Postagem em destaque

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... No Senegal, a tensão mantém-se elevada em torno da intimação pela Ju...

domingo, 15 de junho de 2014

Cuba: Infância significa direito pleno à vida.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Lisanka González Suárez
DENTRE as infâmias que alguns lançam contra Cuba, nenhuma se refere ao tema do atendimento das crianças. É impossível deixar de reconhecer a importância que concede o Estado revolucionário ao cuidado, preparação e formação das novas gerações, em cujas mãos amanhã estará o destino do país.
 Desde há algum tempo a esta parte, a pequena Ilha do Caribe tem sido reconhecida como exemplo em setores muito difíceis de garantir em qualquer nação, inclusive entre as mais poderosas e ricas, que são vitais para o bem-estar dos seres humanos: a educação e a saúde.
 E há uma coisa que nem seus inimigos mais acérrimos puderam ignorar. A prioridade que se dá às crianças ainda antes destas nascerem. Em Cuba não há uma só delas que more nas ruas, que não tenha acesso ao ensino, ou que morra por falta de atendimento médico.
 Nenhum país melhor que este para desenvolver a segunda edição daConferência Internacional de Proteção à Infância, que teve lugar na última semana de maio, em Havana. A realização deste evento fez-me lembrar as palavras proferidas, um tempo antes, pelo representante da Unicef na Ilha, nessa época, Juan José Ortiz: “Acaso porque este é o único país onde se coordena integralmente o desenvolvimento da infância, onde as crianças cubanas são das mais afortunadas do mundo, o que demonstra que a solução aos problemas urgentes deste grupo da população assenta na decisão política e não na situação econômica das nações”.
 Por ocasião da 2ª Conferencia Internacional, a assessora regional de Proteção da Unicef para a América Latina e o Caribe, Nadine Perrault, fez um apelo aos governos da região a adequarem suas normativas internas e proibirem de maneira explícita e absoluta a violência contra as meninas e os meninos, em todas suas manifestações.
 Durante o encontro, coordenado pelo Ministério do Interior, em parceria com a Unicef, foram ministradas várias palestras acerca da proteção das crianças e dos adolescentes em Cuba.
 A especialista do Departamento de atenção ao Direito Cidadão, da Procuradoria Geral da República, Idania Silot Navarro, comentou à imprensa que o panorama da infância cubana é totalmente oposto ao do resto do mundo: “Nosso Código de Família estabelece o papel que a esta instituição cabe na educação e cuidado dos filhos; ainda, ordena que na hora de adotar decisões, os tribunais de justiça se norteiem fundamentalmente por aquilo que seja mais benéfico para os menores de idade”, explicou.
 E acrescentou que em Cuba funciona um sistema de atendimento a menores de idade com transtornos no comportamento, uma rede deLares para Crianças sem Amparo Familiar, enquanto que a prevenção e a previdência sociais estão instituídas desde os municípios até o nível nacional.  

# granma.cu

Costa do Marfim: Os governantes e governados (Africanos) são todos culpados.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Nós conhecemos os Slogans de lamentações: "A África é ruim", "líderes políticos africanos são ineficazes", "elite Africana é corrupta", "África está mal governada", "o Estado decepciona o povo ", etc. O fio condutor de todas essas afirmações é que ao longo dos tempos os governantes não desempenharam o seu papel para atender as necessidades das populações as quais eles estão cientes que deveriam melhorar o cotidiano.
Les gouvernants et les gouvernés (africains) sont tous coupables


Surge, assim, uma forma de maniqueísmo, onde a plena recuperação do país é executada exclusivamente nas mãos dos governantes (infelizmente corruptos) e onde os governados (infelizmente, são deixados à própria sorte), entretanto, eles não se sentem nem preocupados nem envolvidos. Em um nível psicológico, isso leva a um afastamento dos cidadãos que, consciente ou inconscientemente leva-os, a estimar que o Estado, são os outros que o encarnam e o desenvolvem.

A postura mental de tais cidadãos comum pode ser justificada na medida em que os líderes brilham-se por instinto ou monopolização do nepotismo institucional. O que até aqui tem dado impressão ao povo de que o património nacional pertence aos outros e que ele não tem algum direito soberano que lhe permite exigir as Contas aos seus governantes. O que é certamente errado!

Não só as autoridades à cabeça dos estados africanos serão considerados responsáveis ​​perante o grande "Tribunal da história", mas também o povo lamentador, preguiçoso, agradável e seguidor de "como vamos fazer? "Ele não será poupado. Na verdade, um povo que se resigna em auto-censura a causa da violência institucional, que não avalia os seus líderes, que não participa (através de críticas constantes ) ao desenvolvimento moral, intelectual e profissional dos seu país e, ao mesmo título que seus governos sem visão política e culpados perante a história.


