Postagem em destaque

A tensão está aumentando perigosamente entre a RDC e Ruanda.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo da República Democrática do Congo (RDC) declarou que o tir...

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Burkina Faso: Exumação dos restos de Thomas Sankara e dos comapanheiros - vai satisfazer a sede da verdade e da justiça do povo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

EXHUMATION DES RESTES DE THOMAS SANKARA ET DE SES COMPAGNONS  : Satisfaire la soif de vérité et de justice du peuple

Sete meses após a queda do Blaise Compaoré, as linhas movem no caso de Thomas Sankara. E desde a sua reabertura pelas autoridades de transição, o caso está experimentando algum progresso. Assim, após a audição da ex-primeira-dama, Mariam Sankara, na semana passada, é a exumação dos restos mortais do pai da Revolução de agosto de 1983 e seus doze companheiros de infortúnio que está hoje na ordem do dia. Desde ontem, 25 de maio de 2015, a Justiça se firmou, a fim de fazer falar as sepulturas torturadas, em 15 de Outubro de 1987, na esperança de trazer a luz sobre este assunto e cristalizar a atenção dos Burkinabés depois de breves três décadas. O que convencer mais a um cético se Blaise Compaoré está sempre ocupado com negócios, não é amanhã que a pesada laje de perguntas e sombras que pairam sobre o túmulo de seu irmão e ex-parceiro de armas abriria para a investigação.

De qualquer forma, quando lembramos que em 30 de abril de 2014, sob o antigo regime, a justiça Burkinabé finalmente tinha terminado de declarar ser incompetente para decidir a exumação ou não de restos de Thomas Sankara, temos de reconhecer a coragem das autoridades de transição que juntou a ação à palavra e fez avançar esta questão espinhosa. A "incompetência" isso foi o suficiente para fortalecer muitas pessoas em sua crença de que Blaise Compaoré não tem consciência da morte de seu irmão e amigo Thomas Sankara. Além disso, este período de transição parece ser o mais adequado para montar um ataque verdadeiro sobre este caso.

Acesso à verdade não tem preço
Agora espera-se que os resultados desta operação forneça mais respostas do que perguntas para uma equação já bem difícil. Como uma coisa é abrir o túmulo, e outra é conseguir a manifestação da verdade. E se os resultados da exumação irão revelar algo mais, teme-se que o mistério engrossa-se mais em uma pasta que já é suficientemente complicada e pesada em si. E se fosse esse o caso, devemos concordar que este não é o amanhã o dia para que a sede de verdade e de justiça das pessoas nesta matéria, será extinta.

É por isso que a justiça deve se cercar de todas as precauções para os exames a ser feitos com a maior seriedade, por pessoas credíveis, para se dar a melhor chance de alcançar resultados fiáveis ​​e incontestáveis. Qualquer coisa que possa impactar a orientação do posicionamento do dossiê para seguir o procedimento.
Em todo caso, esta etapa marca uma evolução importante no desenrolar deste processo. E por causa do destino que tinha sido reservado ao abrigo do antigo regime, mas também por causa das inúmeras especulações relacionadas com o mesmo, os resultados desta operação no ponto mais alto de interesse dos Burkinabés esperando que a dúvida seja finalmente levantada sobre o enterro do ex-líder da revolução. E imaginamos toda a emoção da família quando esses atos importantes são realizados; mas também a esperança de ser capaz de lamentar a sua falta, depois de 27 anos de incertezas e da dor.
Em qualquer caso, se o perito confirma que é Thomas Sankara e seus camaradas que foram enterrados em Dagnoen, será um passo importante para o estabelecimento da verdade. Caso contrário, será um enorme pedregulho jogado na lagoa para nada. Enquanto isso, devemos cruzar os dedos para não sermos surpreendidos, o que complicaria ainda mais a situação. Mas é verdade que o acesso à verdade não tem preço.

Por: Outélé Keita

#lepays.bf

Costa do Marfim: Promoção da Francofonia - O Presidente Bédié condecorado por parlamentos africanos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Journée

O presidente do PDCI, Henri Konan Bedie, ex-presidente do parlamento da Costa do Marfim, será homenageado por suas ações em favor dos valores da Francofonia. Será na 23ª Regional Africana programado para 28 a 30 de Maio, na Fundação Felix Houphouet-Boigny em Yamoussoukro, na Costa do Marfim. "Um dos destaques desta região, será a renovação dos órgãos da APF (Assembleia Parlamentar da Francofonia), e, portanto, para preparar uma posição comum dos países em relação a estas questões que terão lugar em Berna. O segundo destaque, será a galáxia. A APF instituído ao nível dos parlamentos, a ordem das Plêiades, que concede prêmios a personalidades eminentes de países francófonos no mundo por suas ações parlamentares para a promoção dos valores da Francofonia. Para esta condecoração, um dos destinatários será um dos ilustres predecessores do atual Presidente da Assembleia Nacional, Guillaume Soro Kigbafori, que é o presidente Henri Konan Bedie ", que confiou ao secretário-geral do Parlamento, Latte Ahouzanzi em 22 de maio último à imprensa, à Câmara. Composta de 28 países, a Regional Africana é um dos casos que APF, em si, é uma associação de países de língua francesa e de assimilados.

