Postagem em destaque

Nigéria: Buhari revela a incrível razão pela qual ele se juntou ao exército.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Muhammadu Buhari é um estadista nigeriano. Tendo assumido o cargo de...

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Humor negro de Tatiana Rojo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Em Campant uma Mama Africana sobre cena, a comediante franco-marfinense presta homenagem à energia de sua própria mãe e para o continente de seus ancestrais.

Tatiana Rojo no seu espetáculo Amou Tati © Todos os direitos reservados


Tatiana Rojo chegou como um furacão no café parisiense que ela escolheu para a entrevista.

Sem sequer ter tempo de pedir seu casaco, pede desculpas pelo atraso. Com um largo sorriso, ela disse que só soube da boa notícia.

Ela desempenhará um papel na Akwaba, um próximo filme co-dirigido por Benoît Poelvoorde e Casamento.

"Eu não fiz nada para as minhas tranças para fundição!" Ela diz com uma risada muito alto enquanto mostra seu novo penteado.

"Eu vou pegar seu namorado. , Ele é um recrutador de futebol que vai para a África. "

A mulher jovem de 33 anos de idade tem uma agenda cheia. Ela também foi recrutada para tocar no Papa Marechal, a nova realização de Fabrice Eboué e Ngijol Thomas:

"Aqui, o filme vai virar Cuba é no mesmo estilo como caso de partida!"

Desde seu sucesso neste verão no festival de Avignon, a palavra sobre obras sai de sua boca. A atriz marcou os espíritos com seu show de uma mulher que só tem direito limpo, Amu Tati.

Em seu show, com lenço na cabeça "boubou" colorido, pano em volta da cintura e descalça, Tatiana se transforma em Michelle, uma mãe africana deliciosamente tagarela, altamente manipuladora com ternura e protetora.

Com um senso de palavrório, ela leva sua tribo com mão de ferro. Mas com a idade, ela se sente como suas quatro filhas para escapar do benefício de seus maridos ", toubabs" (branco) do exterior. Enquanto uma se apaixona por Francis francês, a outra é seduzida pelo quebequenses, Rene.

"Minhas meninas são ingênuas, elas não sabem que para um homem, a mulher é como o café para começar tem que agitar, depois que o deixa nervoso", lamenta a mãe.

Na sala, o riso saiu para fora, mas no palco, o chefe da família está desesperada. As aventuras de suas filhas não fazem sorrir. Ela espera que elas não vão esquecer seus pretendentes para extrair deles algum dinheiro.

"Melhor chorar dentro de um carro do que em cima de uma moto, diz isso antes de adicionar filosoficamente: Dinheiro não tem cheiro, mas quanto mais você tem, mais ele se reflete isso!"

Para criar este personagem como uma personalidade forte, Tatiana Rojo foi diretamente se inspirar em sua própria mãe, vendendo berinjelas e  mandioca nos mercados.

Olhando para trás, a jovem perde seu sorriso por alguns momentos. Três meses depois de sua morte, a dor ainda está crua.

"Eu criei o show antes dela morrer, e agora que ela se foi é realmente uma honra", diz a atriz, com emoção, com lágrimas nos olhos. Pensei em parar performances em setembro, mas eu acho que é para continuar, como é conhecido por ter realmente existido, e depois seu nome foi realmente Michelle ".

Como a "Dama de Ferro" do show, a mãe de Tatiana lutou para criar cinco filhas e um filho:

"Seu único objetivo era assegurar que nos tornássemos alguém e eu acho que é por isso que ela se matou com as tarefas sob o sol."

Entre Costa do Marfim e França

Nascido na França em Le Havre (noroeste da França) que a marfinense de mãe e pai Gabonês, Tatiana passou a viver com a idade de sete anos na Costa do Marfim, após a separação de seus pais.

"A residência de minha mãe está desatualizada e não foi renovada. Ela teve de voltar para o seu país com todos os seus filhos, que não foi fácil ", diz ela.

