Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

ONU: como a África votou sobre a Palestina.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Na ONU, a África votou maciçamente para a Palestina para ser reconhecido como um Estado. Mas os votos dos países africanos não têm sido unânimes.

New York. delegação da Palestina , 29 de novembro de 2012, o dia da admissão da Palestina como um Estado na ONU. AFP / Stan Honda.


Em 29 de novembro de 2012, a Palestina foi concedida o estatuto de observador não-membro das Nações Unidas. Ela torna-se o estado nº 194 reconhecidos pelas Nações Unidas. O resultado é claro: 138 votos a favor, 9 contra e 41 abstenções.

O "nascimento" da Palestina como um estado, como se descreveu, Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, foi amplamente acompanhado pelo continente Africano, que votou esmagadoramente a favor da Palestina . Apenas cinco países se abstiveram: Togo, Camarões, República Democrática do Congo, Ruanda e Malawi.

Norte da África eufórica

Mais entusiasmados com o anúncio dos resultados foram, sem surpresa, os países do Norte de África.

Em um comunicado para a Argélia Press Service, APS, agência Argelina  de notícias no Maghreb registrou que foi uma recuperação Emergente através do porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros argelino Amar Belani que acolheu assim a situação.

"Congratulamo-nos com esta brilhante vitória diplomática (...) é um bom presságio para o sucesso ainda mais pela luta heróica travada pelo povo palestino para recuperar seus direitos inalienáveis", disse ele.

Mesma história na Tunísia, onde as Tunivisions site anunciou a manchete de 30 de Novembro "Mabrouk Ya Falastine" (Parabéns a Palestina). Não tentando esconder sua alegriam,Tunivisions vocês conseguiram um progresso para o mundo árabe, os  muçulmanos árabes como um todo, e concluiu: "Parabéns a todos os palestinos, todos os árabes, todos os muçulmanos."

Em Marrocos, o rei Mohammed VI tinha afirmado antes da votação que ele veio ver com os seus olhos "para mobilizar o apoio internacional para as iniciativas levadas a cabo pela Autoridade Nacional Palestina para acessar o status de não-estado membro" se refere Atlas Info, em seguida, como o Reino de Marrocos sempre teve uma relação complexa com Israel, mas privilegiada.

Principalmente para, mas não que ...

Para entender a escolha do Togo, que no entanto não conseguiu sobre o assunto, um rápido olhar para a relação entre Lomé e Tel Aviv é necessária. Visita a Jerusalém no dia 28 de novembro de Presidente de Togo, Gnassingbe que reafirmou o seu compromisso com o Estado judeu:

"Nós Togoleses, estamos ao lado do Estado de Israel. Nós não temos auto-interesse, mas porque nós compartilhamos os mesmos valores "pode ​​ser lido no site republiquedetogo.com.

O presidente israelense, Shimon Peres disse que Israel também apoiou a candidatura de Togo ao Conselho de Segurança da ONU, e, portanto, ele espera apoio sobre a questão palestina em troca.

Para alguns países, no entanto, a escolha foi mais complicada de se fazer. Este foi Uganda, que fez uma "mudança de última hora" ao longo do jornal de grande circulação nacional, o Daily Monitor. Preocupada com a conservação de suas relações com Israel, o ministro de Estado para Assuntos Internacionais Sr. Okello Oryem que falou da relação "estreita" entre Israel e Uganda, primeiro queria abster-se sobre a questão.

Finalmente, Henry Okello Oryem-diz que é para preservar a unidade da União Africana que Uganda decidiu apoiar o pedido de reconhecimento de um Estado palestino.

"Estamos trabalhando em grupos regionais, e desde que a União Africana, por unanimidade, decidiu votar pela Palestina obter o estatuto de observador, Uganda preferiu votar para esta posição."

África do Sul, Jacob Zuma, que regularmente mostra o seu apoio para os palestinos, por sua vez apoiou a adesão incondicional da Palestina como estado observador. O portal AllAfrica.com retomou sua notícia com expedição, Agência Nacional de Notícias da África do Sul, em que o Ministério dos Negócios Estrangeiros saúda o resultado.

Criticando as posições israelenses na expansão de assentamentos judaicos na Cisjordânia e na repressão à Faixa de Gaza, o Ministério explicou que "a África do Sul também permanece altamente crítico ao desafio continuado do governo israelense em se recusa a deter a expansão dos assentamentos ilegais nos territórios ocupados da Palestina, Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, o que complica qualquer possível retomada das negociações. "

Ambrose Védrines

fonte: slateafrique

Novo líder chinês promete duplicar o rendimento da população até 2020.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Mark Ralston/AFP / Xi Jinping assume em 2013
O novo Líder Chinês, Xi Jinping

O novo líder do Partido Comunista Chinês (PCC), Xi Jinping, prometeu «trabalhar arduamente para assegurar que, no final desta década, o rendimento da população seja o dobro de 2010», noticiaram hoje os principais jornais do país.

"Toda a gente fala sobre um 'sonho chinês'. A renovação da nação chinesa é o maior sonho do país desde o inicio da era moderna", disse Xi Jinping durante uma visita ao Museu Nacional da China, na Praça Tiananmen, em Pequim, acompanhado pelos outros seis membros do Comité Permanente do Politburo do PCC, a cúpula do poder.
Xi Jinping, de 59 anos, substituiu há duas semanas o Presidente Hu Jintao no cargo de secretário-geral do PCC.
Na visita à exposição "O caminho para a renovação", patente naquele museu, Xi Jinping considerou "vital prosseguir a via do socialismo com características chinesas", iniciada há 33 anos com a política de "Reforma e Económica e Abertura ao Exterior".
"É tão difícil encontrar o caminho certo, é nesta via que prosseguiremos resolutamente a nossa causa", disse.
Xi Jinping é também presidente da Comissão Militar Central do PCC e em março de 2013 deverá assumir igualmente o cargo de Presidente da República Popular da China, completando a ascensão ao topo do poder de uma nova geração de lideres.
O "número dois" do Comité Permanente do Politburo, Li Keqiang, de 57 anos, deverá então ser nomeado primeiro-ministro.
No 18.º congresso do PCC, de 08 a 14 de novembro passado, o partido apontou como objetivo estratégico "completar em 2020 a construção de uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspetos".
A China é já a segunda maior economia do mundo e o maior exportador, à frente do Japão e da Alemanha, mas devido à população (cerca de 1.340 milhões), o valor do Produto Interno Bruto 'per capita' rondará apenas os 6.000 dólares.
fonte: Diário Digital/Lusa

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Visão de Dakar: Europa clareia mais dinheiro sujo que a África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Para o editor Mamadou Oumar Ndiaye, o suposto envolvimento do atual primeiro-ministro Abdoul Mbaye do Senegal , no caso de lavagem de dinheiro, do ex-presidente chadiano Habré, é apenas a parte visível do iceberg.

Maços de notas falsas. 10 de abril de 2002 em Abidjan. AFP / Issouf Sanogo


Tomaram o tempo, realmente, ao descobrir que o ex-Presidente da República do Chade, refugiados em nosso país desde 1990, tinha trazido com ele em sua fuga um monte de dinheiro. Oito mil milhões de francos (12,2 milhões de euros), dizem-nos. Outros dizem que foi mesmo 20 (aproximadamente 30,4 milhões de euros).

E o dinheiro, de acordo com a nossa final moralizante, ter sido "lavado" no momento pelo nosso actual Primeiro-Ministro, Abdoul Mbaye, que na época, era presidente de um banco, no país. Ele teve que esperar longos 20 anos para estes detratores virtuosos - seguindo as "revelações" de uma política neocolonial segundo o jornal francês - apreendemos não só a quantidade de dinheiro introduzido em nosso país por Habré, mas também como teria sido reciclado.


Por que isso é difícil para o primeiro-ministro do Senegal?

Abdoul Mbaye aposta que, se não tivesse sido nomeado primeiro-ministro do Senegal, neste ano da graça de 2012, não teria sabido nada! Afinal, 20 anos, levou um longo tempo antes de eles nos dizerem que Mbaye Abdoul que, por sua vez, não só adquiriu outros bancos, mas até comprou outro - o Banco Senegal extinto da Tunísia - antes de vender ações para o Attijariwafa marroquino que Abdoul Mbaye, assim, "lavou" o dinheiro.

Suficiente para exigir que estes hipócritas vigorosamente renunciem - porque entendemos que era a sua posição de que era possível - e mais rápido do que isso! Caso contrário, é-nos dito, pode sempre manchar a imagem do nosso país, especialmente no caso em que ele seria chamado para depor no julgamento de tribunal por "crimes de guerra" e "crimes contra a humanidade" interposto contra o ex-ditador do Chade.

O primeiro-ministro, ele argumenta que o tempo, o crime de lavagem de dinheiro não existe em nossa legislação? Ele afirma que seu caso pior, e os jornais, TV e rádios estão agindo contra ele de que seria um lavador de dinheiro que iria lavar - notas! - Mais branco do que a famosa publicidade Mãe Denis.

