Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Rebeldes driblam ação militar francesa e controlam cidade de Mali .

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Soldados franceses testam equipamentos na base aérea maliana em Bamako Foto: Joe Penney / Reuters
Soldados franceses testam equipamentos na base aérea maliana em Bamako
Foto: Joe Penney / Reuters


Uma cidade do centro de Mali caiu nesta segunda-feira nas mãos dos rebeldes salafistas que controlam o norte do país, apesar da intervenção militar francesa em apoio ao governo da nação africana. Enquanto isso, continua uma frenética atividade diplomática em busca de apoio para o início imediato de uma operação militar internacional.
A cidade de Diabali, situada na região de Segu, a 400 km da capital Bamaco, foi tomada por um grupo rebelde, que aparentemente fugiu ontem dos bombardeios da aviação francesa contra a cidade de Lere, mais ao norte e fronteiriça com a Mauritânia. Fontes informaram que entre os dirigentes que entraram em Diabali se encontram os líderes do grupo radical islâmico Ansar al Din, Sanda Ould Bumana, e do Monoteísmo e Jihad na África Ocidental (MYAO), Omar Ould Hamaha.
Kalifa Traoré, morador de Diabali, disse que a cidade está vivendo momentos de pânico, e que ele e outros habitantes do local estão trancados em casa. Isuf Simagua, prefeito de Segu, situada a 180 km ao sul de Diabali, declarou que "tudo foi disposto para garantir a segurança".
O ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian, confirmou em Paris que os rebeldes estão "extremamente armados e organizados", e reiterou que a missão da França, que foi autorizada nesta sexta-feira pelo presidente François Hollande, durará "certo tempo".
Na sexta-feira, a França começou a "Operação Cerval", que recuperou a cidade de Kona, que tinha sido ocupada por combatentes salafistas. A operação incluiu a destruição de campos de treinamento e de depósitos próximo de Gao, uma das três principais cidades sob controle salafista desde junho de 2012.
O ministro das Relações Exteriores malinês, Tièman Coulibaly, que se encontra na França, calculou em 100 as baixas entre as fileiras rebeldes desde o começo da missão francesa. Diante da explosão dos novos enfrentamentos, o grupo rebelde Movimento de Libertação Nacional de Azawad (MNLA) ofereceu apoio para combater os "terroristas", em referência ao Ansar al Din e aos grupos MYAO e Al Qaeda na África Ocidental (AQMI). Mas, em troca disso, pediu que as tropas regulares malinesas não entrassem nas províncias centrais controladas por rebeldes até que se chegue a um compromisso político.
Como consequência da ofensiva, a situação nas localidades de Gao e Tombuctu, sob controle salafista, já se viu afetada, segundo moradores. Yehia Tandina, de Tombuctú, disse que há uma semana os líderes jihadistas não são vistos, embora os estabelecimentos comerciais do centro da cidade continuam controlados por combatentes armados.
Por sua parte, Moussa Migua, de Gao, declarou que a presença salafista e sua pressão moral sobre a população foi drasticamente reduzida nos últimos dias. "Podemos fumar, saltar livremente sem nenhuma preocupação. Os criminosos fugiram como ratos", disse Migua antes de agradecer a intervenção militar francesa.
Enquanto continuam os enfrentamentos, as escolas de Bamaco, fechadas após a ofensiva insurgente de segunda-feira passada, reabriram, e foi reforçada a segurança em torno da embaixada e do centro cultural francês. Mas o Liceu francês foi fechado até novo aviso, por temor de represálias terroristas. Paralelamente, o Executivo continua imerso em uma frenética atividade diplomática para obter apoio contra a revolta islamita de Azawad.
O ministro das Relações Exteriores viajou para Paris, onde espera a realização de uma conferência de doadores para Mali. Além disso, o presidente Dioncunda Traoré se reuniu com os responsáveis da Comunidade Econômica dos Estados de África Ocidental (Cedeao) em Bamaco, que prepara o imediato envio de uma força de 3.300 militares. Já o primeiro-ministro, Diango Sissoko, foi para Argélia, principal defensora da via diplomática, para uma visita de dois dias que acaba hoje, sobre a qual apenas se sabe que o dirigente se reuniu com o presidente da nação africana, Abdelaziz Bouteflika, e vários ministros.
Mali

fonte: terra.com.br



Mali: islamitas abandonam cidades em "retirada tática"

