Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 15 de maio de 2018

Brasil: Estilista morre baleada enquanto saía do trabalho em Fortaleza - "nesse país cada minuto é um flash!"

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Vítima, de 32 anos, levou um tiro no rosto.

Estilista morre baleada enquanto saía do trabalho em Fortaleza

U


         ma estilista foi morta baleada enquanto deixava o trabalho na tarde desta segunda-feira (14), em Fortaleza (CE). Nayana Mara Costa Araújo, de 32 anos, foi abordada por dois homens enquanto entrava no próprio carro.
De acordo com o G1, a dupla de criminosos estava em outro veículo. Eles atiraram contra a estilista, que levou um tiro no rosto. Os pertences da vítima não foram levados.
Na noite desta segunda, dois homens foram ouvidos na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Mas, segundo a reportagem, o envolvimento deles no assassinato ainda não estava confirmado até o fim da noite de ontem. A Polícia está investigando as motivações do crime.
Notícias ao Minuto
fonte: noticiasaominuto

Energias ruins: veja os objetos que você não deve ter dentro de casa.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Alguns objetos que temos dentro de casa e não percebemos que atraem vibrações ruins.

Resultado de imagem para Imagem casa limpa
E

      xistem os amuletos de proteção, os patuás, as mandingas, mas também existem objetos que muitas vezes temos dentro de casa e não percebemos que atraem vibrações ruins para nossas vidas.

A escritora e estudiosa sobre espiritualidade, Feng Shui, cromoterapia, numerologia do lar, Márcia Fernandes, deu sugestões ao 'Universa', de dicas na hora de decorar a casa para 'proteger' o lar.
Partes de animais
Bichos empalhados, móveis de couro, chifres, peles, ossos: nada disso é bom ter em casa. O motivo é que, energeticamente e de forma invisível, o sofrimento pelo qual passaram esses seres vivos fica registrado no ambiente e muita coisa ruim volta para a vida do morador.
Metais enferrujados
Talheres, eletrodomésticos e até mesmo peças de antiguidade: seja o que for que estiver com ferrugem é bom limpar ou descartar. Os médiuns afirmam que se por um lado o brilho dos metais novos repele os maus espíritos, que não gostam de luminosidade, por outro, os que estão velhos ou em mau estado de conservação acumulam e até atraem vibrações ruins.
Pertences de falecidos
Eles impedem que a energia do local seja renovada, além de carregarem a energia do defunto. Travesseiro, colchão, sapatos e roupas pessoais devem ser doados. Também não é bom espalhar pela casa fotos de entes queridos já falecidos. Por mais que se tenha saudade, o melhor é guardar as lembranças em álbuns ou gavetas, para não chamar o espírito ou aprisioná-lo ao plano terreno.
Vassoura suja ou para cima
Para se livrar de energias eletromagnéticas negativas, que se acumulam no pó e na sujeira, lave as cerdas pelo menos uma vez por semana. Ao guardar a vassoura, deixe-a sempre em pé, mas nunca de ponta cabeça, pois, nessa posição, a prosperidade do lar é prejudicada. Se for mudar de casa, compre uma nova, para que nenhum resquício negativo te acompanhe.
Espelhos manchados ou trincados
Os manchados indicam que existem espíritos de mortos presentes no ambiente e os trincados que as más energias e pragas que foram lançadas contra você e sua casa foram neutralizadas por ele, tornando-o uma peça de azar. Nessas condições, busque consertá-los ou jogue-os fora. Também não é bom colocá-los de frente para a cama, pois provocam insônia.
Móveis de cor marrom ou vermelho-escuro
De acordo com a espiritualidade eles são péssimos, pois atraem energias prejudiciais e espíritos para dentro de casa. No entanto, existe salvação. Por exemplo, se você tem um sofá marrom na sala, procure cobri-lo com uma manta colorida, assim a energia do ambiente fica mais alegre. O mesmo serve para o vermelho-escuro, que se for atenuado por outras peças, deixa de atrair a terrível energia da inveja.
Plantas com espinhos
Enquanto arranjos de flores, principalmente amarelas, são benéficos para ambientes internos, pois atraem alegria, boas vibrações e fartura, vasos de plantas espinhosas, como os cactos, emitem uma energia repelente, de defesa, o que pode gerar atritos de convivência. Se quiser mantê-los, coloque-os em áreas externas e entradas para afastar o mal e defender sua casa.
Armas à mostra
Se for uma lança ou uma flecha decorativas, sem problemas. Esses enfeites pontiagudos limpam as vibrações negativas, proporcionando abertura de caminhos e novos horizontes. Já no caso de artefatos reais, como facas ou armas de fogo, o melhor é não expô-las e sim guardá-las.
Imagens de violência
Dê fim a quadros, pôsteres e fotografias que explorem desastres ou incitem violência, como, por exemplo, naufrágios, guerras e até animais caçados e mortos por esporte. É que toda imagem negativa afeta a energia da casa, atraindo para ela dor e sofrimento, além de influenciar o comportamento e o emocional dos moradores.
 fonte: noticiasaominuto

