Postagem em destaque

A tensão está aumentando perigosamente entre a RDC e Ruanda.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo da República Democrática do Congo (RDC) declarou que o tir...

segunda-feira, 25 de março de 2013

República Centro-Africana: Michel Djotodia, o líder rebelde tornou-se presidente depois de dar um tempo duro para François Bozizé, o líder da rebelião Seleka é o novo cargo chefe do país.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Michel Djotodia, Libreville, janvier 2013 / AFP
Michel Djotodia, Libreville, janeiro de 2013 / AFP

Em entrevista à RFI, poucas horas depois de anunciar a sua intenção de endoçar as roupas do Chefe de Estado da República Centro Africano, Michel Djotodia afirmou que a tarefa é imensa.
Para o líder da rebelião Seleka diz a RFI, o país está à deriva e seu primeiro desafio será o de restaurar a segurança não só na capital, mas em toda a África Central.
Mas algumas preocupações já são permitidas. Como sempre, na entrevista a RFI,
Michel Djotodia disse que não tem que esperar até eleição de 2016. Da mesma forma, ainda não está claro qual é a posição da comunidade internacional, como fez saber a RFI, alguns perto do atual primeiro-ministro Nicolas Tiangaye, acreditam que os chefes de Estado da sub-região da África Central não vêem com mau olho a chegada de Michel Djotodia no negócio.
O
auto-proclamado Presidente da República Centro Africana  é um mais velho e tem 60 anos. Ele era um funcionário de carreira diplomática. Ele foi o cônsul da RCA em Niala, no sul de Darfur, precisou ainda a RFI.
Por oito anos, ele foi um dos principais líderes da rebelião no país. Considerado como um "intelectual" pelo povo do Nordeste da RCA (do qual ele é originário), por causa de seu domínio de várias línguas, incluindo o russo (ele estudou na Rússia).
Isto é, quando Michael Djotodia foi cônsul em Darfur do Sul, que fica próximo aos rebeldes do Chade, disse Louisa Lombard, uma antropóloga especializada em questões da África Central, entrevistada pela RFI. Com o seu apoio, ele rapidamente se tornou um dos principais líderes da rebelião em seu país e, mais tarde, o chefe da rebelião de Seleka que agora está voando para Bangui.
Segunda-feira, a União Africana suspendeu da sua organização A República Centro Africana, restringindo viagens e congelamento de bens de Michel Djotodia e seis elementos de Seleka, portanto, outros líderes. França condenou "o uso da força, que resultou na tomada do poder", chamando para uma parada saques em Bangui. E a União Europeia considerou de "inaceitável" a tomada do poder "pela força".


fonte: slateafrique

Total de visualizações de página