Pior, é um receptor comum que não merece em absoluto a ser chefe de governo (aqui vamos nós de novo!) no Senegal. Portanto, é claro, que ele deveria fazer o avental ou, alternativamente, que o Presidente da República o demita e coloque em seu lugar um homem de sua confiança do que ter Mbaye  Abdoul na sua pele - provavelmente porque ele iria perturbar o seu interesse suculento - seria condecorado. Afinal, não vemos por que, se este homem seria pego, 20 anos após o fato, por um alegado caso de branqueamento de capitais. Uma história que os nossos cavaleiros brancos iriam processar, mas morta por uma geração.


Quem quer a pele de Abdou Mbaye, o primeiro-ministro?

E que nós vivemos hoje, depois de oportunamente colocar debaixo do alqueire, não só durante os últimos dez anos do reinado de presidente socialista Abdou Diouf, mas durante os 12 anos de Magistério de Abdoulaye Wade. E só hoje, somos informados de que o Sr. Mbaye havia "lavado" o dinheiro de Habré em 1990.

Agora, todos nós sabemos que, na época, isto é, quando ele veio para o Senegal através de Camarões depois de ser perseguido pelas tropas de seu ex-ministro da Defesa, Idriss Deby, que Habré  pousou no aeroporto de Dakar a bordo do avião ao Comando de Chade. Um avião que o senegalês tinha visto por várias semanas na pista do aeroporto. O novo governo do Chade tinha sido chamado peas autoridades senegalesas que haviam aconselhado os tribunais de nosso país. E se a nossa memória está correta, o  Tribunal Regional de Dakar  ordenou a devolução da aeronave para o Chade.

Por que, no momento, e durante as duas décadas que se seguiram, ele não fez questionar estes bilhões oito ou 20, de que falamos hoje? Por que o atual governo do Chade não revindicou esse dinheiro? E por que aqueles que estão questionando hoje  Abdoul Mbaye, eles não fizeram caso sobre esse dinheiro? Se as respostas às duas primeiras questões permanecem um mistério para nós, para o último, no entanto, faz sentido: porque o filho do juiz Keba Mbaye ainda não era primeiro-ministro, é claro!

Habré e Mbaye merecem honras!

Dito isto, e se Habré tinha de fato entrado em nosso país com 20.000 milhões de francos (cerca de 30,4 milhões) teria investido, através do banqueiro Abdoul Mbaye  na economia nacional, bem estes ambos os homens merecem, em nossa opinião, não que a eles joguemos  as pedras, mas, pelo contrário, eles são decorados por seus serviços à nação e que merecem estátuas em sua honra! Especialmente Habré. Afinal, não é todo dia que você vê alguém vindo injetar uma soma em nosso país.

Em vez disso, nossos líderes políticos e outros altos empresários nacionais se esforçam para ir esconder o dinheiro desviado em nosso país - e ao som de milhares de milhões, por favor - na Europa ou em paraísos fiscais situados em ilhas exóticas.

Por um longo tempo, a Suíça foi o destino preferido de bilhões que evaporaram do nosso continente. Que todos sabiam antes da Ilhas Cayman, Jersey Virgem e outro fazem assumir. Caso contrário, o caminho mais fácil para estes homens que levaram da África desde a independência, eles estavam indo para comprar mansões em França - ou na Inglaterra - e fazer investimentos, compras de castelos como de Hardricourt ou obras-primas como fez uma vez o Imperador atrasado da África Central, Jean-Bedel Bokassa.

Propriedades de Omar Bongo, Denis Sassou Nguesso, Teodoro Obiang Nguema, mesmo Felix Houphouët-Boigny, excluindo os de outros mais anônimos patenteados africanos, não podem ser contados. Assim, eles podem seguramente negar que se os nossos líderes são os maiores ladrões do mundo, alguns países europeus têm inscritos os seus receptores.


Europa, reciclador do dinheiro ilícito

Nós não, no entanto, se lembramos de quando o clamor público desses países têm buscado estas cercas e seriam acusados de lavagem de dinheiro. Em vez disso, todos se referem como Thick as Thieves recicladores de dinheiros ilícitos desses países de líderes africanos, mas também de outros potentados ditadores árabes e  da América Latina.

Aqui, é suficiente que a cabeça de estado Africano, que se refugiou com a gente, com o consentimento implícito da Organização de Unidade Africana extinta (OUA) - porque era necessário em nome da estabilidade do Chade que um país concordasse em hospedar seus ex-presidentes - dinheiro, investimento para nós independentemente de qualquer escândalo. Não contente em ter a cabeça de Estado sujeito a assédio judicial permanente - por, alegadamente, "crimes de guerra" e "crimes contra a humanidade", até mudar a lei para só ser capaz de julgar - que agora com a indignação do nosso "pais sob" o banco nacional que continua a quem ele confiou o seu dinheiro na época.

Mas eles têm o cuidado, estes cavaleiros de virtude Bayard, indicam que Abdoul Mbaye era afinal um funcionário do banco que tinha muitos proprietários. E se essa instituição tem feito dinheiro, embora seus proprietários tiveram que desfrutar. Mas por que você não cita o que é o inferno? Por que eles necessitam de nós e não prestar contas? Porque se o banco fez dividendos, eles foram os primeiros beneficiários, certo?

Na verdade, é uma discussão que nós fizemos sobre Abdoul Mbaye e a controvérsia, em vez de servir a imagem de nosso país que é reivindicada suja com a nomeação deste último à frente do governo, a sobremesa bastante séria. Dinheiro não tem cheiro e, francamente, em qualquer lugar pode desfrutar da capital, eles são bem-vindos no Senegal.

Qual o país que nunca reciclou o dinheiro sujo?

É inútil ter escrúpulos - como os países ocidentais que recomendam-nos a boa governação não fazem tal como o Senegal fez que fazem esses hipócritas morais. Que o país nunca reciclou o dinheiro sujo - embora este não é o caso aqui - que atire a primeira pedra!

Quantos ex-nazistas - e fortuna - da América Latina que receberam? Onde estão as propriedades de judeus na França durante a Segunda Guerra Mundial? Onde está o dinheiro escondido pelo falecido líder líbio Muammar Gaddafi na Europa? Onde estão as grandes fortunas dos antigos ditadores da Tunísia e do Egito? E muitos outros exemplos.

Mas então, como os negros sempre dão voltas para conseguir vencer. Países onde ditadores têm escondido os seus bens que eles roubaram? Claro que não! Haverá retórica, mas esta grana vai continuar a executar as suas economias. Quem é louco? Portanto fortemente que o ex-ditadores africanos escondem seu saque para casa e transformar a nossa economia!

Todos unidos por trás de Habré!

Por 15 anos, ele é o tema de assédio judicial, sempre realizada ao lado do presidente Habré porque acreditamos que este é um Africano proeminente, um homem cujo continente tem todos os motivos para se orgulhar . Mesmo se os servos do Oeste são empossados ​​para tentar humilhar e, ao mesmo tempo que ele, como nós, somos africanos.

Durante 15 anos, lutamos ao lado dele contra o racista da justiça internacional que só persegue os africanos. Para a prova, nas prisões do Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, há apenas os cidadãos do continente. É curioso que esta história de prata reciclada surgiu neste ano de 2012. Na época -, mas é certamente uma coincidência - Abdoul Mbaye foi primeiro-ministro do Senegal. Não pode achar que é curioso, não é? Certamente, é bem sabido que, quem quer afogar seu cachorro acusado de raiva. Mas, em todas as coisas, por que mantê-lo informado!

Mamadou Oumar Ndiaye

fonte: Slateafrique





quarta-feira, 28 de novembro de 2012

É duro ser negro em Marrocos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Estudantes africanos, Originários da África Ocidental, são vítimas de racismo em Marrocos, os alunos demonstram o cotidiano de violência e racismo que sofrem no reino.

Estudantes africanos protestam contra o racismo em Rabat, 19 de julho de 2007. AFP / Abelhak Senna.


Quando Fatim chegou em Marrocos para iniciar seus estudos de Direito na Faculdade de Souissi de Rabat, esperava uma grande aventura. Mas aos 20 anos que deixou a Guiné, e ainda instalada na cidade marroquina, sua vida de estudante virou um trauma que a empurra hoje a querer deixar o país.

O motivo: o racismo. Em quatro anos, Fatim não fez um único amigo local e teve vários ataques. "Você é Africano, você é negra", foi muitas vezes provocada enquanto ela caminhava pelas ruas do oceano com seus amigos africanos.

Em outubro de 2009, quando ela foi ao banco no meio da tarde, ela de repente encontrava-se rodeada por seis jovens que a roubaram em luta com a faca na mão. Por isso, seu pai, ansioso, proibiu-a de sair sozinha. Outra vez, ela deixou o supermercado em torno de 21:30 h. Nova agressão. Tratava-se da "azia" (preto ou nigger em francês) é para colocar os pés no rosto e no estômago.

Passeios noturnos e não mais nas noites Fatim caixa é calafetada em casa. Ela só sai para fora para ir por algum caminho ou acompanhado por seus amigos.

