Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

terça-feira, 14 de setembro de 2021

GUINÉ-CONACRI: Junta busca consenso para formar Governo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A Junta Militar na Guiné, anunciou, domingo à noite, que a partir de amanhã, vai dar início a uma série de encontros para a formação de um Governo de Unidade Nacional, informou , ontem, a agência France Press (AFP).

Os encontros, segundo o comunicado da Junta lido na Televisão Pública do país,  visam a "concertação para traçar as linhas mestras da transição política e a formação do Governo”. Participarão nos eventos,  orientados  por responsáveis  militares líderes dos partidos políticos e religiosos,  representantes da sociedade civil e das representações diplomáticas.

Nas  reuniões, diz a nota, que decorrerão até sexta-feira,  vão  participar ainda os proprietários das companhias que exploram  minerais na Guiné, responsáveis dos bancos e sindicalistas.
A publicação "Jeune Afrique”, diz que, desde a consumação do Golpe de Estado  o preço do alumínio  aumentou  para uma cifra  nunca atingida . A Guiné é um dos principais produtores mundiais do bauxite, principal mineiro para a produção de alumínio.

A Junta Militar assegurou os investidores que actuam no país, particularmente as companhias mineiras de que vai cumprir os compromissos comerciais respeitando todos os pressupostos legais.
Os militares que destituíram o Presidente Alpha Condé, liderados pelo coronel Mamady Doumbouya, anunciaram estes  encontros numa altura em que a CEDEAO  preparar-se para se pronunciar sobre eventuais  incremento de sanções devido ao golpe.

Entretanto, a Junta  proibiu, sábado, qualquer tipo de manifestação de apoio ao golpe, e colocou à disposição um número verde para denunciar qualquer abuso das Forças de Segurança, que nos últimos dias são constantemente denunciados pelos defensores dos direitos humanos.

No domingo, os líderes golpistas manifestaram-se contra as sanções internacionais, especialmente as que foram impostas pela SADC, alegando que "fecham as portas ao diálogo e dão mais força aos que, no interior do país, se opõem à formação de um Governo.”
Para os golpistas, "as sanções aumentam as dificuldades económicas e colocar em perigoso os esforços em curso para a formação de um novo governo”.


  Líder da oposição regressa ao país

Por seu lado,  o líder da oposição, que se encontrava refugiado há várias semanas em Paris, regressou ontem à tarde a Conacri. Sidya Touré, presidente da União das Forças Republicanas fugiu para a capital francesa depois de vários membros do seu partido terem sido detidos na sequência dos protestos contra a reeleição de Alpha Condé.
"Estou muito feliz por poder regressar ao meu país”, disse ao chegar a Conacry a um repórter da AFP, recusando adiantar mais pormenores sobre o seu futuro imediato.

fonte: jornaldeangola


Talibãs capturam dinheiro e ouro do ex-Vice-Presidente.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Os talibãs anunciaram, ontem, que capturaram cerca de 5,5 milhões de euros e várias barras de ouro na residência do ex-Vice-Presidente afegão Amrullah Saleh, na província de Panjshir, Norte do Afeganistão, capturada pelos islamitas há quase uma semana.

As tropas dos talibãs "encontraram domingo grande quantidade de dinheiro e barras de ouro quando vasculharam a residência de Amrullah Saleh, na província de Panjshir”, disse Mashal Afghan, membro da Comissão de Cultura dos talibãs, à agência de notícias EFE.
O dinheiro e o ouro foram entregues ao comandante dos talibãs Mansour Agha, que lidera as tropas na área de Panjshir, onde Saleh tem a sua casa, disse Mashal Afghan.
Num curto vídeo divulgado pelos talibãs, os combatentes podem ser vistos numa sala a contar dinheiro de várias malas cheias de notas e moedas de ouro.
A corrupção de funcionários e o uso indevido de bens do Estado foi uma das principais críticas feitas ao Governo deposto do Afeganistão pela comunidade internacional e pelos afegãos.
Saleh foi Vice-Presidente de Ghani no último ano e meio e, antes disso, chefiou a principal agência de informação afegã, a Direcção de Segurança Nacional (NDS).
Saleh rapidamente se juntou à Frente de Resistência Nacional contra os talibãs sob a liderança de Ahmad Massoud, filho do lendário comandante afegão Ahmad Shah Massoud.
Com a queda de Panjshir, a maioria das forças de resistência retirou-se para as montanhas e, desde então, não há informações precisas sobre o paradeiro de Saleh e Massoud, que podem continuar na região ou ter fugido para o vizinho Tajiquistão.

fonte: jornaldeangola

Detido líder de grupo associado à Al-Qaeda.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O esquadrão de elite da luta anti-terrorista na Indonésia deteve um presumível líder de um grupo associado à Al-Qaeda, já condenado na Justiça, depois de considerado culpado de uma série de atentados no país, informou, ontem, a Polícia local.

Segundo Ahmad Ramadhan, porta-voz da Polícia indonésia, Abu Rusdan foi detido, sexta-feira, em Bekasi, perto da capital, Jacarta, juntamente com três outros alegados membros do grupo Jemaah Islamiyah.

