Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

segunda-feira, 25 de julho de 2022

[Para trás] PROS: Thomas Sankara ou Donald Trump? (Por Adama NDIAYE)

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Em sua conta no Instagram, Ousmane Sonko, ou melhor, o presidente Ousmane Sonko (PROS), como seus apoiadores mais obstinados o chamam, postou uma foto do que parece ser uma entrevista na televisão. Foto em que o homem cultiva o mistério com a palavra “cozinhar” como legenda simples. Na foto, vemos um troféu, mas sobretudo um retrato de Thomas Sankara, figura tutelar de qualquer militante anti-imperialista africano que se preze. Há um pouco de Sankara em Sonko, em particular a denúncia do domínio francês sobre a economia nacional. Os dois homens também são muito populares entre os jovens. Há, no entanto, uma dimensão na personalidade de Sankara que dificilmente encontramos em Ousmane Sonko: leveza, humor. Joagni Pare no livro “Thomas Sankara- o humor da verdade: A arte de desarmar e convencer um público hostil a priori” destacou admiravelmente essa faceta do capitão revolucionário que se tornou presidente efêmero de Burkina entre 1983 e 1987. Ele observa que há que o escárnio, a ironia e o sarcasmo eram as armas oratórias privilegiadas de Sankara. Nenhum vestígio dessas figuras retóricas em Ousmane Sonko. Além de sua iniciativa original de um concerto de maconha, o líder do Pastef muitas vezes se mostra indignado por motivos mais ou menos legítimos. O tom é sério, irritante, irritante, às vezes ameaçador com o índice muitas vezes levantado. Além do campo das ideias, Sankara foi profundamente progressista enquanto em muitos aspectos, Ousmane Sonko promove ideias retrógradas que flertam com a franja mais conservadora dos grupos militantes. Se ele tem um pouco de Sankara nele, Ousmane Sonko é, em última análise, muito mais como populistas modernos, como ilustram suas críticas a certos meios de comunicação. Não vou me deter no episódio do microfone RTS que é um epifenômeno. Muitos opositores, Abdoulaye Wade na liderança, criticaram o funcionamento do RTS, que longe de ser um canal de serviço público nos moldes da France Television ou da BBC, parece mais um meio de propaganda estatal muito desconectado da vida cotidiana. Muitas vezes por culpa de gerentes cujo objetivo principal é agradar o príncipe. O que é embaraçoso, por outro lado, é que, como Trump, Sonko joga jornalistas em campo e vaia repórteres e cinegrafistas do canal público. Esta não é a primeira vez que ele condena qualquer mídia que não estende o tapete vermelho para ele e o critica um pouco. Como o ex-presidente dos EUA, ele gosta de descrever a mídia como “corrupta” ou “a soldo de Macky Sall. Não precisamos ir muito longe para descobrir a origem do mal-estar entre o PROS e os órgãos de imprensa: o tratamento midiático do caso Adji Sarr. Ele nunca digeriu a entrevista em vários meios de comunicação daquele que o acusa de “tê-la estuprado várias vezes”. Como Trump, depois que alguns meios de comunicação americanos divulgaram alegações de mulheres o acusando de comportamento inadequado ou até de agressão sexual. A coisa mais perturbadora sobre Sonko, como Trump, é, em última análise, alguns de seus apoiadores da teoria da conspiração e do cyberbullying. E podem ir muito à deriva: lembre-se que jornalistas de Leral receberam insultos e ameaças de morte em março de 2021. Manifestantes também atacaram a sede da rádio e o diário do Future Media Group (GFM) e o diário Le Soleil, considerados próximos ao governo. Além disso, em um comunicado de imprensa, publicado em 5 de julho de 2022, no Senegal, Repórter Sem Fronteiras, observou “que um aumento de ataques verbais e físicos contra jornalistas é notável desde fevereiro e março de 2021”. Embora não seja o responsável direto por esses fatos, Ousmane Sonko contribuiu muito para criar um clima de desconfiança contra a imprensa em geral. E o homem não se importa, pois promete publicar uma lista vermelha de "mídia corrompida por Macky Sall". fonte: seneweb.com

