Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 16 de março de 2013

Para você que estudou em Rosto-On-Don(Rússia), Fernando Teixeira revela lindas histórias que pode fazer você reviver aqueles bons tempos na (URSS!). Eu li a história e gostei solicitei para publicar no meu Blog e ele concordou.( Texto retificado!)

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Fernando Teixeira


O único 8 de Março, durante esta vida, de que me lembro realmente - e não apenas vagamente como todos os outros - foi aquele em que fui imprevistamente convidado para proferir uma alocução alusiva a data. Na altura estava a terminar o quarto ano de faculdade, quando a Presidenta dos estudantes de Angola (a anfitriã da festa esse ano), na nossa cidade, me convidou a dirigir umas palavras, em jeito de conferência, às meninas estudantes de diversos estabelecimentos de ensino ali existentes. Portanto alunos da Universidade, Instituto de Medicina, Instituto de Engenharia e Politécnicos. Era uma plateia composta essencialmente por Angolanos, Cabo-verdianas, Guineenses, Moçambicanas, e claro por Russas (professoras algumas até); havia também convidadas de outras nacionalidades, como alemãs e latinas, e de um ou outro país africano de língua inglesa ou francesa. Compreendi logo que seria um auditório “de peso”, embora todas as mulheres que comporiam o auditório, na sua maioria, seriam ainda muito novinhas, estudantes apenas; isso porque que pelo simples facto de viverem na União Soviética, eram medianamente politizadas; os conceitos e definições políticas, as questões relevantes da política mundial, a confrontação Pacto de Varsóvia versus Nato, ou no geral o mundo socialista e capitalista, eram realidades diárias que nos entravam pelos olhos e ouvidos através da televisão, radio, jornais, palestras, etc., etc. Por tudo isso e mais coisas que aqui não vêm ao acaso (por ex. tínhamos aulas especiais sobre a politica, e o facto de que não se poder falar de politica livremente sem sofrer as consequências, de uma maneira ou de outra), era muita responsabilidade aceitar esse convite. Sem esquecer que eu como eles, também era ainda estudante (e também “novinho”)… mas mesmo assim, como já frisei, não era muito normal, digamos assim, o meu convite para orador desse dia. Acho que os ventos da “Perestroika” já tinham começado a soprar, pois como me explicaram, não queriam uma coisa formal, feita de datas e significados apenas, mas uma intervenção com uma outra parte mais leve (digamos de cariz cultural…) que gerasse boa disposição para depois dar lugar a “discoteca” (isso lá significava, a parte dançante que depois ia até ao final da noite…). 


Preciso explicar que a estranheza do convite tinha a ver com o facto de na Rússia desse tempo, quem falava nessas ocasiões, era uma Vice-decana (mulher portanto) ou o próprio Decano de Estrangeiros (aqui o Decanato não significa Cátedra mas literalmente o departamento que trata de todos os assuntos de estudantes estrangeiros). E estas sessões eram exercício formais em que se enaltecia a “mulher revolucionária” do antigamente, a “mulher construtora” do socialismo actual o seu papel cada vez mais importante na construção da nova sociedade, na sua emancipação, etc. etc., e todas as demais coisas possam imaginar que se entendiam importantes nesse tempo. Depois falava-se habitualmente da relação entre a União Soviética e o País (ou Países) que organizava o evento; e por fim, como não podia deixar de ser, davam-se os conselhos sobre esforçarmo-nos nos estudos e ser cada vez mais aplicados cada vez mais até o dia da entrega do diploma. O entendimento tácito era que seriamos os futuros “construtores” das nossas pátrias, e pessoas que levariam o Soviet way of life para os nossos respectivos países depois dos estudos, etc., e todas as demais balelas que se possam imaginar, que nunca viriam a acontecer no futuro, pois se pusermos de lado a questão da exportação do modelo social deles (que não era de agrado da maioria dos estudantes), o desenvolvimento dos nossos países também não se efectuou, pois em cada uma das nossas pátrias, os ogres que nos esperavam, os guardiões da ortodoxia e da destruição, nunca o permitiram.

 E como isso poderia ser realizado se primeiro destruíam em nós tudo que é puro e bom, e depois tudo o que aprendemos como técnicos, e depois paulatinamente nos transformam até ficarmos igualzinhos a eles: obtusos (até para evoluir profissionalmente…), ambiciosos (no pior sentido desta palavra, no sentido de “ambicionar” tirar tudo que se pode ao país, para fazer nosso…) e por fim depravados (sem nenhum interesse real com o país e seu desenvolvimento futuro, desde que se tenha um carrinho qualquer e um sitio onde tirar de vez em quando umas migalhas para se viver…). Mas na altura, esses discursos, essas palavras motivadoras, não eram balelas e nem eram mensagens fantasistas atiradas ao vento, eram parte de um acreditar em que quem o afirmava e quem o ouvia não duvidavam jamais da sua veracidade necessária (verdadeiros porque necessárias e necessárias porque verdadeiros). Esta era a diferença basilar entre estudar nos países ocidentais e os países socialistas. O resto, a técnica, a engenharia, a medicina, a pilotagem, a matemática e física, a ciência em suma, pouco variavam… e ao fim ao cabo, hoje é necessário dizer que todo o saber apreendido numa e noutra sociedade acabou “ficando nas nossas cabeças” apenas, pois os nossos países, salvo raras excepções (excepções, muito raras) nunca os utilizaram para nada (nem queriam, nem podiam, nem sabiam como). Por isso também a minha muda revolta. Essa diferença básica a que aludi, baseado numa certa visão societária, formatava o resto da nossa mundivisão; pois se o socialismo e a ditadura deles não nos agradavam, pelo menos ficávamos vacinados contra a ela de vez, e nunca o quereríamos nas nossas pátrias, mas por outro lado, o dever de voltar a pátria depois de acabado os estudos (o 1º dever); o dever de trabalhar para o seu engrandecimento (2º dever) baseado num pensamento social impregnado de certa justiça na distribuição da renda e na protecção dos mais desfavorecidos; o dever de como técnico dar o máximo que poder e tentar realizar na prática tudo o que aprendeu nos bancos da faculdade para com esse esforço (mesmo em prejuízo próprio) construir uma vida melhor para os nossos povos (3º dever), completavam politicamente a formação técnico-científica que possuíamos. Era uma formidável combinação se fosse bem utilizada… se fosse; mas nunca foi; era preciso compreender isso primeiro por quem de direito…


