Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 9 de maio de 2015

Rússia exibe força militar em desfiles que festejam vitória na 2ª Guerra.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Foram ao país líderes como Xi Jinping, Raúl Castro e Nicolás Maduro.
Maior desfile militar foi realizado na Praça Vermelha, em Moscou.

Presidente russo, Vladimir Putin, fala na Parada da Vitória, que marcou os 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, neste sábado (9) (Foto: AP)
Presidente russo, Vladimir Putin, fala na Parada da Vitória, que marcou os 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, neste sábado (9) (Foto: AP)

Milhares de soldados marcharam pela Praça Vermelha em Moscou neste sábado (9) e tanques ressoaram pelas ruas para marcar o 70º aniversário da vitória contra a Alemanha nazista, um evento boicotado por líderes do Ocidente por conta do papel da Rússia na crise ucraniana.
O presidente russo, Vladimir Putin, tem usado o aniversário para elevar o patriotismo e estimular o sentimento anti-Ocidente, e em uma parada em Kiev o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, disse que Moscou estava tentando monopolizar o crédito pela vitória da Segunda Guerra Mundial às custas da Ucrânia.
Em seu discurso para soldados e veteranos, Putin disse que a matança ocorrida na guerra sublinhou a importância da cooperação internacional, mas que "nas últimas décadas temos visto intenções de se criar um mundo unipolar", criticando o suposto objetivo americano de dominar os assuntos mundiais.
Apesar de líderes ocidentais terem ficado de fora, Putin teve ao seu lado 30 líderes estrangeiros, incluindo o presidente chinês, Xi Jinping, sentado ao seu lado direito.
Em um sinal de laços fortes entre os dois, uma coluna de tropas chinesas participou da parada. O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, também estava entre os que assistiam ao evento.
Dignitários da Índia, ex-repúblicas soviéticas e aliados da era comunista, como Cuba, também participaram, reforçando o papel da Rússia como uma excluída na Europa.
A chanceler alemã Angela Merkel não compareceu ao desfile, assim como o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e os líderes francês e britânico, mas Merkel assistirá a uma cerimônia de colocação de coroa de flores em Moscou no domingo.
Putin advertiu que o fascismo poderia estar em ascensão novamente e tem sugerido que outros países estão reescrevendo a história ao minimizar o papel de Moscou na vitória na guerra.
"Os princípios básicos da cooperação internacional têm sido ignorados com mais frequência nas últimas décadas. Os princípios que foram duramente conquistados pela humanidade após as dificuldades globais da guerra", disse ele a fileiras de soldados em posição de sentido.
Soldados russos da unidade de cerimoniais. (Foto: RIA Novosti / Via Reuters)Soldados russos da unidade de cerimoniais. (Foto: RIA Novosti / Via Reuters)









#g1.globo.com

Ameaças de bomba contra a embaixada dos EUA em Dakar: Um estudante de terminal preso.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

content_image

Ele tinha enviado um e-mail para a Embaixada dos Estados Unidos da América no Senegal. Mensagem na qual Saër Kébé, aluno finalista, proferiu ameaças de ataque. Uma carta que foi levado muito a sério pelas autoridades senegalesas, pelo que uma investigação foi aberta. E o estudante em causa tinha sido acusado e colocado sob mandato de detenção preventiva pelos juízes de instrução por actos terroristas, apologia ao terrorismo e associação de malfeitores, de acordo com Libération que deu a informação na íntegra, no sábado.

#seneweb.com

Libéria declarou-se livre de Ebola depois de semanas sem algum caso.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Agora o cloro foi colocado na água  fora de edifícios públicos. A Libéria foi declarada livre de Ebola. FOTO | BBC

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a Libéria livre do vírus Ebola, confirmando que o país não teve casos novos em 42 dias.

A Presidente Ellen Johnson Sirleaf disse à BBC que a Libéria tinha "atravessado o Rubicão" e estaria comemorando um esforço concertado para conter a doença.

Mais de 4.700 mortes por Ebola foram registrados na Libéria, mais do que em qualquer outro país afetado.

A vizinha Guiné e Serra Leoa continuam a lutar contra o surto.

A Organização revelou mais de 11.000 vidas perdidas em toda a região desde o ano passado.

A OMS considera um país está livre de Ebola depois de um período de 42 dias sem um novo processo (caso) - o que corresponde duas vezes o período máximo de incubação.

A última morte confirmada na Libéria foi em 27 de março. No sábado, a Organização Mundial da Saúde disse em um comunicado: "O surto de doença do vírus Ebola na Libéria foi longo."

A Presidente Sirleaf disse à BBC: "Vamos celebrar com nossas comunidades que tiveram responsabilidade e participaram na luta contra este inimigo desconhecido e, finalmente, nós temos atravessado o Rubicão na Libéria, na verdade ela hoje é uma nação feliz.".

Uma nação traumatizada

Oficialmente Ebola foi finalmente conquistado na Libéria através de um coletivo. Centros de cuidados e estações de lavagem de mãos foram criados para tentar conter a doença, que se espalha através do contato com pessoas doentes.

Outdoors foram exibidos com slogans como "O Ebola é real", "lavar as mãos e não toque..." e "não seja a próxima vítima".

"Tem sido uma época terrível na história do nosso país", escreveu o residente em Monróvia Emmanuel Tokao em uma página da BBC e Facebook. "Eu sou grato a Deus em primeiro lugar, que eu acredito que nos trouxe de volta à normalidade."

No auge do surto, ele disse: " as ambulâncias teriam quer conduzir um corpo morto ou doente. Isso me lembrou os dias de guerra".

A Libéria perdeu cerca de 250.000 vidas em uma guerra civil que terminou em 2005.

O correspondente da BBC Jonathan Paye-Layleh residente em Monróvia, disse que presidente teve a sensação de que como traumatizado ficou a noção com o surto  após a eclosão.

Em um discurso à nação no sábado, ela disse: "Mesmo hoje, se você ouvir a sirene de uma ambulância você se agita um pouco."

Embora a Libéria agora foi declarada livre de Ebola, correspondentes dizem que o surto terá um impacto de longo prazo sobre a frágil economia da Libéria.

O surto atual é o mais mortal na história. Ele inicialmente estava centrado na remota região do sudeste da Guiné em Nzerekore no início de 2014, e mais tarde se espalhou para a Libéria e Serra Leoa.

A OMS alerta contra a complacência. Sua declaração adverte que há "um alto risco de que as pessoas infectadas podem passar para a Libéria sobre as fronteiras porosas excepcionalmente da região".

#africareview.com


Total de visualizações de página