Entretanto, a sorte atual de uma África que dorme e / ou aquela que espera passivamente a vinda de Jesus, não é apenas uma questão dos governantes. Importa a todos e a cada um dos seus interrogadores sobre a contribuição pessoal a adotar para o redirecionamento integral do continente Africano a fim de que, o presidente da república, o agricultor da aldeia mais remota, todos, para que ninguém possa sentir-se excluído. 

Por: Homem Bene
cameroonvoice

# abidjan.net

Brasil: Drogba sai do banco e Costa do Marfim vence o Japão no Recife.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

N/A

Gervinho, de cabeça, colocou os elefantes na frente do placar e comemorou perto da bandeira de escanteio

A garra e força dos times africanos surgem em momentos inesperados. Na Arena Pernambuco, fechando o terceiro dia de jogos da Copa do Brasil, a Costa do Marfim venceu o Japão de virada por 2 a 1. Mesmo entrando no segundo tempo, Didier Drogba mostrou porque é essencial para o sucesso dos elefantes no Mundial.
Na primeira etapa, Keisuke Honda abriu o placar para os japoneses. Um golaço do camisa 4. Porém, em dois gols relâmpagos dos marfinenses, a virada aconteceu. Bony aos 19 e Gervinho aos 21 minutos da etapa final, garantiram a vitória dos africanos na rodada de abertura.
Em um grupo totalmente aberto, onde tudo pode acontecer, como é o caso da chave C da Copa, japoneses e marfinenses protagonizaram este mesmo cenário no início de jogo. Com um time repleto de jogadores que atuam nos principais clubes da europa, a Costa do Marfim tomou conta das ações da partida, mesmo com Didier Drogba no banco de reservas.
N/A
Honda, na primeira etapa, abriu o placar em Recife
Mas foram os japoneses que atacaram primeiro. E foi fatal. Até então sumido no jogo, Keisuke Honda recebeu belo passe na entrada da grande área. O camisa 4 do time do sol nascente dominou, fintou um adversário e com a perna esquerda chutou forte, alto, sem chance para o goleiro Barry. O gol não abalou os marfinenses que continuaram pressionando no ataque. Bony, o atacante escolhido pelo técnico Sabri Lamouchi, perdeu ao menos duas oportunidades de igualar o marcador em Recife.
A entrada de Drogba já era mais do que pedida pelos torcedores na Arena Pernambuco, até que o camisa 11 finalmente entrou. Sempre conhecido pelo seu faro de gol, Drogba teve papel importante na armação e criação de jogadas no ataque da Costa do Marfim. E funcionou melhor do que o esperado e praticamente da mesma forma. O pé direito santo do lateral Aurier foi pra lá de essencial. Primeiro, cruzamento perfeito na cabeça de Bony que venceu a marcação do zagueiro Yoshida.
Dois minutos depois veio a virada. De novo do lado direito do ataque, Aurier mostrou mais um belo cruzamento. Dessa vez foi Gervinho que testou firme. Com muita chuva e bola molhada, Kawashima não conseguiu fazer a defesa. Quer queira quer não, a presença de seu principal jogador dentro de campo mudou por total.
Os japoneses não encontravam mais forças de buscar um empate, quiçá uma vitória. Com Drogba e Gervinho, a Costa do Marfim criou mais oportunidades para ampliar o placar e fazer saldo em um grupo tão equilibrado como é o caso do C. Uma vitória importante do time que foi melhor. A sempre contagiante torcida marfinense mostrava para o mundo o amor pelos elefantes.
Três na bagagem e segundo lugar do grupo garantido já que a Colômbia está em primeiro por conta do saldo. Os japoneses lamentam a derrota, ainda mais pelo fato de ter sido de virada. Mas ainda crê que seus principais jogadores possam reverter a situação complicada na rodada de abertura.
N/A
Os elefantes marfinenses agradeceram a torcida que esteve presente na Arena Pernambuco
FICHA TÉCNICA
Costa do Marfim 2 x 1 Japão
Local: Arena Pernambuco, em Recife (PE)
Árbitro: Enrique Osses (CHI)
Cartões amarelos: Bamba e Zokora (CDM); Morishige (JAP)
Cartões vermelhos: Não houve.
Gols: Honda (16'/1T); Bony (19'/2T) e Gervinho (21'/2T)
COSTA DO MARFIM: Barry; Aurier, Bamba, Zokora e Arthur Boka (Djapka); Tioté, Serey Die (Didier Drogba) e Yaya Touré; Kalou, Gervinho e Bony (Ya Konan). Técnico: Sabri Lamouchi.
JAPÃO: Kawashima; Uchida, Morishige, Yoshida e Nagatomo; Yamaguchi, Hasebe (Endo), Kagawa (Kaitani) e Honda; Osako (Okubo) e Okazaki. Técnico: Alberto Zaccheroni.
# http://www.atribuna.com.br



Total de visualizações de página