Transferências ilícitas: Banco Nacional de Angola já tem os nomes.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Dos nomes do relatório entregue pela "Mãos Livres" constam "altas figuras" do anterior Governo, entre elas, o ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos e o ex-vice-Presidente, Manuel Vicente.
Globus mit Geldscheinen (picture-alliance/blickwinkel)
A história do combate à corrupção e repatriamento de capital continua a merecer a atenção dos angolanos, sobretudo de políticos e de organizações da sociedade civil, nomeadamente a Associação "Mãos Livres".
Há menos de uma semana, Marcy Lopes, Secretário do Presidente da República para os Assuntos Políticos, Constitucionais e Parlamentares, afirmou, na Assembleia Nacional, no âmbito da discussão na especialidade da proposta deLei do Repatriamento de Recursos Financeiros Domiciliados no Exterior do país, que o Governo tem dificuldades em identificar a quantidade de dinheiro existente no exterior. Face à esta declaração, a associação angolana de defesa dos direitos humanos "Mãos Livres" respondeu com um relatório que apresenta nomes de presumíveis infratores, imagens, contas bancárias, incluindo as transações feitas.
Segundo Salvador Freire, advogado e presidente da "Mãos Livres" "foi dito pelo próprio Governo angolano de que tem dificuldades para localizar as contas bancárias, e como nós associação Mãos Livres, temos feito este trabalho de investigação, com determinadas organizações não só nacionais, mas também internacionais, decidimos dar a nossa contribuição, dispensando relatórios que vêm com todos os dados importantes, onde constam as contas bancárias, os valores retirados e, naturalmente, a transacção que foi feita dentro deste processo de corrupção".
Primeiro relatório
Para Freire, trata-se do primeiro relatório tendo acrescentado que a associação que preside "está disposta a dar mais outras contribuições, caso o Governo angolano esteja interessado. Há envolvimento de personalidade, de figuras de proa, e como tal, é necessário que estas denúncias funcionem. É necessário que as autoridades prestem atenção às organizações da sociedade civil, que têm trabalhado com outras organizações internacionais, que sabem, de facto, como funciona este processo de corrupção feito por angolanos".
Angola Justiz | Salvador Freire (DW/B. Ndomba)
Salvador Freire
Dos nomes do relatório constam "altas figuras" do anterior Governo angolano, entre elas, o ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos, o ex-vice-Presidente, Manuel Vicente, o ex-Ministro das Finanças, José Pedro de Morais ou o antigo chefe da Casa de Segurança do PR angolano, general Hélder Vieira Dias "Kopelipa".
Colaboração com o Governo
"Mãos Livres" está disposta a colaborar com o Governo angolano porque acredita na presidência de João Lourenço, mas que, irá pensar diferente, se as autoridades ignorarem os dados do relatório.
"Há todo o interesse de salvaguardar nomes de determinadas pessoas. Mas queremos alertar o próprio Governo angolano, se tem dificuldades em localizar estas pessoas que estão envolvidas em atos ilícitos, nós vamos apresentar nomes e provas. E o próprio Governo, com estas provas que tem, é meio caminho andado para identificar outras pessoas corruptas também.
É um desafio que fazemos ao próprio Governo angolano, e vamos ver qual será a reação", sublinha Salvador Freire para em seguida concluir que "se, de facto, o Governo não conseguir chamar estas pessoas, porque estão ligadas ao próprio partido que governa o país, como aconteceu no passado com a Procuradoria Geral da República anterior que quase não via absolutamente nada, então vamos dizer que o Governo não tem capacidade para combater a corrupção. Isto vai demonstrar que os métodos do passado são os mesmos de hoje, apenas com rosto diferente. Mas acredito que, neste novo Governo, há uma boa vontade, e vamos esperar que uma decisão seja tomada", concluiu.O relatório foi entregue esta segunda-feira (14.05) ao Banco Nacional de Angola, amanhã será a vez do Ministério das Finanças tomar contacto com o mesmo e, na quinta-feira, será a Procuradoria-Geral da República.
A DW África tentou falar com o Secretário do Presidente da República para os Assuntos Políticos, Constitucionais e Parlamentares, mas não obteve êxito.

