Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sábado, 12 de setembro de 2015

Senegal: Abertura em Dakar da cimeira extraordinária da CEDEAO sobre a segurança regional.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Cérémonie

Uma cimeira extraordinária de chefes de Estado e de Governo dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) abriu em Dakar, neste sábado, tendo na agenda, a situação política e de segurança regional, constatou APA.

Chefes de estados da África Ocidental vão discutir questões específicas, nomeadamente as questões de terrorismo e as eleições presidenciais, previstas para Outubro em três países membros.

A crise na Guiné-Bissau a ser abordada na cimeira continua no entanto a ser um dos dos pontos fortes dos trabalhos de Dakar e da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, em Paris - de 30 de novembro a 11 de dezembro de 2015 (COP21), previsto para dezembro, na França, também estão no menu da cimeira.

Falando na sessão de abertura dos trabalhos, o Chefe de Estado do Senegal, Macky Sall, o também atual presidente da CEDEAO destacou os principais desafios que afligem a região.

"O primeiro destes desafios é a luta contra o terrorismo", disse ele, expressando solidariedade a Nigéria e todos os outros países engajados na luta contra o Boko Haram.

Três países, notadamente a Costa do Marfim, Guiné-Conacry e Burkina Faso organizarão eleições presidenciais em outubro, portanto, um apelo à calma nas votações.

"A boa conduta durante os processos eleitorais também continua a ser uma questão importante para a preservação da paz e da estabilidade no nosso espaço comunitário", advertiu o presidente senegalês.
os oito presidentes da África Ocidental estão a participar nesse trabalho.

Estes incluem o Presidente Ouattara da Costa do Marfim, Thomas Yayi Boni do Benin, Faure Gnassingbe do Togo, Alpha Conde da Guiné-Conacry, José Mario Vaz da Guiné-Bissau, Ibrahima Boubacar Keita do Mali, o Michel Kafando do Burkina e Macky Sall do Senegal.

#abidjan.net

CEDEAO: Oito chefes de estado presente na cimeira de Dacar sobre segurança.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Cérémonie
© Presidência, pelo serviço de imprensa da PRESIDÊNCIA
A cerimônia de abertura da Cimeira Extraordinária da CEDEAO em Dakar, neste sábado, 12 de setembro de 2015. Os oito chefes de Estado dos países membros da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) envolvidos na Cimeira.

Oito dos chefes de Estado dos países membros da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) participaram de uma cúpula especial sobre "a situação política e de segurança" na região, neste sábado, após às 12h30 em Dakar, constatou APS.

Além do anfitrião da cúpula e atual presidente da CEDEAO, Macky Sall, estão presentes na reunião Alpha Condé (Guiné-Conacry), Michel Kafando (Burkina Faso), Ibrahim Boubacar Keïta (Mali), Faure Gnassingbé (Togo) Alassane Ouattara (Costa do Marfim), José Mário Vaz (Guiné-Bissau) e Thomas Yayi Boni (Benin).

Os outros sete países da organização - Cabo Verde, Gâmbia, Gana, Libéria, Níger, Nigéria e Serra Leoa - estão representados em um nível inferior.

Os Líderes da África Ocidental debruçaram em particular, após a cerimônia de abertura da reunião, que teve lugar na presença de jornalistas de abertura.

O conclave vai durar um dia, de acordo com um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros senegalês.

#abidjan.net

Enviado da ONU reage ao novo impasse político na Guiné-Bissau.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Miguel Trovoada apela ao respeito da lei após nomeação do novo chefe do governo ter sido declarada inconstitucional; declaração do representante do secretário-geral teve lugar num encontro com jornalistas em Bissau.