Enfim, em outra altura falaremos disso, por agora volto a nossa concreta festa de 8 de Março desse longínquo ano. O parágrafo anterior era para explicar um pouco como se processavam “todas” as festas de 8 de Março, que tinham participação de estudantes ou delegações estrangeiras, na União Soviética, e para entenderem o inabitual do convite que me foi feito - se falei de mais alguma coisa, desculpem, esse é aquela parte desiderativa de mim que não obedece ao cérebro apenas ao coração – mas nunca é demais dizer que na Rússia, o 8 de Março nunca foi apenas um feriado (embora dos mais importantes, a par com os que comemoravam a Revolução de Outubro ou enalteciam as datas históricas do Partido Comunista) entre tantos outros. O Partido (e o Estado) entendia que era, primeiro, uma “Festa Nacional”, (pois na mitologia oficial do Partido Comunista, o 8 de Março de 1917, foi o dia que despoletou a Revolução de Outubro que viria a culminar com a transformação de quase metade do mundo aos ideias dessa mesma revolução;) depois uma “Festa Mundial” (mas aqui também num certo entendimento de que o 8 de Março, hoje comemorado no Mundo inteiro, teve a sua origem na Rússia, de onde teria começado a ser comemorado primeiro, e só depois no mundo inteiro, depois da ONU ter adoptado a data como dia Internacional da Mulher em 1977, embora nessa altura muitos países já o comemoravam como nós e dezenas e dezenas de outros).



Por todas estas nuances, um dia muito importantes no calendário Soviético. Mas era sempre uma data emotiva e importantíssima por lá para além do já dito porque como na Rússia não havia “o dia dos namorados”, esse dia fazia também esse papel: No imaginário popular era o dia em que os homens reverenciavam as mulheres, lhes levavam jantar fora, ofereciam flores, jóias e outras prendas, portanto, como disse, era como o dia dos namorados em alguns países. E nós, os estudantes estrangeiros, a imitação da sociedade, fazíamos desse dia também o nosso dia de namorados de certa forma. Um dia portanto com varias conotações, politicas, sociais e culturais para não dizer mais. Muitas festas, muitos concertos, ruas e praças cheias, piqueniques, passeios, etc., etc.



Portanto a nossa festa, embora mais uma apenas, em milhares que haveria nesse dia pelo imenso Pais (um sexto do mundo como era permanentemente lembrado) era muito importante para a nossa comunidade de estudantes de mais de oitenta países do mundo que nessa cidade viviam. Por isso tudo, que acabei de contar, preparei-me criteriosamente pela primeira vez (habitualmente improvisava apenas em qualquer situação onde tinha que usar da palavra); quando terminei a preparação da minha intervenção, e o li pela primeira vez, percebi que era algo de inusitado de certa forma. Então, pese já ser duas da manha, resolvi elaborar uma segunda versão, mais condizente com a ortodoxia oficial, feito de todo o simbolismo já referido atrás. Mas quando terminei o segundo discurso, as três da manhã, fui dormir sem conseguir tomar decisão final sobre o qual é que iria proferir nessa tarde. Preferi acreditar que “a noite é boa conselheira…”.



A “noite” em nada ajudou (quanto a conselhos); seja como for, o primeiro discurso - aquele que queria proferir realmente -, era acerca do que efectivamente pensava do “8 de Março”: o seu significado profano, e se quiserem o significado semiótico, o seu significado transcendente como “símbolo” do nosso tempo, como exemplo de uma certa maneira de pensar (dominante), na nossa época. Digo nossa época referindo aqui tanto ao mundo capitalista como socialista de então, pois quanto ao 8 de Março (no seu significado abstracto pelo menos) a concordância era total nessa altura (por isso mesmo a sua adopção pela O.N.U. como data Universal, ser relativamente pacifica). Afinal as mulheres serão sempre mulheres, com as mesmas preocupações quanto ao lar, ao bem-estar dos filhos, do marido, etc., seja “socializadas” ou não…



A cerimónia ia ter lugar no pequeno “Inter-clube” da nossa cidade de Rostov-Sobre-O-Don” (Rostov é uma cidade industrial do Cáucaso, atravessado pelo impetuoso Rio Don. Do nosso Instituto de Engenharia, no ultimo andar, dava para ver o rio Don espraiando-se por todo o horizonte; adorava ir lá em cima olhar para ele. era de uma boniteza extraordinária a tarde, por volta das três, o brilho obliquo do Sol o transformava totalmente; de poluído que era pelas fabricas que cresciam como cogumelos nas suas margens, transfigurava-se em prata pura, jorrando das profundezas da terra, serpenteando em “s” ao atravessar a cidade; a visão era soberba (qualquer coisa como ver Dubai a noite ao levantarmos o voo as quatro da manha). O Prémio Nobel da Literatura, Mikhail Cholokhov, que cresceu nas margens do Don, deu o ao seu famoso romance “Don Tranquilo” o nome e caracter desse rio. Essa cidade de Rostov (porto de cinco mares, o Mar Negro, o Mar de Azov, o Mar Cáspio, o Mar Branco e o Mar Báltico) chamada de “Sobre-O-Don”, que também deve o seu nome a esse rio, foi o berço da minha filha e da minha “intelectualidade” (se assim podermos considerar um novo entendimento mais maduro do que apenas literário, baseado nos valores do humanismo e cultura universais), pois de certa forma “moldou” o meu caracter para sempre; foi lá que conheci a Arquitectura, a profunda literatura russa “à sério”, na sua língua original, feita por Tolstoi, Dostoiévski, Gogol e tantos outros, como o Alexander Soljenítsin natural das cercanias (escritor dissidente, também Premio Nobel, que tanto lutou contra o regime que então vigorava). Nesta cidade fui durante dois meses operário metalúrgico na grande usina “Estrela Vermelha”, onde trabalhei numa linha de produção de aço, esperando ganhar dinheiro para nas próximas ferias ir a Portugal visitar a minha família. La também trabalhava a Luba, beldade de grandes olhos azuis, que operaria suspirava por um curso superior que desesperadamente queria fazer, para deixar de ser operária. Os seus olhos negros ajudaram bastante a aguentar a temperatura de 70º na boca do forno, quando metia ali as compridas tenazes para tirar as barras de ferro que começavam a derreter…



