Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Libéria: Presidente Sirleaf - Créditos da Administração Obama para estabilizar Ebola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



A Presidente Ellen Johnson Sirleaf disse que foi a liderança da Administração Obama, apoiado pelo Congresso norte-americano, que abriu o espaço para o combate ao Virus Ebola que assola o país e que está a ser estabilizado e manifestou o seu apreço para os Estados Unidos e os seus parceiros para o progresso que agora foi feito para conter o vírus.

Ela disse que o apoio do governo Obama que "incentivou o resto do mundo a responder a esta crise global", mas no entanto advertiu que embora muito progresso tenha sido feito, mas tem que continuar a ser feito, pois, esta é a fase mais crítica da luta contra a doença mortal.
De acordo com um comunicado da Mansão Executiva, a presidente Sirleaf fez esta declaração quando ela se dirigiu aos membros do Subcomitê de Relações Exteriores no Senado do Estados Unidos sobre Assuntos Africanos na quarta-feira, 10 de dezembro. A audiência discutiu "A epidemia de Ebola: as chaves do sucesso para a resposta internacional 'e foi presidida pelo senador Chris Coons (D-Delaware).

O líder liberiano, proporcionando a uma atualização do progresso feito até o momento, disse que 13 Unidades de Tratamento de Emergência, com um total de 840 camas, tem agora apenas 136 pacientes; enquanto 70 equipes declararam ter enterrado 23 pessoas por dia em todo o país, em comparação com centenas, meses atrás.

"Nós vimos a queda de cerca de 100 novos casos por dia no auge da epidemia, a apenas 10 casos novos foram confirmados por dia durante a semana passada. Nossos seis laboratórios ativos têm feito testes de 60 amostras por dia, mas, em média, apenas detectaram 8 novos casos de Ebola por dia. Os 4.000 agentes de contacto que envolvem agentes comunitários estão seguindo cerca de 7.000 pessoas. Médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde, em torno de 174 dos mais de 3.000 que morreram, não estão mais em risco, porque as instalações de tratamento de qualidade estão disponíveis para eles. Estamos felizes em dizer que 1.312 pessoas, incluindo 345 crianças, muitas delas órfãs, terão apresentado o estado livre da doença ", disse ela à Subcomissão de Relações Exteriores do Senado dos EUA.

A Presidente Sirleaf indicou que embora avalia-se 10 casos por dia, a crise é administrável por especialistas que notaram que chegar a zero para novos casos será muito mais difícil, porque a doença recuou-se e agora deve ser perseguida em cada esquina.
Citando um exemplo dos desafios enfrentados na Libéria, a presidente Sirleaf destacou a questão de identificação de contactos. Ela disse que para cada paciente nos EUA, havia cerca de 40 contatos que precisavam ser colocados em quarentena e monitorados. Para a Libéria, o desafio é ainda maior, com mais milhares de contatos, muitas vezes em aldeias que levam horas para se chegar pela mata densa e estradas deploráveis. "Esta é uma das muitas razões por que devem continuar o seu apoio e o nosso trabalho conjunto é tão importante", ressaltou.

A presidente da Libéria, enfatizou que a erradicação completa não será alcançada até que toda a região seja libertada de Ebola; Existem medidas de prevenção contra futuros possíveis focos, e até um medicamento foi desenvolvido, tanto para preventiva e curativa para conquistar esta doença mortal.
A Presidente Sirleaf citou um Seminário técnico regional organizado pela Libéria na terça-feira, 9 de dezembro com a Serra Leoa, Guiné e Mali para compartilhar as lições e as melhores práticas que resolveram que Ebola é uma questão global que todos os países devem continuar a enfrentar. "É por isso que continuar a prestar assistência aos esforços combinados com os nossos vizinhos, continua a ser uma prioridade. É por isso que os EUA têm estado na linha da frente para enfrentar a doença, aqui na África Ocidental. É por isso que a Dra. Margaret Chan, Diretora Geral da OMS, estava certa quando ela observou que este é o maior desafio em tempos de paz das Nações Unidas e que suas agências já enfrentaram. Na Libéria, e na Serra Leoa e na Guiné, e continuamos a viver este desafio ", reiterou.

O líder liberiano instou os parceiros, mais especialmente o governo dos Estados Unidos, para continuar a apoiar os esforços para seu governo e para ajudar o país a graduar técnicos para tratamento para a prevenção. Ela chamou atenção para o fortalecimento da propriedade comunitária e responsabilidade para a consciência e ação de resposta imediata, por meio dos Centros de Atenção comunitários que estão sendo estabelecidos com o apoio da USAID.

