Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Cabo Verde quer tornar-se país desenvolvido até 2030.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




Aceda ao LINK AQUI.

Senegal: Peregrinação a Meca - O Presidente Macky Sall apela por uma reavaliação da organização.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

content_image
Peregrinação a Meca: Macky Sall espera por uma reavaliação da organização

O presidente senegalês, Macky Sall, solicitou na sexta-feira em Dakar que cada país muçulmano reavalie a sua organização para peregrinação a Meca após a debandada mortal que ocorreu em Mouna.
 '' Tudo isso nos desafia, interpela a nossa consciência de como nós precisamos organizar a peregrinação. Certamente após as investigações a serem realizadas e que já começaram em Mouna, cada país deve reavaliar sua organização e método, '' disse ele.

O Presidente Macky Sall Sall falava após a oração do Eid al Adha ou Tabaski na Grande Mesquita de Dakar.
A tragédia ocorreu na quinta-feira, quando centenas de milhares de peregrinos visitaram Jamra próximo de Mouna, na parte da manhã, o primeiro dia da celebração da festa de Eid el-Kebir.

Os peregrinos foram também nesta aldeia para o apedrejamento tradicional do Satanás, um passo que consiste em que o peregrino jogue sete pedras sobre uma grande estela.
O acidente deixou pelo menos 717 mortos e 800 feridos, pelo menos, são de diferentes nacionalidades, de acordo com as autoridades sauditas.

Cinco peregrinos senegaleses morreram naquela debandada, anunciou o general El Hadj Amadou Tidiane Dia, Comissário Geral da peregrinação.

O Presidente Sall expressou suas condolências e as do povo do Senegal para as vítimas da tragédia.
Comentando sobre a organização da peregrinação, Macky Sall disse que tinham sido assinaladas as deficiências do Senegal.

'' Nós mesmos (conhecemos) as violações. Um diagnóstico mais preciso será feito e todas as medidas de redirecionamento de ajustes da situação vão ser tomadas sem demora '', prometeu o chefe de Estado.

Ele convidou a comunidade muçulmana do Senegal a chamar todas as organizações relacionadas ao Islã e colocá-los no contexto.
'' Nós colocamos muita energia na organização da peregrinação ao ponto de arriscarmos a perder a maior parte desse rito fundamental que é o Islã. Entretanto, há desordem, na dramatização da peregrinação que, eventualmente, perdemos a essência "," observou ele.

Macky Sall anunciou a organização de um diálogo nacional sobre a peregrinação com as autoridades sauditas.

A grande maioria da comunidade muçulmana do Senegal celebrou nesta sexta-feira o "Aïd el Kébir" ou Tabaski alinhando assim sobre a Comissão Nacional de Consulta sobre o crescente lunar (CONACOL, oficial).

A Oração na Grande Mesquita de Dakar foi marcada pela presença do chefe de Estado Macky Sall que tinha a seu lado o ministro do Interior, Abdoulaye Diallo Daouda.

O Imam El Hadji Alioune Moussa Samb liderou a oração.

#seneweb.com

Costa do Marfim: Tragédia em Meca - 14 mortos nas fileiras dos peregrinos da Costa do Marfim (Comunicado)

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Hadj

Após a debandada mortal que ocorreu na quinta-feira, 24 de setembro de 2015 em Mina, na Arábia Saudita, por ocasião da peregrinação muçulmana e tendo feito 717 mortos e 815 feridos, o governo costa-marfinense lamenta informar que, até à data o balanço registrou 14 mortos nas fileiras dos peregrinos da Costa do Marfim. A missão está em andamento para determinar o número exato e a identidade das vítimas costa-marfinenses.

O Governo apresenta as suas condolências às famílias enlutadas e assegura-lhes o seu apoio nestas circunstâncias dolorosas. Uma célula de monitoramento foi estabelecido e está em contacto com as famílias das vítimas. Representantes do governo da Costa do Marfim estão lá, na Arábia Saudita, para monitorar a situação e tomar as medidas adequadas.
Os números seguintes estão abertos ao público para obter mais informações:

20 69 62/67 79 81 21 14/02 30 43/56 59 37 87 20

Por Hamed Bakayoko

#abidjan.net

Angústia e frustração entre os familiares dos presos políticos em Angola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O desespero instala-se entre os familiares e amigos dos 15 ativistas cívicos que estão presos desde junho. O prazo legal para os manter presos sem culpa formal acabou. Alguns dos jovens estão em greve de fome.
Os jovens estão cada vez mais debilitados devido ao encarceramento em condições precárias que se encontram e que prejudica a sua saúde física e mental.

A esposa de Domingos Cruz, o autor do livro "Ferramentas para Destruir o Ditador e Evitar Nova Ditadura: Filosofia Política da Libertação para Angola" que os jovens estavam a ler e a discutir quando foram presos no dia 20 de junho, refere que o seu marido “está debilitado, tanto física como psicologicamente.”