"[Rusdan] é actualmente conhecido por ser activo entre a liderança da rede ilegal  Jemaah Islamiyah, disse Ramadhan à agência de noticiosa Associated Press (AP).

As autoridades indonésias consideram Rusdan uma figura-chave no 'Jemaah Is-lamiyah', que os Estados Unidos designaram como grupo terrorista.

A rede opera no Sudeste asiático e é amplamente responsabilizada por ataques nas Filipinas e na Indonésia,  incluindo os atentados à bomba de 2002 na ilha turística de Bali, na Indonésia, que mataram 202 pessoas, a maioria dos quais turistas.
Ramadhan descreveu as detenções como parte de uma investigação nacional mais ampla.

A Polícia  procura outros  suspeitos, seguindo informações de que o grupo estava a recrutar e a treinar novos operacionais na Indonésia.

Nascido em Java Central, Rusdan, de 61 anos, foi condenado à prisão em 2003 por abrigar Ali Ghufron, um militante que foi, mais tarde, condenado e executado pelos atentados à bomba em Bali.

fonte: jornaldeangola

Assassinato no mercado de Pétersen: um guineense morto a facadas por traficantes de drogas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Um crime vil indigno de mais de um no mercado de Pétersen, onde um cidadão guineense de nome A. Diallo foi covardemente assassinado na segunda-feira por traficantes, de acordo com informações exclusivas do Seneweb.

Na verdade, a única falha deste jovem de 25 anos é ter proibido seus algozes de vender drogas em seu salão de cabeleireiro.

Então seguiu-se uma luta durante a qual, este cabeleireiro recebeu 03 feridas de faca. Mas o guineense foi atingido no peito. Então, ele morrerá devido às consequências de seus ferimentos graves.

Segundo confidências feitas a Seneweb, os autores deste assassinato estão em fuga. Mas depois de sua observação, os policiais da delegacia de Rebeuss seguiram os passos dos traficantes envolvidos neste caso que está deixando o mercado de Pétersen em estado de choque.

O corpo sem vida foi depositado no hospital Le Dantec pelos bombeiros para fins de autópsia.

fonte: seneweb.com

SENEGAL: Não à Met Gala 2021 para Nicki Minaj que não quer a vacina anti-Covid-19.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



"Se eu for vacinada, será quando eu tiver pesquisado o suficiente sobre o assunto. Estou trabalhando nisso."

PESSOAS - O Metropolitan Museum de Nova York homenageou a diversidade e a inventividade dos criadores nos Estados Unidos em uma antevisão da tradicional retrospectiva do "Costume Institute" com sua gala anual nesta segunda-feira, 13 de setembro.

Devido à pandemia do coronavírus, o museu teve de desistir na última primavera, pelo segundo ano consecutivo, de sua mostra de moda que sempre anda de mãos dadas com o Met Gala, encontro social por excelência de Nova York. Sob a liderança da moda sacerdotisa Anna Wintour.

Organizado justamente para financiar o "Costume Institute", o Met Gala é também uma oportunidade para as grandes marcas de moda vestiram as estrelas que correm para o tapete vermelho. E este ano, antes mesmo do desfile de celebridades começar, uma delas foi comentada pela ausência.

Nicki Minaj, poucos minutos antes do início desta grande cerimônia, anunciou no Twitter que não queria participar da edição de 2021 por causa do pedido do museu para que os convidados fossem vacinados contra o Covid-19. Um requisito modelado nas instruções da cidade para todas as atividades internas.

“Eles querem que você seja vacinado para ir ao Met. Se eu tomar a vacina, não será para o Met”, explica a artista em sua postagem, que foi rapidamente compartilhada e gerou uma série de reações irritadas.

“Se eu fizer, será quando tiver pesquisado o suficiente sobre o assunto. Estou trabalhando nisso. Enquanto isso, meus amores, protejam-se com uma máscara que cubra bem o rosto”, continua Nicki Minaj.

A cantora não foi tirada do ar pela crítica que choveu e respondeu a vários internautas que não entenderam sua reação. “Meu primo não foi vacinado porque um amigo dele o fez e ficou desamparado”, diz ela, enquanto um surfista lhe pergunta onde estão as provas.

Alegando que “muitos países não deixam as pessoas trabalharem se não forem vacinadas”, Nicki Minaj acabou explicando que “com certeza estaria vacinada” para poder sair em turnê. Antes de lançar uma pesquisa sobre qual vacina seus fãs o recomendaram.

Como um lembrete, muito poucos países impõem a vacinação a toda a sua população adulta. Este é o caso de dois estados autoritários da Ásia Central, Tadjiquistão e Turcomenistão, um dos poucos países que não relatou nenhum caso oficial de Covid. Outros, como a França ou os Estados Unidos, atualmente impõem a vacinação a certas profissões muito específicas.