Fornecendo poucas estatísticas a este respeito, a presidente Sirleaf forneceu um quadro sombrio do sistema de saúde da Libéria. "A Libéria tem 218 médicos e 5.234 enfermeiros para servir uma população de 4,3 milhões em 405 estabelecimentos públicos e 253 estabelecimentos de saúde privados. Isso significa que temos um médico para 100.000 pessoas, em comparação com 4 por 100.000 na Serra Leoa, 10 por 100.000 na Guiné e 245 por 100.000 nos Estados Unidos ", disse ela, observando que há mais médicos liberianos e profissionais médicos nos Estados Unidos do que em casa; a maioria dos quais deixou o país durante a guerra.

Ela alertou que a Libéria está muito atrás e só pode sustentar o progresso e evitar a reincidência através de unidades de saúde mais bem equipadas - melhores meios de diagnóstico para doenças infecciosas, melhores hospitais e melhores clínicas.

A Presidente Sirleaf informou a Subcomissão do Senado dos EUA que seu governo pediu aos 137 parceiros de alguns 26 países que estejam com o país nesta luta e para se juntarem a este esforço expandindo-se.
Ela ressaltou que a Libéria deve voltar para o caminho do crescimento. "Meu governo está preparando um plano abrangente para o período pós-Ebola, para a recuperação económica da Libéria, acelerando o nosso trabalho em infra-estrutura - acima de todos os percursos está a Saúde, a eletricidade e as operações WatSan. Um grande impulso é esperado no setor agrícola, onde a maioria dos liberianos são empregados, o que nos permitirá gerar empregos e restaurar os meios de subsistência. O setor privado terá um papel fundamental ", a presidente Sirleaf informou o Subcomitê de Relações Exteriores do Senado.

Ela apelou para uma extensão da concessão Millennium Challenge Corporation, que, segundo ela, seria um divisor de águas para a Libéria. "Isso facilitaria nossa recuperação econômica, no período pós-Ebola e colocaremos a nossa dinâmica de desenvolvimento de volta aos trilhos levando a transformação substancial da nossa economia. A Libéria alcançou o MCC de elegibilidade compacta em 2012, passando para 10 dos 20 indicadores, incluindo o controle da corrupção e da elegibilidade novamente passou em 2014, passando para 10 dos 20 indicadores.

A Presidente Sirleaf expressou gratidão ao Congresso dos Estados Unidos, pela amizade e apoio, sem o qual muito progresso não teria sido alcançado até à data. Ela ressaltou que ainda há muito o que fazer - "para garantir que os recursos sejam devidamente implantado pelas muitas instituições e que estão devidamente alocados; para garantir que não seja responsabilidade total só nossa, mas de todos os nossos parceiros e do povo liberiano. "Ela observou que sua determinação para enfrentar o desafio que confronta a Libéria é forte e implacável. "Vamos ganhar esta batalha", ela concluiu com otimismo.

O Presidente Obama solicitou US $ 6,2 bilhões em financiamento de emergência ao Congresso para combater a doença do vírus Ebola em casa e no exterior, embora os legisladores anunciaram, na terça-feira, que planejam autorizar US $ 5,4 bilhões, de seu pedido.

# liberianobserver.com


ONU: as torturas da CIA não devem ficar “impunes”.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A Convenção contra a tortura não permite “circunstâncias excepcionais” nas quais se possa humilhar os detentos, expressa o relatório do Senado dos EUA sobre as torturas da CIA na era Bush.


Nações Unidas. — A difusão do relatório do Senado dos EUA sobre as torturas da CIA na era Bush tem provocado repúdio mundial, sem que por enquanto as revelações tenham causado represálias contra cidadãos e interesses norte-americanos, uma possibilidade ante a qual as embaixadas têm adotado preventivamente medidas de segurança.
ONU: as torturas da CIA não devem ficar “impunes”

Neste contexto, a ONU pediu que as torturas não fiquem “impunes”. O alto comissionado das Nações Unidas para os direitos humanos, Zeid Ra’ad Al-Hussein, reclamou que não deve haver “impunidade” sobre as torturas reveladas pelo relatório, segundo o jornal El País.
A Convenção contra a tortura não permite “circunstâncias excepcionais” nas quais se possa humilhar o detento, expressa o texto.
“A Convenção não deixa ninguém fora, nem os mesmos torturadores, nem os responsáveis políticos nem os funcionários que dão as ordens” na hora de prestar contas pelas possíveis violações dos direitos humanos, afirmou.

#granma.cu

Total de visualizações de página