Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 11 de abril de 2015

Guiné-Bissau: Tabanka Djaz - 25 anos de sucessos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Tabanka Djaz Guiné-Bissau
Acesse o Link e acompanhe a história:

Encontro Obama e Raúl Castro um importante passo nas Relações com Cuba no Panamá.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



PANAMÁ - O presidente Obama e o presidente Raúl Castro de Cuba tiveram neste sábado, a primeira conversa face-a-face entre os líderes dos dois países em meio século.

Sentado ao lado do Sr. Castro em uma pequena sala no centro da cidade do centro de convenções onde a cúpula estava sendo realizada, Obama chamou o evento de "um encontro histórico."

O presidente lançou a sua decisão de procurar relações normalizadas com Cuba após 50 anos de afastamento, em uma tentativa de reverter uma política fracassada.

"Era hora de tentar algo novo", disse Obama. "Estamos agora em condições de seguir em um caminho para o futuro." Ele acrescentou: ". Ao longo do tempo, é possível para nós virarmos a página e desenvolver uma nova relação entre os nossos dois países"

Castro disse que a abertura levaria tempo, mas eventualmente poderia render acordos sobre as diferenças de longa data.

"Estamos dispostos a discutir tudo, mas precisamos ser pacientes, muito pacientes", disse Castro, de acordo com seu tradutor. "Nós podemos discordar sobre alguma coisa hoje em que nós poderíamos concordar amanhã."

A reunião à margem da Cúpula das Américas foi um passo importante para o Sr. Obama, enquanto ele busca aliviar as tensões com Cuba e desarmar uma disputa de gerações em idade que também afetou as relações com os países da região. Desde sua primeira incursão ao cume, três meses depois de tomar posse, Obama tem visto um ponto de discórdia frustrar os seus esforços para chegar aos vizinhos do hemisfério da América: o fato de que Cuba foi banido do encontro.

Ele foi repreendido pela presidente da Argentina pela manutenção de um "bloqueio anacrônico", ministrado pelo presidente da Bolívia que citou o comportamento "como uma ditadura", e, em 2012, responsabilizou o fracasso de líderes em não concordar em uma declaração conjunta - o resultado, o seu hospedeiro colombiano falou da disputa sobre Cuba.

Este ano, Obama chegou à reunião de cúpula aqui determinado a mudar a dinâmica com uma série de aberturas para Cuba.

Além da reunião com o Sr. Castro, a cimeira foi a primeira vez na história do encontro de cúpula que Cuba foi autorizado há assistir mais de 20 anos. E ele veio com o Sr. Obama que se aproximava da decisão de remover Cuba de uma lista de Estados patrocinadores do terrorismo, um precursor essencial para o estabelecimento das relações diplomáticas entre Washington e Havana.

"Os Estados Unidos não ficarão presos pelo passado - nós estamos olhando para o futuro", disse o Sr. Obama de sua abordagem para com Cuba na primeira sessão plenária da reunião de cúpula, no sábado, falando pouco antes de o Sr. Castro tomar a palavra e antes de sua reunião. "Eu não estou interessado em ter as batalhas que, francamente, iniciaram-se antes de eu nascer."

"A Guerra Fria", acrescentou ele, "já terminou há muito tempo."

Ele disse que a mudança na política seria um ponto de viragem para toda a região.

Se o Sr. Obama estava pronto para esquecer rancores do passado, o Sr. Castro não estava. Ele deu um longo discurso no sábado, que incluiu uma recitação de queixas cubanas contra os Estados Unidos - incluindo o seu apoio a Fulgencio Batista, a invasão da Baía dos Porcos e a abertura de prisão na Baía de Guantánamo - às vezes batendo na mesa para dar ênfase. Mas o Sr. Castro também deixou claro que ele não culpa Obama para o legado de sangue ruim entre os dois países, e expressou admiração pelo presidente americano, chamando-o de "homem honesto" e elogiando-o como um "passo positivo" na sua reconsideração da designação de Cuba como um Estado patrocinador do terrorismo.

Para Obama, o encontro foi uma oportunidade para mostrar o progresso em direção a um objetivo que ele aspirava a durante a primeira reunião de cúpula da América Latina que ele participou - quando ele falou de um "novo começo" com Cuba, mesmo na sua ausência - e para limpar o que tinha-se tornado um subtexto disfuncional da reunião para as gerações de presidentes americanos.

"Nossa política de Cuba, em vez de isolar Cuba, foi isolar os Estados Unidos em nosso próprio quintal", disse Benjamin J. Rhodes, vice-conselheiro de segurança nacional de Obama para comunicações estratégicas. "Desta vez, nós chegamos aqui, sim, certamente não concordando com todos sobre tudo", disse ele, mas com "um amplo acordo com os líderes aqui presentes, e o que o presidente fez foi a coisa certa."