"Os marroquinos se consideram brancos. Eles não gostam de pele negra. Eu realmente não esperava que era assim ", diz o estudante, ainda em choque. "Na faculdade, é muito difícil. Alguns professores dão aulas em árabe e se recusam a falar francês. Quando dissemos que não entendemos a língua, eles nos dirigem mal e pedem para falar com os nossos vizinhos. "

Sua namorada Awa, também da Guiné, chegou em Marrocos para estudar engenharia no Instituto de Engenharia Aplicada (IGA), em Casablanca. Ela diz sofrer racismo, que passa agora pelaa sua cabeça. Diariamente, ela é insultada na rua por crianças, adolescentes e pessoas mais velhas ainda, chamam-na de "macaco", "preto", "africano sujo" ou "escravo".

"Eu fui assaltado duas vezes. A primeira vez foi em Casablanca, enquanto eu estava esperando o ônibus 900 para voltar a Rabat. Um jovem veio até mim pegou o meu saco, me chamando de nigger e macaco. Ninguém levantou um dedo ", disse o estudante de 21 anos.


Autoridades negligentes

Na segunda vez, no distrito de Mohammedia, um homem de 30 anos, armado com uma faca roubou seu telefone celular enquanto estava com um amigo:

"Nós estávamos esperando por um táxi do lado de fora da porta da casa onde mora em uma noite de sábado. Havia um monte de pessoas. O mundo não se importava rígidamente. Eventualmente, nós fizemos isso. Eu tenho dois anos de estudo, assim eu devo tomar precauções. "

Mas por que esses jovens estudantes não se queixam? "Quando a nós insultam a própria polícia, eu não vejo o que eles podem fazer por nós. É um desperdício ", diz outro estudante, de 28 anos, um beninense instalados há cinco anos em Marrocos e que prefere permanecer anônimo.

"Quando os africanos chegam em Marrocos, querendo investir mais em educação. Alguns professores não querem que estudantes marroquinos sejam dominados por negros, então eles não tiram notas mais do que 11 dos 20, qualquer que seja a qualidade do nosso trabalho", eles reclamam.

De acordo com um relatório da UNESCO, datada de Outubro de 2011, o número de estudantes presentes em Marrocos Saara aumentou de 4.024 em 2005 para 6038, em 2009. Em 2010, segundo o Instituto de Estatística da UNESCO, havia cerca de 5.000 dos quais uma grande proporção da Guiné (518) e Senegal (504) - dada relações diplomáticas existentes entre Marrocos com estes dois países.

Awa disse que escolheu o Reino de Marrocos por sua proximidade com o seu país de origem: "É mais fácil voltar para os pais. E em Marrocos, há escolas muito boas. " Além de que a maioria de africanos subsaarianos não precisam de um visto para viajar para o Marrocos.

"Se o país mudou, as atitudes são arcaicas. Marroquinos ainda vêem os negros como escravos ", continua Awa.

O último diz também que tem que lidar com um senhorio que se recusou a alugar apartamentos para os negros, como Bintou, um senegalês de 24 anos, que viu uma petição para ele sair de sua casa sem nenhum motivo aparente. "Nós certamente não estamos aqui no século 21", disse Awa um pouco confusa.


"Nem todos os marroquinos são racistas"

Benin para seu amigo, você deve procrastinar as coisas. "Todos os marroquinos não são racistas. Não exagere. E eu não quero que os jornalistas da Marrocos Hebdo registrem, que falam do "perigo negro". Muitos imigrantes africanos fodem merda aqui, esperando para ir para a Europa ", analisa.

"Africanos subsaarianos em Marrocos estão presentes e são imigrantes ilegais, os" vigaristas "que trabalham ilegalmente em call centers ou como estudantes", diz Iriébi estudante marfinense em Gestão, Vice-Presidente da Confederação dos alunos, estudantes africanos e estrangeiros em Marrocos (CESAM), fundada em 1981.

Esta associação, com sede em Rabat, tem várias subdivisões dedicadas a cada comunidade estudantil na África Ocidental. Em matéria de racismo, Iriébi fala de "pequenas peculiaridades"

"Já se passaram seis anos desde que eu estou aqui. Agora eu fecho meus olhos quando estão me insultando na rua. Quando as coisas pioram, vamos para a embaixada do aluno em causa. A embaixada em seguida dirigi-se ao Ministério marroquino dos Negócios Estrangeiros. E então eles páram. Quando você vai para a polícia, é um fato, organizam-se duas ou três convocações, então o caso é abafado. "

Choque de indiferença

Em outras palavras, não há nada a fazer. Para Souleymane, que deixou o país há pouco mais de um ano para voltar a sua terra natal de negrofobia, Senegal, sentia-se melhor em Fez ou Agadir do que em Casablanca.

"Sim, eu estou pronto a lidar com barata, eu sofri olhares desdenhosos na rua, eu joguei bolsas de água na cabeça de uns, mas como senegalês, sempre me senti melhor. Senegaleses muçulmanos são muito religiosos, e isso ajuda a ser aceito ", disse o jovem de 23 anos. "Um dia, nós dirigimos a um professor que nos chamou de" africanos ". Eu respondi-lhe que ele também era Africano. Ele se desculpou dizendo que ele deveria nos chamar de sub-saarianos. "

Iriébi, ele prefere jogar a indiferença. "Se divertem de minha pele que é negra, eu riu com eles agora." Binta também queria rir no dia, logo após a oração da manhã, ele deu alguns passos, com o rosário na mão e cruzou em seu caminho com um homem velho, obviamente, em má forma. Ele se recusou a sua ajuda e depois de alguns minutos, de repente, começou a rir estrondosamente, tratando de "nigger", negro.

Katia Touré

fonte: SlateAfrique



terça-feira, 27 de novembro de 2012

Estrangeiros arriscam a vida para entrar em Angola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Estrangeiros detidos quando pretendiam desembarcar na praia do Puri em Cacuaco
Fotografia: M. Machangongo
Cidadãos estrangeiros arriscam a vida para entrar em Angola de forma ilegal. Fazem recurso a esquemas e utilizam pequenas embarcações, nas quais chegam à costa angolana após vários dias em alto-mar, com fome e sede. 
As autoridades, que impediram a entrada de mais de 200 imigrantes ilegais desde Setembro último, falam em redes organizadas e alertam para o perigo que a situação representa para a segurança nacional.
A aproximação de uma chata carregada de gente chama a atenção dos agentes da Unidade Fiscal Marítima e da Polícia de Guarda Fronteira que, na praia do Puri, em Cacuaco, faziam o patrulhamento da costa. Feita a autuação em flagrante, constata-se que são 31 cidadãos da Guiné Conacry, sete da Mauritânia, dez do Congo Brazzaville, dos quais cinco eram tripulantes da embarcação, cinco da República Democrática do Congo, cinco do Senegal, três da Guiné-Bissau, e um da Costa do Marfim.
Os estrangeiros ilegais de sete nacionalidades partiram de Ponta Negra, Congo Brazzaville. O desembarque tinha de ser feito de madrugada, para fugir ao controlo das autoridades, mas os seus objectivos foram gorados pela intervenção dos agentes. Da unidade da Polícia Fiscal, os imigrantes ilegais foram transportados para o centro de detenção de estrangeiros, para serem repatriados para os seus países de origem.

O sonho angolano


O guineense de Bissau Tamini Baldé, 24 anos, era um dos imigrantes ilegais que tentavam desembarcar na praia do Puri. Era o único que se conseguia comunicar em português. Animado pelas notícias de paz e estabilidade em Angola, trabalhou durante alguns  anos para juntar dinheiro para a viagem, durante a qual ultrapassou as fronteiras do Senegal, Mali, Burkina Fasso e Congo Brazzavile.
Em Ponta Negra, pagou 500 dólares aos cinco tripulantes de uma pequena embarcação, de nacionalidade congolesa, que os trouxeram até àquela praia, nos arredores de Luanda. Baldé estava seguro de que tudo fosse correr bem, a confiar nas informações que lhe foram passadas por um cidadão nigeriano, que se disse habituado a este tipo de viagens a partir do Congo, mas as coisas revelaram-se diferentes do que esperava, a começar pelas dificuldades passadas durante a jornada, tendo ficado quatro dias em alto-mar, quase sem se alimentar. “Viajámos como sacos de arroz, uns atrás dos outros, sem poder esticar as pernas, durante dias e noites”, contou. 
A história de Baldé é idêntica às dos demais integrantes do grupo. Chegados a Ponta Negra, a maioria contacta familiares já residentes em Angola e depois as tripulações das chatas que os transportam.
 O seu sonho também era o mesmo dos demais: fixar residência e montar um negócio, lícito ou ilícito, sobreviver, ganhar dinheiro e ajudar a família no país de origem.

Contactos

Os 57 estrangeiros ilegais arriscaram a vida para chegar a Luanda, ao viajarem amontoados numa pequena embarcação de construção artesanal, com fome e sede durante quatro dias. Traziam a bordo um saco de carvão e um fogareiro, além de um bidão de combustível para o motor de popa. Para comer, apenas quicuanga, trazida pelos cinco tripulantes congoleses.
Antes de embarcar para Angola, Tamini Baldé manteve contacto com um parente, também em situação ilegal no país. “Ele disse-me que lhe ligasse logo após a chegada, que me vinha buscar imediatamente. Mas, caso não aparecesse, devia dirigir-me a uma mesquita, onde receberia ajuda dos nossos compatriotas”, explicou. 
Como os demais, Baldé sentiu-se frustrado ao ser autuado pelas autoridades, quando tentava desembarcar. Além do esforço inglório, foi dinheiro perdido. “Jamais volto a arriscar a vida numa aventura destas em alto-mar com o risco de morrer afogado. Tudo farei para voltar a Angola, mas de forma legal”, disse.