Era uma cidade industrial com suas centenas de fabricas famosa em toda a Rússia pela sua Fabrica de helicópteros, a também pelo seu gigantesco Rost-sel-mach, uma das maiores fabricas de tractores e máquinas agrícolas da Europa. A titulo de informação apenas, essa fábrica tinha o seu centro de pesquiza em forma de um Instituto, o R.I.C.I. (Instituto de Construção de Maquinas Agrícolas de Rostov) onde estudaram tantos colegas meus de Moçambique e Angola que nunca mais vi (uma veio a ser Ministra de Industria de Angola).



Bem já conhecem a cidade, as fabricas, usinas e Luba, agora vamos ao local da palestra: na altura, o “Inter-clube” (Clube Internacional), de que já falei, era o sítio onde, de vez em quando, íamos tomar uma bebida ou ouvir uma música, “paquerar” umas garotas etc… ou apenas ficar sentado a olhar para a parede. Nunca tinha falado nesse sítio como orador, mas tinha intervindo em discussões várias dando minha contribuição; foi por isso tudo que resolvi que era interessante estar ali no papel de orador, e que também aceitei o convite sem delongas de maior. No grande dia o auditório estava repleto, as meninas ansiosas, o bar cheio de rapazes, eu nervoso. Ouviam-se gritinhos e incentivos dirigidos a mim, que desajeitadamente segurava na mão, a vista de todos, a minha “papka”(pasta):  “… estamos a esperaaaaaaaaaaa…”, “queremos coisa bonita…”. Os rapazes “gozavam “…é hoje que vai ser Jora” (os russos deram-me este nome logo que cheguei pois Fernando era uma coisa impronunciável para eles, assim de Jorge fizeram Jora que era um diminutivo Russo embora muito raro. Por alguma razão, que até agora não consigo vislumbrar, era muito popular em quase todos as comunidades que ali iriam estar presentes (seja entre Moçambicanos, Guineenses, Angolanos, Cubanos, etc.) e por isso uma “pessoa conhecida” e que achavam que “falava bem” (já algumas dessas estudantes tinham assistido uma ou outra intervenção minha) e que “tinha presença” (um eufemismo para dizer que “até que és simpático…”, vá-se la entender as mulheres… dez minutos depois lá me descontrai por fim, conversando com umas e outras, posando para fotos e bebendo um cocktail qualquer sem álcool pois o álcool era proibido nesse local.



Depois de leituras de poemas de Agostinho Neto (sagrada Esperança entre outros), Mayakovski (?) e de mais poetas e poetisas de quais não me lembro os nomes, fui chamado ao palco e apresentado a assistência pela Presidente da organização juvenil feminina de Angola na cidade como o “Fernando Teixeira, da Guiné que nos vai falar do oito de Março e sua importância no contexto actual” ou qualquer coisa do género muito parecido. Olhei para aquela plateia de jovens mulheres e para o meu manuscrito e hesitei… e a hesitação foi mais longa que o pretendido, então a sala ficou instantaneamente em silêncio, pensaram que de emoção perdi o dom da fala ou de raciocinar talvez... Mas, afinal, o que me imobilizava era apenas um problema ainda não resolvido da noite anterior: qual dos discursos proferir. Como o meio é que faz o homem (embora o contrário também é válido, infelizmente para mim) acabei fazendo o discurso politicamente correcto, embora de modo descontraído, provocativo e brincalhão; o que fez muito sucesso, diga-se de passagem, pois originou muitas intervenções, e conversas várias depois, na altura da farra. Esse manuscrito nunca mais o vi, mas acho que deve pertencer hoje a um antigo estudante Guineense que lá se encontrava o S., das Pescas, que mo pediu para “copiar (e logo devolver”… ainda estou a espera).



O outro discurso que na verdade sintetizava o meu real pensamento sobre essa data, guardei para mim (depois veio a desaparecer com todos os meus haveres em três contentores perdidos no Báltico, em Talin para ser exacto; outra história… e tantas são), hoje apenas lembro dos tópicos principais mas acho interessante voltar a ele depois de tantos anos, pois se as coisas mudaram, mudaram em “direcção” do que escrevi, quer dizer nada. Mas nesse dia, nessa tribuna, como disse, percebi ha tempo, que ninguém ali nesse auditório estava ainda preparado para ele. Embora confesse que senti tentado durante longos segundos a proferi-lo ao olhar para aquelas almas jovens que um dia quem sabe seriam futuros dirigentes do seu países (nos esparsos contactos que depois houve, soube que muitas vieram a desempenhar papeis muito importantes nos seus países), como dirigentes políticos, empresariais ou simplesmente - atendendo o “prestígio” de serem quadros superiores em países paupérrimos - Opnion Makers (fazedores de opinião) junto a centenas de outras mulheres menos cultas ou “formadas”.



Sabia que as ideias novas devem ser apresentadas no momento certo, pois por mais inovadores, correcto e bons que sejam, se o timing da sua apresentação for errado, de nada servirão e morrerão a nascença. E nesse momento poderia ser mal interpretado. Fosse hoje, teria feito o segundo discurso, pois neste novo mundo, inaugurado com queda do Murro de Berlim, orientado pelo 11 de Setembro e definido pelas Revoluções da Primavera Árabe, é um mundo onde tudo é posto em causa; e principalmente as certezas históricas e o seu determinismo.



