Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 25 de novembro de 2022

Ela mata o marido e esconde o corpo dele no freezer.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Uma mulher foi presa no Brasil pelo assassinato de seu marido. O corpo do homem de 52 anos foi encontrado no freezer de sua casa cinco anos depois de seu desaparecimento. A mulher, de nome Claudia Tavares Hoeckler, admitiu os fatos, mas justificou-se pelo fato de ter sido maltratada e estar em perigo de vida. Ela está sob custódia e a polícia abriu uma investigação. Claudia Tavares Hoeckler, 40, e Valdemir Hoeckler, 52, estão juntos há 23 anos. Em 13 de novembro, o homem foi dado como desaparecido porque não trabalhava mais. Eles informaram a polícia que iniciou as buscas. Foi depois de cinco dias que eles decidiram fazer buscas na casa do casal em Lacerdópolis, Santa Catarina, Brasil. Durante as buscas, a mulher fugiu, pois o corpo sem vida foi encontrado no freezer. Após a autópsia, o homem teria sido morto com um golpe na cabeça. Claudia Hoeckler, a esposa do falecido fugiu por uma semana. Ela finalmente se entregou à polícia em 21 de novembro com seus advogados. Acusada do assassinato do marido, Claudia explicou que foi abusada por anos. Ela diz que foi abuso físico, sexual e mental por parte do marido durante os 23 anos que passaram juntos. De acordo com relatos da mídia, a suspeita tinha hematomas e sinais de violência em seu corpo. Ela foi detida sob custódia por 30 dias enquanto aguarda a investigação. “A detenção provisória do arguido nesta fase permitirá também uma melhor elucidação dos factos, uma vez que evitará que o arguido cause constrangimento à instrução do processo criminal, designadamente para esclarecer as razões e circunstâncias do crime e as possíveis envolvimento de terceiros", afirmou o juiz responsável pelo processo. https://lanouvelletribune.info

Após 26 abortos espontâneos, uma chinesa torna-se mãe.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
É um momento feliz para uma chinesa que teve a alegria de ser mãe. Esta última, cujo nome não foi divulgado, deu à luz uma menina. No entanto, para esta última, foi um verdadeiro obstáculo ter um parto normal que chegasse a termo. De fato, a mulher sofreu 26 abortos espontâneos. A história foi contada em um comunicado de imprensa do Child Health Care Hospital na cidade de Changsha, na China, e do Hunan Provincial Maternal. Segundo o documento, a paciente apresentou várias aderências uterinas, após essas 26 gestações que terminaram precocemente. Ela foi operada Depois desta última, foi em fevereiro de 2022 que ela conseguiu engravidar após uma operação realizada dentro do estabelecimento. Esta gravidez correu bem até ao fim. Portanto, foi na semana passada que ela deu à luz uma menina. Deve-se notar que os abortos espontâneos são geralmente mal experimentados por mulheres que estão esperando um filho. Isso também pode levá-los a agir contra a lei. Como lembrete, no ano passado, após um aborto espontâneo, uma mulher sequestrou outro bebê. Os fatos ocorreram no Brasil. A jovem foi presa ao tentar sair de uma maternidade com uma criança que acabara de sequestrar. Ela foi flagrada em flagrante quando saía do Hospital do Trabalhador, em Curitiba, capital do estado do Paraná, no sul do Brasil. Questionada, a mulher confidenciou aos agentes do Centro, que teve um aborto espontâneo recentemente e fez tratamento no Hospital. No entanto, os funcionários do hospital revelaram que nunca a tiveram como paciente. A depressão puerperal é um caso de repercussões psicológicas de abortos espontâneos. “A psicose puerperal é um transtorno psiquiátrico grave, ocorrendo na maioria das vezes alguns dias após o parto. A jovem mãe fica então em um estado de confusão significativo, com delírios e/ou alucinações”, disseram os especialistas. https://lanouvelletribune.info

