para a próxima reunião agendada para o final de abril para a apresentação da estratégia nacional contra a violência baseada no género ( SNLVBG ).

A Ministra da Solidariedade Familiar, Mulheres e Crianças, Anne Désirée Oulotto aproveitou a oportunidade deste encontro para apresentar ao Comité com os parceiros internacionais e levantar uma ponta do véu sobre suas missões. No que diz respeito às suas missões, o Comitê Nacional de Luta contra a violência contra as mulheres e as crianças deve propor uma política de combate à violência contra mulheres e crianças, contribuir para o desenvolvimento e revisão de textos jurídicos para proteger as mulheres e as crianças.

Além disso, ele irá ajustar / corrigir as orientações estratégicas da estratégia nacional contra a violência baseada no género ( SNLVBG ), avaliar o impacto dos programas implementados, analisar e aprovar o plano anual de aplicação do SNLVBG, aprovar o orçamento anual para o acompanhamento da implementação do SNLVBG, aprovar o relatório de progresso anual da implementação do SNLVBG. E, finalmente, fornecer as decisões necessárias em última instância.

Este Comité, que nós o vimos com força para fazer, é composto por representantes da Assembleia Nacional e do Conselho Econômico e Social. Como representantes de ministérios e organizações religiosas, tradicionais, ONGs envolvidos na luta contra a violência contra as mulheres e crianças e, finalmente, as organizações da sociedade civil.

# abidjan.net




Total de visualizações de página