Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

terça-feira, 13 de agosto de 2013

O "kit de casamento" das esposas Ruandenses.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Le «kit de mariage» des épouses rwandaises











Foto de casamento, em 2012 / REUTERS

Uma bicicleta, colchões e utensílios de cozinha: isto não é uma lista de compras, mas os dotes que as jovens ruandenses devem reunir para se casar.

Em Ruanda, a tradição é que o homem gasta prodigamente para o dote da mulher que ele quer se casar. Mas no distrito de Nyamasheke sudoeste do país, em Nyabitekeri, Cidade Nyabitekeri parece se aplicar às tradições ao inverso, relata Radio Netherlands Worldwide.

A noiva deve fazer um dote muito mais substancial do valor pago pelo homem, até quatro vezes mais do que o valor acordado pelo futuro esposo, diz o site. Segundo o artigo, o conjunto se comporta de utensílios de cozinha, móveis, equipamentos para o lar conjugal, uma bicicleta para o marido dela ... e muitas vezes um colchão novo adiciona à lista longa de requisitos.

Um duplo custos de colchão de gama média custando por volta de 40 mil francos ruandeses (cerca de 50 euros), disse o site que esse é o salário mensal de um professor. Para as mulheres independentes, este colchão é cheio de problemas. Elas sangram para vender produtos ao mercado ou às vezes são ajudadas por seus pais que vendem seu gado ou a sua terra para angariar o dinheiro, diz o artigo.

Na ausência de colchões ou outros itens necessários para dote, a família do marido pode se livrar da noiva. Algumas mulheres entrevistadas pela Radio Netherlands Worldwide recusam-se a cumprir esses requisitos, que consideram indignos ao casamento:

"Sangue, suor e água para ter um marido? (...) Eu estou pronta para suar com ele depois de nosso casamento, mas não antes ", exclamou uma delas.


Mas o celibato é desaprovado na região católica, diz o artigo. Os pais, portanto, resolvem pagar a "qualquer preço" para suas filhas se casarem e evitar a desonra de celibato, diz o site.

fonte: Slate Afrique com  Radio Netherlands Worldwide.

Angola: Até Tu, Lopo!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



A trajectória de Lopo do Nascimento, actual deputado do MPLA na Assembleia Nacional, como a voz moderada, credível e crítica do regime, é digna de um livro. Durante muitos anos, vários sectores da sociedade, quer no seio do regime quer no seio da oposição e da sociedade civil, alimentaram a esperança de que Lopo do Nascimento seria o candidato presidencial ideal para congregá-los. Viam nele uma reserva moral da política nacional. No entanto, também se reconhecia em Lopo do Nascimento, que já ocupou os cargos de primeiro-ministro e secretário-geral do MPLA, falta de coragem para enfrentar abertamente o presidente José Eduardo dos Santos e o seu círculo de poder pessoal.
 
A respeitabilidade política cultivada por Lopo do Nascimento passou a ser questionável quando, em 2011, assumiu o cargo de presidente do Conselho-Geral e de Supervisão da Coba, uma das maiores empresas portuguesas de consultoria em engenharia civil e ambiental.
 
Em 2010, Lopo do Nascimento formou um consórcio empresarial com a empresa pública Sonangol, que adquiriu 49 porcento da Coba, ao mesmo tempo que era deputado na Assembleia Nacional.
 
Lopo do Nascimento, continua a exercer, cumulativamente, as funções de deputado e de presidente da Coba, baseada em Portugal.
 
Segundo a Constituição, o mandato de deputado é incompatível, entre outros, com “o exercício de funções de administração e gerência ou de qualquer cargo social em sociedades comerciais e demais instituições que prossigam fins lucrativos”. A Constituição estabelece, também, como incompatível, “o exercício de relações jurídico-laborais subordinadas com empresas estrangeiras ou organizações internacionais”.
 
Já a Lei da Probidade define como acto de enriquecimento ilícito a obtenção de vantagem económica “para intermediar a disponibilização ou a aplicação de verba pública de qualquer natureza”.
 
Por altura da conclusão do negócio, em 2011, o presidenta da Coba, Ricardo Oliveira, disse aoDiário Económico que “há cerca de um ano, o grupo de Lopo de Nascimento propôs-nos fazer esta parceria, um processo que está agora concluído”. Na altura, ninguém questionou, como a Sonangol, empresa pública, pode ter feito parte do grupo empresarial constituído pelo deputado do MPLA, para o efeito.
 
Em entrevista ao Público, na altura, Ricardo Oliveira explicou a estrutura accionista da Primagest, a empresa angolana que ficou com a Coba: “Já referi que o líder do consórcio é a Sonangol, e o líder da Sonangol é o engenheiro Manuel Vicente. Ao ser o líder tem a maioria do capital. Outra pessoa fundamental para nós é o doutor Lopo do Nascimento, que é parte desse consórcio e que já é nosso parceiro em Angola. Há também um banco angolano, e não preciso saber mais. Se houver mais alguém, será alguém que tem uma posição minoritária”.
 