Esperança Cruz diz que “está a desencadear-se um sentimento de frustração depois de passados os 90 dias de prisão preventiva”.
Os 90 dias, previstos na lei para deter provisoriamente suspeitos, expiraram no dia 20 de setembro e até à presente data a Procuradoria-Geral da República não conseguiu provar os crimes que estes são indiciados. “Era suposto haver um parecer por parte da Procuradoria-Geral” declara Esperança.
A agravar a frustração junta-se o indeferimento do Tribunal Supremo ao negar o pedido de Habeas Corpus, requerido pela defesa dos ativistas. A esposa do escritor detido confessa o "estado de desespero que começa a entrar".
Domingos Cruz
Nova greve de fome
No dia 21 de setembro, os ativistas Domingos da Cruz, Inocêncio de Brito, Luaty Beirão e Sedrick de Carvalho voltaram à greve de fome. Estes jovens prometem acabar com a greve apenas quando forem libertados.

“Eles estão em greve de fome, é oficial e a prova disso é que estão muito debilitados fisicamente, estão mesmo fracos. É uma situação muito deprimente” conta Esperança Cruz à DW África, uma hora depois de ter visitado esta sexta-feira (25.09) o seu marido na prisão.
Manifestação negada pela terceira vez
A angústia para os familiares e amigos dos jovens levaram-nos a tentar nova manifestação, prevista para sábado 26 de setembro, mas a mesma foi, uma vez mais, recusada pelo Governador de Luanda, Graciano Domingos, que considerou uma manifestação pacifíca de “antidemocrática”.
Os familiares decidiram recorrer da decisão do Governador e apresentaram uma carta queixa ao Tribunal Provincial de Luanda, “remetemos uma carta porque nós apenas solicitamos a manifestação e de acordo com a Constituição a mesma tem de ser avisada e não pedida”, conta Esperança. “Respeitamos todos os tramites legais” e mesmo assim foi negada.
Esperança Cruz declara que “já passou o tempo da prisão preventiva e por isso as autoridades não podem negar a manifestação. Do ponto de vista constitucional a investigação poderia decorrer com normalidade com eles fora da prisão. Nem os advogados sabem porque os jovens estão presos. Dizem que são presos políticos. Não vamos ficar paradas, não vamos descansar."
Pressão da eurodeputada Ana Gomes valeu a pena

A esposa de Domingos Cruz reconhece o trabalho da eurodeputada Ana Gomes junto da Comissão Europeia para que pressione o Governo de Angola a respeitar os direitos humanos no seu país.

“Eles, [os políticos], pensam que a eurodeputada é uma inimiga mas nota que o povo, com uma visão critica muito forte do ponto de vista político-social, acha que valeu a pena. Mesmo os políticos sendo prepotentes e arrogantes tê dito que ela não pode mandar no nosso país, nas nossas leis. Mas ainda bem e valeu a pena a pressão. Isso quer dizer que o mundo está ligado a nós.
Adália Chivonde, mãe de Nito Alves
A mãe de Nito Alves, Adália Chivonde, que foi agredida pela policia no último protesto que tentaram fazer, está cansada de toda esta situação e passa todo o tempo que pode junto do seu filho. “É meu filho, é meu sangue. Eu só quero a liberdade dele, já não quero mais nada, já não tenho mais palavras”, desabafa Adália Chivonde.
#dw.de

Guiné-Conacry: AÏD AL KEBIR momento de alegria e de expiação dos pecados.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A festa de "Aïd Al Kebîr" ainda chamado de Eid Al Adha ou Tabaski é a maior celebração festiva do Islã, que acontece todos os anos no dia 10 do mês de '' Dhul Hijjah '' no calendário muçulmano após a estação dos peregrinos no Monte Arafat, em Meca, que marca o fim do Hajj. Eid Al Adha que é uma homenagem ao Profeta Abraão, o pai dos crentes. Depois que ele teve um sonho no qual ele teria que sacrificar o seu único filho Ismael, um sonho que na realidade, era uma ordem divina e ele devia agir rápido para executar com toda a submissão.



Ibrahim contou o conteúdo de seu sonho para o seu filho Ismail, que então pediu ao pai que obedecesse à ordem de seu Senhor. E assim que, no momento da amolação da lâmina para cortar a garganta de seu filho, Deus mandou o anjo Gabriel (Jibril) para substituir seu filho sacrificando um carneiro, satisfazendo aprovação!
Foi quando terminou o sacrifício e o derramamento de sangue que Ibrahim percebeu que Deus tinha feito este grande milagre, salvando o seu único filho. Por esta aprovação Deus elevou Ibrahim ao posto de "khaliloulah" amigo de Deus e de crente genuíno.

É esta tradição de Ibrahim de sacrificar ovelhas em submissão ao seu Senhor, que continua até os dias atuais. Recomenda-se no dia do Eid, de acordo com a tradição islâmica para comer a carne do sacrifício, manter e fornecer aos pobres, parentes, vizinhos, colegas, e de proceder ao Takbira, proclamando a grandeza divina.

Este ano, na Guiné-Conacry, o Tabaski é uma oportunidade para os muçulmanos darem esmola como recomendado, mas especialmente para se reunirem com a família em torno de um prato saudável e decorado com carne do sacrifício de ovelhas.

Depois de se vestir com suas melhores roupas, os casais vão visitar seus parentes, vizinhos, etc. O Eid é um benefício para crianças, que têm a oportunidade de passear pela cidade de Conakry, em busca por '' Salimafo '', que se tornou uma tradição para eles, com o risco de eles se extraviarem ou serem atropelados por veículos.
Na véspera das eleições presidenciais, os imãs em seus sermões diferentes chamam os fiéis a votar com calma e serenidade.

De Aliou Mamadou Diallo para GCI
2015-GuineeConakry.Info


Total de visualizações de página