Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Gbagbo no Tribunal Penal Internacional: Uma lição para as gerações futuras.

Justice:

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Laurent Gbagbo perante a Corte Penal Internacional. Foto: Laurent Gbagbo Koudou em sua aparência inicial aquando de sua apresentação ao TPI - 5 de dezembro 2011.


"Se você seguir o caminho '' Eu não me importo, você vai encontrar-se na aldeia ''o que eu sabia." Marfinenses estão acostumados a usar essa piada para lembrar aqueles que esquecem que a vida não é um rascunho. Correndo o risco de estar em uma situação em que sempre se arrependerá. Laurent Gbagbo, por não ter incorporado em sua gestão do poder está no processo de aprendizagem da maneira mais difícil. Segunda-feira passada, o ex-chefe de Estado foi para o Tribunal Penal Internacional. Como de costume, o "Mama Woudy" foi um show na frente das câmeras e fotógrafos para a cobertura. Mas como esperado, o início do julgamento foi fixado a metade de junho de 2012. Mostrando ao mesmo tempo que o novo residente na corte de Haia não está fora das madeiras. Além da emoção e da paixão que desperta agora, devemos ver na prisão do ex-presidente uma lição para as gerações futuras. A prisão de Laurent Gbagbo e sua transferência para o Tribunal Penal Internacional pode revelar para todos os ditadores e autocratas aprendizes que a era do obscurantismo foi longa. Especialmente neste século 21 que é agora mais que nunca, como a aldeia global onde nada pode esconder-se. Andre Malraux havia advertido: "O século 21 será espiritual ou não será." A Bíblia com ele acrescenta: "Tudo o que está escondido será revelado." Dizer que o século da globalização, ao contrário do século passado, numa altura em que será difícil para um indivíduo ou um plano quebrar o pacote na parte de atrás do povo. A vida humana é sagrada. Portanto, nas Sagradas Escrituras, o segundo comando após o culto devido ao Criador: "Não matarás". Mas Laurent Gbagbo fez ao contrário durante o seu reinado? Ele conduziu a Costa do Marfim, como se a vida humana não importasse para ele. Sua aquisição foi feita em uma torrente de sangue. Bem como a sua queda. De acordo com Laurent Gbagbo, matar alguém tem se tornado comum. O líder da Refundação havia confiscado todas as liberdades pessoais. Durante os dez anos que decorreu o seu reinado, nunca Laurent Gbagbo permitiu que seus adversários estivessem usando meios legais de expressão democrática. Neste ponto aparencia nas ruas tinha se tornado um suicida. Ele, o campeão das etapas, sistematicamente reprimia a sangue todos os protestos de rua vindos da oposição. Nós agora tenderemos a nos concentrar sobre as vítimas da crise pós-eleitoral. Mas nós não podemos esquecer os mortos de outubro e dezembro de 2000. As vítimas de esquadrões da morte de setembro de 2002 a março de 2003. Mas também os executados em Março e Novembro de 2004. A lista não é exaustiva. Mas todo esse lembrete é para refrescar a memória de todos aqueles que ainda acreditam que Laurent Gbagbo foi ao TPI por engano. "Quem semeia ventos colhe tempestades", diz o ditado. Quando uma pessoa cuspir no ar, pode-se esperar receber preferências no rosto. Nós podemos ser a causa da morte de muitas pessoas e esperar fugir dela. Quando Laurent Gbagbo lançou seus cães de guerra contra o povo da Costa do Marfim, ele foi alertado repetidamente que ele vai responder por suas ações no tribunal. Mas ele fez o seu próprio caminho. Hoje, seu passado foi alcançado. E assim chegou o momento de assumir. Sua transferência para o Tribunal Penal Internacional em Haia é um forte sinal de que a comunidade internacional envia para todos aqueles que sonham ceder o seu caminho e seus métodos a outrém. Através de Laurent Gbagbo, a comunidade internacional quer receber essa mensagem: "A era do carriças e sátrapas sanguinários outros intocável foi longa." O promotor Luis Moreno Ocampo advertiu: "Laurent Gbagbo não será o último residente do TPI." Sua prisão em Haia é, sem dúvida, uma importante lição que a história pretende legar às gerações futuras. E isso é bom.

