Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 29 de março de 2013

CASA BRANCA - 15 minutos de frente-a-frente entre os Presidentes senegalês e americano: Macky Sall enche de queixas a Barack Obama.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O Presidente Macky Sall foi recebido ontem na Casa Branca pelo presidente Barack Obama. Macky Sall falou com o seu homólogo muitos assuntos, com foco na parceria entre os Estados Unidos e África. O chefe de Estado senegalês não foi o único recebido ontem por Barack Obama. Havia também os presidentes do Malawi, Serra Leoa e o Primeiro-Ministro de Cabo Verde. Cada um deles tem um frente-a-frente com Obama por 15 minutos.
Enviado especial a Washington - A espera da visita do presidente à Casa Branca finalmente ocorreu. Macky Sall foi recebido ontem por seu colega americano. O Chefe de Estado questionou Barack Obama a uma série de temas. Assim, ele disse que a África espera muito de seu segundo mandato, ele está apenas começando. Macky Sall disse que o continente espera um monte de investimento em infra-estrutura. O presidente senegalês fez senegalês fez interpelação a respeito do presidente do NEPAD. Sendo assim, ele deixou claro ao seu homólogo que o tempo da mão estendida é longa e que a África é o continente do futuro e apresenta oportunidades de negócios significativas para os Estados Unidos. O Presidente Sall fez notar ao  Presidente Obama que a iniciativa do  AGOA ( Crescimento Africano e Ações Oportunas ), lançado pelo seu antecessor, George W. Bush, é muito interessante para o continente, mas dada a fraca posição do tecido industrial do continente, é difícil se competir com os produtos americanos no mercado. Além disso, disse ele, a indústria em África tem grandes problemas estruturais, especialmente no campo da eletricidade. A este respeito, o presidente Macky Sall defendeu a importação de gás da Louisiana, como Senegal seria firmemente comprometido com uma política de produção de eletricidade a partir do gás e do carvão.
O presidente Obama tem-se mantido no grupo quatro chefes de Estado e de Governo de África, incluindo os Presidentes do Senegal, Malawi, Serra Leoa e o Primeiro-Ministro de Cabo Verde. Ele tem fornecido apoio para as eleições realizadas nos países desses governantes de forma transparente e pacífica. Além disso, incentiva os governantes a políticas de boa governança realizados em seu países. Dito isto, Barack Obama disse aos convidados que estão no bom caminho para entrar em seus países em transformação positiva. O presidente Obama também assegurou sua disponibilidade a Exércitos dos Estados Unidos para acompanhar e apoiar a consolidação da democracia e da política de boa governação. Ele sentiu que a experiência democrática dos quatro países africanos fornecem bases para o incentivo.

Advocacia para melhorar a parceria com Bretton Woods

Note-se que Barack Obama manteve conversações bilaterais com cada visitante e, nesta ocasião, Macky Sall enfatizou seu compromisso de elevar os padrões mais altos de democracia no Senegal, no âmbito da política de transparência e de garantir o Estado de direito. Além disso, o Chefe de Estado saudou a cooperação que trouxe dos Estados Unidos para o Senegal através do rastreamento de ativos roubados. Ele reiterou o compromisso do Senegal para a responsabilidade pública e de responsabilidade por atos da administração pública. Macky Sall pediu que os Estados Unidos ajudem a África a melhorar a sua parceria com as instituições de Bretton Woods. Durante essa frente-a-frente com quatro chefes de Estado e de Governo, o presidente Obama também mencionou as questões de segurança, incluindo a luta contra o terrorismo, lavagem de dinheiro e as pragas de tráfico internacional de drogas e outras formas de crime.
Como outra denúncia, o Presidente Macky Sall pediu aos Estados Unidos para apoiar o monitoramento das águas do Senegal, para lutar contra a pirataria no domínio das pescas. De fato, os Estados Unidos e seus parceiros desejam área mais segura do Oceano Atlântico, particularmente em torno do Golfo da Guiné, para evitar uma situação semelhante no Corno de África se estabeleçam nestas costas.
Notou-se também uma forte mobilização de ativistas em torno da Casa Branca. Esta grande mobilização tem ainda uma contra-manifestação de uma dúzia de ativistas do PDS que usavam braçadeiras vermelhas. Está última exigiu a cessação do processo contra Karim Wade.

Por: mdiagne@lequotidien.sn

fonte: lequotidien.sn

Total de visualizações de página