A menina descobre um país e um continente que são completamente desconhecidos.

"O que realmente mudou seu foco. Ela se arrumou muito cedo. As outras crianças têm batido em mim, elas me diziam: "Você é tão negro como o carvão, mas fala como um branco '", diz ela, imitando os gestos e proferindo gritos pequenos.

Apesar das dificuldades de adaptação, o franco-marfinense é seduzida por esta nova cultura:

"Eu aprendi a falar como uma verdadeira aldeia, eu estava sempre com os pés descalços e eu fiz bonecas com juncos. Eu realmente sai. É verdade que houve momentos difíceis, mas isso me fez mais forte! "

Criada no seio da família, Tatiana logo descobre uma paixão para o show. Depois de 12 anos, ela notou isso na escola primária em salas pequenas:

"Eu sempre quis ser atriz. Minha mãe me dizia que não foi há muito tempo que as mulheres vinham vê-la, dizendo que eu era louca, porque eu estava cantando e dançando na rua! "

No colégio, ela ganhou o primeiro prêmio, em seguida, se juntou a uma companhia profissional. Foi aí que ao mesmo tempo que ela conheceu seu marido, um ator francês que se ofereceu para fazer cursos em Paris.

Na França, ele começa a se transformar em shorts e fazer número. Ela finalmente consegue seu primeiro papel no cinema em 2007, em La Rivale, um filme sobre a comunidade Africana.

Forçar o destino

Mesmo se os começos são para incentivar a jovem artista a continuar a acumular biscates como garçonete, à espera de respostas para oportunidades diferentes. Exausta, ela finalmente decide levar assunto a sério:

"Eu cansei de o telefone não tocar, então eu criei meu show Amu Tati, no todo".

Em 2009, Tatiana se lança em grande estilo participando nas noitadas marfinenses à risada de Antony (subúrbios ao sul de Paris). Pela primeira vez, ela vai sozinha no palco na frente de uma platéia.

"Eu estava tremendo, porque fazer rir os marfinenses eles vão se levantar nos bons momentos, mas as pessoas adoravam", lembra ela, orgulhosa.

Veja o Vídeo: Click no Link 

Tranquilizada por esse batismo de fogo, a nova comediante aperfeiçoou seus esboços. Situações e diálogos que desenha suas raízes diretamente da Costa do Marfim e de sua comitiva:

"Eu acho que as pessoas de onde eu venho são muito engraçadas. Eu nunca ri tanto na vida. Somos muito felizes com coisas pequenas, mas aqui as pessoas reclamam quando eles têm tudo. "

Para dar uma cor verdadeiramente de histórias locais, Tatiana não hesita em expressar-se em Amu Tati Bete, seu dialeto nativo.

"Eu não falo muito bem, mas eu achei que sou tão autêntica em falar a minha língua. Isto dá uma escala para mostrar a verdadeira identidade. As pessoas estão felizes em ouvir o som ", justifica.

É uma aposta, mas ela funciona. Os negros, os brancos, os africanos, os europeus, há algo para todos:

"Não há emoções coloridas. Estamos lidando com uma mãe que ama suas filhas e empurrando-as para sair para o mundo. Ela é universal! "

Tatiana lembra ainda que no início de seu solo de aventura, uma fã, a mãe dela tinha se mostrado a mais cética.

"Ela me disse:" Uma mulher sozinha no palco, mas você vai se cansar, não há mais garota que pode te ajudar. As pessoas vão pagar para ouvi-lo por uma hora, na França, c?? Isso é muito estranho ", ela imita-a antes de se lançar em uma gargalhada.

Michelle pode ter certeza, ninguém fica entediado com o rosto de Amu Tati. Por mais de uma hora, Tatiana transporta-nos com a sua energia e encanta o coração da Costa do Marfim e faz as mais belas homenagens à sua mãe.

Por: Stephanie Trouillard



fonte: slateafrique







Total de visualizações de página