Os Estados Unidos são o país com mais mortes (658.992), à frente do Brasil (586.558), Índia (442.009), México (266.150) e Peru (198.621), segundo dados oficiais.

fonte: seneweb.com

SENEGAL: Caso Conde / Deputados - Todos os passaportes diplomáticos são expedidos pelo Ministério das Relações Exteriores

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Liberation revela uma bomba no caso de tráfico de passaportes diplomáticos envolvendo deputados da coalizão BBY.

Cópias dos passaportes diplomáticos foram enviadas ao Ministério das Relações Exteriores para autenticação.

Os resultados mostram que todos os documentos e documentos de viagem foram emitidos por este departamento ministerial.

No entanto, os fundos dos processos de pedido de passaporte não estão lá porque a Assembleia Nacional envia aos Negócios Estrangeiros uma lista de pessoas com ordens de estabelecimento.

Com isso, informa o jornal em sua entrega nesta terça-feira, os fundos do arquivo estariam na Assembleia.

fonte: seneweb.com

ANGOLA: Agostinho Neto ao Poder, já!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto, foi um construtor de pontes, que lutou pela união dos movimentos de libertação nacionais para fazer frente ao colonialismo português, considera o historiador Auxílio Muhongo, citado obviamente por um dos órgãos oficiais do MPLA, no caso o Jornal de Angola (JA).

Por Orlando Castro

Segundo o também professor universitário, Agostinho Neto criou condições para o diálogo com os demais líderes de movimentos políticos angolanos da altura, como Holden Roberto, da FNLA, e Jonas Savimbi, da UNITA, mostrando que o inimigo comum era o colonialismo português.

Agostinho Neto também mostrou que, sempre que necessário para o MPLA garantir a manutenção do Poder, não se deve perder tempo com julgamentos e que o melhor é cortar o mal pela raiz, como aconteceu sob as suas ordens no assassinato de milhares e milhares de angolanos nos massacres de 27 de Maio de 1977.

Auxílio Muhongo diz que o Presidente Agostinho Neto foi uma figura que sempre defendeu que as relações entre os povos deveriam ser contínuas e que nunca deveriam ser atacadas, mas sim o regime colonial.

Falando numa palestra sobre a “Vida e obra do fundador da Nação angolana”, na Mediateca de Benguela, no quadro da semana do único Herói Nacional que o MPLA permite que exista, o historiador considerou difícil caracterizar a figura de Agostinho Neto, tendo em conta as suas dimensões política, poética, cultural e pan-africanista. Bem poderia acrescentar outras dimensões, desde racismo a genocídio, passando por criminoso.

Num historial que versou sobre a multidimensionalidade do Herói Nacional, apontou igualmente a sua relação com os chamados “pais do pan-africanismo”, entre os quais Julius Nyerere, Kwame Nkrumah, Leopold Senghor, como parte de uma trajectória que enriquece a sua grandeza política. Grandeza aumentada com o sangue das milhares de vítimas inocentes que mandou fuzilar em 27 de Maio de 1977 e que hoje o colocam com o maior assassino da história de Angola.

“Uma vez que era um homem que defendia que apesar da Independência de Angola, nunca poderemos nos sentir verdadeiramente livres se ainda houver povos africanos oprimidos” – daí a tese segundo a qual na Namíbia, na África do Sul e no Zimbabwe, está a continuação da nossa luta.

Na verdade, é já possível afirmar com toda a certeza e segurança, que Agostinho Neto soube liderar com bastante perspicácia a luta pela libertação de Angola em particular e de África em geral, sendo decisivo para acabar com a escravatura no mundo e para a descoberta da democracia…

O mundo tem de reconhecer o papel único de Agostinho Neto, tanto em Angola como em África e até nos restantes continentes. Esperemos que, em breve, a Academia Sueca não se esqueça de lhe atribuir um Prémio Nobel. Qual? Tanto faz. Pode ser o de assassino, criminoso, genocida etc..

Acresce que se o excluírem, ou esquecerem, a revolta vai instalar-se no regime e as repercussões mundiais serão graves. Todos sabemos que quando os discípulos de Agostinho Neto espirram, o mundo apanha uma grave pneumonia.

Todo o mundo já sabe, ou devia já saber, que Agostinho Neto foi a figura africana (ou até mesmo mundial) do ano de todos os últimos 46 anos.

Todos sabemos que um Prémio Nobel para Agostinho Neto seria o mais elementar reconhecimento de que ele foi e será sempre o líder de um ambicioso programa de Reconstrução Nacional, que a sua acção conduziu à destruição do regime de “apartheid”, que teve um papel de primeiro plano na SADC e na CDEAO e que a sua influência na região do Golfo da Guiné permitiu equilíbrios políticos.

Como escreveu o órgão oficial do regime, “Angola já foi um país ocupado por forças estrangeiras, se por hipótese hoje Angola fosse a Líbia, o país estava novamente a atravessar um período de grande instabilidade e perturbação. Mas como o tempo não recua, Luanda é uma cidade livre”. E tudo graças a quem? A quem? A… Agostinho Neto, obviamente.