Miguel Trovoada. Foto: ONU/Yubi Hoffmann

Amatijane Candé, da Rádio ONU em Bissau.
O chefe do Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau, Uniogbis, disse esta sexta-feira que espera que a situação do impasse político não perdure no país.
A reação de Miguel Trovoada ocorreu numa conferência de imprensa em Bissau,  na sequência da demissão do recém-nomeado primeiro-ministro Baciro Djá.
Nomeação
A medida seguiu-se ao acórdão do Supremo Tribunal guineense que declarou inconstitucional o decreto da sua nomeação como chefe do governo.
"A Constituição diz que nomeia-se o primeiro-ministro tomando em conta os resultados eleitorais e trata-se das últimas eleições legislativas que tiveram lugar em 2014. Portanto, é esta a orientação mestra do presidente da República na designação do primeiro-ministro".
Consequências
Trovoada apelou ao respeito pela legalidade constitucional na nomeação do novo chefe do governo e qualificou de incidente de percurso o atual momento político.  O  representante disse que o importante é que tais incidentes não levem a situações irreversíveis com consequências desastrosas.
Para Miguel Trovoada esta é uma fase de crescimento, maturação e aprofundamento da democracia no país. Ele apontou a constituição, as leis, o diálogo e o consenso como vias de resolver a crise.
Acórdão 01/2015
Baciro Djá foi nomeado através do decreto 6/2015, em substituição de Domingos Simões Pereira, que chefiava o governo demitido pelo presidente José Mário Vaz em agosto.
O país está sem um governo há um mês, facto que preocupa o também representante do secretário-geral da ONU. Trovoada disse esperar que a situação seja ultrapassada o mais rápido possível, minimizando o impacto no país e nas populações.
Consequências
"Espera-se que essa situação não perdure porque ela poderá ter danos muito importantes para o povo da Guiné-Bissau. Que se encontre rapidamente uma solução que faça restabelecer a estabilidade a ordem para que o país prossiga o seu processo de desenvolvimento".
O presidente da Guiné-Bissau participa este sábado numa cimeira da Comunidade dos Estados da África Ocidental,  Cedeao, em Dakar, Senegal. A situação política guineense e a continuidade da missão militar do bloco regional estarão em debate na cimeira.
De acordo com as autoridades guineenses, assim que regressar José Mário Vaz inicia démarches para nomear um novo primeiro-ministro.
#unmultimedia.org

Portugal: Desmentida a entrevista do jogador do Sporting, o guineense Carlos Mané.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Mané

O Sporting desmentiu a suposta entrevista de Carlos Mané à Rádio Jovem de Bissau, na qual o jovem avançado dos leões tinha, alegadamente, admitido a possibilidade de jogar pela seleção principal da Guiné-Bissáu.

A explicação dada pelo Sporting é que uma conversa informal ao telefone de Carlos Mané com um falso amigo acabou por ser gravada e passada naquele país como entrevista.

Segundo A BOLA, Carlos Mané ficou profundamente irritado quando confrontado com a situação e pondera tomar medidas.

Mais notícias >>

Jorge Tolentino participa na cimeira extraordinária da CEDEAO sobre Guiné-Bissau
Jorge Tolentino, ministro das Relações Exteriores de Cabo Verde



O ministro das Relações Exteriores de Cabo Verde, Jorge Tolentino, participa este sábado, em Dacar, Senegal, na cimeira extraordinária da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

A análise da situação política na Guiné-Bissau vai ser um dos pontos altos desta cimeira extraordinária convocada pelo Presidente da República do Senegal, Macky Sall, que é também presidente em exercício da Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade.

Além da reflexão sobre a situação política na Guiné-Bissau, o encontro será uma oportunidade para os governantes debruçarem-se sobre a situação pré-eleitoral em alguns Estados membros da CEDEAO.

#abola.pt

Guiné-Conacry: mais de 18.000 agentes de segurança para a campanha da eleição presidencial.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Alpha Condé cumprimenta seus partidários durante um comício de seu partido, em 11 de agosto de 2015, em Conakry. © Cellou Binani / AFP

A Guiné mobilizará mais de 18.000 pessoas, a maioria policiais e gendarmes para garantir a segurança da campanha e da eleição presidencial de 11 de outubro, anunciou sexta-feira um oficial da polícia.

"Uma força especial de 18.913 oficiais para garantir todo o processo (eleição) será implantada em todo o território", disse à AFP o Comissário Boubacar Kassé, um oficial da polícia em Conakry, a capital.

Esta força, composta por "8.855 gendarmes, 8.925 policiais e 1.133 da protecção civil, será responsável por garantir segurança antes, durante e depois das eleições. Ela será criada "na próxima semana, disse o Comissário Kassé.

A campanha para a eleição presidencial de 11 de outubro começou na quinta-feira e a deveria? Terminará no sábado, em 10 de outubro às 00:00h GMT local.

Apelo ao respeito pelo direito à liberdade de reuniões

A Amnistia Internacional exorta as autoridades a "respeitar plenamente o direito à liberdade de reunião pacífica e de garantir que a força excessiva não seja utilizada contra os manifestantes e outros cidadãos" durante o processo eleitoral, divulgado em um comunicado na sexta-feira no AFP.

