Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Nigéria, nova frente de guerra contra o terrorismo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Conflitos inter-religiosos ameaçam mergulhar o país em uma guerra de religião.

Um policial fica de guarda fora de uma igreja em Abuja, 2012/06/24, REUTERS / Afolabi Sotunde


Na Nigéria, os conflitos violentos entre cristãos e muçulmanos ameaçam mergulhar o país em uma guerra religiosa. O instigador do conflito é simplesmente movimento Boko Haram islâmico cujo nome é repleto de significado "educação ocidental é um pecado."

Se o governo nigeriano não pára a violência antes que eles aumentem, os Estados Unidos certamente vai intervir (embora com um postura relativamente leve) para ajudar opositores do Boko Haram.

A situação crítica chegou na Nigéria em 17 de junho 2012, quando Boko Haram atacaram três igrejas no Estado de Kaduna (centro-norte), durante a missa, matando vinte e uma pessoas. Os cristãos têm respondido rapidamente, e inter-comunais confrontos romperam quase que imediatamente. Após quatro dias de agitação, centenas de nigerianos perderam suas vidas.

Cristãos, o principal alvo.

Boko Haram é conhecido habitualmente na violência terrorista, as autoridades americanas também suspeitam que a organização possa estar ligado à Al Qaeda. Estado dos EUA, observa que o Departamento de ataques Boko Haram e os seus apoiantes têm reivindicado mais de mil mortes ao longo dos últimos dezoito meses.

O meio centro da Nigéria, o lar de várias comunidades religiosas, também é violência sectária habitual (a população do norte é predominantemente muçulmana, o sul é predominantemente cristã).

Em 2002, os motins mataram mais de cem mortos (Kaduna), quando jovens muçulmanos protestaram contra a realização do concurso de Miss Mundo na Nigéria. Em 2006, eles haviam contado dezenas de vítimas após a publicação de charges polêmicas com o profeta Maomé no diário dinamarquês Jyllands-Posten.

Notícias recentes mostram que os ataques de Boko Haram são cada vez mais mortais. A organização adota táticas de recondicionamento completos: se suas ações, até agora focadas em assassinatos e ataques contra forças de segurança em massa, eles agora recorrem a ataques suicidas. E os cristãos (que geralmente são atacados em seus lugares de culto, enquanto suas massas) estão agora no topo da sua lista de alvos para atirar.

O governo nigeriano tem tido algum sucesso em sua luta contra o Boko Haram. A organização tem feito uma violenta repressão em Julho de 2009, quando seu fundador, Mohammed Yusuf, foi capturado e sumariamente executados pelas forças de segurança nigerianas.


Escalada da violência

Estimativas do exército, cerca de 800 membros da organização foram mortos. O interessante estudo do pesquisador David Cook Escalada da violência

Estimativas do exército, cerca de 800 membros da organização foram mortos. O interessante estudo do pesquisador David Cook mostrou o que Boko Haram nos ensina, no entanto, que a organização ressurgiu no ano seguinte, mais forte do que nunca.

Ele teriam lançado "uma série de assassinatos e ataques de alto perfil, através do norte da Nigéria", antes de orquestrarem atentados suicidas a partir do Verão (2011). Segundo Cook, ataques e ameaças de Boko Haram também concentram-se "mais sobre os interesses ligados aos interesses econômicos dos Estados Unidos na região."

De acordo com suas táticas de mudança, Boko Haram tem freqüentemente recorrido a atentados suicidas contra alvos cristãos seus. Antes dos ataques de 17 de junho de 2012, a organização já tinha organizado vários ataques terroristas contra igrejas durante o período da missa. 29 abril de 2012, homens armados abriram fogo e durante a Missa da Universidade Bayero (Estado de Kano, no norte da Nigéria), fazendo, pelo menos, 16 mortos.

O grupo também reivindicou a responsabilidade por um ataque suicida a 3 de junho de 2012 no Nordeste, que matou quinze pessoas e deixou 40 feridos. No domingo seguinte (10 de junho de 2012), as igrejas das cidades de Jos e Biu foram levados pela tempestade, havia três mortos e mais de 40 feridos. Boko Haram, mais uma vez reivindicou os ataques.

Esses ataques provocaram fortes reações na comunidade cristã na Nigéria. Após os ataques de jovens cristãos e muçulmanos atacaram-se nos arredores de Jos, mas essa resposta não era nada comparado à onda de violência que se seguiu aos ataques de 17 de Junho.



Defesa cega dos cristãos

Enquanto ataques contra igrejas seguiram um fim de semana ao outro, os líderes cristãos e muçulmanos religiosos estavam tentando conter a escalada da violência. Jama'atu Nasril Islam, um grupo de guarda-chuva de organizações islâmicas na Nigéria, enviou uma carta aberta ao governo para condenar os ataques às igrejas, os qualificadores "bárbaros".

Os pedidos de calma, no entanto, são incapazes de dissipar o rugido de vingança. Em regiões com muitos ativistas Boko Haram, os cristãos sentiram que o Estado foi incapaz de garantir a sua segurança.