Seu discurso perante o TPI: A vã tentativa de falsificação da História.
Laurent Gbagbo falava na segunda-feira. O mundo inteiro ouviu. Mas lembre-se que esse não é o seu primeiro discurso perante o Tribunal Penal Internacional? Não. Além de designer da revisão manteve-se igual a si mesmo. Para encontrar o homem de padrões duplos. Aqueles que esperavam que o ex-chefe de Estado ia mostrar a grandeza da alma e do espírito, porém ficaram desapontado. Nenhuma palavra sobre a sua quota de responsabilidade na tragédia do pós-eleitoral que ele mesmo criou por sua recusa obstinada em admitir a derrota. Mas apenas queixas falsas sobre as circunstâncias de sua prisão e as condições de detenção em Korhogo. Para entender Korhogo, ele estava em um gulag na Sibéria onde a escuridão era o seu companheiro a cada dia. "Eu não vejo o céu, exceto nas poucas vezes que meus advogados vieram me ver", gritou Laurent Gbagbo para o Presidente do Tribunal. Para o campeão da reforma radical, se é em Haia, a culpa é da França, que chocou um complô contra ele. "Eles terminaram o trabalho e deixaram as forças de Ouattara terminar o resto", acusou. Nem uma única palavra eferindo-se ao
arrependimento em caso  eleitorais ruins e da guerra que ele se envolveu e perdeu. De fato, Laurent Gbagbo tem usado a plataforma a ele pelo Tribunal Penal Internacional para enviar uma mensagem a seus partidários e os intelectuais Africanos de que tem um problema com o Ocidente. O "Mama Woudy" através do discurso em que ele aparece como uma vítima expiatória, quer dizer a seus partidários: "Isto é o que me fez Ouattara. Portanto, você deve continuar a luta contra ele por vingança. " Intelectuais africanos que alimentam um ódio congênita contra tudo o que é semelhante ao do Ocidente: "Você viu! Eles ainda são brancos que me capturaram, como nossos antepassados, porque eu tenho envergonhado seus interesses. " Mas para além desta fase patética, o objetivo do mestre do ilusionismo é reescrever a história a seu favor. Laurent Gbagbo é um historiador. E ele sabe que o tribunal da história é contra ditadores cruéis de sua espécie. Foi logo derrotados nas eleições. Mas em vez de sair pela porta da frente, ao reconhecer sua derrota, ele decidiu tomar o poder. Pior, ele entregou uma guerra mortal para o povo da Costa do Marfim  traindo-o indo até perjúrio. Ele, finalmente, foi preso pelos esforços conjuntos das Forças republicanas e forças neutras que têm ocorrido em virtude da resolução 1975 do Conselho de Segurança da ONU, para neutralizar as armas pesadas. Laurent Gbagbo não só foi derrotado em termos eleitorais. Mas ele foi derrotado nas forças armadas. A dupla humilhação que seu ego recusa a reconhecer. Sua preocupação agora é trazer a consciência coletiva para lembrar-lhe a imagem de uma têmpera forte do Samori Touré ou Behanzin que foi deportado pelos colonos brancos para se opor aos interesses da França. Como uma fraude, certamente, a história não admite. Porque, infelizmente para ele, é difícil distorcer os fatos históricos. Especialmente na era da Internet e novas tecnologias. Como ele tão bem coloca na segunda-feira perante o juiz Gurmandi "Se eles me acusam é que têm as provas para acusar-me." E em termos de provas, Laurent Gbagbo será servido a 18 de junho de 2012, o início do julgamento. E naquele dia, ele vai entender que nós não forjamos truque com a história.


fonte: abidjan.net 
Obs.: A tradução para o português foi adequado por mim. 

Angola: Pôr Fim à Violência Contra Manifestações Pacíficas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Image
Foto: Agentes do governo usaram força desnecessária contra manifestantes pacíficos e, de seguida, tentaram impedir os jornalistas de noticiar a situação. (Central Angola)
HRW.

O governo de Angola deve pôr termo ao uso de força desnecessária, incluindo através de agentes à paisana, contra manifestações antigovernamentais pacíficas, anunciou hoje a Human Rights Watch.

A 3 de dezembro de 2011, polícias e agentes de segurança à paisana dispersaram violentamente uma manifestação pacífica de cerca de 100 jovens em Luanda, a capital, e feriram pelo menos 14, um dos quais sofreu um ferimento grave na face, divulgou a Human Rights Watch. Os manifestantes protestavam contra os 32 anos no poder do Presidente José Eduardo dos Santos, que culpam pela corrupção desenfreada, pobreza generalizada e repressão política. Os agentes de segurança utilizaram líquidos artesanais irritantes contra jornalistas e uma investigadora da Human Rights Watch, que estavam a fazer a cobertura da manifestação. A polícia deteve quatro jornalistas angolanos por um curto período de tempo, mas negou as detenções numa declaração citada a 4 de dezembro pela agência noticiosa Angop, detida pelo Estado.

“Se o governo de Angola tinha a esperança de ocultar os seus ataques violentos contra manifestantes pacíficos, não conseguiu fazê-lo," afirmou Daniel Bekele, diretor de África da Human Rights Watch. “Agentes do governo usaram força desnecessária contra manifestantes pacíficos e, de seguida, tentaram impedir os jornalistas de noticiar a situação.”