Ameaça à segurança nacional


O comandante da Unidade Fiscal Marítima, superintendente Anito Félix, frisou que o patrulhamento das águas territoriais angolanas está inserido num plano estratégico conjunto entre a Polícia de Guarda Fronteira e a Polícia Fiscal, com vista ao reforço do combate à imigração ilegal. 
Anito Félix garantiu que as forças policiais estão em prontidão com vista à detenção de qualquer tentativa de entrada ilegal de estrangeiros no país. Fez saber que nos últimos anos muitos estrangeiros tentam entrar em Angola por essa via, razão pela qual se mobilizam forças e meios para travar este tipo de acções, que a continuar pode tornar-se numa fonte de geração de conflitos e uma ameaça à segurança nacional. Aquele oficial superior adiantou que tudo indica tratar-se de redes organizadas, com comités de recepção de estrangeiros ilegais, a julgar pela frequência com que são feitas as detenções.

Situação preocupante

O comandante da Polícia de Guarda Fronteira da zona Luanda-Bengo, superintendente-chefe Domingos Manuel, disse que de Setembro a Novembro, foram impedidos de entrar no país por via marítima quase 200 imigrantes ilegais. Luanda continua a ser o destino preferencial dos estrangeiros, por ser o local com maior facilidade de sobrevivência. Domingos Manuel disse que a acção é premeditada e parte dos dois Congos. 
Na capital, os ilegais encontram apoio de compatriotas, que alimentam esse tipo de ilícitos com informações. “Cacuaco tem sido a área preferencial para o desembarque de estrangeiros. Eles procuram agora outras áreas, mas a Polícia está atenta”. A Polícia de Guarda Fronteira tem efectivos colocados em Luanda, Ambriz, Sangano e na área do Longa. O superintendente-chefe disse que os estrangeiros vêm sem grandes somas monetárias, pelo que se desconfia que a sua sobrevivência nos primeiros tempos depende de conterrâneos residentes no país.