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Soldados malinenses patrulham estrada na direção de Diabaly, no centro do país Foto: AP
Soldados malinenses patrulham estrada na direção de Diabaly, no centro do país
Foto: AP

Grupos islamitas atingidos por ataques aéreos franceses abandonaram a maioria das cidades que controlavam no norte do Mali, informaram testemunhas locais, em uma iniciativa que o porta-voz dos grupos rebeldes definiu como uma "retirada tática". Depois que aviões Rafale franceses bombardearam duramente posições rebeldes no domingo, os jihadistas tinham literalmente desaparecido de Gao, uma das principais cidades do norte de Mali e que havia caído sob controle rebelde em abril do ano passado.
"Agora estamos livres. Não vi nenhum combatente nesta terça-feira. Abandonaram a cidade e seus líderes estão escondidos", disse um residente de Gao contatado por telefone de Bamako, e que falou sob anonimato. Pouco antes, outras testemunhas e fontes de segurança informaram que pelo menos 60 combatentes islamitas morreram nos bombardeios.
Na cidade de Timbuktu, onde foram registrados os piores abusos por parte dos grupos radicais islamitas, os combatentes tinham fugido inclusive antes de qualquer ataque. "Os mujahedines se foram, estavam com muito medo", disse um morador da cidade, um tesouro da Humanidade onde os rebeldes destruíram monumentos centenários que consideravam "idólatras".
A força aérea francesa lançou sua ofensiva na sexta-feira, um dia depois de grupos islamitas terem tomado a cidade de Konna para preparar um novo avança para o sul, em direção a Bamako. Depois dos ataques franceses a Konna, na sexta-feira, os rebeldes se retiraram de Douentza, a cerca de 800 quilômetros de Bamako. No entanto, depois que os aviões franceses atacaram Douentza, os rebeldes também desapareceram de lá.
"Estão com medo dos aviões. A última picape carregada de combatentes saiu daqui por volta das 16h00" (14h00 de Brasília), disse uma testemunha.
O porta-voz do grupo rebelde Ansar Dine, Senda Ould Boumama, disse que foi apenas uma "retirada tática", em declarações divulgadas pelo site Alakhbar na Mauritânia. Os rebeldes também efetuaram uma ofensiva e tomaram a cidade de Diabaly, 400 quilômetros ao Norte de Bamako, depois de combates com o Exército regular malinense.

fonte: terra.com.br

Dirigentes africanos: Devem passar através da cadeia para se tornarem presidentes?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Antes de acessar o poder supremo, alguns líderes africanos passaram pela prisão. Um período delicado que contribuiu para os seus prestígios.

Uma estátua de Nelson Mandela, às portas Centro Correcional. de Drakenstein, em 10 de fevereiro de 2010. REUTERS / Finbarr O'Reilly


Em África, existem presidente e presidente da República, e tantas maneiras de acessar o poder supremo.

De todos eles é com iniciação da cadeia, que às vezes são lhes atribuído o título de "presidente de verdade" ou "presidente normal."

Como diz o ditado da Costa do Marfim, "as cabras vagueiam juntos, mas eles não têm o mesmo preço." Se você é um político, então você tem que escolher diferentes iniciativas.

1 - Exemplo do lendário Nelson Mandela

O ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela, começou sua militância política sob o apartheid como um dos seis representantes dos estudantes de Fort Hare no Congresso Nacional Africano (ANC).

Expulso da universidade por seu ativismo, ele foi trabalhar em um escritório de advocacia com o seu padrinho Walter Sisulu, em seguida, completou seus estudos por correspondência.

Em 1944, ele juntou-se oficialmente as fileiras do ANC. O advogado é o primeiro da resistência pacífica e defende ativistas anti-apartheid, como seu amigo Oliver Tambo. Mas, acusado de traição, ele foi preso em 05 de dezembro de 1956 com 50 outros. O julgamento, que começou em 1957 terminou em 1961. Mandela é absolvido com os outros, devido a uma grande mobilização internacional e vícios processuais.

No mesmo ano, ele se convenceu da ineficácia da não-violência e fundou a ala armada do CNA, Umkhonto we Sizwe, que ele dirige. Sua missão: sabotar e promover ataques.