O mundo não pode esquecer que:

O Presidente Agostinho Neto não governou. Ele foi o líder de um povo que teve de enfrentar de armas na mão a invasão de exércitos estrangeiros e os seus aliados internos;

Ele foi o líder militar que derrubou o regime de “apartheid”, o mesmo que tinha Nelson Mandela aprisionado e só aceitou depor as armas quando a Namíbia e a África do Sul foram livres e os seus líderes puderam construir regimes livres e democráticos;

Foi graças a Agostinho Neto que Portugal adoptou a democracia, que a escravatura foi abolida, que D. Afonso Henriques escorraçou os mouros, que Barack Obama foi eleito e que os rios passaram a correr para o mar.

Na realidade, o divino carisma de Agostinho Neto tornou-o o mais popular político mundial, pelo menos desde que Diogo Cão por cá andou. Tão popular que bate aos pontos Nelson Mandela e Martin Luther King.

E, é claro, Agostinho Neto nada tem a ver com o facto de Angola ser – entre muitas outras realidades – um dos países mais corruptos do mundo, de ser um dos países com piores práticas democráticas, por ser um país com enormes assimetrias sociais, por ser o país com um dos maiores índices de mortalidade infantil do mundo.

Escrever sobre Agostinho Neto, abordando tanto a sua divina e nunca vista (nem mesmo pelo Vaticano) qualidade de Presidente da República como a de simples, honrado, incólume, impoluto, honorável e igualmente divino cidadão, tem tanto de fácil como de complexo.

Fácil, porque se trata de uma figura que lidera o top das mais emblemáticas virtudes da humanidade, consensualmente aceite como possuidor de uma personalidade até hoje acima de qualquer outra, forte, férreo e de novo divino carisma que o tornou o mais popular político mundial.

Não admira, pois, que seja considerado com toda a justiça não só o grande pai da nação do MPLA, de África, do Mundo e de tudo o mais que se vier a descobrir nos próximos séculos.

A complexidade de se escrever sobre ele resulta, afinal de contas, da soma dos factores que o tornam unanimemente como a mais carismática, impoluta, honorável divina etc. etc. etc. figura da história da humanidade.

Quem com ele conviveu reconhece-lhe o mérito de, ao longo dos anos, se ter mantido fiel a si mesmo, mostrando já desde pequeno (talvez até mesmo antes de nascer) a sua faceta de futuro cidadão carismático, impoluto, honorável, divino etc. etc. etc. figura da história da humanidade.

Dizem os muitos milhões de amigos que teve espalhados por todo o universo conhecido, que sempre foi amigo dos seus amigos, que nunca esqueceu de onde veio e muito menos de onde nasceu e com quem conviveu nos bancos da escola.

Sempre disponível para ajudar quem a si recorria nas mais variadas circunstâncias, como ainda hoje podem comprovar os mais de 20 milhões de angolanos pobres, Agostinho Neto é o rosto da generosidade, da determinação, do carisma que caracterizam um ser impoluto, honorável, divino etc. etc. etc. figura da história da humanidade.

Mas há mais. Para além da sua faceta enquanto cidadão carismático, impoluto, honorável, divino etc. etc. etc. e figura da história da humanidade, foi igualmente um homem (talvez o único) de paz e de uma só palavra, discreto a ponto de se recusar a dar ordens para que fosse escolhido como vencedor de um Prémio Nobel, preferindo passar os louros da sua excelsa, impoluta e honorável governação para os seus colaboradores.

A sua dedicação à família, caso a merecer estudo científico por ser único desde a pré-história, foi assumida sem grande alarido, mas com uma total devoção. Além disso carrega consigo o segredo de ser amado por 99,6% dos angolanos…

fonte: folha8

“Pai” de João Lourenço regressa hoje.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


José Eduardo dos Santos, ex-presidente de Angola durante 38 anos, ex-líder do MPLA (partido no Poder há 46 anos) e responsável pela escolha pessoal de João Lourenço para o substituir, regressa hoje à tarde a Luanda, depois de estar desde 2019 a viver em Barcelona (Espanha), confirmou o Executivo.

Segundo uma fonte do Governo, à chegada a Luanda José Eduardo dos Santos será recebido por oficiais do protocolo de Estado.

O ex-chefe de Estado angolano, que tem residência no bairro Miramar em Luanda, viveu nos últimos dois anos em Barcelona, fazendo apenas deslocações ao Dubai para se encontrar com a filha Isabel dos Santos, que é visada em processos judiciais em vários países, entre os quais Angola e Portugal.

Desde que João Lourenço assumiu o poder, em Setembro de 2017, foram alvo na justiça angolana alguns dos mais próximos colaboradores e familiares de José Eduardo dos Santos, incluindo os filhos Isabel dos Santos e José Filomeno dos Santos.

O Dubai, um dos sete Emirados Árabes Unidos, é, desde o Verão de 2019, o país onde reside Isabel dos Santos, filha do antigo presidente.