"Ele vai abrir a porta não só para um maior engajamento com Cuba, mas potencializar as relações mais construtivas em todo o hemisfério", disse Rhodes.

Enquanto vários países latino-americanos criticaram recentes sanções dos Estados Unidos contra várias autoridades venezuelanas que tinham acusado ​​de violações de direitos humanos, insinuação de Obama a Cuba, bem como a sua recente ação de Executar em matéria de imigração, para torná-la mais fácil para algumas pessoas que estão nos Estados Unidos sem autorização para permanecer legalmente, trouxeram uma rodada incomum de saudações e felicitações.

"O presidente Obama vai deixar um legado do jeito que ele está apoiando os hispânicos nos Estados Unidos, e também a sua nova política para com Cuba para nós é muito importante", o presidente Juan Carlos Varela do Panamá, disse pouco antes de uma reunião com o Sr. Obama na conferência de cúpula.

O presidente Juan Manuel Santos, da Colômbia, que exigiu a inclusão de Cuba nesta reunião de cúpula cujo último se realizou em seu país, em 2012, também comemorou a chegada de Cuba.

"A situação Cuba tem sido um obstáculo voltando de um longo tempo nas relações dos Estados Unidos com a América Latina e no Caribe, e sem esse obstáculo a cooperação em muitas frentes será mais fluido", disse ele ao jornal colombiano El Tiempo dias antes de chegar aqui.

"Eu acho que vai gerar novos marcos na história de toda a América", o presidente Enrique Peña Nieto do México disse após o desembarque, acrescentando que ele esperava "mais fraternidade, mais proximidade" na região.

Ficou muito longe da última Cúpula das Américas em 2012, em Cartagena, Colômbia - marcado por um escândalo de prostituição envolvendo agentes do Serviço Secreto - quando alguns líderes latino-americanos abertamente repreendeu Obama por posição dos Estados Unidos excluindo Cuba, Bolívia, Nicarágua e Venezuela disseram que não iriam participar novamente, a menos que Cuba pudesse participar.

O presidente terminou a reunião com um lamento irritável, aparentemente irritado com sua incapacidade de se mover nas últimas velhas disputas.

"Às vezes, essas controvérsias datam-se antes de eu nascer", disse Obama em sua coletiva de imprensa e de encerramento, acrescentando que sentia, às vezes, que "nós estamos presos em um túnel do tempo, indo de volta para os anos 1950, e diplomacia das canhoneiras e 'ianques' e da Guerra Fria, é isso, é aquilo e aquilo outro ".

Desta vez, Obama lançou-se como agente de mudança, em vez de a vítima da inércia.

"À medida que você trabalha para a mudança, os Estados Unidos vão ficar até ao seu lado a cada passo do caminho", disse ele a líderes latino-americanos e representantes da sociedade civil no fórum nesta sexta-feira. "Os dias em que a nossa agenda neste hemisfério presumiram tantas vezes que os Estados Unidos poderiam se meter com a impunidade - esses dias estão ultrapassado."

A reunião não foi sem tensão ou lembretes das antigas animosidades disse Sr. Obama que está procurando se desarmar. Ele foi marcado por vários confrontos nas ruas entre dissidentes cubanos e representantes do governo, um dos quais acusando ​​os manifestantes de serem pagos por governos estrangeiros, incluindo os Estados Unidos.

Mas os observadores de longa data da região disseram que o movimento de Obama tinha roubado atenção dos vizinhos do hemisfério, de uma batida tantas vezes repetida contra este presidente americano e seus antecessores.

"Isso abre a porta para que o governo dos EUA, eliminando esse argumento de que tem sido um pretexto e uma questão que tem sido invocado, não só por Cuba, mas por outros países da região, como uma distração", disse José Miguel Vivanco, diretor do programa de América Latina da Human Rights Watch, que participou de uma mesa-redonda de líderes da sociedade civil com o Sr. Obama na sexta-feira.

"O foco tem sido em volta de muitos anos da política dos EUA em relação a Cuba, e não sobre o registro de Cuba", acrescentou. "Isso coloca o governo dos Estados Unidos e da administração Obama em uma posição muito diferente, com muito mais credibilidade quando se trata de falar sobre democracia e direitos humanos."

O olhar muitas vezes desconfiado da América Latina para com os Estados Unidos vai voltar mesmo para o que os historiadores consideram um precursor para reuniões de cúpula regionais como de hoje, um congresso do herói da independência sul-americana Simón Bolivar convocado no Panamá, em 1826, entre um punhado de países recém-independentes.

Eles suspeitavam dos Estados Unidos e, em seguida, de saber se, depois de jogar fora a influência da Espanha, as novas nações teriam de lidar com um novo poder dominante.

Intervenção americana periódica, orquestrações de golpe e invasões definitivas e seguidas aumentaram a sensibilidade da região à soberania, que continua até hoje e muitas vezes supera todas as outras preocupações.