Indicado pela Agência Central de Inteligência (CIA), Nelson Mandela foi preso novamente em 12 de julho de 1963. Com ele, vários outros, incluindo Walter Sisulu, Govan Mbeki (pai do ex-presidente Thabo Mbeki), Goldberg Denis, Kathrada Ahmed.

Segue-se então que o famoso julgamento Rivonia em outubro de 1963, em Pretória (capital da África do Sul). A taxa de 221 atos de sabotagem. Em 12 de junho de 1964, Nelson Mandela, Walter Sisulu, Govan Mbeki, Elias Motsoaledi, Andrew Mlangeni, Arthur Goldreich e Denis Goldberg foram condenados à prisão perpétua. Ele é transferido para a Prisão Central de Pretória, enquanto outros retornam para a ilha Robben Island.

Prisioneiro na ilha decorridos 27 anos, Nelson Mandela então sai para o acesso ao mais alto cargo em seu país, com a organização da eleição presidencial de 1994, ele ganhou a eleição e tornar-se o primeiro presidente negro na história do África do Sul.


2 - Robert Mugabe velho rebelde e líder militar

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe começou sua carreira política como líder de guerra da rebelião contra o regime da Rodésia do Sul. Formado pela Universidade da África do Sul e da Universidade de Londres, ele ensinou em Lusaka e Accra (capital do Gana) e forjou a luta revolucionária pela independência.

Detentor de sete qualificações académicas reconhecidas, Robert Mugabe acrescenta de bom grado o oitavo "grau de violência".

Nacionalista Robert Mugabe foi preso em 1964, juntamente com vários outros líderes. Ele passa 10 anos na prisão de Gonakudzingwa nas fronteiras de Moçambique e da Rodésia do Sul, e foi impossibilitado até mesmo deixar de enterrar um filho que morreudurante seu encarceramento.

Libertado em 1974, ele leva pouco tempo depois de Moçambique para lançar o Partido Africano do Zimbabwe e Exército de Libertação Nacional (ZANLA), que é o braço armado do Partido Africano do Zimbabwe e União Nacional (ZANU) contra o governo do primeiro-ministro Ian Smith. E isso, após os acordos firmados em 03 março de 1978 e com sinal de sua volta na política nacional.

Em 1980, Robert Mugabe se tornou primeiro-ministro do novo Estado independente do Zimbábue, que abrirá o caminho para a presidência da República em 1990. Hoje, ele ainda está no poder, que muitas vezes é considerado pelos seus adversários como um "dinossauros de políticos  africanos".

3 - Mahamadou Issoufou, presidiário em Niamey 

Mahamadou Issoufou, o atual presidente do Níger não escapou a cadeia por causa de seu ativismo político. Após o golpe de 27 de janeiro de 1996, o coronel Ibrahim Baré Maïnassara acreditava que podia ganhar a presidência, e ele organiza em 07 de julho do mesmo ano. Mas dadas as tendências claramente em desvantagem, ele foi forçado a fazer um eleitoral hold-up que lhe dá a vitória.

Isso levou Mahamadou Issoufou a criar a Frente para a Restauração e Defesa da Democracia (FRDD) com outras formações políticas. Por isso, ele foi preso mas, libertado mais tarde, mas colocado sob prisão domiciliar.

O golpe do Coronel Daouda Malaml Wanke custou a vida do presidente Ibrahim Baré Maïnassara em 1999, estabelece-se um processo de transição. O que promoveu à eleição presidencial de 1999, que deu a vitória ao Movimento Nacional de Mamadou Tandja para uma Sociedade em Desenvolvimento (MNSD-Nassara).

Mas depois de dois mandatos consecutivos, ele revisou a Constituição para permanecer no poder. Os atores de classe sociopolíticas réplicaram,  como Mahamadou Issoufou que não esperou. E tomou medidas para a privação de liberdade.

Mahamadou Issoufou, o adversário na época, foi preso e colocado no tribunal de alta segurança em Niamey, bem como alguns dignitários da oposição.

Motivo: peculato, que na realidade, basicamente, não foi provado. Tiveram que esperar até que o presidente Mamadou Tandja fosse derrubado em 18 de fevereiro de 2010 pelo golpe dos coronéis para acontecer uma nova transição política.