O ex-chefe de Estado, que vivia em Barcelona, juntou-se em Dezembro de 2020 à empresária, após a morte do seu marido, Sindika Dokolo, em 29 de Outubro do ano passado, vítima de afogamento quando praticava mergulho, no Dubai.

Os dois são os principais protagonistas do escândalo que ficou conhecido como “Luanda Leaks”, envolvendo o desvio de milhões de dólares do erário público angolano através de uma teia de empresas com ramificações em 40 países.

O ex-presidente angolano deslocou-se a Barcelona, em Espanha, em Abril de 2019, para exames médicos de rotina, e nunca mais voltou a Luanda.

José Eduardo dos Santos é o único antigo Presidente de Angola ainda vivo (em 46 anos só teve três presidentes), tendo sucedido a Agostinho Neto em 1979 (depois de um período de 11 dias em que a governação foi atribuída interinamente a Lúcio Lara) e liderou os destinos do país durante 38 anos.

No discurso de tomada de posse, João Lourenço, que foi – entre muitos outros cargos de confiança pessoal – vice de José Eduardo dos Santos no MPLA e seu ministro da Defesa, afirmou:

«Pretendo endereçar uma saudação especial ao Presidente José Eduardo dos Santos, que cessa hoje a função de Presidente da República. Esta saudação ficaria incompleta se não mencionasse o longo e vitorioso caminho trilhado por Angola ao longo dos últimos 38 anos. O povo angolano agradece a dedicação e o empenho do Presidente José Eduardo dos Santos.

Após o seu (Agostinho Neto) prematuro desaparecimento físico, a 10 de Setembro de 1979, o MPLA confiou ao Presidente José Eduardo dos Santos a missão histórica de dirigir o povo angolano na defesa das conquistas da Independência Nacional, no fortalecimento do Estado, na implantação e consolidação da democracia multipartidária, na conquista da paz, na reconstrução do país e no lançamento das bases para o desenvolvimento.

O Presidente José Eduardo dos Santos cumpriu a sua missão com brio invulgar, com dedicação e com um elevado espírito patriótico. Por essa razão, a sua figura simboliza a vitória da unidade nacional, da paz e da dignificação dos angolanos no plano interno e internacional.»

Vingança ainda está em banho… Isabel

Segundo o jornal Financial Times (Março de 2021), Isabel dos Santos alega que João Lourenço deu ordens a procuradores, juízes e espiões angolanos para lançarem uma “campanha política” e acções judiciais para desmantelar o seu império, no âmbito de uma “agenda política e vingança pessoal”.

Na mesma altura o Jornal de Negócios (de Portugal) afirmou que – segundo documentação apresentada por Isabel dos Santos à Justiça britânica, verifica-se a existência de uma espécie de “task force” a nível governamental montada para a atingir. Existem, de acordo com a empresária, gravações secretas captadas pelo grupo israelita Black Cube, fundado por antigos membros da Mossad, que registaram membros da elite política e empresarial do país, como Carlos Saturnino (Sonangol) ou familiares do ex-vice-presidente Manuel Vicente.

A alegação de “campanha política” incluia ainda a compra por parte da Sonangol da participação de 25% da brasileira Oi na Unitel e até o processo Luanda Leaks, que Isabel dos Santos garante que foi orquestrado pelos serviços secretos angolanos e depois apenas divulgado pelo hacker português Rui Pinto.

Em 11 de Janeiro de 2020, no artigo «“Fuga” em mala diplomática», o Folha 8 escreveu:

“Um consórcio de jornalismo de investigação revelou este domingo mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de “Luanda Leaks”, que detalham alegados esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, e que estarão na origem da fortuna da família.

Foi, dizem, a partir de uma fuga de informação. “Fuga de informação” é uma forma simplista de falar de um vasto dossier que, segundo revelou ao Folha 8 uma fonte que trabalhou para os dois poderes em Angola (Eduardo dos Santos e João Lourenço), “há cerca de um ano seguiu de Luanda para Lisboa na mala diplomática de um ministro português com a recomendação de que fosse entregue ao Expresso/SIC”.

Dossier elaborado, segundo outras fontes, por especialistas do núcleo duro do MPLA/João Lourenço, “tendo o general Hélder Fernando Pitta Gróz, Procurador-Geral da República, desempenhado apenas um papel de figurante, de vendedor da cobertura jurídica em muitos documentos – muitos empolados, outros verdadeiros e outros forjados – que esse núcleo lhe diz para assinar, rubricar, dar cobertura”.

O Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ), que integra vários órgãos de comunicação social, entre os quais os portugueses Expresso e a SIC, analisou, ao longo de vários meses, 356 gigabytes de dados relativos aos negócios de Isabel dos Santos, que ajudam a reconstruir (de acordo com o que os documentos aconselham) o caminho que levou a filha do ex-presidente angolano a tornar-se a mulher mais rica de África.

Durante a investigação foram identificadas mais de 400 empresas (e respectivas subsidiárias) a que Isabel dos Santos esteve ligada – segundo os documentos convenientemente divulgados por essa oportuna “fuga” – nas últimas três décadas, incluindo 155 sociedades portuguesas e 99 angolanas.