Nas últimas décadas, a democracia se enraizou. Anti-americanismo, muitas vezes desempenha bem a política interna. E, embora os Estados Unidos continua sendo um grande, senão o parceiro comercial para a maior parte da região, as economias dos países latino-americanos diversificaram, e passaram a ser menos dependentes da ajuda.

"Os latino-americanos estão em posições mais fortes, em função do resultado de governos democráticos mais estáveis ​​e políticas macroeconômicas mais sustentáveis ​​e de um sentido mais seguro de seus interesses nacionais, que nem sempre coincidem com os de os EUA", disse Richard Feinberg, um economista político internacional na Universidade da Califórnia, em San Diego, que está participando da reunião de cúpula.

#nytimes.com

Quênia: Expulsão de 6 guineenses (Guiné-Conacry).

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Sexta-feira, 10 de abril, a imprensa local queniana informou que as autoridades quenianas deportaram mais de 20 cidadãos estrangeiros por razões relacionadas com o tráfico de drogas, de armas, tráfico de seres humanos, etc. Estes estrangeiros de diferentes origens foram expulsos no contexto de uma operação de uma semana após o ataque terrorista na Universidade Garissa que deixou pelo menos 148 mortos.



Nota-se que '' muitos outros estrangeiros estão localizados em diferentes delegacias e serão removidos do solo queniano em breve '', disse um alto funcionário do governo ao jornal The Standard.
Ele disse que o governo estava envolvido em uma atividade de deportação em massa para livrar o país de estrangeiros envolvidos em diversas formas de crime organizado. Seis guineenses estão em causa.
Esta operação tem como objectivo apoiar a guerra contra o terrorismo, no Quênia, precisaram.
Por: Mariama Sylla GCI
#2015 - GuineeConakry.info

República Democrática do Congo: A União Europeia quer uma investigação urgente sobre a vala comun.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

La pression s'accentue sur le président Kabila.
A pressão se acentua sobre o Presidente Kabila © AFP

A União Europeia solicitou nesta sexta-feira, essa que designou como uma investigação urgente para a vala comum descoberta perto de Kinshasa e que suscita numerosas questões na República Democrática do Congo e no exterior.
A União Europeia partilha as interrogações que são feitas todos os dias a partir de lados diferentes após a descoberta de uma vala comum em Maluku, indica um comunicado da representação da UE na RDC.
Éla apela no entanto, a uma investigação urgente, transparente e credível sobre esta questão e se diz pronto para apoiar por todos os meios que ela dispõe.

De acordo com as autoridades da cidade-província de Kinshasa, a sepultura na vala comum de Maluku (80 km a nordeste de Kinshasa)  contém 421 corpos, 300 mortos, 23 corpos abandonados, 34 desamparados e 64 pessoas não identificadas - enterrados ali em 19 de março para aliviar de contaminação geral da capital.
As autoridades negaram os rumores de que o poço poderia abrigar as vítimas dos distúrbios de janeiro. Dezenas de pessoas foram então mortas - a maioria em Kinshasa - durante protestos contra um projecto de revisão da lei eleitoral.

A Bélgica, a antiga potência colonial na RDC, pediu uma investigação credível e independente, como muitas associações congolesas e organizações de defesa dos Direitos Humanos Human Rights Watch e da Anistia Internacional.

Exigimos investigação conjunta interna e internacional, o santuário do site e da autópsia de cada órgão, disse por sua vez, quinta-feira, um grupo de oposição e da sociedade civil.
De acordo com um documento oficial que a AFP pode consultar, uma investigação criminal foi aberta para a vala comum, a pedido do Escritório da ONU para os Direitos Humanos Joint (BCNUDH - em francês) na RDC. As autoridades concordaram em exumar o corpo, se necessário.

No início desta semana, o site estava acessível a todos. Mas até agora temos feito acordos (...) e nós temos assegurado, que vamos colocar uma equipe para que a visita a este site não seja liberado a todos, disse nesta quinta-feira o procurador Kinkole, Ghislain Mwehu Kahozi.

Associado a investigação, o BCNUDH disse à AFP que o site agora está protegido por uma presença policial.
Em Genebra, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos disse que a investigação independente PROPRE está disponível para apoiar o governo da (RDC) e instando-o a garantir que o inquérito judicial será realizado e que terá um avanço rápido, transparente, credível e independente.
A agência disse que estava conduzindo sua investigação independente PROPRE na vala comum.
Nesta quinta-feira, o porta-voz do governo congolês, Lambert Mende, tinha achado natural que a descoberta do poço Maluku levantaria questões.
No entanto, acreditamos que certas afirmações ouvidas aqui e ali sobre esses enterros em massa estão além do razoável, acrescentou, lamentando que, apesar de as informações e explicações fornecidas pelas autoridades municipais, nós (iremos)  de ponto a ponto.

#jeuneafrique.com

Total de visualizações de página