Mahamadou Issoufou foi finalmente eleito em abril de 2011 para a Presidência da República, em uma eleição disputada com o ex-Primeiro Ministro do Presidente Tandja, Seyni Oumarou.


4 - Laurent Gbagbo, o oponente de Houphouët

Laurent Gbagbo, o ex-presidente da Costa do Marfim (no poder de 2000-2011), teve sua iniciação em boa e devida forma. Antes de entrar para a política, por si só, foi líder sindical primeiro.

Com sua futura esposa Simone Gbagbo, ativista comprometido, eles formam uma equipe perfeita sacudindo o regime do presidente Félix Houphouët-Boigny (presidente 1960-1993).

Laurent Gbagbo conhece a arte da subversão. Um jogo que faz pouco como o "velho", foi então, preso, em Séguéla e Bouaké, a partir de março de 1971 a janeiro de 1973. Mas tudo isso não é para dissuadir Laurent Gbagbo.

Após a sua libertação, ele fundou a Frente Popular Marfinense (FPI). Membro da União Nacional de Pesquisa e Ensino Superior (SYNARES), foi um dos líderes da greve no setor da educação em 1982, antes de ir para o exílio na França em 1985. Com o apoio de jovens oficiais revolucionários do Burkina Faso, referindo-se a Thomas Sankara e Compaoré Blaise.

Presidente Félix Houphouët-Boigny, que o prefere como monitor em Abidjan para o deixar sem controle no exterior, o perdoa por suas atividades subversivas.

Afirmando que "a árvore não fica com raiva contra o pássaro" e que mexendo com seu "oponente seria muito menos complicado em Abidjan do que em Paris." A abertura do país ao multipartidarismo permite que o líder FPI possa mobilizar e galvanizar as suas tropas. A morte do "velho" e através de longa briga de sucessão que se seguiu, permitiu que Gbagbo assuma o poder na eleição presidencial de 2000.

5 - Wade, um ex-prisioneiro profissional

O ex-presidente do Senegal, Abdoulaye Wade (2000-2012), tem uma longa carreira atrás de si. Ele fez sua primeira viagem para a prisão em agosto de 1985.

Ele foi preso quando participou de uma marcha para a libertação de Nelson Mandela. Desde então, o chefe da oposição senegalesa fez várias estadias na prisão. Essas passagens pela Cadeia marcou sua longa carreira.

Sua grande obra política começou em 1973, é considerado um homem de compromisso, navegando entre a oposição e flerta com o poder do ex-presidente Abdou Diouf (chefe de estado a partir de 1980 a 2000).

O fundador do Partido Democrático Senegalês (PDS) há muito aspirava à presidência, incluindo a participação nas eleições presidenciais 1978,1983, 1988 e 1993. Mas sem sucesso nunca venceu. No entanto, nunca desanime.

Em momentos de dúvida, ele pensou na carreira hierática de François Mitterrand. Wade sabia, como o ex-presidente francês, que lhe disse "deixe o tempo seguir seu curso", prende o seu tempo em dar e receber  antes de vir a conquistar o poder.

Pouco depois de 1993 o legislativo ordenou que Abdoulaye Wade, e três outros membros do seu partido fossem presos sob suspeita de ter assassinado o vice-presidente do Conselho Constitucional, Babacar Seye. Faltaram provas, e eles foram soltos três dias depois.

Este é o slogan da Sopi (mudança em wolof, a língua mais falada no Senegal), com o líder do PDS para presidente em 2000. Facilmente venceu o primeiro turno contra Abdou Diouf, o presidente cessante, ele participa da segunda rodada com apoio da voz do repórter Niasse Moustapha através do qual se acede à presidência. Este é o culminar de perseverança e tenacidade.

Dois anos após sua eleição, Abdoulaye Wade, em seguida, concedeu um indulto presidencial para os três assassinos de Babacar Seye, não sem dar livre curso à imaginação de seu suposto envolvimento no Senegal neste caso.

Chegou ao poder, ele não hesitará em usar os métodos dos velhos mestres que ele tinha aplicado no Senegal: Em julho de 2005, Wade foi jogado na prisão, por Idrissa Seck, a quem considerava seu filho espiritual.