Não há qualquer informação pública sobre o montante investido pelo consórcio angolano ou sobre a contribuição financeira do Estado angolano, através da Sonangol, para a referida empreitada. O relatório e contas da Sonangol, de 2011, não faz qualquer referência ao seu investimento na Coba, assim como não a inclui entre as suas associadas.
 
Por ocasião do 50° aniversário da Coba, celebrado no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, Lopo do Nascimento discursou perante uma audiência de 700 convidados, na sua qualidade de accionista de referência e presidente do Conselho-Geral e de Supervisão da Coba.
 
“No próximo ano iremos a Argélia e juntamente com a Sonangol contamos entrar em três novos países africanos. Estes movimentos deverão ser realizados em perspectiva idêntica à que utilizámos em Angola, no âmbito de parcerias com empresários locais”, disse Lopo do Nascimento na ocasião.
 
Conclui-se então que a Sonangol dá para tudo.
 
No entanto, a questão fundamental mantém-se: porquê e para quê o país precisa de leis, mesmo quando os representantes eleitos do povo e as suas reservas morais não as respeitam?
 
A Constituição é clara quanto às incompatibilidades de Lopo do Nascimento, ao acumular funções de deputado com um cargo social de uma sociedade comercial. Ademais, o deputado do MPLA mantém uma relação jurídico-laboral com uma empresa estrangeira. Como presidente do Conselho-Geral e de Supervisão, o deputado tem responsabilidades legais para com a Coba, contrariando o disposto na Constituição da sua pátria.
 
Na realidade, são vários os deputados do MPLA engajados na prática de acumulação de funções incompatíveis. Em abono da verdade, já há deputados da oposição que também seguem a mesma prática, com a mesma convicção de impunidade. Caso paradigmático é o do antigo secretário-geral da UNITA e actual deputado à Assembleia Nacional, Lukamba Paulo “Gato”, que preside, cumulativamente, ao conselho de administração da Yoka, uma empresa de empreendimentos e investimentos.
 
Dada a frequência destas prácticas e a impunidade com que são abertamente mantidas, a Assembleia Nacional bem pode rasgar a Constituição e declarar Angola um Estado de Anarquia.
 
fonte: makaangola

Abidjan: Após a sua recente libertação - Affi prepara seu retorno à política.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Politique:
© Abidjan.net por Atteby
Política: O FPI acolhe seus militantes após sua libertação provisória.
Terça-feira, 6 de agosto de 2013. Riviera Attoban. Os Ex-detentos que beneficiam de liberdade provisória foram brindados com uma recepção calorosa por ativistas e simpatizantes da Frente Popular Marfinense (FPI). Foto: Affi N `Guessan.

Visitas, audiências, conclaves ... A vida não é fácil para o presidente da Frente Popular Marfinense. Desde sua libertação da prisão, segunda, 5 de agosto, Pascal Affi N'Guessan, sem ter ainda tomado posse, está trabalhando. Em preparação para seu próximo retorno à cena política, depois de dois anos e meio de ausência. No último sábado, uma equipe do Grupo Nossa Voz marcou a passagem da metade de um dia com ele em um local que serve de residência temporária.
São 9 h 45 min. Estamos nas proximidades de sua residência temporária na companhia de alguns líderes do Grupo Nossa Voz.  Estiveram presente o diretor geral, César Etou, o diretor das Edições, Abdoulaye Sanogo Villard, editor chefe, Augustin Kouyo e o responsável de serviços técnicos, Toure Kifuima. César Etou entra em contato com a residência e recebe luz verde do Presidente. Nossa equipe de reportagem entra em cena, bem como funcionários do jornal. Calorosos apertos de mão, abraços e, em seguida, começa a entrevista. Por quase 45 minutos, entra o presidente Affi e os reponsáveis de Nossa Voz estão em posições trocadas. Às 10h 30min, é a grande família de Affi que chega. Pode-se ver a presença dos irmãos, Kouamé Kouamé Oi, o mais velho, tias, tios, mas também filhos, netos, sobrinhos e sobrinhas. Ambiente descontraído, risos, aplausos, é a alegria do reencontro. Visita da família durou mais de uma hora. Antes de sair, cada família pousou com o presidente da FPI.
10 minutos mais tarde, o ex-secretário federal de Soubré Teófilo Gogi, chegou. Ele saudou calorosamente o Presidente Affi N'Guessan a quem deu parabéns. A audiência será menor do que as anteriores. Ela vai durar cerca de 30 minutos. Apenas Gogi Teófilo partir, o ex-deputado de Port-Bouet, Toure Masseni, surge. É sempre o mesmo fervor dos reencontros. Cada empolgação, e acolhimentos. Frente-a-frente dura cerca de 20 minutos. O Sr. Alexis Gnakoury ex-membro do gabinete Simone Gbagbo, também, conheceu Pascal Affi N'Guessan. Durante meia hora, eles trocaram carinhos. Às 13h 15min, Kouakou Krah, Secretário Nacional de Solidariedade, e Kambou Difilé o ex-assessor econômico e social, chegaram à residência. Eles vão se reunir com o presidente até por volta dàs 14h.
Às 16 h, quando o time saiu de cena, Justin Kua, o Secretário Nacional da Juventude da Frente Popular Marfinense (JFPI) deverá, por sua vez, ser recebido. Nada filtrou os diferentes encontros, mas é claro que contam as expectativas, Pascal Affi N'Guessan prepara seu retorno à cena política.