II



PROTECÇÃO DA MULHER, UM NEGÓCIO DE HOMENS, UM PARADOXO DE HOMENS


Portanto sendo aquele texto perdido o motivo deste outro que esta a ler neste momento e para de uma forma diferente “comemorar” este 8 de Março que ontem passou, vou expô-la como o recordo depois de tantos anos. Eis portanto, resumidamente, os pontos candentes do discurso que depois, durante o resto da noite, apresentei pessoalmente a quem me tinha convidado e mais duas meninas presentes:

- Porque é que deve existir um “Dia Internacional da Mulher”?

- Porque é que as mulheres devem orgulhar-se da sua existência? De um “dia das mulheres”, até ao ponto de a festejar desta maneira (ou de outra, como em diferentes países se festeja)?

- A alegria da existência desse deste dia não será uma alegria pueril que no fundo nada trás e nada trará um dia?

- Será que institucionalizar, mundialmente, um dia das mulheres não servirá (em vez de glorificar a mulher) para apouca-la)?

- Não será reduzi-la a um ser que ainda precisa ser defendida e protegida (dos homens)? Reduzi-la a um ser que pela sua imaturidade (física, social, psicológica…) precisa de “protecção”?

Mas antes de mais, o que entendemos na verdade por “Protecção”? Começamos por “protecção” pois queremos ou não é disso mesmo que se fala e de que se trata quando se fala da igualdade de géneros. De “proteger a mulher” deste mundo cão que a discrimina em todas as vertentes. A liberdade da mulher, a igualdade da mulher, a emancipação da mulher, são coisas que carecem de protecção para poderem existir. Ou sendo mais provocativo ouso dizer que são sinónimos a “protecção” da Mulher. Mas aqui não se trata de nenhuma “Lei para a protecção do povo e raça” travestido de “Lei para a protecção da mulher e a maternidade” ou outro nome ainda mais bombástico, pois nunca funcionaria. O exemplo é que em quase todas as Constituições já está contemplado a igualdade, sob a Lei, entre os homens e mulheres. Portanto por essa via já a atingimos quase o ideal. Mas não deu em nada. Pois a constituição pode consagrar todos os direitos e mais um a mulher mas na hora que o companheiro a agride só pode muito servir (se tiver um exemplar dela em casa) para por a frente da cara para atenuar os socos dele.

Portanto a luta agora não é contra as leis discriminatórias, ou contra o Estado discriminador, mas contra o Homem discriminador, homens singulares, concretos, (com endereço postal e tudo) que tratam mal as mulheres, sejam elas esposas, filhas ou outras. Portanto é uma Luta de vida e morte entre a mulher abstracta e o homem concreto. Então para que a equação não estar invertida, devia ser cada mulher concreta a lutar contra cada homem concreto, que abusa dessa concreta mulher. Pois se a luta é de todos não é de ninguém. E nunca se deve considerar a mulher como um ser único, generalizar. Falar dela no plural. devemos proteger sempre “essa mulher” e não “a mulher” . “A mulher” é muito vasta, muito longa, sem cor, sem raça, sem religião, sem pátria; e isso tudo leva a “sem rosto”, “sem nome”, “sem nada”… 

Fisicamente a mulher é mais forte que o homem, no geral claro. Vive mais tempo, no geral, e tem mais resistência ao sofrimento, etc. (no geral) mas mesmo que fosse o contrário, ela “não deveria” precisar de protecção (pelo menos não daquele que a oprime… logicamente). A mulher mesmo sendo mais fraca que o homem poderia (e devia) no decorrer dos séculos ter melhorado a sua condição. O “animal homem” sempre foi o mais fraco e menos adaptado fisicamente que o resto das feras do mundo animal quando surgiu na face da terra e até hoje ainda. Mas com a sua inteligência conseguiu sobrepor-se a todos outros e alem disso dominar as próprias forças da natureza, tornando-se no senhor do Planeta.

Claro que a religião (o instrumento mais poderoso usado pelo homem para dominar e subjugar a mulher) foi determinante na sua dominação (por essa razão ela quase era proibida de praticar a religião da maneira como os homens a faziam nos templos (ora dizendo que era impura ora que não poderia servir no sacerdócio, reservado aos homens, só para dar dois exemplos em duas grandes religiões monoteístas), mas deviam ter lutado contra essas próprias proibições dentro das suas próprias igrejas e se lá ganhassem, ganhariam em casa também, pois o homem também é oprimido pela religião, seja ele um sacerdote ou simples praticante. Mas pela sua natureza (a tão propalada e enaltecida natureza feminina pelos poetas) preferiram submeter-se aos maridos e pais e aceitar que eram serres inferiores e assim construíram pouco aa pouco a tragedia que hoje querem combater. Mas a tragedia demora a ser resolvida pois querem que quem a resolva seja de novo, não as mulheres, mas os homens. E estes é que são os culpados da tragedia…Por isso infelizmente, a “protecção” da mulher, a sua “emancipação”, em última análise esta necessária e verdadeiramente confiada ao homem e só a ele. E isso não é de hoje, sempre foi assim, mesmo dentro do subconsciente feminino é aceite que é este é que deve resolver os seus problemas. Mesmo no relacionamento normal entre um casal, mesmo que simples namorados, a mulher delega nele a resolução de todos os seus problemas como uma invalida. Até delega nele a realização da sua felicidade, como uma insensível.