fonte: Jornal de Angola

Lucrécia Paim ‘deu à luz’ a mais de 25 mil crianças no primeiro semestre de 2012.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O que é que significa gerir a principal maternidade do país, quando a taxa de natalidade e de mortalidade em Angola ainda é alarmante?  
Gostaria de agradecer a oportunidade que me oferecerem para falar da  nossa casa comum, que é a maternidade. Gerir a Maternidade Lucrécia Paim não diria que seja difícil, talvez complexo. O que requer ter uma equipa coesa e que saiba compreender a missão que nos mantém neste lugar, que é o hospital. E com uma equipa dessa as coisas tornam-se mais fáceis e a complexidade maleável.
A Maternidade Lucrécia Paim apresenta hoje um edifício vistoso, essa imagem exterior condiz com o atendimento. Ou o serviço prestado?
O atendimento da Maternidade podemos caracteriza-lo hoje como sendo de ascendente no sentido positivo, porque temos de entender o atendimento como um processo de formação do ser humano. Nós tivemos um passado de guerra, que destruiu também muitos valores.
Mas a sociedade tem de recuperar, ultrapassar esses problemas. Os trabalhadores da Maternidade não estão isentos das dificuldades que a sociedade atravessou. No entanto, para contrapor essa situação temos proporcionado formação selectiva, com vista a melhorar o  comportamento. Só com um comportamento melhorado é que podemos dar um tratamento digno aos nossos pacientes. A Maternidade tem melhorado dia após dia. É claro que não nos sentimos ainda satisfeitos com a qualidade do serviço prestado ou o atendimento. Não nos agrada ainda a maneira como alguns dos nossos colegas atendem os pacientes, mas esperamos que consigamos de uma vez por todas dar o salto que a sociedade espera de nós. E as mudanças que o país está a registar contribuiram igualmente para melhorarmos o nosso trabalho, mas estamos ainda longe, muito longe mesmo de um atendimento ideal.
Recebe muitas queixas no gabinete sobre o atendimento?
Há cinco anos, nós, implementámos um gabinete do utente, um meio de interacção  com a direcção da maternidade. E em função disso, temos tido muitas queixas, algumas delas são resolvidas via verbal, outras por escrito. O gabinete está subordinado ao meu, e temos inclusive feito chamadas para as pessoas que deixam os respectivos contactos.
No entanto, muitos dos terminais telefónicos são falsos, logo não conseguimos responder às preocupações levantadas. Mas temos igualmente abordado os utentes para que compreendam certos procedimentos de funcionamento da maternidade, para que não julguem que se trata apenas da violação dos seus direitos.
Uma das questões que mais recebemos tem a ver com a zona da hemoterápia, onde os utentes acham que não devem dar sangue, mesmo que os seus familiares entram com uma patologia de muito risco e que significa às vezes uma transfusão de sangue. Os utentes consideram uma agressão dos seus direitos quando lhes é solicitado que dêem sangue. E nós tentamos esclarecer que se trata de garantirmos que o hospital não fique sem sangue.
É uma condição sine qua non?
Sim, é uma condição sem a qual não podemos realizar a transfusão de sangue. Faz parte do regulamento interno da maternidade, sempre que há um paciente com risco de sangrar. E outras reclamações são públicas. E sempre que há uma reclamação bem posta, temos a preocupação de dar respostas. Temos tido ainda preocupação de transmitir as situações levantadas pelos nossos utentes em palestras, dirigidas aos nossos colegas, sobre o atendimento.
Portanto, denunciar as irregularidade nós achamos ser a via mais rápida para darmos soluções às  preocupações dos utentes. Nós estamos abertos. Há uma situação que às vezes não é confortável, quando tentamos estabelecer um princípio de acareação entre os que fazem a denúncia e os que são acusados, muitas vezes os queixosos não conseguem sustentar a situação que levantam. Refutam as acusações.
Não será um meio de evitar represália?
O funcionário da maternidade ou da saúde não deve esquecer que a nossa missão é proteger a vida humana. Se pensarmos em represálias não estaríamos a ajudar a sociedade tão pouco a instituição que servimos.
É preciso termos coragem de enfrentar os que não procedem como orientam as normas.
Quando se entra para o hospital, a primeira imagem é de muitas pessoas deitadas ao chão no quintal da maternidade. Significa o quê? Falta de confiança nos serviços da maternidade?
É um assunto que é discutido há muitos anos. E deixe-me dizer-lhe  que o aspecto do material gastável, que era uma das desculpas para a presença das pessoas no quintal, hoje já não se coloca. Fizemos em tempos um estudo interno e encontrámos várias razões. É a demanda da própria maternidade. E outras prendem-se com os fenómenos culturais. Em África, nascer um filho suscita a reunião da família paterna e materna. E por uma criança somos capazes de ter quatro a oito pessoas no quintal. Falei da demanda, a maternidade tem uma média de 80 partos por dia. Além das pessoas que ficam internadas.  Outras das razões prendia-se com a informação das pessoas em relação aos seus pacientes. Temos no hospital uma empresa especializada que vai dando informações, nos três períodos da manhã, à tarde e à noite. E nos intervalos dos períodos. Portanto, as pessoas têm minimamente informações suficientes para não se manterem no quintal da maternidade. Acho no entanto que é um fenómeno que os sociólogos, psicólogos e outros técnicos precisam de estudar de maneira aprofundada. É uma situação transversal a todos os hospitais.
Mas no Hospital Militar ninguém dorme no quintal. Já repararam? E sabem explicar a razão de não existir pessoas a dormir no quintal do Hospital Militar? São perguntas a que não conseguimos dar respostas. Portanto, há aqui fenómenos que precisamos esclarecer. Porque os factores que estariam na base da contínua presença das pessoas como os medicamentos, a desconfiança e outros, já não têm hoje razão de ser.
Precisamos de um estudo profundo para entendermos este fenómeno de maneira correcta.
Tem-se a ideia de que só vem à Maternidade Lucrécia Paim pessoas com poucos recursos financeiros.
Outros preferem as clínicas...
Não afirmaria tanto. Para nós que vivemos o quotidiano da maternidade, temos visto que de facto muitas dessas pessoas a que se referiu fazem consultas nas clínicas, mas na hora do parto buscam os nossos serviços.
Recebemos quase sempre pacientes que querem fazer o parto na nossa maternidade mas não constam das estatísticas do hospital.
Senhor director, quais são as condições à disposição das parturientes? Sei que três partilham quase sempre uma cama.
A explicação é simples. Nós somos um país em desenvolvimento e a taxa de fecundidade é alta. É a razão que faz com que em cada cama haja três a quatro mulheres. Funcionamos com pediatria numa ordem de 216 camas, porque algumas salas estão fechadas para reabilitação, e está disponível somente esse número de camas. Das 216 camas,  53 camas são para adultos, pessoas que ficam internadas. Se eu tiver uma média de oitenta partos por dia, descontando uma sala de pré-parto, veremos que temos uma superlotação.  É difícil nestas situações termos uma paciente por cama. Temos ainda, por exemplo, uma média de 25 cesarianas por dia, uma sala de internamento com capacidade apenas para  52 camas, se atendermos que o tempo mínimo para cesarianas são três dias, então temos por média 75 pacientes em cada três dias. Logo, há uma superlotação que nos impede de termos uma cama para cada paciente. Portanto, a própria demanda nos obriga a termos duas pessoas em cada cama.
A demanda registada na Lucrécia Paim é resultado de um serviço de menos qualidade nas outras cidades de Luanda?
Não digo fraca qualidade ou qualidade inferior nas outras unidades.
Porque há um know-how paralelo com outras maternidades, mesmo a nível de equipamentos. Pelo contrário, há inclusive melhores equipamentos nessas unidades acabadas de inaugurar e que começaram a funcionar agora. Tenho inclusive um certo ciúme sobre as condições de sala de parto que esses hospitais oferecem. São modernos, tecnologicamente estão muito bem equipados. Talvez o problema resida no deficit de recursos humanos. E sem recursos humanos à altura da demanda, não se consegue dar respostas às necessidades. Nós temos a felicidade de funcionarmos também como um hospital de formação, o que nos permite ter mais pessoas  para acudir às necessidades. Por outro lado, esses hospitais que acabei de citar têm o problema dos blocos operatórios funcionarem apenas em determinados períodos, como Viana, Samba, Cazenga e Ramiro.
Aliás, este não tem bloco operatório sequer. Os Cajueiros não têm recursos humanos para os blocos operatórios e todas as pessoas com necessidade de fazer cesariana no período da noite acorrem à Lucrécia Paim. Portanto, temos de entender que temos uma demanda muito acima das possibilidades do hospital.
E não é sazonal, é constante. E todos os indicadores nos dizem que neste período do ano temos uma média de 50 a 60 partos diários, mas este ano temos um índice superior aos outros anos, por essas razões que acabei de referir. Temos, por outro lado, de incentivar os partos institucionais, aliás, é uma política do Executivo. Retirarmos os partos dos lares domiciliares, com vista a reduzirmos a taxa de mortalidade materna.  São vários fenómenos que concorrem para esta situação que se verifica na nossa unidade hospitalar. A cidade de Luanda está dividia em hospitais de referência. Ou seja, toda parte do Quicolo, Cacuaco, Ilha, Cazenga, estão direcionados para a maternidade Augusto Ngangula, e a Lucrécia Paim atende toda zona Sul de Luanda, da Samba até Catete. Recebemos inclusive pacientes do Kwanza Sul, Porto Amboim e Dondo. É uma grande população que a Lucrécia Paim tem de atender. E graças à presença de alguns expatriados, como cubanos,  temos podido responder a essa demanda. E ainda assim, não é suficiente, pelo que há necessidade de se aumentar o número de expatriados, embora fique oneroso.
Há muitas crianças a nascerem com lesões, sobretudo aquelas que nascem acima dos quatro quilos e de parto natural. Qual é a razão dessa situação?
Sim, já tivemos diversas situações dessas, e muitas mães a reclamarem.
E gostaria de informar que dentro da obstetrícia há um capítulo que fala do trauma obstetra. Portanto, pode acontecer com bebés com quatro quilos ou dois quilos e meio. É um fenómeno que existe, não apenas em Angola mas em qualquer parte do mundo. Temos estado a trabalhar para reduzir este fenómeno.
É resultado da inexperiência de algumas parteiras?
Não diria isso, porque mesmo um grande obstetra faz trauma obstetra.
Depende muitas vezes da posição do bebé  e de outras situações.
O acompanhamento que se faz à paciente durante o parto, com ecografias e outros exames, não permite ao médico orientar-se na altura devida?
Não, porque não nos podemos esquecer que o bebé não é estático. Ele movimenta-se. Apesar de termos a nossa famosa bíblia, que são as Manobras de Leopoldo, que nos orienta para a posição dos bebés, é, ainda assim, complicado fazer um parto. E mesmo com cesariana acontecem os traumas obstretas.
Tem-se a ideia de que as cesarianas resolvem a questão dos partos mais complicados como sendo dos bebés acima do peso normal
A cesariana é um recurso, não é necessariamente um caminho que devemos adoptar a qualquer momento. Depende do que estiver em causa na altura do parto. É um recurso para quando temos um conflito entre o bebé e a pélvica da mãe, aí decidimos fazer a cesariana. Não podemos fazer da cesariana uma solução espontânea para todo nacro-feto. De outro modo, teríamos um elevado índice de cesarianas. E a cesariana não é a solução para as lesões. E pode ocorrer com os colegas mais experimentados aos menos, e logo que é detectado o trauma, os bebés são encaminhados para os colegas especialistas, de modo a procederem à reabilitação.
Com essa demanda, é impossível termos pais a acompanhar o nascimento dos seus filhos...
(risos) É impossível. Como lhe disse, temos uma sala de parto que acolhe entre 40 a 60 pacientes, logo não temos como receber 120 pessoas numa sala, devido ao pudor feminino.
São realidades de outros países.
Vontade de implementar o que vemos nas outras realidades não nos falta, mas temos de olhar para a nossa realidade. Faz parte do aspecto da humanização que gostaríamos de ter nos nossos hospitais. Mas apenas se tivéssemos outra realidade quanto ao número de partos, sobretudo na maternidade. Devem aumentar os partos nas instituições, mas reduzir na maternidade. A partir dessa altura, podemos ter o aspecto a que se referiu. Podíamos então convidar um dos parentes para acompanhar o nascimento do seu familiar, que podia ser do sexo feminino, e não apenas os pais. Deixe-me dizer-lhe também que alguns pais não conseguem assistir aos partos dos seus filhos, devido às emoções. Já vi alguns pais a desmaiar. Ou seja, fizeram um papel que não é o do marido.
Qual é a sua experiência, a presença dos pais ajuda ou prejudica a mulher a ter o bebé?
 Depende, varia de caso para caso.
Às vezes a presença do marido ajuda, noutros casos atrapalha. Esse acompanhamento do marido deve ser treinado durante o pré-Natal.
Temos de explicar o que é o parto, quais são as transformações que podem ocorrer no órgão feminino.
Há por exemplo situações em que as mulheres chegam com dores, e as pessoas querem logo que elas entrem para a sala de parto. Esquecem que são contracções normais, que permitem que o parto evolua. É por essa razão que devemos treinar os pais, de modo a encararem com naturalidade o nascimentos dos seus filhos. É preciso que eles entendam o fenómeno para não interferirem na hora do parto.
Quantos médicos tem a Maternidade?
Nós temos 35 especialistas, 28 internos. Que são de vários hospitais, deixem-me dizer-lhe que somos uma extensão também do hospital da Endiama, Girassol, Forças Armadas, Ministério do Interior, e algumas universidades. Porque somos também um hospitalescola. Os internos são os que estão a fazer especialização, e são de vários hospitais e instituições. Dentro desse grupo temos alguns colaboradores, que são das Forças Armadas e da Sonangol. São os que temos para atender à demanda que  assistimos todos os dias na maternidade.
Oitenta partos por dia?
Sim, mas não apenas ajudam a fazer os partos como também as consultas. Fizemos até ao primeiro semestre deste ano, por exemplo, três mil e 500 consultas, só de ginecologia. E em 2010, fizemos seis mil 217 consultas, e são estes colegas que fazem estas consultas. Em termos de partos, em 2010 fizemos 30 mil 275 partos. E já no primeiro semestre deste ano, fizemos 21 mil partos, dos quais 11 mil não normais.
Fizemos já dois mil e 87 cesarianas até ao primeiro semestre. Tenho a ideia que chegaremos pelo menos a quatro mil cesarianas, em virtude da média diária que o hospital regista.
E devido às transferências, pacientes de outras unidades hospitalares que chegam prontas para cesarianas. E é importante que as crianças nasçam com saúde, de modo a termos uma população inteligente.  Um bebé que nasce com dois Apegar, que é o índice das condições nas quais as crianças nascem, elas até podem viver, mas nascem já com o sofrimento fetal, e o sofrimento fetal está relacionado com o sistema nervoso.
E quanto mais baixo é,  mais afectado é o índice do sistema nervoso.
Estes neurónios não se recuperam, portanto, comparando com as outras crianças, ela terá mais dificuldades de assimilar as coisas. Portanto, a estratégia de trazer os nascimentos para as instituições é importante, não só temos de pensar na mãe, mas também nas crianças. Há ainda muitos partos nas comunidades. E as crianças nascem em condições não apropriadas. Temos de pensar no futuro do país. Se  as crianças nascem saudáveis, nós também teremos um país melhor e pessoas  inteligentes.
Quais são os números da mortalidade materna?
Temos hoje uma média de 83 por cada mil crianças nascidas. É uma taxa decrescente, se tivermos em conta os números que se registavam nos anos 2004 e 2005. Nesta altura, andamos  com uma taxa que nos anima e transmite de facto estar a haver um trabalho para se dar as condições de saúde necessárias às pessoas.
Qual é a remuneração dos funcionários de base?
Deixe-me dizer-lhe que a remuneração que nós auferimos, comparando com a região em que está inserido o nosso país, é das melhores. Quando entrei na função pública em 1991, ganhava 50 dólares.
E foi aumentando exponencialmente. Acredito que o fenómeno salarial é mundial. O dinheiro nunca chega para ninguém. E nunca chegará para satisfazer em pleno as necessidades.
O ser humano é um consumista por natureza. Quanto mais tem, mais quer. Acho que o governo tem acompanhado o quadro, fazendo correções quando é necessário.
Sente que os seus funcionários trabalham motivados?
O ser humano nunca está contente com o que recebe. Tivemos há dias actualização salarial em toda carreira de enfermagem. Foi em virtude de se compreender que esses mereciam um melhor tratamento a nível dos seus ordenados. E graças a um debate entre o sindicato e o governo chegou-se à conclusão de que era necessário actualizar-se os salários. Este momento, quem está na carreira de enfermagem tem uma remuneração compatível com as exigências actuais.
Os congressos e as jornadas científicas que a Maternidade Lucrécia Paim realiza, que reflexo têm para a vida da unidade hospitalar?
Quanto ao congresso, é o primeiro que fazemos, depois de seis jornadas científicas. Achávamos que precisávamos de estar preparados para um congresso, que significa maior responsabilidade. Depois de seis jornadas, decidimos então este ano arrancar com o primeiro congresso, convidando especialistas de todas as classes, e de outros países, para com eles partilharemos experiência. Este congresso teve ainda como objectivo incentivar o espírito de investigação, para que as pessoas entendam que uma maternidade como esta não funciona apenas com os médicos mas com todos outros técnicos. Este congresso diferiu dos outros precisamente por essa razão. Buscamos com este congresso envolver todos outros sectores que contribuem para melhorar a saúde humana, por essa razão, tivemos não apenas o Ministério da Saúde, como também os da Energia e Águas e Promoção da Mulher.  Teve um aspecto fundamental, homenagear um médico que se destacou na classe, o Dr. Vieira Lopes, que como sabe, é falecido. É uma pessoa que merece todo o nosso respeito. Esteve presente a família.

