Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 28 de maio de 2013

O filme de Nelson Mandela estreia em Novembro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Idris Elba Nelson Mandela


Joanesburgo - Um filme baseado no best-seller da autobiografia de Nelson Mandela, "Long Walk to Freedom" será lançado em novembro, disseram os produtores nesta segunda-feira.

O filme biográfico, intitulado Mandela: Long Walk to Freedom, é estreiado pelo ator britânico Idris Elba como o herói icônico anti-apartheid e vai seguir sua vida, desde a infância até a prisão e presidência em 1994.

"Estamos honrados de ter tido Madiba licenciando-nos os direitos de filmagem de sua história de vida fascinante", disse o produtor Anant Singh em um comunicado, usando o nome popular de  Mandela.

Singh disse que estava satisfeito quando Mandela olhou algumas das imagens de Elba em Madiba com camisa de marca, e comentou: "É comigo?"

"Este reconhecimento e afirmação de Madiba é extremamente gratificante e faz com que nossa viagem valha a pena", disse ele.

Endosamento de Madiba

O livro, uma inspiração para muitos, foi publicado em 1994, e foi traduzido para várias línguas. Singh foi agraciado com os direitos do filme em 1996.

O filme apresenta uma série de atores locais e foi filmado em vários locais, no Cabo Oriental, local de nascimento de Mandela, Joanesburgo e Cidade do Cabo.

Os produtores dizem que é o único filme que tem o aval do Mandela e da Fundação Nelson Mandela, o centro que gerencia o seu legado.

Diversos documentários e filmes inspirados na vida do homem de 94 anos de idade, estadista foram feitas ao longo dos anos.

No início deste ano, foi anunciado que The Weinstein Company adquiriu os direitos de distribuição na América do Norte para este filme.

O Mandela frágil está se recuperando em sua casa em Joanesburgo, na sequência de vários ataques que sofreu no hospital por infecções respiratórias.

- AFP

Ensino Superior: A inserção dos diplomas ao menu da conferência das Universidades Africanas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Libreville (Gabão) - Transformar o ensino superior Africano para a empregabilidade dos diplomados e desenvolvimento sócio-econômico é o tema da 13 ª Conferência da Associação das Universidades Africanas (AUA), que abre hoje , em Libreville, Gabon. A cerimônia de abertura será presidida pelo Chefe de Estado do Gabão, Ali Bongo Ondimba.
Esta conferência de quatro dias, que tem cinco sub-temas (ligação entre o ensino superior e o setor produtivo, a empregabilidade dos graduados, o papel do setor privado formal, ambiente sócio-político e da empregabilidade e questões de financiamento), têm como objetivo a desempenhar no setor o seu verdadeiro papel como uma alavanca de desenvolvimento do continente, permitindo que os jovens entrem no mercado de trabalho ou desenvolvem o auto-emprego. Acesso ao mercado, especialmente porque muitas economias no continente não são capazes de criar empregos suficientes para absorver o crescimento sem precedentes da população em idade de trabalhar.
Consequentemente, uma geração de jovens trabalhadores produtivos enfrentará um futuro incerto se nada for feito para inverter a tendência, observou Patrick Darkwa do Departamento de Estudos de Gestão e Addae Boateng Adu-Gyamfi, do Departamento de População e Saúde, da Universidade de Cape Coast, no Gana.
Ou seja, encontrar uma ligação com o mundo produtivo é uma exigência. Porque, como apontado pelo Prof Abdul Salam Sall que deve fazer uma declaração, a África está confrontada com a "dupla exigência de interiorização do ensino superior, mas também na construção de eficiência, seja interna ou externa ". O ex-reitor da UCAD qualifica o ensino superior na sua forma actual como, "colonização do enxerto", mas ele indicou que, em um mundo caracterizado pela economia do conhecimento, o ensino superior, a concentração de inteligências, não tem nenhum papel para "atender às necessidades da sociedade." Sua direção torna-se "uma questão de toda a sociedade e não apenas acadêmica."

Cerca de duas dezenas de trabalhos serão apresentados durante esta conferência compartilhada de experiências bem-sucedidas.

Do nosso correspondente especial Daouda MANE

fonte: lesoleil.sn

Total de visualizações de página