E os problemas vão sendo resolvidos… a maneira do homem. E assim a natureza da mulher vai-se deformando “à maneira do homem”, por isso ela é hoje, de certa maneira, mais masculina, pelo menos no pensamento. Os problemas são resolvidos por condescendência masculina (é famoso o caso da Alexandra Kollontai que conseguiu que Vladimir Lenin proclamasse o 8 de Março feriado nacional na Rússia, em homenagem as mulheres. Esta mulher, sozinha, fez mais por milhões de mulheres russas do que um milhão delas juntas. há mulheres que, singularmente, conseguiram mais pela liberdade e igualdade das mulheres formulando pedidos a homens poderosos; a Bíblia tem exemplos disso e a historia também, basta lembrar da Rainha Cleópatra e Júlio Cesar, sem esquecer os outros amantes que apareceram depois) as vezes os problemas são resolvidos por motivos políticos (como o caso do Estado dc Wyoming que para poder ter o número mínimo de eleitores necessário para fazer parte dos Estados Unidos de América concede o direito de voto às mulheres) as vezes os problemas são resolvidos por motivos eleitoralistas (como o caso do direito de votar que lhes é concedida em 1691 no Estado do Massachussetts também na América, que perdem em 1789, numa outra conjuntura…). Os motivos variam bastante, de época para época, e de mulher para mulher… A história da emancipação feminina sempre foi um “negócio” de homens e não das mulheres, que apenas serviam depois para legitimar, bater palmas e “gritar vivas”… enquanto a vida passa.

Mas vamos atentar um pouco mais nesta problemática pois aqui temos um outro entendimento: Chegamos a conclusão que o ser humano mulher precisa de ser protegida da sua própria espécie, o ser humano “Homem”. E que essa protecção tem várias formas, apenas é apenas a “delegação” da mulher no companheiro “a procura” da sua própria felicidade…. É o único ser na natureza que depende tanto do seu companheiro. Um paradoxo…Mas em contrapartida o ser humano na verdade tem muitos paradoxos. Deve ser o único animal que ataca fêmeas da sua própria espécie. Nenhuma fêmea do mundo animal precisa protecção contra a sua própria espécie, apenas a mulher; mesmo nas espécies animais mais primitivas isso não se verifica; Nem os leões não atacam as leoas, no máximo podem brigar entre eles (machos) pela “posse” de uma fêmea… mas enfim, no caso humano, a mulher precisa ser protegida dos seus próprios maridos (companheiros), dos seus próprios filhos, irmãos, amigos, etc. protegido da sua própria espécie... “. De facto é uma situação complicada, além de bizarra em último grau… É, de facto o homem, o único que tem destes paradoxos; é o único animal que ri, e é também o único animal que brinca com a presa que vai comer; brinca com o carneiro, o boi, o cão, o porco, trata bem a todas suas futuras vítimas (perdão, seus futuros alimentos). Vá-se lá entender os homens...

Por isso vamos olhar com mais atenção a problemática da “Protecção” um ângulo crucial desta questão. A pergunta que se impõe ainda é de cariz “organizacional” se assim posso exprimir: porque que é que os homens é que devem tratar dessa protecção? Simples: se ela pudesse fazer isso sozinho, não precisaria deles e concomitantemente não precisaria também do “dia das Mulheres” para nada (pois ela serve para lembrar a necessidade premente e permanente da protecção). Quer dizer, de modo simples, sem nenhuns floreados, esse dia só existe porque considera-se que a mulher é indefesa perante a sociedade; pois a questão não se pões apenas ao nível da violência fica (domestica, parental, patriarcal ou outras) mas a violência cultural, de costumes, de um mundo que a olha permanentemente como inferior; e ela (salvo raras excepções) põe-se a jeito para isso desde que o mundo é mundo; as vezes de uma maneira tão interessada, no seu próprio sofrimento, que ali encontramos uma certa feminilidade deturpada até a essência; ou como dizia a outra “não vejo nada de mal se o meu companheiro me corrige de vez em quando, principalmente quando “erro”…” (aqui corrigir é um eufemismo que pode significa um “par de bofetadas” ou muito pior, mas isso deixo a imaginação do leitor que deve conhecer também muitos exemplos).

Mas basicamente, a “protecção” pressupõem um entendimento que a mulher é como uma criança, propensa a errar sempre, por isso necessita especial seguimento e vigilância (e claro, logicamente, de ser castigada quando erra. Ou existe outra maneira de educar?). Conheci um senhor Português que dizia que os homens devem bater nas esposas todos os dias, sem se preocupar com motivos, pois elas sempre acabam “aprontando…” portanto não seria um castigo injusto, quando muito era apenas dado adiantadamente…). Mas essa mentalidade vem muitas vezes de uma vivência anterior, de uma educação dada por uma certa mulher, que sendo companheira dos pais desses homens (independentemente de serem mães ou não, até) que permite incutir no menino que cresce a sua superioridade em relação a mulher, seja ela irmã ou apenas aquela que passa. Pois não nos enganemos, a mentalidade machista, absurda, violenta, anti-mulher, geralmente é de certa forma incutida na criança por intermédio da mãe, tias e outros próximos do sexo feminino, que ao aceitarem o statos quo, a ordem natural (antinatural) vigente, sem se aperceberem, a transmitem as crianças, sejam elas do sexo masculino ou feminino. Transmitem, a mais das vezes, pelo seu comportamento passivo, pela subserviência em relação ao companheiro, pela aceitação da violência exercida sobre elas, e menos por palavras (por palavras, em forma de conselhos, são mais para as meninas, para entenderem “que um dia terão um Senhor, que as fará felizes naturalmente, mas que devem obedecer e mesmo serem castigados por ele… “ e todo o rol de baboseiras conhecidas que aqui, por pudor, não escrevo.

Convém sublinhar que aqui falo da condição da mulher, no geral, em muitas partes do mundo, mas referindo mais ao nosso mundo e aqueles que nos são próximos. Mas inexplicavelmente (quer dizer, isto é força de expressão) todas estas fases /de sujeição) que existiam desde a antiguidade clássica, que encontramos ma Grécia antiga e no Império Romano há tantos mil anos, continuam, normalmente, hoje em dia em muitos países do mundo. Há países muito respeitáveis, onde para as mulheres viajarem precisam de autorização de maridos (quando solteiras do pai ou do irmão) como se fossem bebes de colo ou menores de idade; países respeitáveis onde são proibidas de conduzir, de andar com cara descoberta, etc. Países nossos irmãos onde se cometerem o adultério ou infidelidade são apedrejadas e as vezes imoladas… nesses países o homem nunca comete adultério, pois o adultério é legal, é incentivado na instituição casamento poligâmico. Enfim sabemos que milhares e milhares só casam com quem o pai decidir e escolher. Etc., etc., pobres mulheres… pobres descendente de Eva... Essa era igual ao marido no paraíso terrestre… a Eva nasceu emancipada pela mão de Deus, depois o Diabo (e o Homem) a fez escrava, num acto de contra natura. Mas se Deus a criou já emancipada, igual ao homem em direitos e prorrogativas, vivendo os dois felizes no paraíso, então, porque é que nunca percebemos - nem os grandes doutores das igrejas - que libertar a mulher é realizar a vontade de Deus?  