SAÍDA DO PRIMEIRO MINISTRO SOBRE A ATITUDE DE CERTOS PARCEIROS DE BURKINA: Estas verdades que doem mas merecem ser ditas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
No final da semana passada, segui, como muitos burquinenses, a Declaração de Política Geral do Primeiro Ministro, Me Appolinaire Kyélem de Tambèla. O chefe do governo pintou uma situação condizente com a realidade. Ele disse estar resolutamente comprometido em combater a corrupção e restaurar o orgulho e a dignidade de Burkinabé. E isto, claro, trabalhando, ao lado do Presidente da Transição, para libertar o país destas hordas sanguinárias que continuam a enlutar injustamente as famílias. Para isso, ele apela à solidariedade de todos os burkinabes que, segundo ele, devem provocar uma mudança de mentalidade. Apelando à diversificação dos parceiros, o primeiro-ministro denunciou o comportamento de alguns deles a quem acusa de não jogarem limpo. Peça selecionada: “Como entender que o terrorismo assola nosso país desde 2015, na indiferença, senão com a cumplicidade de alguns de nossos chamados parceiros. Onde encontram as armas, as munições, o combustível, o dinheiro que têm em abundância? Como podem os países que têm o controle do espaço, com modernos meios de detecção, não, se são realmente nossos amigos, nos dar as informações necessárias sobre as ações e movimentos de terroristas? irritou o chefe do governo. Para uma verdade crua, é. É como se certas grandes potências quisessem deixar a situação piorar para poderem pescar em águas turbulentas É certo que o primeiro-ministro não mencionou um nome. Mas basta seguir o seu olhar para perceber que aponta um dedo acusador a… Nem eu, não me arrisco a citar um nome onde os funcionários dão a impressão de pisar em ovos. Não importa ! Alguns de nossos parceiros, se às vezes não são quentes e frios, ainda jogam um jogo conturbado, semeando dúvidas nas mentes das populações. Porque, muitas vezes, é difícil compreender que, apesar do arsenal de que dispõem, os militares ocidentais presentes em determinados países africanos não os podem ajudar a enfrentar eficazmente o terrorismo. É como se certas grandes potências quisessem deixar piorar a situação de suas ex-colônias para poderem pescar em águas turbulentas. Tenho ainda mais motivos para pensar assim porque, quando um de seus nacionais é feito refém por grupos terroristas armados, esses parceiros não economizam em grandes meios para libertá-los. Ainda há alguns exemplos que estão frescos na memória, que prefiro calar sob o risco de dar a impressão de mirar em X ou Y. Mas quando são negros que se matam, não nos importamos quando Não. Às vezes, não aproveito isso para atiçar o fogo, entregando armas a um ou outro acampamento. Você vê? Isso não é sério. Essa abordagem hipócrita mostrou seus limites. Porque ninguém mais se engana. E é hora dos parceiros que se envolvem nesse jogo duplo entenderem que as populações agora estão de olhos abertos e que se beneficiariam em mudar de tom sob o risco de serem expulsos como lixo de algumas de suas ex-colônias. Porque, de que vale um parceiro se não for sincero? Não é melhor estar sozinho do que em más companhias? Em todo o caso, tiro o chapéu ao Primeiro-Ministro que, ao contrário dos outros, não quis ficar na língua da madeira, ao afirmar as suas verdades a quem quiser ouvir. " O bobo "