Por: Teixeira Cândido
fonte: OPAIS.NET


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Governo angolano recusa entrada de Ministro guineense.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Lisboa -  A ausência  do Ministro da Saúde da Guine-Bissau, Agostinho Ká, na  62ª Sessão do Comitê Regional da OMS-Organização Mundial da Saúde realizada a semana passada  em Luanda,  é justificada por entidades daquele  país como  fruto de um embargo por parte  das autoridades angolanas que em última da hora comunicaram   que recusariam a entrada do governante  em território angolano por alegadas  razões de legitimidade.  Agostinho Ká faz parte de um governo saído de um golpe de Estado ao qual alguns países da CPLP como  Angola e  Portugal  não reconhecem. 

Depois de Portugal, agora foi a vez de Angola
Numa recente entrevista ao jornalista da RDP - África, Waldir Araújo, o proprio Ministro  guineense confirmou ter  sido formalmente convidado pela OMS – OMS  para participar na reunião que terminou   sexta-feira (23) na capital angolana   mas que entretanto chegou apenas até Marrocos tendo regressado à Guiné-Gissau após a alerta de Luanda.    Isto é, posto na capital marroquina, onde se preparava para seguir viagem para Libreville,  o ministro da saúde da Guiné-Bissau e a sua  respectiva comitiva, foram avisados que não poderiam viajar para Angola por ordens expressas do governo de Luanda.

Inconformado  com a situação,  o embaixador da Guine-Bissau em Marrocos, Abubacar Li contactou o seu homologo angolano em Rabat, Manuel AragãoCarneiro  de quem recebeu a confirmação de que o Ministro e a sua delegação não deviam mesmo seguir para Angola, por alegada falta de autorização para entrar naquele país da CPLP.

Para além do convite da OMS, o ministro guineense garantiu a RDP- África ter recebido não só uma “carta – convite” de Luis Gomes Sambo, o  Director Regional da OMS  para África, assim como uma nota do próprio ministro da saúde de Angola, José Van-Dúnem, a confirmar o convite e a viagem.

O  ministro da saúde guineense seguia para o encontro da OMS em  de representação do presidente de transição, Serifo Nhmamadjo, também convidado para o encontro, ao qual não terá ido por motivos de agenda política.  Na comitiva do ministro Agostinho Ká seguiam ainda o DG da saúde pública da Guiné-Bissau, Umaru Bá e o assessor jurídico do ministério, o advogado Joãozinho Vieira Có. Recorde-se que recentemente o mesmo ministro, Agostinho Ká, viu recusada a sua entrada em Portugal, onde viria participar num encontro com médicos guineenses na diáspora.

As autoridades angolanas   não reconhecem o actual governo da Guiné – Bissau que surgiu na seqüência da deposição do primeiro Ministro Carlos Gomes Júnior,  que era  aliado do regime do Presidente José Eduardo dos Santos.  Desde o levantamento militar contra o ex – PM guineense, Luanda  retirou de Bissau, o seu  embaixador Feliciano Santos,  passando a missão diplomática a ser chefiada por um primeiro secretário. 

Sentimento “Anti- Angola”
O embargo que o regime de Eduardo dos Santos   aplicou ao novo  governo guineense,  é paralela a um sentimento “Anti- Angola”,  no seio da sociedade  e classe política daquele país.  O mais recente evidencia quanto a este sentimento é reflectida no teor das palavras do  Presidente da Guine- Bissau Manuel Serifo Nhamadjo que falou este fim de semana ao  programa sociedade das nações da cadeia de televisão portuguesa SIC. Serifo Nhamadjo,  explicou sobre as motivações  que levaram a deposição  do Ex- PM  Carlos Gomes Júnior e a expulsão  de militares  angolanos afectos a MISSANG.

O Presidente interino  explicou  que os militares guineenses tomaram de assalto e expulsaram a missão de soldados angolanos em nome da estabilidade nacional tendo em conta que as FAA estavam a  transportar  material bélico pesado (sem conhecimento das FAN da Guiné ) que na percepção dos militares  do seu países,   o objectivo seria  impor a presença de  Carlos Gomes Júnior no poder.  O ex – PM foi a figura que  negociou a exploração    de Bauxite e outros minerais com as autoridades  num acordo em que o seu país ficaria com 10% das receitas de exploração e outra parte para Angola.
Fonte: Club-k.net/Ditadura do Consenso

domingo, 25 de novembro de 2012

Slateafrique: Os nove líderes mais incríveis da África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Prezados Leitores, minha intensão é fazer sempre com que todos nós estejamos cientes do que acontece no nosso continente e relembrar as histórias dos líderes que fazem sofrer o nosso povo, o atraso do nosso continente provocado por suas ganâncias e ambições.
 

Eles são mostrados como  paranoicos, místicos, megalomaníacos e autoritários. Retratos de nove líderes em suas obras.

África tem experimentado perfis de chefes de estado e as personalidades mais diversas na história recente.

Poucos foram os que primam pela inteligência política ou senso de dever e pelo e muito pelo seu passado.

Alguns se distinguiram pelo seu comportamento ou práticas loucas, grotescas e outros pelo seu comportamento megalomaníaco ou medieval.

Obcecados pelo poder ou paranóicos, muitos deles fizeram atos que são loucura, em todos os sentidos da palavra. Devidamente anotados!

Sani Abacha, o "big brother" gendarme da África Ocidental

Presidente Sani Abacha, que governou a Nigéria de 1993-1998 marcou o seu país e em toda a África Ocidental pela sua tirania e de seu poder hegemônico. Após a sua ascensão ao poder, ele fez substituir instituições democráticas por um governo militar e muitos funcionários públicos pelos militares.

Veja o vídeo: ditador Sani Abacha

Seu governo foi uma boa mistura de militares - para os mais gerais - e oficiais superiores da Polícia. Estes golpistas profissionais e companheiros de longa data de seu antecessor Ibrahim Babangida ao poder foi um maníaco por controle das instituições do Estado e dos cidadãos. Nunca a famosa inteligência nigeriana chamado "SSS" (Serviço de Segurança) terá sido tão ativo quanto durante o seu reinado.

Sani Abacha foi contra a imprensa, o inimigo público número um. Disse o chefe da Revista, Onome Osifo-Whiskey que sabe alguma coisa. Ele foi forçado a mudar continuamente de esconderijo para escapar os homens de Sani Abacha e fez várias viagens a prisões.

Respeito pelos direitos humanos nunca foi o pensamento de "big brother" do chá. Abacha deixou para morrer na prisão,o  Moshood Abiola, o vencedor de 1993 do resultado presidencial cancelado quando ele assumiu o poder. Abacha também prendeu o ex-presidente Olusegun Obasanjo, e que, de acordo com fontes confiáveis, foi salvo graças à intervenção de vários chefes de Estado africanos, incluindo o presidente do Benin, Kerekou.

