Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

domingo, 22 de setembro de 2013

Radicais islâmicos assumem autoria de ataque armado a shopping de Nairóbi.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Grupo Al-Shabab justificou atentado como represália à presença do Exército do Quência no sul da Somália; pelo menos 39 pessoas morreram.

Segurança vigiando o local.

A milícia radical islâmica somali Al-Shabab assumiu a autoria do ataque armado realizado neste sábado contra o centro comercial Westgate, em Nairóbi, que deixou pelo menos 39 mortos e 150 feridos. O ataque foi justificado como uma represália à intervenção das forças armadas do Quênia no sul da Somália contra o grupo islâmico, após o governo queniano "ignorar reiteradas advertências".
"A Al-Shabab confirma que está por trás do espetáculo de Westgate", escreveu o grupo em sua conta oficial no Twitter. "Eles (mujahedines) mataram mais de 100 infiéis quenianos e a batalha prossegue", afirmou. "Esta é a justiça punitiva pelos crimes de seus soldados" envolvidos no conflito somali.
"Por terra, ar e mar, as forças quenianas invadiram nossa pátria muçulmana, matando centenas de muçulmanos e provocando a fuga de milhares", prosseguiu o grupo. "Em numerosas ocasiões o governo queniano foi alertado de que a presença de suas forças na Somália teria consequências dramáticas (...). A mensagem que enviamos ao governo e à população queniana é e será sempre a mesma: retirem todas as suas forças do nosso país".
O Exército do Quênia entrou na Somália em 2011, onde ocupa o sul do país, como parte da força africana multinacional que apoia o governo somali contra os rebeldes islâmicos.
Polícia detém suspeito
A polícia queniana informou que deteve um suposto membro do grupo que realizou o ataque ao centro comercial em Nairóbi. "Detivemos em um hospital um dos suspeitos do ataque do centro comercial Westgate", anunciou a polícia em sua conta no Twitter.
Vários funcionários e clientes do complexo comercial, um dos mais movimentados de Nairóbi, seguem detidos pelos pistoleiros horas depois do ataque. Vários feridos e corpos foram retirados do shopping nas últimas horas.
O governo do Quênia disse que "não retrocederá nesta guerra" nem "correrá riscos" para resolver a situação. "Reforçamos a segurança em todos os shoppings da cidade", afirmou o secretário do Ministério do Interior, Mutea Iringo, que procurou enviar uma mensagem de "tranquilidade" aos quenianos durante entrevista coletiva realizada hoje.
Imagem do Shopping de Nairóbi:

fonte: EFE e AFP

Abidjan evoca um mandado do TPI (Tribunal Penal Internacional) contra Charles Blé Goudé.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O governo da Costa do Marfim levantou nesta sexta-feira e sábado, a existência de um acórdão do Tribunal Penal Internacional (TPI ) contra Charles Blé Goudé, o ex-chefe de jovens patriotas, acusado de " crimes de guerra " pela justiça marfinense por seu suposto envolvimento na crise pós-eleitoral de 2010-2011.

Sexta-feira, o ministro da Justiça Gnenema Mamadou Coulibaly disse diante das câmeras da televisão estatal da Costa do Marfim que " Charles Blé Goudé é de facto o objecto de um mandado de prisão ".

Mas Abidjan "ainda não foi solicitado pelo TPI para garantir a sua transferência para Haia ", disse o ministro na mesma entrevista .

" Nós não temos ainda, a nível do governo, o estatuto sobre o caso Blé Goudé. É depois que o TPI levantar o mandado de prisão, o relatório público, que ele solicita ao Estado a transferência da pessoa visada por esse "mandato de prisão". E o governo, em tempo hábil, deve dar a resposta a esse pedido, se ela for feita ", disse ele acrescentando.

Sobre o inesperado caso de Blé Goudé que é extremamente sensível na Costa do Marfim, dois anos após a crise pós-eleitoral que vitimou mais de 3.000 pessoas em 2010-2011.

Sábado, Sr. Coulibaly solicitado pelo TPI, se recusou a ser entrevistado.

O porta-voz do governo Bruno Kone, também Ministro dos Correios e Tecnologias de Informação e Comunicação, que tinha a princípio evocado um "lapso " do Ministro da Justiça, que em seguida usou do condicional desta pasta.

"Parece que há um mandado de prisão do TPI que não foi tornado público. É somente quando o governo for solicitado é que vai responder à questão ", disse a AFP .

Charles Blé Goudé, ex- ministro da Juventude de Laurent Gbagbo, milícias pró-Gbagbo, por vezes, extremamente violento, foi preso no dia 17 de janeiro no Gana, após mais de um ano e meio na correria e foi extraditado no dia seguinte. A justiça marfinense indiciou-o  em 21 de janeiro, notadamente de "crimes de guerra ", mas também de " assassinatos, envolvimentos em reuniões, a degradação e destruição da propriedade dos outros ".

Sob sanções da ONU desde 2006 e considerado por ONGs internacionais como o responsável por grande parte da violência, Charles Blé Goudé, de 41 anos e apelidado de "General da rua" por sua capacidade de mobilização, é regularmente citada como um possível alvo do TPI .

Laurent Gbagbo está atualmente detido em Haia, para onde ele foi transferido no final de 2011, acusado de crimes contra a humanidade pelo tribunal internacional por seu papel na crise pós-eleitoral, quando ele se recusou a reconhecer a vitória de Alassane Ouattara. Esta recusa causou combates sangrentos entre as duas partes.

Abidjan recusou, sexta-feira, a transferência de sua esposa, Simone para o TPI, o motivo que a justiça marfinense alegou que está na capacidade de garantir um julgamento justo.

A petição foi lançada recentemente para exigir a libertação do Sr. Blé Goudé por "razões humanitárias". Em agosto, um grupo de advogados o visitaram após denuncias de " tratamento cruel, desumano e degradante " em si constatado e encontrados os "sinais de tortura ".

" Charles Blé Goudé está indo bem . Ainda não constatamos uma situação anormal preocupante. Posso dizer que ele está indo bem ", disse Mamadou Coulibaly Gnenema nesta sexta-feira.

O governo de Alassane Ouattara é regularmente acusado de favorecer uma " justiça aos vencedores ", nenhuma figura de seu apoiantes estavam preocupados com crimes graves cometidos durante a última crise. " Não haverá impunidade para ninguém", disse o ministro da Justiça, afirmando que uma instrução está em andamento.

fonte: AFP

Total de visualizações de página