Rev. Emmanuel Chukwuma, presidente da Associação Cristã da Nigéria para o Sudeste, disse que se os cristãos continuarem a chamar para a paz ", o dispositivo de segurança atual na Nigéria é, obviamente, incapaz de parar os massacres. "

A mesma Associação Cristã fez outras declarações, e algumas delas envolvem ameaças mais diretas. Para jornalistas, o presidente, Ayo Oritsejafor, explicou que a Igreja tinha até então "defendida a mais estrita moderação" ao seu rebanho ", mas [ela] [poderia] garantir essa cooperação se o onda de ataques terroristas  [fossem] interrompida imediatamente. "

Congresso das Pessoas de Odua, iorubá movimento nacionalista, também alertou o governo: se não conseguir neutralizar Boko Haram, "as pessoas vão mobilizar sua própria iniciativa para garantir a sua sobrevivência", disse ele.

Na sequência de três ataques contra igrejas em Kaduna, enquanto as massas eram alvo de ataques por três fins de semana consecutivos, a resposta dos cristãos foi o mais rápido. Parte dos muçulmanos sob ataque tivesse realmente participado nos ataques, informou a Reuters, e ativistas que haviam jogado bombas em uma das igrejas em causa tinham sido "apreendidos e morto pela multidão."

Alguns atos de retaliação foram caracterizados por violência tão selvagem quanto cega: o nosso enviado mesmo nos diz que os cristãos têm desenraizadas motoristas muçulmanos de seus carros antes de matá-los.


O espectro da guerra religiosa se prolifera

A escalada da violência, muitos observadores nigerianos abertamente mencionam a perspectiva de uma guerra civil religiosa. O jornal Notícias PM nigeriano recentemente falou bem de "a possibilidade de uma guerra religiosa."

26 de junho, a Conferência dos Bispos Católicos da Nigéria disse que com a incapacidade das forças de segurança para prender e desarmar os militantes, a auto-defesa era agora "um imperativo para os cristãos" (como relatado em um artigo o jornal nigeriano The Guardian). Esta versão apenas exacerbou os temores.

A guerra religiosa poderia favorecer o jogo do Boko Haram. O Iraque de 2006 é certamente muito diferente da Nigéria hoje, mas deve-se notar que a Al Qaeda conseguiu mergulhar o Iraque em violência sectária, atacando a comunidade xiita, antes de aterrissar em defensor sunitas. Da mesma forma, Boko Haram poderia chamar a represálias contra os muçulmanos; acto causado por seus ataques contra os cristãos.

Várias evidências sugerem que os ataques à missa de domingo dividiu opiniões e que as posições de cada um, muitas vezes dependem de afiliações religiosas. "Eu disse no passado que isso não era uma guerra religiosa", disse o senador Ita Christian Salomão Enang em uma entrevista.

"Mas eu ganhei hoje pela dúvida: quando as pessoas introduziram armas em igrejas, os fiéis são alvo por estarem desarmados, matá-los e ir ... Acho que poderíamos falar sobre a jihad."

Por enquanto, o governo nigeriano está tentando conter essa nova onda de ódio alimentado pelo conflito sectário. Diante da crise, o presidente Goodluck Jonathan decidiu despedir o seu conselheiro de segurança nacional e seu ministro da Defesa, ele disse que o país precisa de desenvolver "novas táticas" para combater Boko Haram. Há, porém, muito pouco provável que esta remodelação acalma os temores dos cristãos e comunidades cristãs Afastado partidária auto-defesa.

Rumo a um intervencionismo norte-americano?

Se o governo da Nigéria não está à altura da tarefa, os EUA vão concentrar-se certamente muito mais próximo das operações de combate ao terrorismo na região.

O general Carter Ham, chefe do comando dos EUA e de forças alta para a África, sempre menciona ligações entre Boko Haram e dois outros grupos afiliados à Al Qaeda, Al Shabaab (Somália) e Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI Norte de África). Em 21 de Junho, Os Estados Unidos e pelo Departamento de Estado pela primeira vez, incluiu três altos membros do Boko Haram em sua lista de "especialmente designados terroristas internacionais", e os Estados Unidos planejam recrutar todo o movimento.

Até agora, a estratégia dos EUA para lutar contra Boko Haram veio primeiro, através do reforço de parceiros locais (formação de tropas contra insurgência, o apoio em termos de informação, recursos para o apoio das forças armadas) em vez de operações direto e "cinética". Mas se a Nigéria não conseguiu conter a guerra sectária na tomada, os EUA poderiam optar por um envolvimento mais direto.

Forças especiais dos EUA, que dirigem soldados nigerianos de hoje, por exemplo, poderiam passar para a ação direta, os EUA poderiam também tratar diretamente com os líderes de Boko Haram. Não há nenhuma evidência de que os americanos estão dispostos a empenhar-se mais na região, mas as divisões religiosas na Nigéria são tão profundas que eles não podem descartar por completo uma tal estratégia.

Nigéria certamente não durante a noite se transformam em Somália ou o Iêmen - e muito menos no Iraque ou no Afeganistão. Mas se a violência religiosa que sacudiu o país não forem contidas, podemos testemunhar a abertura de uma nova frente na guerra contra o terrorismo. Só mais uma.

Daveed Gartenstein-Ross

Traduzido por Jean-Clement Nau

fonte: slateafrique





Total de visualizações de página