SENEGAL: Presidente Macky Sall disse - Energia e clima: a besteira das potências ocidentais.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Sete meses atrás, o presidente Macky Sall estava particularmente irritado com as potências europeias. Mas a guerra entre a Ucrânia e a Rússia oferece-lhe uma bela vingança. O recém-chegado de Glasgow caiu na cabeça de Macky Sall como um golpe de martelo no final da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (Cop 26) em novembro de 2021. As grandes potências, em particular a Europa, decidiram não mais financiar combustíveis fósseis, como petróleo e gás. Presidente de um país às portas do círculo restrito dos países produtores de gás, Macky Sall deve ter acreditado em um pesadelo nas primeiras horas do anúncio. Ele então deixará sua raiva explodir. Mas 7 meses depois, a curva se inverteu completamente. As grandes potências estão voltando com força para o petróleo, o gás, a energia nuclear e até mesmo o carvão. De fato, a fuga da Rússia da Ucrânia revelará aos europeus o quanto eles dependem do gás russo para seu suprimento de energia. Para reduzir essa dependência, eles decidem queimar toda a lenha. Assim, as ambições de baixar a temperatura para 1,5° até 2050 acabaram. Ao contrário, todas as medidas atualmente tomadas contribuem não só para manter o atual nível de aquecimento, mas para aumentá-lo. A prioridade dada às mudanças climáticas desapareceu como por mágica, diante do desejo dos ocidentais de se libertarem da Rússia. Esta é de fato uma preocupação climática com geometria variável. Com efeito, são estes mesmos países que, a pretexto de limitar a temperatura, decidiram deixar de financiar o gás, colocando o chefe de Estado senegalês em todos os seus estados. Ele que pretende não só produzir a electricidade do país a partir do gás (gás para electricidade), mas também encher os cofres do Estado a partir de 2023, início da produção. Durante meses, Macky Sall usou todas as plataformas que lhe foram oferecidas para defender a causa da África, a do Senegal em particular. Macky em todas as frentes Primeiro no Fórum de Paris em novembro. “É inconcebível e incompreensível dizermos que não vamos financiar o gás, impedindo assim o BAD, o banco islâmico de desenvolvimento, o banco mundial, de financiar o gás. É assinar a sentença de morte do continente africano. O que não vamos conseguir aceitar”, amaldiçoou. No mesmo mês, por ocasião da cúpula econômica China-África realizada virtualmente em Dakar, Macky Sall voltou ao cargo para castigar ainda mais o egoísmo das potências ocidentais. “Numa altura em que vários países africanos se preparam para explorar os seus importantes recursos de gás, interromper o financiamento do setor do gás, sob o pretexto de que o gás é um combustível fóssil, seria um golpe fatal para as nossas economias emergentes. O bloqueio do financiamento aumentará a injustiça climática que a África já sofre”, disse Macky Sall. fonte: seneweb.com

ELEIÇÕES EM ANGOLA: “A HORA É AGORA”

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
A UNITA apresentou hoje o seu manifesto eleitoral em Benguela, com o líder do maior partido da oposição (que o MPLA ainda permite em Angola), Adalberto da Costa Júnior, a apelar ao voto na alternância, prometendo “um governo de competentes, e não de partidários, para servir Angola”. A UNITA apresentou o manifesto na presença do número 1 da lista e candidato a Presidente da República, Adalberto da Costa Júnior, e do número 2 e candidato a vice-presidente, o coordenador do projecto político PRA-JA Servir Angola, Abel Chivukuvuku, no dia que marca o início da campanha. O popular cantor angolano Bonga é o interprete da música oficial da campanha, que foi hoje também apresentada e que “já viralizou”, segundo o director da campanha e dirigente do partido do “Galo Negro”, Paulo Lukamba Gato. Antes da apresentação do manifesto, Adalberto da Costa Júnior voltou a insistir na “visão plural” que o partido, apoiado por uma “ampla frente patriótica para a alternância” tem para Angola, prometendo “um diálogo entre diferentes, para além dos muros partidários”. “O nosso projecto é a construção tão adiada de Angola, um país que não é sequer capaz de dar cidadania aos seus filhos”, salientou o presidente da UNITA, mostrando-se confiante nas “demonstrações diárias de apoio” e no lema escolhido para a campanha, “A hora é agora”. “Não são títulos de jornais encomendados e sondagens que pretendem enganar os angolanos”, disse o líder da UNITA, que foi recebido com um banho de multidão na véspera em Benguela, segunda maior cidade angolana, criticando os meios de comunicação social públicos. Adalberto da Costa Júnior promete “um Governo de competentes e não de partidários para servir Angola”, para resgatar o que foi posto em causa durante os cinco anos de governação de João Lourenço, Presidente de Angola e do MPLA o partido que governa Angola há 46 anos e seu principal adversário. “Os partidos não são mais importantes do que o país, é Angola que conta”, disse o dirigente da UNITA, assumindo compromissos como a reforma do Estado e da administração partidária e a concretização do poder local no prazo de um ano. O manifesto foi apresentado pelo primeiro-ministro do governo sombra, João Vahekeni, e compõe-se de uma parte elencando os desafios prioritários e outra em que são definidos os eixos estratégicos da governação. Entre os desafios estão o combate à pobreza, saúde, fomento à habitação, desenvolvimento rural e urbano educação e cultura, família, igualdade de género e criança, juventude e desportos, mulher e inserção social para antigos combatentes. Definem-se quatro eixos estratégicos de governação: emergência nacional, reforma do Estado, responsabilidade e solidariedade social e desenvolvimento económico e sustentável. A UNITA apresenta-se às eleições gerais marcadas para 24 de Agosto com um programa eleitoral de Governo inclusivo e participativo, apoiado pela Frente Patriótica Unida que inclui membros da sociedade civil e de outras forças partidárias. Na sessão, que antecedeu o lançamento da campanha eleitoral, estiveram também presentes membros do Bloco Democrático, que integram as listas da UNITA, como Justino Pinto de Andrade, dirigentes da UNITA, entre os quais o secretário provincial, Adriano Sapiñala, e elementos da sociedade civil como o empresário Francisco Viana, candidato a deputado, recentemente desvinculado do MPLA. Folha 8 com Lusa

Total de visualizações de página