As informações reveladas pela “fuga” (muitas carecendo de contraditório) detalham, por exemplo, um alegado esquema de ocultação supostamente montado por Isabel dos Santos na petrolífera estatal do MPLA (Sonangol), que terá permitido desviar mais de 100 milhões de dólares (90 milhões de euros) para o Dubai.

Revelam ainda que, em menos de 24 horas, aproveitando o facto de as autoridades portuguesas estarem num merecido e prolongado sono, a conta da Sonangol no Eurobic Lisboa, banco de que Isabel dos Santos é a principal accionista, terá sido esvaziada e ficado com saldo negativo no dia seguinte à demissão da empresária.

Os dados divulgados indicam quatro portugueses alegadamente envolvidos directamente nos esquemas financeiros: Paula Oliveira (administradora não-executiva da Nos e directora de uma empresa offshore no Dubai), Mário Leite da Silva (CEO da Fidequity, empresa com sede em Lisboa detida por Isabel dos Santos e o seu marido), o advogado Jorge Brito Pereira e Sarju Raikundalia (administrador financeiro da Sonangol).

A empresária Isabel dos Santos, a principal visada nos esquemas financeiros revelados no “Luanda Leaks”, afirmou que a investigação é baseada em “documentos e informações falsas”, num “ataque político” coordenado com o Governo angolano.

“As notícias do ICIJ [Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação] baseiam-se em muitos documentos falsos e falsa informação, é um ataque político coordenado em coordenação com o `Governo Angolano` (sic). 715 mil documentos lidos? Quem acredita nisso?”, reagiu a empresária, em inglês, através da sua conta do Twitter.

Na verdade, tanto quanto o Folha 8 conseguiu apurar, os jornalistas e auxiliares não tiveram necessidade de ler esses milhares de documentos. No caso do Expresso/SIC, o dossier (o tal que terá “viajado” em mala diplomática) “traria já uma síntese, comentada e anotada, com o que a Portugal mais interessaria divulgar”.

A filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos ataca também os media portugueses SIC e o Expresso, que integram o consórcio de jornalistas que revelou hoje mais de 715 mil ficheiros que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo.

Na conta do Twitter, onde escreveu vários “tweets”, afirma que a sua “fortuna” nasceu com o seu “carácter, inteligência, educação, capacidade de trabalho e perseverança” e acusa a SIC e o Expresso de “racismo” e “preconceito”, “fazendo recordar a era das “colónias” em que nenhum africano pode valer o mesmo que um “europeu”.

«Os `leaks` são autênticos? Quem sabe? Ninguém… estranho mesmo é ver a PGR [Procuradoria-Geral da República] de Angola a dar entrevistas à SIC-Expresso. Procurador-Geral de Angola a dar entrevistas… a canais portugueses!”, escreveu a empresária, numa dessas mensagens.

Consórcio ICIJ recebeu a fuga de informação das “autoridades angolanas “??!! Interessante ver o estado angolano a fazer leaks jornalistas e para SIC-Expresso e depois vir dizer que isto não é um ataque político?»

Num outro “tweet”, escreve que “o povo de Portugal é amigo do povo de Angola e não podemos deixar que `alguns` interesses isolados `agitem` a amizade e respeito que conseguimos conquistar e construir juntos”.

Tchizé dos Santos e o diabo (João Lourenço)

A ex-deputada (do MPLA) Tchizé dos Santos, lamentou em 14 de Agosto de 2020 a condenação do irmão José Filomeno ‘Zenu’ dos Santos a cinco anos de prisão no âmbito do caso “500 milhões”, considerando que o objectivo era atingir o pai, o ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos. E como ela há cada vez mais gente a pensar o mesmo…

“Usar-se os filhos para fazer mal ao pai politicamente mais forte que hoje escolhem como adversário político, mas por sinal tudo lhes deu… que cobardia”, afirmou numa mensagem escrita enviada à Lusa. De facto, foi José Eduardo dos Santos quem escolheu e impôs João Lourenço, um general submisso e venerador do seu mentor, de quem aliás foi ministro.

Para a empresária e ex-deputada do MPLA, o facto de o tribunal não ter validado a carta onde o antigo chefe de Estado confirmava ter dado ordem, por escrito, para a transferência irregular dos 500 milhões de dólares que foi alvo do processo, é “uma vergonha”.

Acontece que, na impossibilidade legal e material de mandar prender Eduardo dos Santos, João Lourenço baixou “ordens superiores” para que – sempre respeitando a separação de poderes, é claro! – a Procuradoria-Geral de República (do MPLA) tratasse de meter na choldra os filhos do seu criador.

“Se o antigo Presidente disse que foi ele que ordenou [a transferência] então por que foi “Zenu” o condenado?” – questionou Tchizé dos Santos, acrescentando que se o tribunal tinha dúvidas sobre a carta deveria aguardar “até 2022 e nessa altura chamaria o antigo presidente”, que goza de imunidade.