"O governo deve fazer tudo ao seu alcance para assegurar que os casos de uso excessivo da força contra os manifestantes que tiveram lugar há alguns meses atrás não se repitam", diz a ONG.

Os opositores organizaram nos últimos meses protestos mortais.

Oito candidatos, incluindo o Presidente Alpha Condé e seu infeliz adversário no segundo turno da eleição presidencial anterior, em 2010, o líder da oposição Diallo, estão na corrida.

O primeiro turno das eleições presidenciais foi fixado para 11 de Outubro. De acordo com a lei, "se houver a necessidade de um segundo escrutínio" presidencial ", o que deve acontecer no 14º dia após a proclamação dos resultados finais do primeiro turno."

Os dois precedentes escrutínios, as presidenciais de 2010 e legislativas de 2013,  foram intercaladas com violência e acusações de fraude.

Alpha Conde, um ex-adversário que experimentou o exílio e prisão, é o primeiro presidente democraticamente eleito desta ex-colônia francesa, anteriormente liderado por poderes autoritários ou ditatoriais.

#jeuneafrique.com

O Presidente do Gabão, Bongo, de visita marcada para França para estreitar laços.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Ondas do Presidente Ali Bongo Ondimba do Gabão quando ele deixa o Palácio do Eliseu, em Paris, em 21 de fevereiro de 2011. FOTO | ARQUIVO

O presidente do Gabão, Ali Bongo Ondimba, vai viajar para a França em 14 de Setembro uma vez que as relações diplomáticas foram tensas após a prisão e detenção no aeroporto de Paris do chefe da equipe presidencial, Maixent Accrombessi, sobre corrupção alegada no último dia 03 de agosto.

Embora o assessor foi liberado horas depois de sua prisão, a notícia da prisão acendeu a ira no Gabão. A declaração presidencial "protestou fortemente" a prisão, dizendo que violou os princípios fundamentais do direito internacional.

A próxima turnê do Presidente Bongo para a França está sendo descrito como uma "visita de trabalho e de amizade."

Suas conversas com o presidente François Hollande no Palácio Elysee irá abranger as relações bilaterais, bem como a situação da conturbada República Centro Africana, a ameaça do Boko Haram na África Ocidental e a próxima Cop 21 da cúpula sobre mudança climática.

O Presidente Bongo Ondimba é o atual presidente da Comunidade Económica e Monetária da África Central, CEMAC. O bloco é composto de seis países: Camarões, Chade, Gabão, Guiné Equatorial, República Centro Africano, e a República do Congo.

O Primeiro-ministro francês Manuel Valls por sua parte vai liderar uma delegação empresarial ao Gabão antes do final do ano.

#africareview.com

Chefe do exército do Burundi escapa por pouco de assassinato.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Chefe do Exército do Burundi e da Casa Civil, Prime Niyongabo. FOTO | BBC

O Chefe de gabinete do Burundi sobreviveu a uma tentativa de assassinato em uma emboscada que deixou pelo menos quatro soldados mortos.

O ataque de manhã cedo no carro de Prime Niyongabo ocorreu na capital do Burundi, Bujumbura.

Segundo a TV Al Jazeera, o vice-chefe de polícia do país confirmou que General Prime Niyongabo saiu ileso.

Houve troca de tiros sério entre as forças de segurança e o grupo armado desconhecido.

Segundo testemunhas, o número de pessoas mortas na incidência poderia ser maior.

Isto aconteceu dois dias depois de uma unidade militar em Bujumbura na zona rural foi atacada por um grupo armado desconhecido.

O governo ainda está para identificar o grupo armado misterioso que vem realizando ataques no país.

Segunda-feira passada, a União para a Paz e Desenvolvimento (UPD), o porta-voz do partido, Patrice Gahungu, foi assassinado em Bujumbura. Ele foi o último de uma série de assassinatos seletivos que abalou Bujumbura desde a repressão de manifestantes de oposição sobre o lance ao terceiro mandato do presidente Pierre Nkurunziza.

Ambos os oficiais da oposição e do governo têm sido alvo dessa nova onda, incluindo assessor próximo do presidente Pierre Nkurunziza, o General Adolphe Nshimirimana, que foi morto a tiros no mês passado.

A tensão continua a aumentar na capital do Burundi.

Artilharia pesada e explosões de granadas foram ouvidos em Bujumbura na noite passada.

#africareview.com

Total de visualizações de página