A manifestação de 3 de dezembro levada a cabo pelo movimento juvenil, que se juntou através dos media sociais, foi um dos vários protestos antigovernamentais que tiveram lugar ao longo dos últimos meses. As marchas tinham planeado partir de dois pontos da periferia pobre e densamente povoada de Luanda – Cazenga e São Paulo – para depois convergirem na Praça da Independência, no centro da cidade. Daí, planeavam seguir para o palácio presidencial. Em conformidade com os requisitos legais, os organizadores informaram as autoridades angolanas, mas não receberam nenhuma resposta oficial.

Em Cazenga, uma investigadora da Human Rights Watch viu vários agentes da polícia com armas automáticas militares – além da polícia, munida de porretes, e dos agentes à paisana – chegarem à área da manifestação após os jornalistas terem abandonado a área. Nessa altura, de acordo com o que os manifestantes contaram à Human Rights Watch, as forças de segurança atacaram-nos violentamente com porretes e líquidos irritantes. A investigadora viu um carro da polícia a descer uma rua a alta velocidade que estava parcialmente ocupada por manifestantes. Testemunhas relataram que o carro, que alegaram pertencer ao comandante da polícia local, atropelou e feriu um manifestante.

No centro da cidade, as autoridades bloquearam o acesso à Praça da Independência e enviaram um grande dispositivo de polícias uniformizados e à paisana, uma brigada com cães, a cavalaria e helicópteros. Agentes de segurança vestidos à civil, na sua maioria envergando chapéus e óculos de sol para ocultar o rosto, foram largamente vistos nas manifestações a participar na repressão policial. A Human Rights Watch viu agentes da polícia perto da Praça da Independência a agredirem manifestantes com porretes e a empurrá-los até às ruas da avenida principal, onde havia trânsito intenso. A polícia não fechou nenhuma rua de forma a impedir acidentes durante a manifestação.

Em Cazenga e no centro da cidade, a Human Rights Watch viu agentes de segurança à paisana com garrafas de água mineral na mão que continham um líquido desconhecido. Os agentes foram visto a despejar o líquido, que provocou irritação no rosto e olhos, causando cegueira temporária e, em alguns casos, desmaios, nos manifestantes, jornalistas e outras pessoas.

À tarde, na avenida ao pé da Praça da Independência, os mesmos agentes foram vistos a despejar a substância engarrafada diretamente nas faces e olhos de líderes da manifestação e, de seguida, a agredi-los com porretes. Os agentes de segurança também visaram um jornalista do Novo Jornal, tendo tentado confiscar-lhe a câmara, sem sucesso. Os agentes também visaram uma investigadora da Human Rights Watch que observava a repressão e entrevistava manifestantes, agentes da polícia e jornalistas. Estes ataques tiveram lugar à frente de polícias uniformizados, que nada fizeram para intervir.

A investigadora da Human Rights Watch descreveu o incidente:

Estava a descer o passeio em direção à Praça da Independência, à espera de um momento calmo para atravessar a avenida e juntar-me a um grupo de jornalistas. Estava a entrevistar um dos manifestantes, o músico de rap Dionísio “Carbono” Casimiro. Havia pelo menos sete agentes da polícia e uma dúzia de transeuntes. Estávamos a cerca de 20 metros do local onde a polícia estava a agredir manifestantes com porretes. De repente, vários homens vestidos à civil despejaram-nos um líquido no rosto e nos olhos. O líquido provocou-me uma sensação de ardor que me cegou por um instante, tendo perdido os meus óculos. Os atacantes não me agrediram, mas agrediram o manifestante que havia fugido noutra direção. Após ter lavado a substância com água, voltei ao local e perguntei aos agentes da polícia se tinham visto alguma coisa. Eles negaram ter qualquer conhecimento do incidente.

Posteriormente, a Human Rights Watch identificou os agressores através de um vídeo filmado por um manifestante. Eram quatro homens com chapéus e óculos de sol, que traziam garrafas de água mineral.

Às 16:30, perto da Praça da Independência, a polícia deteve quatro jornalistas – Isabel João e António Paulo do semanário privado Novo Jornal, Coque Mukuta da Rádio Despertar, e o conhecido jornalista de investigação Rafael Marques – e conduziu-os até à esquadra da polícia, onde ficaram detidos durante um curto período de tempo.

As detenções ocorreram após vários agentes de segurança à paisana se terem aproximado dos jornalistas e da investigadora da Human Rights Watch e de lhes terem ordenado agressivamente que se fossem embora. Os jornalistas perguntaram-lhes se eram agentes da polícia com autoridade para ordenar a jornalistas que abandonassem um local público. Um dos homens retorquiu: “Não temos de vos explicar nada. Saiam daí imediatamente.” Em várias ocasiões ao longo do dia, agentes da polícia acusaram jornalistas e observadores de “encorajarem” os manifestantes.