Como fica demostrada a mulher não pode “auto proteger-se” como o homem faz; nem esta preparada para isso pela sua natureza (não física, mas pelo caracter feminino que a domina) e pelo seu desenvolvimento histórico actual no contexto relação homem/mulher. Ela pode denunciar mas não resolver, pois para isso primeiro deve mudar o mundo, realizar a revolução feminina total e não apenas ir subindo alguns degraus numa escadaria tão longa que o seu cimo esconde-se nas nuvens. Esses degraus ( “o salto-alto”, a “mini-saia”, a “calça” para mulher etc., etc., que deram mais poder a mulher do que todos as Leis feitas para a sua defesa) que são galgados e vencidos cada meio seculo não resolverão o “problema” da mulher e os homens ditarão sempre as regras (mesmo que aas vezes inconscientemente). E as regras são que, os mesmos homens, de quem ela deve ser protegida é que a “protegem”.

Homens que não têm sensibilidade nenhuma para isso e a mais das vezes também exercem violência sobre as mulheres (no caso de homens pertencentes a forças de ordem, pelo facto de terem a protecção da Lei do seu lado, têm mais tendência a exercer a coacção física sobre suas companheiras). Entregar a “protecção” das mulheres aos homens é como entregar a linguiça ao gato, como se diz na minha terra. E aqui a palavra “protecção” significa a possibilidade infinita da mudança; significa proteger “antes” e não “depois”. Não significa “fazer justiça”, mas impedir a “injustiça”. Impedir na origem, na cabeça do homem abstracto que por desconhecer a dignidade implícita da mulher está preparado para a bater, violar, apedrejar e imolar, se preciso for, perante as leis do homem e as de Deus. Por isso “proteger” significa realizar uma mudança no substrato mental individual de cada homem, para que o respeito pela mulher seja “a cultura dominante”. Pois se o corpo das leis, o espirito das leis, coincide com a moral vigente na sociedade, ela pode não ser aplicado, pois a moral torna-se Lei. E no caso da mulher, a moral seria a lei, o costume e prática diária. 

Assim entendo que o problema da mulher é complexo e nenhum 8 de Março (nem três por ano… ou um por més) resolverá. O verdadeiro problema da mulher é deixar de pensar no homem 24 horas por dia. Deixar de pensar no lar, como uma coroa de glória para sua existência, como algo para o qual toda a sua vida foi e é orientado. Deixar de sentir que só pode ser feliz quando o seu companheiro é feliz; portanto ser feliz apenas “dentro” da felicidade do outro; deixar de ser feliz apenas quando essa felicidade tem ligação profunda com o sentir dele, de um modo ou de outro. Para começar a ser feliz por si mesma; separar a “felicidade” do “amor”, por fim, como o homem o fez há milhares de anos. Pois com existe a satisfação pessoal, existe a felicidade pessoal; a felicidade comum, que teoricamente o amor trás com ele, existe sim, mas no plano das cedências que o amor impõe, e que cada um aceita em nome desse mesmo amor; portanto no fundo trata-se reduzir a nossa felicidade em nome do amor que supostamente existe para nos fazer feliz.

E por fim a mulher não deve encarar a maternidade como fim último da sua existência. E nem aceitar que a mulher tem uma finalidade nesta vida que é procriar. Não, essa finalidade, a procriação, a mulher o tem igual ao homem sim, mas nem mais nem menos. Mas a mulher pode atingir a plenitude da sua existência, o zénite do ser mulher, sem casar e sem ter filhos (se essa for a sua opção, convicção e desejo pensado e maturado). 

EPÍLOGO: A HISTÓRIA DA HUMANIDADE É A HISTÓRIA DA PERSEGUIÇÃO DA MULHER PELO HOMEM

E dizer que chegamos a este ponto através da religião, de costumes e da cultura é dizer pouco. Na verdade a história da humanidade é a história da perseguição da mulher pelo homem; o que se pode verificar claramente em diversos estágios da humanidade. Mas para encurtar, conhecemos a fase em que não estudavam, a fase em que recebiam menos que os homens mesmo realizando o mesmo trabalho só porque eram mulheres. Já para não falar da fase em que eram consideradas quase como seres incapazes de tomar decisões racionais e tinham que ser orientadas pelos maridos ou país em todas aas decisões. A fase relativamente recente em que ela nem tinha direito ao voto em países tao desenvolvidos como a Inglaterra França Estados Unidos, Rússia ou a Europa inteira no geral (se em 1788 - nas vésperas da Revolução, portanto -, no país mais moderno do mundo, que era a França desse tempo, Condorcet ainda reclamava, para as mulheres o direito à educação, à participação na vida política e ao acesso ao emprego, imaginem no resto do mundo. Quer dizer, o povo Francês tão evoluído tão, emancipado, há um ano de fazer a maior revolução que a humanidade jamais conheceu, ainda não estava capaz de olhar para o lado e ver que a mulher era igual aos homens. Essa revolução que tinha como Bandeira Igualdade, Fraternidade e Liberdade, as palavras mais belas criadas pelo homem, não pedia isso para as mulheres; a liberdade era para os homens (viverem sem serem oprimidos pelos reis e nobres), a fraternidade era entre eles (para se criar uma sociedade mais justa), a igualdade era para ser imposta para eles (entre homens de todas as classes).