B.H

#abidjan.net

Tiroteio em quartel da Tunísia faz vários mortos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Tiroteio em quartel da Tunísia faz vários mortos
Governo garante que não se tratou de "uma operação terrorista"

Um soldado tunisino matou hoje alguns dos seus camaradas a tiro num quartel, mas não se tratou de "uma operação terrorista", informou o Ministério do Interior.
O soldado foi abatido depois do tiroteio, que causou "mortos e feridos", cujo número não foi precisado pelas autoridades da Tunísia.
"O incidente, que ocorreu na caserna de Bouchoucha, não está ligada a uma operação terrorista", disse o porta-voz do ministério Mohamed Ali Aroui à agência France Presse.
Um pouco antes, o porta-voz do Ministério da Defesa, Belhassan Oueslati, tinha indicado que um "militar disparou sobre os seus camaradas, ferindo alguns", antes de ser morto.
"As forças militares dominaram a situação após terem disparado sobre o soldado", explicou.
Segundo Aroui, a caserna de Bouchoucha situa-se não muito longe do Museu Nacional do Bardo, onde 21 turistas estrangeiros e um polícia foram mortos em março por terroristas.

#dn.pt

Burkina Faso quer exumar o corpo do assassinado ex-líder Thomas Sankara.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O falecido Thomas Sankara. Ele era um ícone da esquerda revolucionária na África. ARQUIVO | NATION MEDIA GROUP

Os restos mortais do ex-presidente assassinado Thomas Sankara e 12 de seus colegas que foram assassinados durante um golpe de estado em 1987 serão exumados nesta segunda-feira, disse uma fonte judicial no domingo.

Thomas Sankara foi um capitão do exército marxista popular que chegou ao poder através de um golpe em 1983 e transformou o que era então a ex-colônia francesa de nome Alto Volta para Burkina Faso.

Autoridades de Burkina Faso ordenaram em março exumação do cadáver para que ele pudesse ser formalmente identificados.

"Segunda-feira às 8:00 am (08:00 GMT), vamos proceder a exumação dos corpos do presidente Thomas Sankara e outras 12 pessoas,", disse a fonte referindo que em sua maioria, os membros das forças armadas que morreram ao mesmo tempo.

Advogado Benewende Stanislas Sankara, que não tem relação familiar com o ex-chefe de Estado, disse que os parentes do líder e seus representantes legais têm sido "convocados pelo juiz de instrução para assistirem à exumação dos corpos".

O golpe que matou Sankara colocou Blaise Compaoré no poder por 27 anos, até que uma grande revolta popular no ano passado levou à sua remoção do poder.

Os restos mortais de Sankara dizem que foi enterrado em um cemitério do bairro Dagnoen de Ouagadougou, mas sua família e apoiantes duvidam de que é verdade.

Ao longo de seus anos no poder, Compaoré se recusou a investigar o assassinato de Sankara.

A exumação por dois médicos de Burkina Faso e de um terceiro da França permitirá aos especialistas "identificar, utilizando testes de DNA, se existe realmente o corpo do presidente Thomas (Sankara) neste túmulo", disse o advogado.

Eles também serão capazes de determinar "a causa da morte", acrescentou.

Apelidado em África de "Che Guevara" por admiradores, a reputação de Sankara se espalhou muito além das fronteiras de Burkina Faso por causa de sua visão anti-imperialista e uma série de medidas para acabar com a dependência da ajuda externa.

#africareview.com

No Dia da África, conheça artistas que se inspiram no continente.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Da literatura à música, a África sempre rendeu bons frutos na arte.



Não é de hoje que o território africano é inspiração para a produção artística mundial. Valorizar as cores, as sonoridades e a religiosidade de Cabo Verde, Gana, Nigéria e Senegal, entre outros países, é uma maneira de resgatar a ancestralidade africana e de lutar pela afirmação da cultura negra. No dia da África, celebrado amanhã, o Correio seleciona artistas da música, das artes plásticas, do teatro e da literatura que têm como ponto de partida para o seu trabalho o continente, matriz da humanidade. 