O ex-presidente de Angola afirmou ter orientado o antigo governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Valter Filipe, outro dos arguidos do processo, relativamente à transferência, garantindo que tudo foi feito no interesse público, mas o Ministério Público levantou dúvidas sobre a autenticidade da carta que José Eduardo dos Santos remeteu ao Tribunal Supremo de Angola. Certamente que a missiva teria para a PGR mais autenticidade se fosse assinada, a rogo, por Bruce Lee.

“Não faz sentido recusar declarações do ex-Presidente da República sobre matérias de decisão sua”, considerou Tchizé dos Santos.

“Espero que se corrijam os factos e se valide a carta do ex-Presidente, José Eduardo dos Santos, a bem da justiça, ou este julgamento não passou de um teatro com um fim encomendado”, declarou a empresária.

Tchizé dos Santos sabe perfeitamente que, desde sempre, ou seja há 46 anos, os tribunais respeitam integralmente a separação de poderes, razão pela qual primeiro dão a sentença e só depois começam o julgamento…

Para Tchizé dos Santos, “só se pode concluir que havia já o objectivo de condenar o filho para perseguir o pai, politicamente mais forte”, considerando que está em causa “uma violação grosseira” dos direitos humanos e da Constituição da República de Angola. A filha de Eduardo dos Santos continua com um assertivo sentido de humor. Falar de direitos humanos e da Constituição em Angola é quase como dizer que uma lombriga é parente próximo de uma jibóia.

O Tribunal Supremo de Angola condenou na altura os quatro arguidos do caso “500 milhões”, entre os quais ‘Zenu’, ex-presidente do Fundo Soberano de Angola e filho do antigo presidente angolano, a penas de prisão entre 5 e oito anos por crimes de burla e defraudação, peculato e tráfico de influências.

‘Zenu’ dos Santos foi condenado pelo crime de burla por defraudação, na forma continuada, a quatro anos de prisão maior e pelo crime de tráfico de influências na forma continuada a dois anos de prisão, num cúmulo jurídico de cinco anos.

Valter Filipe, ex-governador do Banco Nacional de Angola, foi condenado pelo crime de peculato na forma continuada em seis anos de prisão maior e pelo crime de burla por defraudação na forma continuada a quatro anos de prisão maior, totalizando uma pena única de oito anos de prisão maior.

António Samalia Bule, ex-director de gestão do BNA foi condenado por um crime de peculato a quatro anos de prisão maior e um crime de burla por defraudação na forma continuada a três anos, numa pena única de cinco anos de prisão maior

Jorge Gaudens Sebastião, empresário e amigo de longa data de Zenu dos Santos, filho do ex-presidente angolano, foi condenado pelo crime de burla por defraudação na forma continuada em cinco ano de prisão maior e pelo crime de tráfico de influências a dois anos de prisão, numa pena única de seis anos de prisão maior.

Os réus foram absolvidos do crime de branqueamento de capitais e vão continuar em liberdade face ao recurso interposto pela defesa que vai recorrer ao plenário do Tribunal Supremo.

O processo era relativo a uma transferência irregular de 500 milhões de dólares do banco central angolano para a conta de uma empresa privada estrangeira sediada em Londres, com o objectivo de constituir um fundo de investimento estratégico para financiar projectos estruturantes em Angola.

A solicitação para ouvir José Eduardo dos Santos foi pedida pela defesa de Valter Filipe. Na carta enviada ao tribunal, José Eduardo dos Santos confirmou ter dado orientações a Valter Filipe e ao ex-ministro das Finanças, Archer Mangueira, para realizarem as acções necessárias para conseguir a captação do dinheiro disponível neste fundo.

Indicava ainda que estas acções serviriam para obter um financiamento que iria contribuir para a saída da crise económica e para a promoção do desenvolvimento económico e social e para o progresso do país.

Segundo escreveu, as suas orientações serviriam para o cumprimento destes desígnios, “tendo em atenção o interesse público”.

No dia 10 de Maio de 2019, Tchizé dos Santos afirmou que o actual chefe de Estado estava a fazer um “golpe de Estado às instituições” em Angola e pediu a destituição de João Lourenço.

A, na altura deputada do MPLA e membro do seu Comité Central, assumiu que estava “involuntariamente” fora do país devido à doença da filha e que há vários meses estava a ser “intimidada” por dirigentes do partido no poder desde 1975.

Face à realidade em Angola, assumiu que estava à procura de advogados em Luanda para avançar para o Tribunal Constitucional angolano (embora este mais não seja do que uma sucursal do próprio MPLA) com “um pedido de “impeachment” [destituição]” de João Lourenço, e que também procurava o apoio de deputados para uma Comissão Parlamentar de Inquérito à actuação do actual chefe de Estado, igualmente Titular do Poder Executivo.

Tchizé dos Santos explicou as ameaças de que disse ser alvo – apontando mesmo uma alegada lista de várias figuras angolanas ligadas ao período da governação do pai, que as autoridades pretendiam impedir de sair de Angola – por ser uma voz que contesta algumas das orientações de João Lourenço. “O Presidente da República é conivente porque nada faz”, criticou.