E para a mulher? Nada; Ninguém se lembrou dela. Imagino o Revolucionário francês que depois de uma jornada de luta - no terceiro més da Revolução, portanto no oitavo dia do Frimário (hoje Março) 1789 -, de violentos confrontos nas ruas de Paris, volta ferido e cansado para a casa e enquanto espera que a companheira lhe ponha a nalga de sopa a mesa, diz-lhe emocionado: - “hoje a Luta foi dura, perdemos muitos dos nossos, mas os homens do Rei fugiram… a liberdade está próxima…, vai haver um mundo novo em que seremos todos iguais, um mundo feito de fraternidade, amizade, liberdade, companheirismo, etc., etc. E assim a noite inteira, esquecendo (pobre diabo) que aquela ali, que lhe tratou agora mesmo dos ferimentos, que cozinha a sopa que vai tomar, também gostaria de viver nesse novo mundo…enfim, nós os homens não fomos sempre cegos para algumas coisas (todas?)? Mas aquela que esta de costas, mexendo calmamente com a colher o conteúdo da panela, também esqueceu disso… nunca pensou nisso. Quem sabe ela pensa para consigo que “o melhor que este imprestável estouvado devia fazer era arranjar um emprego decente para por a comida na mesa e quem sabe se por fim possa comprar as roupas que os meninos tanto precisam, antes que chegue o inverno e, … e, …”

As mulheres, mesmo em plena Revolução, no momento da tomada de Bastilha ou do Palácio de Inverno, comportam-se da mesma maneira: procuram o telefone mais próximo para ligarem para casa e perguntarem se os meninos tomaram o pequeno-almoço e se limpou-se a sala, entre outras importantíssimas questões… e não tem importância o facto de que na altura da Revolução Francesa não existir ainda telefone, porque no dia da Revolução de Outubro na confusão que se gerou nas proximidades do Smolnin e o Palácio de Inverno, também não seria possível telefonar (alem de que na Rússia Czarista não havia telefones públicos que eu saiba. Aqui a figura de retorica, é apenas para entenderem a ideia (e para o escritor armar-se em grande intelectual…).

E desde esses tempos e mais recuados ainda, até hoje, a mulher continua “pondo-se a jeito”, comendo ananases na Lua, deitando cascas para o Rio Don, que indiferente a tudo, continua calmamente a serpentear, cada vez mais prateada, cada vez mais brilhante … pelas cercanias da minha querida cidade de Rostov.


Fernando S. Teixeira

O problema do norte do Mali não é um problema de identidade.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A Crise do Mali foi reduzida a questões de identidade por políticos de ambições mal escondidas.

Des habitants de Gao, après une attaque d'islamistes, février 2013. © REUTERS/Francois Rihouay


Habitantes de Gao após um ataque de islamitas, Fevereiro de 2013. © REUTERS / Francois Rihouay

Como dissemos aqui várias vezes, a retórica para desenhar malianos do Sul contra os do norte (e vice-versa), parece encontrar eco crescente na sociedade do Mali.

Em uma conferência organizada pelos Serviços Regionais de África na Embaixada dos Estados Unidos em Paris, o
jornalista maliano Bakary Traoré e Pelletier Michael, vice-secretário de Estado adjunto do Departamento de Estado, eram questão de salientar que o problema fundamental no Mali não foi devido a tensões comunais, e a coexistência e diversidade são essenciais para a construção de um futuro melhor.

Os vários oradores alertaram contra amálgamas de identidade e confusão que a crise revelou no Mali.
 

Manipulação?

     "A verdadeira questão não é uma questão de identidade. Esta é uma manipulação da questão de identidade ", explicou o jornalista Bakary Traoré, também membro do grupo de malianos na França para a paz.

Para ele, os Touaregues não devem, em circunstância alguma, ser responsabilizado pela situação no norte do Mali, porque eles são "parte integrante da Nação do Mali", bem como outras populações. Ele também lamenta os excessos e, muitas vezes feitas de amálgama entre a chamada "pele branca" e radicais islâmicos.

Mais, o Mali está em suas ricas diversidades culturais que o caracteriza, e a crise no norte do Mali não deve comprometer a diversidade do país. "Em uma família do Mali, muitas vezes você tem um Songhoi pai, uma mãe Tuareg, ou vice-versa. Mali é bem feito ", disse ele.


Bakary Traoré é no entanto, do MNLA (Movimento Nacional de Libertação de Azawad), que é responsável por tratar a questão real de identidade, estabelecendo-se como a organização representativa de todas as populações do norte do Mali.

"O MNLA é um ilegal e ilegítimo", disse ele, acrescentando:

     "Isso não representa o povo do norte de Mali (principalmente Songhois), ou até mesmo os Tuaregues".
 
 
Bakary Traoré, jornalista Malino e Elikia Mbokolo, pesquisador congolês, chegaram a comparar a situação de Mali e Congo. Em Paris, 08 de março de 2013. Foto Pascal Sim / África Serviço Regional
 
O único caminho, diálogo.

Michael Pelletier, responsável pela Diplomacia Pública dos
Assuntos Africano no Departamento de Estado dos EUA , fazer amálgama entre as populações Tuaregues e do MNLA também seria um erro. Para ele, a palavra chave é necessária, no entanto, para escapar da guerra e da divisão do Mali  o caminho é o "diálogo".

Em linha direta com o discurso do Departamento de Estado desde o início da crise, em Mali, Michael Pelletier reiterou que "o governo dos EUA sempre deu prioridade ao diálogo. Isso é melhor do que a guerra. "

"No Mali, deve haver um governo democraticamente eleito para encontrar soluções de longo prazo" também referiu o subsecretário-adjunto de Estado.
 