Brasil: Recurso de Lula será julgado em sessão virtual da Segunda Turma do STF.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Defesa do ex-presidente pretende derrubar a decisão do juiz federal Sérgio Moro, que determinou a execução provisória da pena de 12 anos

Luiz Inácio Lula da Silva em abril de 2018

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STFEdson Fachin liberou hoje (23) para julgamento virtual na Segunda Turma da Corte o novo recurso no qual a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pretende derrubar a decisão do juiz federal Sérgio Moro, que determinou a execução provisória da pena de 12 anos de prisão na ação penal do tríplex do Guarujá (SP).
Com a decisão, o caso será julgado pelo site do STF e será aberto um prazo para que os ministros entrem no sistema e possam proferir seus votos. Encerrado o prazo, o resultado do julgamento será publicado. Dessa forma, não haverá reunião presencial para julgar o caso. Em geral, o julgamento virtual é usado para decisões que não têm grande repercussão e que possuem jurisprudência pacífica.
Na reclamação, a defesa de Lula sustenta que Moro não poderia ter executado a pena porque não houve esgotamento dos recursos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF), segunda instância da Justiça Federal. Para os advogados, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que autorizou, em 2016, as prisões após segunda instância deve ser aplicada somente após o trânsito em julgado no TRF4.
No dia 5 de abril, ao determinar a prisão, Moro explicou que, embora caiba mais um recurso contra a condenação de Lula, os chamados embargos dos embargos, a medida não poderá rever os 12 anos de pena.
“Não cabem mais recursos com efeitos suspensivos junto ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Não houve divergência a ensejar infringentes. Hipotéticos embargos de declaração de embargos de declaração constituem apenas uma patologia protelatória e que deveria ser eliminada do mundo jurídico. De qualquer modo, embargos de declaração não alteram julgados, com o que as condenações não são passíveis de alteração na segunda instância”, disse.
fonte: folhape.com.br

PARTIDO DA RENOVAÇÃO SOCIAL (PRS), ESPERANÇA DO POVO GUINEENSE!!!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Depois de 26 anos após a sua fundação em Bissau, em Janeiro de 1992, o PRS transformou-se hoje num instrumento político de grande envergadura e, constitui uma formação política devidamente reconhecida e incontornável na cena política guineense.

Entretanto, até atingir este tão alto patamar, o PRS foi confrontado com dificuldades de várias ordens às quais, conseguiu transpor, em virtude da vontade e esforço dos seus militantes, que souberam fazer face aos desafios que se lhes impunham, facto que permitiu ganhar as eleições legislativas e presidenciais de 1999 – 2000, que infelizmente, foi obrigado à interromper o mandato democraticamente conquistado nas urnas na sequência de um golpe de estado.

Hoje, o PRS sabe demonstrar a sua capacidade de implementar os princípios e programas de acção que nortearam a sua criação, afirmando-se no contexto político nacional a sua qualidade de verdadeiro defensor de interesses legítimos do povo guineense, particularmente das camadas mais vulneráveis da nossa sociedade.
O PRS, ganhando as eleições, saberá trabalhar com dedicação, competência e transparência com vista a criação de condições para o exercício de uma cidadania plena de todos os guineenses, restabelecendo a aproximação e a confiança entre os cidadãos e as instituições.

O governo renovador será o garante da estabilidade política e da promoção do crescimento e desenvolvimento económico que passa necessariamente pela valorização dos recursos nacionais.

Fonte: Prs Diáspora, via facebook

ARGENTINA: Cristina Kirchner e filhos são indiciados por lavagem de dinheiro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Cristina Kirchner e os filhos teriam passado as divisas ilícitas provenientes de desvios de verbas destinadas a obras públicas.
Cristina Kirchner
Cristina KirchnerFoto: Presidência da Argentina




A ex-presidente Cristina Kirchner, assim como seus filhos Máximo e Florencia, foram indiciados nesta segunda-feira (14), por lavagem de dinheiro. Esta é o quinto processo judicial pela qual a ex-mandatária vem sendo investigada, e envolve o uso dos hotéis que pertencem à família Kirchner na Patagônia.

Por meio deles, teriam passado as divisas ilícitas provenientes de desvios de verbas destinadas a obras públicas num esquema em que estava envolvido o empresário Lázaro Báez desde a gestão de seu marido e antecessor, Néstor Kirchner (2003-2007). Báez, amigo da família, se encontra preso esperando julgamento.

Justiça também determinou o embargo de 800 milhões de pesos (R$ 116 milhões) de cada um dos envolvidos. Cristina responde ainda a processos por evasão de divisas devido a informação privilegiada, enriquecimento ilícito e desvio de verbas relacionadas a outras obras públicas.
Leia também...
Um juiz argentino disse nesta sexta-feira (2) que a ex-presidente Cristina Kirchner deve ir a julgamento devido à suposta corrupção relacionada à concessão de contratos públicos na Patagônia, seu reduto político.

