Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Angola: Projecto “Comandante Gika”.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


projecto “Comandante Gika” composto por quatro grandes empreendimentos como “Vip Grand Luanda”, “Alvalade Residence”, “Garden Tower” e “Luanda Shopping” tem a inauguração marcada para o próximo ano, disse o director comercial da Luanda Shopping, Feizal Esmail.
O projecto ocupa uma área de 390 mil metros quadrados de construção, que fazem dele o maior projecto imobiliário de Angola e de toda a África, referiu Feizal Esmail, que prestou esta informação à margem do primeiro encontro que manteve com os lojistas do Luanda Shopping, cuja inauguração está prevista para Outubro de 2010.
O encontro com lojistas do Luanda Shopping visou definir os parâmetros e os critérios a seguir na concepção das diversas lojas, para que em conjunto com a Shopping Gest, empresa gestora, se tracem os caminhos para o sucesso do projecto. Aos lojistas foram entregues dossiers que contêm toda a documentação técnica necessária para o “conceito” que se pretende para o shopping.
O encontro visou ainda apresentar a equipa técnica da Shopping Gest aos lojistas, o projecto final do Luanda Shopping e o plano de desenvolvimento, os factores críticos de sucesso e os passos a dar.
Luanda Shopping ocupa uma área comercial de 175 mil metros quadrados em três pisos e 238 lojas, um hipermercado com 12 mil metros quadrados, “Health Club”, restaurantes e oito salas de cinemas com 1.800 lugares e parque de estacionamento com 2.630 lugares.
Feizal Esmail explicou que os critérios de valorização das lojas têm a ver com espaço. Quanto maior for a loja, mais oneroso é o custo mas para já, o preço base por metro quadrado está estimado entre 105 e 110 dólares, susceptível de negociação.
Marcas de peso
O Luanda Shopping pretende, segundo o seu director comercial Feizal Esmail, um conceito de máxima harmonia, onde marcas do mercado global e de assinalável peso, nacionais e internacionais, sejam representadas e comercializadas.
Segundo o director Comercial, 90 por cento das marcas internacionais conceituadas já estão confirmadas.
Marcas como Hard Rock Café, FNAC, Pizza Hul, Zara, Rouge, KFC, Izzi, Jumbo, são para já algumas das confirmadas. Na alimentação e restauração estão confirmadas com marcas como a Bob’s e Pizza Hut.
Relativamente à moda, conhecidas marcas como a Boss, Levis, Visar, Luboia, Levis, Puma, Nike, Timberland, vão preencher os mostruários das lojas, ao passo que nos diversos e lazer, a Sistec, Unitel, Apple e os bancos BAI e Keve, também fazem parte do conjunto de marcas.
Em ocupação, disse Feizal Esmail, o Shopping está esgotado. No sector da restauração, só resta um espaço disponível dos 32 que o compõem. Na área de moda e acessórios, só restam dois ou três espaços das 54 lojas previstas. Na área de diversos, restam ainda oito vagas.
Inaugurações à vista
O próximo ano começam as inaugurações dos diversos empreendimentos que compõem o projecto “Comandante Gika”. Em Julho de 2010, o Garden Tower e o Alvalade Residence vão ser inaugurados. O Luanda Shopping é inaugurado em Outubro e Dezembro é a vez do hotel de cinco estrelas, o VIP Grand Luanda.
Segundo estimativas, o “Comandante Gika” vai servir uma população de cerca de cinco milhões de habitantes. O Garden Tower, um dos empreendimentos com 67.600 metros quadrados de um complexo de escritórios modernos, conta com 20 pisos acima do solo e dois abaixo do solo com infra-estruturas e serviços de apoio e 470 lugares de estacionamento. Alvalade Residence, condomínio fechado, contempla 136 apartamentos, distribuídos pelos 20 pisos acima do solo. Conta ainda com quatro pisos abaixo do solo e com 272 lugares de estacionamento.
Hotel VIP Grand Luanda, de cinco estrelas com 4.500 metros quadrados, conta com um casino e Spa hotel. Com uma área de construção acima do solo de 27.950 metros quadrados e uma área de 12.900 metros quadrados abaixo do solo, o VIP Hotel tem 300 quartos duplos, 70 suites e 240 lugares de estacionamento.
Fonte: negociosangola.blogspot.pt

Nigéria quer devolver a paz Guiné-Bissau “a todo custo”.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A ministra da Defesa e do Estado da Nigéria, Erelu Olusola Obada, que fez hoje uma visita de algumas horas à Guiné-Bissau, disse que o seu país irá fazer tudo “para devolver” a paz à Guiné-Bissau.
“A Nigéria vai trabalhar a todo custo para devolver a paz a este país”, disse a ministra da Defesa, em breves declarações à imprensa, momentos após ter-se reunido com o contingente nigeriano da missão da Ecomib, que se encontra em Bissau.
A Ecomib é uma força de alerta, composta por mais de 600 soldados oriundos de alguns países da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).
A Nigéria tem mais de 300 homens integrados nessa força, entre militares e polícias.
A governante nigeriana, acompanhada do ministro da Defesa do Governo de transição na Guiné-Bissau, Celestino de Carvalho, disse que, além de intervir no processo de pacificação da Guiné-Bissau, a Nigéria irá ajudar na formação de militares guineenses.
A ministra Erelu Olusola Obada, que se deslocou à Bissau num avião presidencial do seu país, passou em revista as instalações onde se encontram os elementos do contingente nigeriano, no antigo quartel general do exército guineense, antes de seguir para a Libéria.
“As instalações e a situação dos nossos homens aqui, de modo geral, são boas, mas, dentro de duas semanas, serão transferidos para um aquartelamento próprio”, afirmou Erelu Obada.
Fonte do exército guineense disse à Lusa que o contingente nigeriano da Ecomib será transferido para os arredores de Bissau, sem, contudo, indicar o local exato.
Mais de 600 soldados e polícias do Burkina Faso, do Togo, da Nigéria e do Senegal, fazem parte da Ecomib, tendo como mandato garantir a segurança das autoridades de transição, instituídas com o golpe de Estado de 12 de abril passado.
A Ecomib substituiu a missão angolana de apoio ao processo de reforma das Forças Armadas da Guiné-Bissau (Missang), que retirou os últimos militares do país, no início do passado mês de junho. (lusa.pt)

fonte: portaldeangola

Total de visualizações de página