“Está a haver um crime contra o Estado. Isto é um caso para ‘impeachment’. Este Presidente da República merece um ‘impeachment’”, afirmou Welwitschea Tchizé dos Santos, considerada a filha mais próxima, politicamente, do ex-Presidente José Eduardo dos Santos.

Tchizé dos Santos falou em “abuso de poder” com a actual liderança em Angola, como o caso de outro deputado do MPLA, Manuel Rabelais, próximo do anterior chefe de Estado e que foi impedido pelas autoridades de embarcar num voo internacional, em Luanda, apesar da sua imunidade parlamentar.

Apontou igualmente a anunciada intenção de aumentar o número de elementos do Comité Central do MPLA com a liderança de João Lourenço, antes de um congresso ordinário, o que disse contrariar os estatutos: “Mas então as regras onde é que estão?”, questionou.

“É o senhor João Lourenço que me está a fazer a perseguição através do MPLA, porque ninguém no MPLA toma ali uma atitude sem a autorização do Presidente, ou sem a sua orientação”, afirmou.

Tchizé dos Santos assumiu os receios face aos ecos que recebe do partido e que tem vindo a denunciar publicamente, dizendo sem receios que mesmo fora do país é visada: “Passo a vida a receber ameaças”.

“E o partido não me protege, não me defende. A Lei obriga o Estado a prestar segurança aos deputados e eu não fui contactada por nenhum serviço consular, para saberem como é que eu estou, como é que eu não estou. Obviamente que isso é um forte indício de que a perseguição está a vir do Governo e o chefe do executivo é o Presidente da Republica”, apontou.

“Isto é um crime contra o Estado, um Presidente da República estar a atentar contra os direitos de um deputado eleito pelo povo para o supervisionar”, disse ainda Tchizé dos Santos, visando sempre João Lourenço.

Ainda assim, assumiu na altura que o seu partido é o MPLA, e acredita que ainda é possível “um entendimento” com a actual liderança de João Lourenço, desde que se garanta a separação de poderes, entre o Parlamento, o partido e o Presidente da República.

Tchizé afirmou também que além das críticas publicas que faz, através das redes sociais, as suas acções enquanto empreendedora junto da sociedade angolana, como foi a acção de formação de zungueiras que realizou em Luanda, entre outras, estava a “irritar” a actual liderança angolana.

Além disso, disse que estava a ser visada pelas intervenções do Presidente da República e líder do partido, sobre o uso das redes sociais por responsáveis do MPLA.

“Um Presidente que está a subverter o Estado democrático de direito está a tentar dar um golpe de Estado às instituições”, afirmou, sobre João Lourenço.

Folha 8 com Lusa

Angola: José Eduardo dos Santos regressa a Luanda após dois anos de ausência.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O ex-presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, regressa esta terça-feira (14.09.) à tarde a Luanda, depois de estar desde 2019 a viver em Barcelona (Espanha), confirmou à agência Lusa fonte do Executivo.


Segundo a mesma fonte citada pela agência Lusa, à chegada a Luanda José Eduardo dos Santos será recebido por oficiais do protocolo de Estado.

O ex-chefe de Estado angolano, que tem residência no bairro Miramar em Luanda, viveu nos últimos dois anos em Barcelona, fazendo apenas deslocações ao Dubai para se encontrar com a filha Isabel dos Santos, que é visada em processos judiciais em vários países, entre os quais Angola e Portugal.

Desde que João Lourenço assumiu o poder, em setembro de 2017, foram alvo na justiça angolana alguns dos mais próximos colaboradores e familiares de José Eduardo dos Santos, incluindo os filhos Isabel dos Santos e José Filomeno dos Santos.

O Dubai, um dos sete Emirados Árabes Unidos, é, desde o verão de 2019, o país onde reside Isabel dos Santos, filha do antigo presidente.

José Eduardo dos Santos

O antigo presidente da República de Angola vai regressar ao país.

"Zedu" ausentou-se do país em abril de 2019

O ex-chefe de Estado, que vivia em Barcelona, juntou-se em dezembro de 2020 à empresária, após a morte do seu marido, Sindika Dokolo.

Sindika Dokolo morreu a 29 de outubro do ano passado, vítima de afogamento quando praticava mergulho, no Dubai.

Os dois são os principais protagonistas do escândalo que ficou conhecido como "Luanda Leaks”, envolvendo o desvio de milhões de dólares do erário público angolano através de uma teia de empresas com ramificações em 40 países.

O ex-presidente angolano deslocou-se a Barcelona, em Espanha, em abril de 2019, para exames médicos de rotina, e nunca mais voltou a Luanda.

Santos é o único antigo Presidente de Angola ainda vivo, tendo sucedido a Agostinho Neto em 1979 (depois de um período de 11 dias em que a governação foi atribuída interinamente a Lúcio Lara) e liderou os destinos do país durante 38 anos.

fonte: DW África

Total de visualizações de página