Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Robert Mugabe demite mais oficiais de seu governo no Zimbabwé.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Robert Mugabe

LONDRES - Em uma purga de longo alcance, o Presidente Robert Mugabe do Zimbabwe, viajando para Ásia, ordenou novas demissões de ministros do governo em sua volta para casa, buscando uma repressão arrebatadora sobre deslealdade percebida, de acordo com a mídia estatal nesta segunda-feira.

A reviravolta no Zimbabwe coincidiu com indicações mais amplas de desconforto em toda a África do sul após a morte, em outubro de Presidente Michael Sata na vizinha Zâmbia.

Em um comunicado enviado por email na segunda-feira, no entanto, Guy Scott, presidente interino da Zâmbia e único líder branco da África, indicou que uma briga pública amarga da Frente Patriótica governar entre ele e o ministro da Defesa Edgar Lungu tinha sido resolvida e que os dois homens estavam unidos "por trás da candidatura de Lungu "para as eleições presidenciais de 20 de janeiro.

Mais cedo, uma facção leal a Sr. Scott havia apoiado Miles Sampa, sobrinho do Sr. Sata, como candidato presidencial.

No fim de semana, o Sr. Scott e Sr. Lungu apareceram juntos em uma reunião e se comprometeram publicamente a apoiar a candidatura do Sr. Lungu, jornais zambianos relataram. As ações pareciam encerrar uma disputa que tinha ameaçado a reputação do país pela sua relativa tranqüilidade e estabilidade.

No Zimbábue, cinco vice-ministros foram demitidos por "alegada corrupção e facções políticas através dos quais procuravam derrubar o presidente Mugabe por meios inconstitucionais, incluindo assassinato," The Herald, um jornal estatal, informou na segunda-feira, citando um anúncio oficial na noite de domingo.

As demições subiram para 16, o número afetando os altos funcionários, incluindo o vice-presidente Joice Mujuru, demitido pelo Sr. Mugabe, de 90 anos, em um amplo expurgo do seu partido ZANU-PF que ajudou a elevar a sua esposa, Grace Mugabe, de 49 anos, para um alto cargo . Ele também nomeou Emmerson Mnangagwa, um associado de longa data com uma reputação de crueldade, como vice-presidente.

Mugabe governa seu país desde a sua independência do Reino Unido datada de 1980.

Os mais proeminentes das figuras a perder seus empregos no domingo foram Flora Buka, o ministro de Estado para os Assuntos Presidenciais, e Sylvester Nguni, o ministro de Estado no Gabinete do vice-presidente. Não ficou imediatamente claro o papel que o Sr. Mnangagwa jogou nas últimas manobras. Os Mugabes refugiaram-se este mês sobre o que a mídia estatal chamou de férias anuais até 15 de janeiro.

Viagens ao exterior de Mugabe provocaram muita especulação entre os zimbabuanos de que ele está recebendo tratamento médico durante viagens prolongadas para a Ásia, especialmente para Singapura, disse a revista The Africa Report em seu site.

O Relatório de África também disse que, juntamente com a especulação sobre sua saúde ", foi o financiamento de férias de Mugabe, que está sob os holofotes." Ele acrescentou que o dinheiro do orçamento nacional "tem sido gasto em viagens, entretenimento, carros" e a manutenção de residências.

Mugabe visitou a Ásia com um aumento da frequência desde que os governos ocidentais impuseram restrições de sua viagem por causa de seu histórico em violação de direitos humanos. China, um aliado histórico da ZANU-PF, desde então, surgiu como um parceiro económico líder.

Na Zâmbia, a notícia da reconciliação dentro do partido do governo provocou uma resposta cética dos rivais.

"A reconciliação suposta na Frente Patriótica não está enraizada na verdade", Nevers Mumba, um candidato presidencial da oposição e ex-vice-presidente, disse em um comunicado enviado por email. "Ele tem sido forçado sobre as duas facções puramente para fins de criação de um ambiente razoável para as próximas eleições."

Ele acrescentou, porém, que ele e seus seguidores do Movimento para a Democracia Multipartidária fracassaram "rezar para que o temporário Band-Aid se realiza até o dia da eleição, a fim de facilitar uma eleição livre e justa."

# nytimes.com

Estados Unidos: Obama expele Sudão do Sul e Gâmbia de AGOA e integra a Guiné-Bissau.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O presidente Barack Obama revogou a elegibilidade do Sudão do Sul para um programa de comércio preferencial dos EUA conhecida como a Lei de Crescimento e Oportunidades para Africanos (Agoa).

O presidente Obama também removeu Gambia do programa e reintegrando a Guiné-Bissau - (que Deus abençoe esta terra e o seu povo!)

Todos os movimentos entram em vigor em 1 de Janeiro.

A proclamação presidencial sobre as ações não especificou as razões para declarar o Sudão do Sul e Gambia inelegíveis para os benefícios da AGOA.

Ele não referiu normas gerais de elegibilidade incluídos na lei que criou AGOA em 2000.

Dois dos requisitos são que um país "não deve se envolver em atividades que prejudicam os interesses de segurança ou de política externa nacionais" e "não se envolve em graves violações dos direitos humanos internacionalmente reconhecidos".

Os EUA já havia impostos sanções a quatro líderes militares do Sudão do Sul por seus papéis em uma guerra civil que durou um ano, que resultou em milhares de mortes de civis.

Prisão perpétua

Washington também está a elaborar uma resolução no Conselho de Segurança da ONU que imporia sanções internacionais sobre o Sul do Sudão que se verificou estar impedindo a resolução do conflito.

Ação do presidente Obama sobre a Gâmbia parece ser uma resposta a alegadas violações dos direitos humanos por parte do governo do país da ´frica Ocidental, incluindo a recente promulgação de uma lei sob a qual as pessoas condenadas por "homossexualidade agravada" face à prisão perpétua.

Expulsão do AGOA tem um grande significado e parte simbólico em ambos os casos.

Nem o Sudão do Sul nem a Gâmbia beneficiam sensivelmente do programa, que permite que quantidades ilimitadas de mercadorias provenientes de países elegíveis possam entrar sem pagar impostos nos EUA.

As exportações da Gâmbia nos últimos anos foram avaliadas em US $ 2 milhões, enquanto o Sudão do Sul vendeu 29 mil dólares no valor dos produtos florestais para os compradores dos EUA no ano passado.

Um total de 40 países subsaarianos serão elegíveis a participar de AGOA em 2015.

#africareview.com

Boas festas. Feliz Natal a todos os usuários do Blog Djemberém. Que Deus abençoe a todos!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Nada mais nos orgulha em termo de realizações pessoais, que chegar ao fim de ano e perceber que produzimos algo que serviu não só para satisfazer o nosso desejo, mas também para servir a sociedade que pertencemos e outras tantas. O Blog Djemberém agradece dessa forma a todos os usuários que compartilham esse espaço que é de todos nós, manifestando gratidão pela preferência. Hoje, o Blog Djemberém pode se considerar um local que reuni uma parte de usuários de Moçambique, Angola, Cabo Verde, Guiné-Conacry, Gâmbia, Marrocos, Guiné-Bissau, Costa do Marfim, Rússia, Alemanha, França, Portugal, USA, China, etc, etc. Vale salientar que a maior parte de usuários diários são de Portugal, Guiné-Bissau, França, E.U.A, China e Alemanha. 

Feliz Natal para todos! Que a paz seja um presente de Deus para todos os povos em 2015!

Veja os dados Estatísticos do dia 24/12/2014.

Dados semanais:


A você caro usuário, um grande abraço!
Samuel Vieira.
 


Total de visualizações de página