Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Brasil recebe ativistas de educação africanos para intercâmbio.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Enviada por: Comunicação Social da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.
 


De 10 a 15 de maio, a Campanha Nacional pelo Direito à Educação (Brasil) recebe em São Paulo representantes de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe para iniciar o Programa de Cooperação Sul-Sul para Países Lusófonos Africanos, um de seus projetos para os próximos dois anos. A ideia é contribuir para o fortalecimento da sociedade civil na área de educação nesses países, compartilhando experiências e promovendo o intercâmbio entre essa rede de nações de língua portuguesa.

A partir de uma série de atividades, o programa promoverá a criação de uma rede lusófona de organizações da sociedade civil que atuam na área de educação. O objetivo é estimular e apoiar o desenvolvimento de estratégias de incidência política das coalizões de educação nos países, resultando no desenvolvimento e na expansão das políticas de educação.

“O programa começa a concretizar um sonho que começou em julho de 2007 e que vem avançando no âmbito das campanhas de educação de países lusófonos que participam da Campanha Global pela Educação, mas que até então tinham sua atuação limitada por causa da língua. Com o programa, mostramos que é possível e necessário desenvolver relações que ultrapassam as fronteiras geográficas e se baseiam em raízes históricas e culturais comuns”, explica Iracema Nascimento, coordenadora executiva da Campanha Nacional pelo Direito à Educação do Brasil.

O Programa de Cooperação Sul-Sul para Países Lusófonos Africanos é uma iniciativa em parceria com o Programa de Apoio à Educação da Open Society Foundations. “Estamos animados em apoiar este projeto, uma iniciativa inédita que esperamos ter um efeito positivo e significativo sobre as estratégias e atividades da sociedade civil de educação dos países lusófonos africanos”, declarou Ian Macpherson, vice-diretor do Programa de Apoio à Educação da Open Society Foundations.

Participantes da Oficina – Participam da oficina de maio ativistas da sociedade civil dos cinco países envolvidos:

- António Carlos Cambuta (Rede Angolana da Sociedade Civil de Educação para Todos) e Vítor Manuel Barbosa (Rede Angolana da Sociedade Civil de Educação para Todos), de Angola;

- Abraão Borges (Rede Nacional Campanha Educação para Todos) e João Pedro Teixeira Cardoso (Rede Nacional Campanha Educação para Todos), de Cabo Verde;

- Vençã Mendes (Rede da Campanha de Educação Para Todos ) e Victor Rodrigues (Rede da Campanha de Educação Para Todos), da Guiné-Bissau;

- Reinaldo Jorge Sive (Movimento Educação para Todos de Moçambique), de Moçambique e

- Aída Quaresma (FLIMÁ Educação para o Desenvolvimento) e Maria Cristina Figueira Manjua (Fundação da Criança e da Juventude), de São Tomé e Príncipe.

Ainda em 2011, o programa realizará um estágio de um mês no Brasil, com a participação de ativistas de educação dos cinco países.

Da: Comunicação Social da Campanha Nacional pelo Direito à Educação
Acompanhe as atividades do programa por meio do blog Lusofonias em Educação e siga-nos no Twitter

fonte:

Total de visualizações de página