Esta estadia na sombra por sete meses com ajuda do seu ex-primeiro-ministro que deu-lhe grande popularidade. Em sua libertação da prisão, como prefeito de Thies ganhou popularidade. Ele ficou em segundo lugar na eleição presidencial de 2007, um feito que não foi renovado. Durante a eleição presidencial de 2012, Idrissa Seck conseguiu apenas 5% dos votos.


6 - Alpha Condé, o bode expiatório se tornou presidente

O atual presidente da Guiné-Conakry, Alpha Condé, é um ativista político desde os anos de ditadura feroz de Sekou Touré, que levou à independência da Guiné, dizendo "não", ao general Charles de Gaulle.

Em 1977, ele fundou o Movimento Nacional Democrático (MND). A primeira parte da luta é ilegal. Com mutação tornou-se eventualmente no Rassemblement du Peuple Guiné (RPG), em favor de uma abertura política multipartidária, em 1991.

Esta abertura política não foi fácil para o professor Alpha Condé. O coronel Lansana Conté, que sucede com a morte de Sékou Touré não tem a intenção de abandonar o poder.

Na presidencial 1993, onde os candidatos Alpha Conde e Lansana Conté cancelaram os resultados em áreas onde tiveram a maioria dos votos. Em seguida, ele foi proclamado o vencedor.

Acontece a mesma coisa na próxima eleição, a de 1998, quando Alpha Conde foi preso e jogado na cadeia ao tentar sair do país. Outros membros da oposição também foram presos por tentativa de rebelião alegada.

A prisão de Conde decorreu por um período de 20 meses. Por "ofensas contra a autoridade do Estado e a integridade do território nacional". Esta frase levanta séries protestos internacionais. Isso faz dele um ícone da oposição guineense.

O artista costa-marfinense Tiken Jah Fakoly então cantou "Free Conde". Graças aos esforços da comunidade internacional, Alpha Condé foi libertado em 18 de Maio de 2001, após um perdão presidencial.

Com a morte do Presidente Lansana Conté, o exército liderado pelo capitão Moussa Dadis Camara tomou o poder em dezembro de 2008. Houve pressão da oposição e organizações da sociedade civil para uma transição democrática que levou a uma reação violenta da junta.

O massacre de 28 de setembro no estádio Conakry perpetrado pelo exército na coroação. Seguindo ele, a tentativa frustrada de assassinato do Presidente Moussa Dadis Camara abre uma nova transição conducente à eleição presidencial de 2010. Alpha Condé foi finalmente eleito no segundo turno contra Diallo, porém, não sem protesto.

Karim Wade pronto para seguir!

Na África, passando pela casa de prisão isso não impede fazer uma grande carreira, muito pelo contrário. Muitos políticos também estão convencidos de que esta é uma obrigação, mais uma.

O político mais influente da Nigéria, Olusegun Obasanjo (presidente de 1999 a 2007, ele governou a Nigéria de 1976 a 1979), também fez várias estadias de longa duração na prisão, especialmente sob o reinado de Sani Abacha (1994 a 1998).

Perseguido pela justiça senegalesa da investigação de ganhos ilícitos, Karim Wade, filho do Presidente Wade, que nunca escondeu a sua ambição de um dia suceder seu pai, teria dito, segundo a imprensa senegalesa, que para seu fim teria uma passagem pela prisão local que pode servir a seus interesses durante longo período político.

 "Eu sei o que é ir para a cadeia, mas se isso pode me permite controlar o PDS [Partido Democrático do Senegal, fundada por formação Abdoulaye Wade] e Macky Sall confrontariam diretamente em 2017, seria uma coisa boa. A prisão vai abrir minhas portas do palácio presidencial ", foi o que ele disse a seus íntimos.

E depois de tudo, por que não, consideram os senegaleses que conhecem o poder da prisão no imaginário coletivo.

"Para nós, para ir para o poder supremo, ele deve sofrer, ir para a cadeia para provar que se está disposto a correr riscos", disse Assane, estudante em Dakar.

Mas ele acrescenta imediatamente com um meio sorriso: "Mas, para eleger Karim Wade, é um passo para não ser cruzado. Mesmo que ele passe tanto tempo quanto Mandela na célula, eu ainda não gostaria de votar nele. "

Por: Pierre Cherruau et Marcus Boni Teiga

fonte: slateafrique






Total de visualizações de página