Em 1995, o ditador desfilando com óculos escuros fez prender o escritor Ken Saro Wiwa e seus colegas ativistas pelos direitos humanos, Ogoni . Serge Felix N'Piénikoua, jornalista beninense, conta como Sani Abacha era paranoico:

"Na cimeira da CEDEAO em Cotonou, os serviços de segurança de Sani Abacha que carregavam bagagem pesada contendo armas recusaram todo o controle do aeroporto de Cotonou. Eles também não são incomodados pelos guardas presidenciais de  Mathieu Kérékou, guarda-costas do presidente, a fim de garantir a segurança de seu presidente. E durante a reunião que foi realizada na sala de conferências do Hotel Plm Alédjo em Cotonou, o ministro do Interior na época, Théophile N'Dah tinha imprudentemente apertado um interruptor que cortar a luz e mergulhou durante toda a noite o quarto na escuridão. Tempo para ligar a eletricidade, o que não foi uma surpresa para todos os participantes ao verem quando a luz foi ligada, os guarda-costas de Sani Abacha apontavam para a morte as máquinas pesadas de qualquer assistência, armas que os cidadãos nunca tinham visto. "

Inimigo dos Estados Unidos da América, muitos acreditam que a morte de Sani Abacha é colocado na conta dos serviços de inteligência dos países ocidentais que se infiltraram seus serviços, uma mulher teria envenenado às vésperas de uma reunião da cúpula da comunidade Económica da África Ocidental (CEDEAO).

Enquanto seus serviços de segurança já estavam no local em Ouagadougou esperando, o anúncio de sua morte 08 de junho de 1998 foi, de fato, uma surpresa para muitos. Oficialmente anunciado, foi provocado por um ataque cardíaco, mas de acordo com a revista famosa nigeriana Newswatch, ele teria tomado bastante muito Viagra adulterado enquanto o ditador estava em plena brincadeira com prostitutas do Líbano. Mas pela sua esposa, "o marido foi morto por seus melhores amigos."

Um dos grandes méritos deste líder da Nigéria, na sua história, além de sua brutal e ditatorial, tem sido a de restaurar a democracia em Serra Leoa. Após o golpe de Estado de 25 de maio de 1997 liderado pelo tenente-coronel Johnny Paul Koroma contra o democraticamente eleito presidente Ahmad Tejan Kabbah, Sani Abacha enviou tropas nigerianas para perseguir os usurpadores do poder e reinstalar Ahmad Tejan Kabbah em 10 de Março de 1998.

Jean-Bedel Bokassa, o grotesco Imperador da África Central

Jean-Bedel Bokassa terminou sua carreira com a patente de capitão no exército colonial francês. Após os serviços leais prestados para a França durante a Segunda Guerra Mundial e as guerras coloniais na Indochina e na Argélia, ele optou por regressar ao seu país.

O militar, pois em sua juventude queria se tornar um padre, até que o destino decidiu de outra forma, não poderia ser melhor. Especialmente quando se sabe que o presidente da República Centro Africano  é jovem, então diferente do seu primo David Dacko.

Jean-Bedel Bokassa é, portanto, confiado por esta última organização do exército e promovê-lo a coronel e depois como Chefe de Gabinete. Aproveitando-se de uma tentativa de golpe que era para impedir e derrubar o presidente David Dacko tomou o poder em 31 de dezembro de 1965.

Portanto, um general que Charles de Gaulle tratava como "soldado" chegará à  presidência em sua vida. Ele se converteu ao Islã sob o nome de Ahmed Salah Eddine Bokassa para bajular o apoio financeiro de Muammar Gaddafi.

É neste contexto que ele hospedou em o seu ponto culminante a participação da elite política e artística do período francês. Mas, contra todas as probabilidades, nenhum líder Africano estará no encontro.

Veja o vídeo da festa de posse: O Ditador Jean Bedel Bokassa

O "soldado" da ex-colonia agora à cabeça do seu país não tem outro sonho a não ser como seu ídolo, ou seja, Napoleão Bonaparte.
Em uma cerimônia cuja teatralidade vista com pompa, 4 de dezembro de 1977, Jean-Bedel Bokassa se ​​coroou "Imperador da Centro Africano" no mesmo traje de Napoleão. Seu título é:

"Imperador da África Central, pela vontade do povo da África Central, unidos dentro do partido político nacional: o Mesean (Nota: o Movimento para a Evolução Social da África Negra)."

Na presença de 5.000 participantes, incluindo o ministro francês da Cooperação Robert Galley, guarda-roupa de Jean Bedel Bokassa, para a ocasião, vestindo a marca Pierre Cardin, o trono enorme do escultor Olivier Brice, a coroa de ouro do joalheiro Claude Arthus-Bertrand com sete mil quilates de diamantes.

No total, 60 mil garrafas de champanhe e Borgonha fluiaram na ocasião.

E o destaque da cerimônia no Palácio dos Esportes, em Bangui, foi o desfile do "imperador" novo nas ruas do Centro da Capital em um carro feito de bronze e ouro puxado por cavalos Haras du Pin graciosamente posto à sua disposição pelo presidente Valéry Giscard d'Estaing.

Custo total deste granguignolesque show: cem milhões de francos franceses, uma grande parte pago por Muammar Gaddafi.

A ditadura sangrenta que Jean Bedel Bokassa proporcionou na sua ascensão ao poder, mas especialmente a sangrenta repressão de demonstrações de estudantes levará à sua queda.

Enquanto ele está visitando a Líbia, os serviços de inteligência franceses e forças especiais realocaram Presidente David Dacko ao poder em 20 de Setembro de 1979. Através da operação de renome, que recebeu o codinome "Barracuda". E que, pouco antes da revelação do caso Canard de negócios de diamantes de Valéry Giscard d'Estaing.

Idi Amin Dada, o paranoico de Uganda

O antigo cozinheiro e ex-lavador tornou-se um soldado e presidente de Uganda, após o golpe de 25 de Janeiro 1971, é um dos chefes de Estado da África do sinistro.

Idi Amin Dada não foi só um inculto, grotesco e cabeça sangrenta do estado. Ele foi também o caçador e exterminar todos aqueles que deveriam representar uma ameaça ao seu regime e uma boa parte dos intelectuais.

Numerosos depoimentos atestam que era seguidor consistente de alguma bruxaria. Sua mãe tinha uma grande entidade e uma sacerdotisa da grande família real Buganda. Mas é provável que os rumores de canibalismo praticados por ele foram um pouco exagerados.

A loucura de Idi Amin Dada não vai parar a sua decisão de permanecer presidente para a vida ou para conseguir a patente de marechal em 1975. Ele vai multiplicar escapadas.

Durante o pico da Organização da Unidade Africana extinta (OUA) sobre as cinzas que a União Africano nasce, ele organizou vários eventos burlescos.

É, entre outras coisas, uma corrida de carros na qual ele dirigia um Citroën SM com motor Maserati, conduzido por uma manobra militar própria para simular um ataque contra a África do Sul, ele exibiu mais tarde que chamou muita atenção da mídia, seu plano de recuperação famosa das Colinas de Golã ocupado por Israel.

Veja o vídeo de Idi Amin Dada: O Ditador Idi Amin Dada

Ele não hesitou em dar um passeio em uma cadeira feita por empresários ocidentais nas ruas de Kampala ou expulsão de milhares indo-paquistanesa de seu país.

O tirano de Kampala eventualmente afundou-se em um estado de preocupação psicológica para ambos dos seus arredores para sócios estrangeiros.

Quando a Grã-Bretanha decidiu romper relações diplomáticas com o Uganda, Idi Amin Dada disse que ele derrotou os britânicos. E declara-se o "rei da Escócia" e "Conquistador do Império Britânico".

Antes de sua queda, 11 de Abril de 1979, então no exílio, foi acolhido em Jeddah, Arábia Saudita por caridade islâmica, e sua morte, 16 de agosto de 2003, proclamou-se:

"Sua Excelência o Presidente para a Vida, o Marechal de Campo Alhaji Dr. Idi Amin Dada, titular das Victorias Cross, DSO, titular da Cruz Militar e conquistador do Império Britânico".

Mouammar Kadhafi, o megalomaniaco da Libye

Gaddafi, no 40 º aniversário da sua tomada de posse, Tripoli, 01 de setembro de 2009 REUTERS / Z. Bensemra
O ex-presidente da Líbia, Muammar Gaddafi, permanecerá durante muito tempo na memória, mesmo dos africanos. Ele marcou a história recente do continente desde o golpe que o levou ao poder em 1969.

Não só por causa do fim trágico em 20 de outubro de 2011, que tratou com os inimigos de ratos. Mas também, e sobretudo por causa de sua megalomania e sua suficiência.

Durante seu reinado, Muammar Gaddafi foi permitido apenas limitar a não exceder, ou seja, para proclamar-se como o único representante legítimo de Deus na terra.

O auto-proclamado "líder" e "guia" dos líbios, Khadafi tinha construído a sua própria teoria de desenvolvimento com base na qual ele queria ver o seu povo evoluir: ela foi gravada no famoso Livro Verde.

Ele foi coroado "Rei dos Reis" da África. E ele fez tudo, sem sucesso, para se tornar o "presidente" dos Estados Unidos de África. Um primeiro passo que lhe permitiria prosseguir a sua ambição de se tornar o "mestre" futuro do mundo.

Em última análise, Muammar Gaddafi tem sido o "mestre" da África negra com algumas exceções, distribuindo subornos para criar laços  com os chefes de Estado e não conflitos  recalcitrantes.

Ele também iria pagar a cabeça das grandes potências ocidentais para fomentar ataques depois, pagar-lhes uma indemnização. O homem era conhecido por sempre se mover com um exército de guarda-costas do sexo feminino e tenda beduína inseparáveis.