DIÁLOGO INTER-GUINEENSES: Rumo a um novo encontro perdido com a história.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Há muito reclamado pela coligação da oposição, o diálogo inter-guineense abriu-se finalmente a 24 de novembro de 2022 em Conacri durante três semanas, sem os principais partidos da oposição, neste caso o Movimento Popular Guineense (RPG) de Alpha Condé e a Aliança Nacional para Alternância e Democracia convocada por Cellou Dalein Diallo. Este diálogo, que visa alcançar o mais amplo consenso possível sobre a condução da transição, em particular o calendário eleitoral e as medidas de confiança a adotar, é também boicotado por grande parte da sociedade civil, em particular pelas associações unidas dentro a Frente Nacional de Defesa da Constituição (FNDC). Os ausentes do diálogo denunciam o unilateralismo da junta no desencadeamento destas conversações destinadas a sarar as feridas, tão purulentas, da história recente da Guiné, e colocam como condição a libertação dos executivos da oposição definhando nas prisões do poder. Se podemos saudar a realização destes encontros que deverão permitir o relaxamento do clima sócio-político na Guiné, também é difícil não admitir que este diálogo começou sem os actores históricos da vida política no país de 'Ahmed Sékou Touré parece como uma falha programada. A junta militar no poder está colhendo a tempestade que semeou A Guiné caminha para um novo encontro perdido com a história. Está a perder a oportunidade de fazer o diálogo inclusivo há muito esperado, uma grande oportunidade de exorcismo destinado a expurgar a cena política dos demónios que regularmente enlutam as famílias guineenses. De quem é a culpa se a tão desejada catarse não acontece? O culpado é identificado. Foi a junta militar no poder que não conseguiu criar condições para reunir os guineenses à volta da mesma mesa. E ela realmente só pode se culpar. Ela colhe a tempestade que plantou. De fato, fazendo populismo, Mamady Doumbouya fez do embasamento dos adversários seu esporte favorito. Reprimindo sangrenta as manifestações do FNDC, que acabou por dissolver, pôs em risco os escassos recursos da coesão social. Posto isto, a pergunta que nos podemos fazer é a seguinte: a oposição guineense está a fazer um bom trabalho ao praticar a política da cadeira vazia? Sabe-se que, na África, os ausentes sob a árvore do palavreado estão sempre errados. Ao boicotarem as conversações inter-guineenses, os principais partidos da oposição guineense não só perdem a oportunidade de defender as suas reivindicações face aos militares no poder, como também perdem a oportunidade de bloquear a partir de dentro do cenário de passagem em vigor instaurado pela junta. Como vemos muitas vezes, sob nossos céus, em tais situações, não é de excluir que adversários sem material sejam furtados com notas para falar e agir em nome dos ausentes. Mas o vinho está desenhado, só falta beber. E é isso que faz temer um futuro difícil para a Guiné, cuja cena política é conhecida por ser um vulcão com erupções mortíferas. Mamady Doumbouya e seus irmãos de armas devem saber como ficar do lado certo da história Tudo indica, de fato, que caminhamos para o cenário chadiano onde, após o diálogo inclusivo, temos assistido a gigantescas manifestações de protesto reprimidas de forma sangrenta. Dito isso, Yayi Boni, o mediador da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que está em Conakry durante o diálogo, pode desarmar a bomba? É difícil responder com certeza a essa pergunta, mas uma coisa é certa: a organização sub-regional, que já vem sendo criticada por boa parte das opiniões internas dos Estados-membros, joga sua credibilidade nessa mediação. É por isso que deve dotar-se de meios para aumentar a pressão sobre Mamady Doumbouya e os seus irmãos de armas para que não só reúnam as condições para a participação efectiva da oposição neste chamado diálogo inclusivo, mas também para que 'eles não ceda à tentação de confiscar o poder. A comunidade internacional também deve estar pronta para apoiar a CEDEAO neste processo. Porque o que se discute no momento é a questão das liberdades individuais e democráticas, que são direitos inalienáveis. Já sabemos que nesta perspetiva, os advogados do FNDC enviaram uma longa correspondência ao Presidente francês, Emmanuel Macron, a pedir-lhe que suspendesse o financiamento destinado ao governo guineense. O caminho está, portanto, livre. Quanto a Mamady Doumbouya e seus irmãos de armas no poder, eles devem aprender com o julgamento em andamento sobre o massacre de 28 de setembro de 2009. Se eles não quiserem se encontrar um dia na caixa dos acusados ​​como Dadis Camara e companhia, eles devem saber como ficar do lado certo da história. E o primeiro passo desta marcha não é dividir os guineenses como estão a fazer neste momento, mas aproximá-los para que juntos encontrem formas e meios de sair do círculo de violência em que entraram. comprometer-se com o caminho do progresso. " O país "

Total de visualizações de página