 
 
Michael Pelletier 08 de março de 2013, em Paris. Foto Pascal Sim / Serviços Regional de África 
 
Por: Ambroise Védrines 
 
fonte: Slateafrique 
 
 

IDH angolano cresce desde 2000.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Angola figura na lista de países que “registaram os maiores avanços em matéria de desenvolvimento desde 2000”, superando a média da região, diz o relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), lançado ontem na cidade do México. De acordo com os destaques vertidos na publicação regular do PNUD sobre o desenvolvimento humano, até ao ano 2050 o índice deste avanço poderá aumentar na África subsahariana de que Angola faz parte.
Na última década, diz o documento, “praticamente metade do financiamento em infraestruturas na África subsahariana proveio de governos e fundos regionais de outras regiões do sul”. Apesar desta constatação, lê-se no documento que ainda existem grandes disparidades nos progressos obtidos no seio dos grupos e regiões do Índice de Desenvolvimento Humano, apresentando esta situação um rácio mais elevado na África subsahariana.
O documento menciona mesmo o facto de entre 2003 e 2008, período que precedeu a crise financeira internacional, o rendimento per capita nesta sub-região africana ter subido mais de 5 por cento, superando o dobro da taxa alcançada nos anos 90.
A despeito de muitos países da região terem apresentado melhorias nos respectivos valores do índice de desigualdade do género nos últimos 12 anos, “continuam a registar um desempenho mais negativo do que o de países de outras regiões, sobretudo devido aos mais elevados rácios de mortalidade materna e taxas de fertilidade adolescente, bem como as acentuadas disparidades em matéria de sucesso escolar”.
Na vertente da comunicação telefónica, em que a região regista algum incremento, o documento ressalta o grande contributo dado por empresas da Índia, África do Sul e Emiratos Árabes Unidos, que reflecte o bom momento da cooperação entre países do hemisfério sul. O relatório do PNUD ora divulgado tem como lema “A ascensão do Sul: o progresso humano num mundo diversificado”. De acordo com o PNUD a região Austral de África pode alcançar altos índices de desenvolvimento desde que aprofunde as suas relações com as outras regiões do sul. O director para a África do PNUD, Tegegnework Gettu, disse mesmo que “África conseguiu atingir níveis sustentáveis de crescimento económico numa época marcada por fortes relações com economia emergentes”, ressaltando que este progresso teve uma base amplificada nos domínios da educação e saúde.
Os números de Angola
Os dados demográficos avançados pelo documento do PNUD apontam para uma população de pouco mais de 20 milhões de cidadãos angolanos, respeitantes aos sexos masculino e feminino, residindo 60 por cento dos quais em regiões urbanas. A população feminina continua a ser maioritária, com pouco mais de 10 milhões e apenas 9 milhões e 990 mil e 43 homens. No mesmo documento, Angola ocupa a posição 148, com os números a revelarem uma esperança de vida à nascença de 51,5 anos, reportando, no aspecto da educação, uma média de escolaridade de 4,7 anos. Neste particular, o documento diz que Angola destinou 3,4 por cento do produto interno bruto na educação. Revela ainda que a taxa de abandono no ensino fundamental foi de 68,1 e os anos de escolaridade esperados são de 10,2.
O documento não disponibiliza os índices sobre a pobreza e desigualdade de género, mas diz que o de economia, comércio e renda é de aproximadamente 0,6. Quanto à inovação e tecnologia de comunicação sobretudo, fixas e móveis, o PNUD diz que 48,3 entre 100 pessoas têm assinatura de telefone. O PNUD publica o relatório sobre o Índice de Desenvolvimento Humano desde 1990 como alternativa às medidas convencionais de desenvolvimento nacional com realce para a taxa de crescimento económico e o nível de renda.
Diz o PNUD que o IDH representa um impulso para a uma definição mais ampla de bem-estar e fornece uma medida composta de três dimensões básicas do desenvolvimento humano que são a saúde, educação e renda. Entretanto, diz ainda o documento que 54,3 por cento de angolanos vivem com menos de 1,25 dólares americanos por dia. Quanto às emissões de dióxido de carbono por pessoa, o documento aponta para 1,4 toneladas.

fonte: OPAÍS.NET

Cabo Verde suprime valor mínimo para capital social de empresas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O Governo de Cabo Verde decidiu suprimir a exigência de um valor mínimo de 2,5 milhões de escudos (cerca de 22.728 euros) para o capital social de uma empresa por considerar que trata de um obstáculo à criação de empresas em setores com potencial de crescimento.

Praia - O Governo de Cabo Verde decidiu suprimir a exigência de um valor mínimo de 2,5 milhões de escudos (cerca de 22.728 euros) para o capital social de uma empresa por considerar que trata de um obstáculo à criação de empresas em setores com potencial de crescimento onde são desnecessários avultadas somas para iniciar negócio.
A partir de agora, o valor do capital social exigido para a criação de qualquer empresa comercial é uma quantia simbólica de 1 escudo cabo-verdiano (cerca de 0,009 euro), pelo que o Governo espera que a medida remova uma das principais dificuldades enfrentadas, principalmente pelos jovens, para criar um negócio em setores com potencial de crescimento mas com pouca exigência inicial de capital.
O executivo considera ainda que o valor inicial obrigatório antes exigido não era uma garantia de que se conseguia a adequada capitalização da empresa porque não assegurava uma possível futura descapitalização, nem tinha a ver diretamente com a dimensão da atividade desempenhada pela empresa.
"Não é o capital social que fornece aos credores uma referência satisfatória sobre o património real da empresa", sustenta a portaria governamental publicada no Boletim Oficial.
De acordo com o diploma, o controlo empresarial e de limitação de responsabilidades demandam mecanismos efetivos de proteção dos credores.
"Na tentativa de conferir credibilidade à responsabilização das sociedades, o legislador lança mão de recurso que, no modelo atual de disciplina do capital social, adquire caráter meramente simbólico", lê-se na portaria, esclarecendo ainda que a exigência do capital social mínimo é "um limiar de seriedade" que não condiz com a realidade porque "é demasiado ridículo para os objetivos a que se destina".
A portaria considera ainda que o capital mínimo é incapaz de assegurar a capitalização da empresa, acrescentando que "só tem razão de ser se houver mecanismos que evitem a descapitalização".
"Os credores fortes continuarão a exigir garantias suplementares ao negociarem com os pequenos empresários e os credores fracos permanecem desprotegidos", lê-se no diploma governamental.

fonte: AFRICA21
 

Total de visualizações de página