“Nós somos a África. Ela está no nosso corpo, na nossa mente e no nosso espírito. Muitas vezes, pessoas negras da diáspora que descendem de escravos reprimem a sua ascendência africana por causa da influência ocidental. Não há nenhuma maneira de não ser influenciada pela cultura africana porque é a nossa própria cultura. Nossa jornada é dedicada aos nossos antepassados”, comenta Niambi que, ao lado de Thandiwe, forma o duo norte-americano Oshun.

A matriz musical
Há algumas semanas, graças às redes sociais, o Brasil descobriu uma dupla que promete ser um dos principais nomes do rap mundial. Formado por Niambi e Thandiwe (foto), duas jovens negras norte-americanas de 19 anos, o duo Oshun se autodenomina como uma mistura de neo-soul, hip-hop e jazz. As referências vão de Erykah Badu e Lauryn Hill a John Coltrane e Miles Davis.

“Passávamos muito tempo juntas e nos tornamos amigas próximas. Foi a questão espiritual que trouxe a música para a gente”, conta Niambi, que conheceu a parceira musical na Universidade de Nova York. Ambas são alunas do programa Martin Luther King Jr, que concede bolsas para estudantes de diversas origens étnicas e culturais. “Esse espaço é importante porque foi ele que nos uniu. Nós amamos tanto o nosso povo e esse é um lugar para aprender e respeitar líderes e outros movimentos de libertação”.

Nos palcos 

O diretor de teatro Márcio Meirelles e o dramaturgo Aldri Anunciação (foto), que estão trabalhando juntos no espetáculo O campo de batalha (com recente temporada em Brasília), são dois ótimos exemplos de profissionais que levam aos palcos a questão afro-brasileira. 

Meirelles criou nos anos 1990, ao lado de Chica Carelli, o Bando de Teatro Olodum,  grupo baiano formado somente por atores negros e que tem no currículo peças como Cabaré da RRRaça (1997) e Bença (2010), que retratam a cultura africana. “Percebi a falta de um teatro que fosse realmente baiano, que tivesse sotaque e que representasse essa cultura da pele negra e das tradições ancestrais. Também tinha um deficit de atores negros.  A partir daí, me juntei com outros artistas e nos associamos ao Olodum”, relembra. 

Estética afro
Com apenas 25 anos, o artista plástico baiano Muhammad Bazila (foto) já levou suas obras para o exterior. Radicado em Brasília desde 2008, Muha Bazila (é como ele assina suas obras) foi o primeiro brasileiro a participar da exposição Art Freedom em Paris. Em outubro do ano passado, ele expôs o trabalho que vem desenvolvendo até agora: a série Odara, com pinturas de mulheres negras e uma sequência que retrata artistas negros, como o sambista Cartola. 

“Os quadros foram elogiados na mostra, que contou com a presença de artistas africanos e europeus. Inclusive, ganhei o prêmio Solidarité”, conta Bazila. “Escolhi desenvolver essas temáticas por considerar importante a valorização da estética afro. Quero mostrar a beleza da mulher negra que foge do estereótipo do corpo hipersexualizado”. Atualmente, é possível ver a produção do artista na exposição Ondeandaaonda, no Museu Nacional. A mostra reúne parte do acervo de várias galerias independentes do Distrito Federal.

Cultura no papel
A literatura é repleta de autores que retratam a África e sua cultura. A escritora angolana Madalena da Silva Vilela (foto), 31 anos, tem tentado mostrar um pouco do que vive em seu país, por meio de histórias de ficção. Na verdade, a Angola costuma ser pano de fundo em suas obras, como em Engano, lançado neste ano no Brasil, e em Ninguém como tu (2012).

Ela começou o envolvimento com contos aos 9 anos, assim que aprendeu a ler e a escrever. Suas vivências, experiências e divagações ganharam espaço no papel, mas a escritora conta que existe uma dificuldade em lançar obras em Angola e divulgar essa cultura. “O mercado de editoras ainda é muito fechado. Andei por várias editoras para enfim encontrar uma para lançar”, conta.

As obras de Madalena também focam na questão da mulher negra. Suas protagonistas são o inverso do que os leitores estão habituados. “Adriana, personagem de Engano, é o oposto de uma menina que se apaixona pelo príncipe. E isso mostra que as mulheres devem ficar focadas naquilo que acreditam e lutar pelos seus sonhos”, define.

#correiobraziliense.com.br

Total de visualizações de página