Ele prosseguiu a provocação para a capital francesa, onde ele armou sua tenda nos jardins do Hotel Marigny, perto do Palácio do Eliseu, durante sua visita oficial sob a presidência de Nicolas Sarkozy.


Yahya Jammeh, o curador marabu da Gâmbia

Obrigações como Presidente da República da Gâmbia não parece suficiente para Yahya Jammeh.

Desde 1994 ele afastou Daouda Jawara do poder em um golpe de Estado, o jovem tenente ficou literalmente transformado.

Veja o vídeo do actual Presidente da Gâmbia:  Yahya Jammeh


O homem que agora adora desfilar com boubou Africano grande e uma varinha mágica na mão por algum tempo assistente é uma vocação quase messiânica nova: Gâmbia marabu e o grande curador diante do Senhor as doenças mais incuráveis​​, incluindo AIDS.

A ironia disso é supostamente HIV que foram curados por ele. Sem se abalar com a ira de representantes de agências da ONU sobre os seus chamados remédios contra a pandemia.

Em vez de lidar com os problemas reais de seus compatriotas, o Chefe de Estado gambiano tem repetidamente multiplicado brincadeiras.

Seyni Kountché, o cérebro inflável do Níger
François Mitterrand e Seyni Kountché, em Niamey, 20 de maio de 1982, AFP / Philippe tampa.

Seyni Kountché tomou posse a 15 de abril de 1974 por um golpe depois de um longo período de instabilidade sócio-política. Que tinha trazido o regime do presidente Hamani Diori no local, agravado por uma seca severa.

Uma vez no poder, tentativas de golpe se multiplicarão. Estes incluem aqueles de capitão Moussa Bayere em 1975, Ahmed Moudour em 1976, sua Bonkano marabu em 1983. Além do apoio de Muammar Kadafi a rebeldes tuaregues contra o seu regime.

Perante esta situação, o regime do presidente Seyni Kountché vai endurecendo. Como  chave, o estabelecimento de um serviço de inteligência poderosa. Ele não quer nada lhe escapa.

É porque ele se concentra em suas mãos as instituições-chave, o que lhe permite controlar a situação no país, em detalhe. Neste caso, a Presidência da República, o Ministério da Defesa e o Ministério do Interior.

Seyni Kountché quer estar ciente de tudo no país, e tem uma memória de elefante. Enquanto ele está conectado e segue de perto tudo ao pormenor.

Até sua morte, 10 de novembro de 1987 no Hospital Pitié Salpêtrière, em Paris, ele conseguiu manter completamente mão sobre o país.

Robert Mugabe na cúpula de SADC em Johannesburg, 17 de agosto de 2008 REUTERS / Mike Hutchings

Robert Mugabe, do Zimbábue poder louco

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, desempenhou um papel importante na independência de seu país (antiga Rodésia do Sul).

Tanto é assim que ele é muitas vezes considerado, com razão ou não ser o pai da independência.

Depois de longos anos e difícil de luta política e guerra de guerrilha contra o regime branco na Rodésia do Sul, ele assumiu a posse do chefe de Estado em 1987.

Assim como tem sido a oposição entre a etnia (o Shona) e de seus adversários (o Ndebele), ele vai fazer o mesmo entre zimbabuanos brancos aos negros.

E usou a arte como uma forma de governo comunitarismo e conservação de energia. Um poder que ele não tem intenção de sair enquanto ele estiver vivo.

O último episódio são as eleições legislativas e a eleição presidencial de 2008.

Então, ele poderia oferecer uma saída potencial e histórica e uma aposentadoria tranquila, ele decidiu concorrer a um sexto mandato em um contexto de crise económica e tensão sócio-política.

Seu truque: uma reforma agrária que é simplesmente arrancar terra aos brancos para dar aos negros.

Mas ele ficou doente. Desta vez, navegar na oposição comunitária e não enfrentar o seu ex-ministro Morgan Tsvangirai, que criou seu próprio partido, o Movimento para a Mudança Democrática (MDC).

Esta invasão a assentos parlamentares e vencer as eleições presidenciais, cujo resultado não será declarado com 50,3% de votos obtidos.

Conseqüência: foi seguido pela violência pós-eleitoral mortal, étnica, contra os membros e simpatizantes de Morgan Tsvangirai.

Isto forçou a comunidade internacional a intervir através da ONU para impor uma transição cambaleante que manteve Robert Mugabe na cabeça do estado e fez o seu primeiro-ministro Morgan Tsvangirai.

Mas, mesmo após esta transição, nada diz que, a priori, o poder louco do Zimbabwe sairá amanhã, se ele for derrotado ainda no próximo.

Moussa Traoré, o fantoche de Bamako

Moussa Traoré fez parte do militar que derrubou o regime do presidente Modibo Keïta, 19 de novembro de 1968.

Imediatamente chegou ao poder, ele estabeleceu um regime ditatorial em que os serviços de inteligência espionavam todos, incluindo estudantes.

A prisão e detenção de Modibo Keita, até que ele morreu sob ação muito suspeita, em maio de 1977, não é sem causar um rebuliço no país. Mas depois da tempestade, o poder autocrático do general Moussa Traoré está profundamente enraizado.

Não foi até a década de 1990, graças às mudanças sócio-políticas dos anos 1980 para ver novos protestos pró-democracia tão forte em Mali.

20 e 21 de Janeiro de 1991, a União Democrática do Povo de Mali (UDPM), o partido no poder está abalada.

Vários movimentos, nomeadamente a aliança para a Democracia no Mali (Adema), o Comitê Nacional de Iniciativas Democráticas (CNID), a Associação de alunos e estudantes do Mali (EMEA), a Associação de Antigos Alunos e iniciadores de candidatos a emprego (Adide) andam em Bamako e em várias cidades.

Pode ser lido num dos documentos Adema:

"Outros, em suas opiniões e crenças, inspirações múltiplas políticas e ideológicas, mas unificado em suas reivindicações de liberdades públicas e individuais, o atual movimento proclama as virtudes da democracia pluralista e exige a introdução de política multipartidária no Mali."

Regime impotente contra a rapidez e determinação de protestos e desafios é compartilhada por falcões e pombas.

Veja o Vídeo : Clik no Link

No auge da crise, enquanto Moussa Traoré faria concessões, sua esposa teria fortemente desencorajado com a ala mais dura do exército. Ao ponto de perguntar-lhe se ele é um "filho de homem" ou não.

Instigação de Mariam Traoré, ele escolheu a linha dura do campo e responder com força.

Os acontecimentos de 22, 23 e 24 de Março em que o exército disparou à vista réplica dos manifestantes são eventos sem precedentes na história de toda a África Ocidental. Durante um único dia, 22 de Março, mais de cem pessoas são mortas.

Em 24 de março, os africanos assinaram uma petição contra a França desta matança humana. Então, eles escreveram no Manifesto Africano do Mali:

"Os africanos que vivem na Europa, de todas as esferas do nosso continente, unidos na diversidade das nossas culturas, expressamos a maneira mais forte possível o nosso horror, mas também a nossa vergonha diante de tal infâmia deliberada, sem precedentes."

Em Bamako, eles são a legião que sugere que a resposta à crise de energia não poderia vir diretamente do chefe de Estado, mas de sua esposa.

A repressão sangrenta de manifestações pró-democracia, em Bamako, vai apressar a sua demissão em 26 de março de 1991, por Amadou Toumani Touré, que irá liderar a transição democrática do país.

Mswati III, o rei que tem monarquia absoluta


Príncipe Dlamini Makhosetive tornou-se rei do pequeno país de um milhão de pessoas, que tem o nome da Suazilândia, Mswati III é claramente um personagem grotesco. Nascido 19 abril de 1968, ele tinha 14 anos quando seu pai morreu. Era, portanto, necessário concluir seus estudos antes de entrar no poder de acordo com os costumes do país em 25 de Abril de 1986. Apesar de sua educação, Mswati III conduz o seu país como um monarca absoluto.

Mswati escolhe jovens virgens para ampliar seu harém sempre que lhe dá vontade e, agora, tem mais de 13 mulheres. Enquanto quase metade da sua população são afetados pela AIDS, ele continua a recusar-se a usar preservativos. Da mesma forma, enquanto a maioria da sua população vive em extrema pobreza, algumas de suas esposas vão fazer sua compras nos shopings em Dubai e Londres. A acreditar que o Programa Alimentar Mundial (PAM) estima que, um terço dos swazis necessitam de ajuda alimentar. No entanto, o rei não é privado de nada. Por ocasião do seu 40 º aniversário, que coincidiu com a independência do país, Mswati III tem agora 44 anos - ele estava em seu palácio a entregar 41 BMW. Em 2012, em seu aniversário, a ele foi oferecido entre outros presentes, um jato. Doadores em tom misterioso preferem permanecer anônimos, de acordo com a BBC.

O Rei da Suazilândia é o que tem a terra mais fértil e mais vacas. Pode haver nenhum controle real nos cofres também. A revista Forbes classifica-o em 15 reais afortunados do mundo. Sua fortuna é estimada em mais de US $ 100 milhões.

Cherruau Pierre e Marcus Boni Teiga

Fonte: Slateafrique

Total de visualizações de página