Por: César Ebroki

fonte: abidjan.net

Senegal: Teranga Gold Corporation pagou 8,8 bilhões de francos CFA para o Estado.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



A sociedade mineira canadense Teranga Gold Corporation realizou em 2012, os pagamentos no montante total de 17,6 milhões dólares. Ela pagou cerca de 8,8 bilhões de francos CFA em relação aos royalties, impostos sobre o trabalho e pagamentos de impostos para o governo, diz um relatório da empresa.

O documento afirma que este valor aumentou para 42% em relação ao que foi pago por 15 meses imediatamente anteriores a 31 de dezembro de 2011. Ela indica que o valor "não inclui a soma de 804.587 dólares (cerca de 402 milhões de francos CFA) dedicado ao Fundo Social Teranga Gold Mining [do Senegal] através de doações e atividades de patrocínio com o apoio institucional local e apoio institucional do Ministério [Senegal] de Minas ". Este segundo relatório sobre a responsabilidade social corporativa (CSR) de Teranga Gold Corporation apresenta o desempenho da empresa e de suas operações e de exploração em subsidiárias de Senegal, indica uma nota de apresentação. A empresa canadense de mineração de ouro conseguiu em 2012 um volume de negócios de 350,520 milhões de dólares (cerca de 175 mil milhões de francos CFA), contra 187,141 milhões de dólares (cerca de 93,5 bilhões de francos CFA) em 2011.

Teranga Gold Corporation relata que a produção aumentou de 131.461 onças para 214,310 onça, de 2011 a 2012, com a conclusão da expansão de sua fábrica em Sabodala no sudeste do Senegal, onde atua. O documento observa que a mineradora foi fundada em novembro de 2010, a fim de "adquirir a mina de ouro de Sabodala e uma grande área de exploração regional, localizado no Senegal". A mina de ouro Sabodala é a única mina de ouro industrial em operação no Senegal e a segunda riqueza industrial do país, depois que a mina de fosfato foi construída na década de 1960, disse o relatório. Em 5 de junho, o ministro de Minas e Energia, Ngouille Aly Ndiaye, disse que a empresa Teranga Gold Corporation pagou mais de cinco biliões de francos CFA ao Tesouro senegalês em 2012, sob os royalties de mineração relacionados com a sua atividades. "Sabodala iniciou suas operações em 2009, tudo está indo muito bem. Desde então, várias taxas foram pagas ", disse ele durante um debate na Assembleia Nacional, onde ele respondeu a uma pergunta do ao membro do partido MP, Demba Diop. Segundo ele, Teranga Gold Corporation concordou em elevar de 3 para 5% dos royalties da mineração para o restante da concessão.

Manter a produção de 200 mil onças

Em seu relatório, a empresa diz que, em 2012, ela começou a entrar em contacto com as escolas do Senegal, para identificar o "alto potencial de estudantes e ajudá-los a compreender melhor as várias habilidades necessárias para trabalhar em uma empresa como a Teranga Gold Corporation". No mesmo ano, a empresa "tem-se centrado no reforço do diálogo com as partes interessadas (autoridades locais, estaduais ...), desenvolvendo e melhorando os canais de comunicação." Entre as iniciativas desenvolvidas incluem um novo mecanismo formal para registrar queixas e comunicações com os jornalistas, ONGs e o governo para "promover a nossa visão da Rse expor gastos no contexto do nosso programa social", refere o documento. De acordo com o relatório, Teranga Gold Corporation quer " manter uma base de produção de 200.000 onça [por ano], com seus atuais objetivos de concessão de mineração." A empresa afirma empregar cerca de 950 funcionários que trabalham no local da mina de ouro de Sabodala, além de cerca de 200 funcionários de seus parceiros comerciais de Sabodala. "Cerca de 90% dessa força de trabalho é senegalesa", diz o documento. Teranga Gold Corporation, com a sua filial em Sabodala, a Gold Mauritius Ltd., é dona de 90% das operações de Sabodala gold operations (Sgo), a entidade operacional senegalesa de mina de ouro de Sabodala, de acordo com o relatório. O resto do Sgo (10%) pertence ao Estado do Senegal, diz o relatório.

(EPA)

fonte: lesoleil.sn

Total de visualizações de página