Postagem em destaque

Nos Estados Unidos, a polícia de Memphis desmantelou a unidade envolvida na prisão fatal de Tire Nichols.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... A polícia de Memphis anunciou no sábado o desmantelamento da unidade...

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Guiné-Conacry:Exclusivo - Moussa Dadis Camara, "Sim, eu vou estar próximo a Guiné".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Moussa Dadis Camara, 2 outubro de 2009. © Schalk van Zuydam/AP/SIPA

O ex-chefe da junta guineense, Moussa Dadis Camara, foi acusado em 9 de julho de cumplicidade de assassinato, seqüestro e estupro, durante o massacre de 28 de Setembro de 2009. O seu julgamento não vai certamente ser realizado antes da eleição presidencial marcada para outubro, na qual já é considerado candidato, e até ao ao  veredicto, ele será considerado inocente.

Pela primeira vez desde que anunciou sua acusação, Moussa Dadis Camara se exprime na mídia. Ele respondeu às perguntas a Jeune Afrique, por escrito, de Ouagadougou onde ele está no exílio.

Jeune Afrique: Você ficou surpreso com essa acusação?

Moussa Dadis Camara: Não. De toda evidência, não podemos procurar se render a justiça em um evento também grave sem culpar toda a cadeia de comando. Eu não estou no entanto surpreso, nem por esses chefes de acusação de cumplicidade, ou pelo tempo desta acusação, uma vez que estamos a poucos meses antes das eleições [a eleição presidencial a ser realizada em 11 de outubro, segundo a nota].

Como se desenrolou sua audiência em 7 de julho? Em que estado esteve você?

Eu estava e continuei sereno e confiante. Eu mesmo reclamei que a justiça seja feita bem antes do ataque à minha pessoa, o que está diretamente relacionado a jornada de 28 de Setembro [03 de dezembro de 2009, Toumba Diakité, seu assessor e chefe de "boinas vermelhas" acusado de ser responsável pelos massacres, que abriu fogo contra Dadis Camara]. Eu sei que o Presidente Alpha Conde colocar um ponto de honra que a justiça seja feita de forma transparente e sem desvios.

Você sempre, como você tem repetidamente anunciado, que em breve voltará para Guiné?

Sim. a Guiné é sinônimo de justiça. Como eu poderia ter a estima das pessoas se eu não voltar para o meu país? As eleições estão se aproximando, a justiça avança, e eu tenho que lutar e mostrar aos meus críticos e meus inimigos que eu sou e eu vou ficar com a Guiné.

A acusação conclui suas ambições para presidencial de outubro?

Não, muito pelo contrário. Desde o meu exílio forçado, espero que a luz seja lançada sobre esses eventos. Não estou envolvido no massacre e eu espero que a justiça reforça a minha legitimidade para lutar por eleições democráticas na Guiné.

O que vai acontecer com a sua aliança com a União das Forças Democráticas da Guiné (UFDG) de Cellou Dalein Diallo?

A verdadeira questão é: por que essa decisão da justiça caiu depois que nós dicutimos uma proposta de aliança forte e justa? Eu temo uma orquestração, ver um instrumentalização política da justiça. Eu jamais temi alguma decisão da justiça, mas é claro que há, provavelmente, um desejo de restringir o nosso ritmo. Então, eu devolvo a pergunta: quem se beneficiaria da minha ausência e aniquilação dessa aliança?

O que você espera do julgamento iminente?

Como vocês: as respostas. Lembrem-se de que quase perdi a vida após esses eventos. Punir esses elementos facciosos reveste um carácter quase pessoal, mesmo que esses meus pensamentos vão de encontro aos guineenses que sofreram naquele dia. Um julgamento que revelará a verdade e os verdadeiros culpados serão condenados. E pode ser que talvez vão chamar a atenção daqueles que se beneficiam do meu afastamento. Lembrei-vos que "há um ponto da mais cruel da tirania que é essa que é exercida na sombra de leis e com as cores da justiça" [citação de Montesquieu].

#jeuneafrique.com


Burundi: atraso na eleição.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Pierre Nkurunziza

O governo do Burundi, disse nesta sexta-feira que apoiou as chamadas regionais para adiar votações controversas, mas apenas por alguns dias, alegando que tinha solicitado a comissão eleitoral para implementar o atraso.

A crise no país gira em torno do lance ao terceiro mandato do presidente Pierre Nkurunziza, que seus oponentes dizem que é inconstitucional e viola um acordo de paz que pôs fim a uma dúzia de anos de guerra civil em 2006.

Mais de 70 pessoas foram mortas em mais de dois meses de protestos, com mais de 158 mil refugiados que fogem para os países vizinhos, de acordo com os últimos dados da ONU.

Eleições foram devidas: presidencial para 15 de julho, seguido de eleições para o Senado em 24 de julho, mas os cinco países da Comunidade do Leste Africano (EAC) pediram na segunda-feira para que as eleições fossem adiadas por duas semanas, até 30 de julho, a fim de dar tempo para a mediação.

Foram boicotadas

O porta-voz do governo Philippe Nzobanariba disse em um comunicado que a comissão eleitoral havia sido encarregada de implementar a recomendação da EAC para um atraso para a votação, mas que deve ser realizada o mais tardar até 26 de Julho.

#africareview.com

Total de visualizações de página