Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Senegal: Presidencial 2018 - Primeira semana de campanha macabra.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

content_image

Já são oito mortos (4 civis e 4 gendarmes) desde o início da campanha eleitoral. Uma contagem macabra feita pelo jornal Vox Populi em sua edição desta segunda-feira.

Falecida após um desconforto com a Apr, em Saint-Louis, Aida Sidibé abre a lista. Há também um defensor de Me Madické Niang em um acidente com Fatick, um scooterista em uma caravana de Idy 2019 em Koumpentoum e um ativista do APR em um acidente em Fouta (Thilogne).

Mas, o registro mais pesado foi registrado ontem, em Casamance, onde quatro (4) elementos do Esquadrão de Vigilância e Resposta da gendarmaria de Ziguinchor morreram em um acidente na vila de Bougnadou.

fonte: seneweb.com

Egípcio El-Sissi é novo chefe da União Africana

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Resultado de imagem para imagem Egípcio El-Sissi
O presidente do Egipto, Abdel-Fattah el-Sissi, foi eleito presidente da União Africana, na 32ª Cimeira da organização continental, na capital da Etiópia, Adis Abeba, que inciou hoje, 10.
Mas a organização Amnistia Internacional alerta que a presidência de el-Sissi pode prejudicar os mecanismos de direitos humanos da União Africana.
A organização de direitos humanos argumenta que o Egipto, desde 2015, orquestrou um ataque político contínuo contra a Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos, órgão que visa monitorar o cumprimento de direitos nos países africanos.
A eleição de El-Sissi pôs fim à presidência de um ano do líder do Ruanda, Paul Kagame.
Os presidentes da União Africana definem agendas de questões a serem abordadas durante seu mandato de um ano.
Refugiados na agenda
"Rumo à soluções duradouras em deslocações forçadas em África" é o lema que a organização adoptou para a cimeira deste ano, alinhado ao facto África dedicar 2019 aos refugiados, retornados e deslocados internos.
Até segunda-feira, 11, os líderes africanos irão abordar a criação de um departamento de saúde, assuntos humanitários e desenvolvimento social para tratar as questões dos refugiados e deslocados, retirando-as do actual departamento de assuntos políticos.
Entre outros tópicos, os líderes e representantes de 55 estados membros irão debater a concretização da Zona de Comércio Livre, Mercado Único de Transportes Aéreos, Livre circulação de pessoas e Passaporte Africano.

fonte: VOA

    Total de visualizações de página