“O governo de Angola deve respeitar os direitos dos jornalistas e de outros observadores a cobrir e divulgar quaisquer manifestações e eventos políticos,” afirmou Bekele. “Isto é particularmente importante numa altura em que Angola está a caminho das eleições de 2012.”

Contextualização

A Human Rights Watch já havia denunciado a violência policial excessiva em manifestações antigovernamentais em Angola em 2011. Em março, a Human Rights Watch noticiou uma campanha de intimidação do partido no poder e a detenção arbitrária de jornalistas e músicos de rap quando se reuniam para uma manifestação planeada para 7 de março, a qual não se chegou a realizar.

Vários manifestantes envolvidos em protestos desde março contaram à Human Rights Watch que foram vítimas de intimidação e que receberam chamadas anónimas com ameaças dirigidas a si e às suas famílias. Alguns disseram que apresentaram queixa, mas não conseguem obter qualquer tipo de informação da polícia sobre se foi aberta alguma investigação.


Em setembro, a Human Rights Watch documentou a violência policial excessiva, detenções arbitrárias de manifestantes e ataques contra jornalistas por polícias à paisana a 3 de setembro, e reportou a negação de um processo justo aos manifestantes detidos, 18 dos quais foram injustamente condenados a 12 de setembro por um tribunal de polícia a penas entre 45 e 90 dias de prisão por desobediência, resistência e “ofensas corporais” contra vários agentes da polícia. A 14 de outubro, o Supremo Tribunal anulou as condenações por falta de provas e os manifestantes detidos foram libertados. No entanto, ainda enfrentam a possibilidade de um novo julgamento pelo tribunal de primeira instância.


Fonte: HRW.

Samakuva acredita que pode vencer eleições em Angola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Image
Foto: "O tempo para as ditaduras africanas subverterem a democracia e as regras eleitorais terminou," disse Samakuva. (AFP)
VOANews

O presidente da UNITA, Isaías Samakuva, disse estar convencido de que pode vencer as presidenciais angolanas porque "terminou o tempo das ditaduras africanas".

Samakuva falava no lançamento da sua campanha para a presidência da UNITA que vai decidir uma nova direcção num congresso a realizar na próxima semana.

"O tempo para as ditaduras africanas subverteram a democracia e as regras eleitorais terminou," disse Samakuva.

"Terminou no Egipto; terminou na Líbia; terminou na Costa do Marfim e vai terminar também em Angola," acrescentou.

Falando em Luanda Samakuva disse que mais do que concorrer para a liderança da UNITA, o seu objectivo principal é vencer as eleições de 2012 e tornar-se presidente da República.

Samakuva é um dos dois candidatos à presidência da UNITA.

O segundo candidato, Pedro Katchiungo, ainda não foi visto desde que apresentou a sua intenção de concorrer para o cadeirão máximo do Galo Negro.

Informações disponíveis sugerem que este político terá preferido realizar encontros directos com os delegados ao congresso e com outros apoiantes ao invés de um acto político formal de lançamento da sua candidatura.

Fonte: VOANews.

A Comissão Nacional de Eleições na República Democrática do Congo - atraso no anúncio dos resultados da eleição.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A Comissão Nacional de Eleições na República Democrática do Congo atrasou o anúncio dos resultados nas eleições daquele país por mais dois dias, os votos depositados nas urnas não foram recebidos de todos os locais de votação. A demora aumenta os problemas em uma votação marcada pela violência, problemas logísticos e alegações de fraude.
joseph_kabila_gbgm-UMC
"Sim, há um atraso de 48 horas", disse Laurent Ndaye, um porta-voz da comissão eleitoral nacional do Congo, à Reuters. "Nós não recebemos todas as contas oficiais das assembleias de voto, esta é a razão."

  Os resultados parciais preliminares da votação de 28 de novembro, representam 70 por cento dos votos, o Presidente Joseph Kabila leva vantagem de 10 pontos sobre Etienne Tshisekedi.

Kabila tem 46% dos votos, contra Tshisekedi com 36%, resultados de dois terços dos votos contados.
A oposição disse que vai rejeitar o resultado.

Há temores crescentes de que a rejeição dos resultados irá desencadear derramamento de sangue. Tshisekedi goza de amplo apoio em Kinshasa, uma cidade de 10 milhões de pessoas, bem como as duas províncias do sul Kasai, que viram a segurança reforçada nos últimos dias.

Houve uma presença forte de esquema de segurança nas ruas da capital na terça-feira, e alguns residentes empilhados em barcos para atravessar o rio Congo para a vizinha República do Congo, com medo de nova onda de violência após os resultados.

fonte: Africa News

Total de visualizações de página