O juiz federal Julian Ercolini também determinou os julgamentos do ex-ministro de Planejamento Federal, Investimento Público e Serviços Julio de Vido e do magnata Lazaro Baez - figuras próximas a Cristina Kirchner e seu marido, o falecido ex-presidente Nestor Kirchner. Nestor e Cristina Kirchner presidiram a Argentina entre 2003 e 2015. 
Cristina Kirchner, De Vido e Baez são suspeitos de "associação ilícita", "irregularidades na concessão de contratos públicos na província de Santa Cruz" e de terem se beneficiado de contratos outorgados à empresa de construção Austral, de Baez, no valor de US$ 2,4 bilhões, de acordo com o Centro de Informação Judicial (CIJ). 

A data do julgamento de Kirchner ainda não foi definida. De acordo com a lei argentina, Kirchner - hoje senadora - pode ser julgada e condenada, mas a imunidade parlamentar a protege da prisão. Baez e De Vido, entretanto, foram postos em prisão preventiva. 

Alegando inocência, Kirchner expressou há alguns meses seu desejo de comparecer perante um juiz para fornecer "esclarecimentos definitivos e públicos". 

Atual senadora pelo partido Unidade Cidadã (peronista de centro-esquerda), Cristina Kirchner tem outros julgamentos a enfrentar, um deles pelo sistema cambial supostamente irregular do Banco Central durante seu governo e outro por suposto acobertamento a iranianos acusados de autoria do atentado contra o centro judaico-argentino AMIA, em 1994.
fonte: folhape.com.br

RENAMO depois de Dhlakama: Coesão ou cisões?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

RENAMO sem Dhlakama é uma oportunidade para o desenvolvimento da instituição RENAMO, defende analista Calton Cadeado. E para o analista Eduardo Sitói o partido vai sobreviver sem o seu líder, haverá transição pacífica.
fonte: DW África
default

Afonso Dhlakama, ex-líder da RENAMO, maior partido da oposição em Moçambique
Afonso Dhlakama e a RENAMO quase se confundiam. Ele personificava o maior partido da oposição e de certa forma centralizava todas as decisões importantes. Contribuíram para isso, entre outros fatores, a sua enorme popularidade, o seu jeito simples de fazer política e o carisma. Resumindo: era o líder.
Hoje a RENAMO vê-se sem o seu guia e a pergunta que se coloca é: qual é o futuro da RENAMO sem Afonso Dhlakama? Convidamos o analista político do ISRI, Istituto Superior de Relações Internacionais, Calton Cadeado a vaticinar: "Vejo dois cenários, um ótimo e um péssimo, que é o principal. Mas também há um cenário moderado que se pode equacionar. Sinto que a RENAMO sem Afonso Dhlakama é uma oportunidade para o desenvolvimento da instituição RENAMO, mas também pode ser uma ameaça para a sobrevivência da própria RENAMO como instituição."
E o académico argumenta "que enquanto Afonso Dhlakama esteve vivo e liderou o partido o que se constatou é que se investiu mais na pessoa do que necessariamente na instituição RENAMO. Mas esse otimismo pode ser dificultado pelas lutas de poder lá dentro, está claro que a ala militar é que vai determinar o rumo do partido."
Calton Cadeado
Calton Cadeado, cientista político
Primeira prova de fogo concluída
Receava-se uma luta renhida pelo poder no seio da RENAMO logo depois da morte de Dhlakama. E os sinais disso ainda não vieram a público, mesmo que esteja a acontecer. Era a primeira prova de fogo do maior partido da oposição sem o seu líder.
E a forma como os membros geriram a transição até agora é visto como um bom indicador para o especialista em ciências políticas Eduardo Sitói. Ele acredita na manutenção da coesão: "Sim, se tomarmos em conta as primeiras indicações sobre o que sucede depois [da morte] do líder trata-se de uma transição pacífica. Creio que as primeiras indicações são de que a RENAMO vai conseguir sobreviver à morte do seu líder."
Mas Sitói reconhece que "não vai ser fácil, mas vão conseguir. Não vai ser fácil porque o seu líder é essencialmente político e militar e portanto, o próximo que vier tem de ter a capacidade de liderar a parte militar e também a parte civil."
Risco de cisões entre as alas política e militar?
O maior trunfo da RENAMO é a força das armas e o seu quadro militar muito experiente. E esse é o seu maior diferencial se comparado com o resto da oposição. Portanto, a sua sobrevivência ainda depende da manutenção da ala militar, pelo menos enquanto não alcançar os consensos que deseja junto do Governo da FRELIMO. Mas há também uma RENAMO mais intelectual e urbana que terá as suas ambições.
Será que ela está fadada a eterna submissão a ala militar ou haverá risco de cisões a médio prazo?
"Dentro do cenário péssimo há essa possibilidade de algumas pessoas saírem da RENAMO. Já tivemos essa situação antes, como o Manuel de Araújo e Davis Simango que foi criar o Movimento Democrático de Moçambique (MDM). A RENAMO tem de ser forte para que essas pessoas permaneçam no poder dentro da RENAMO e não haja essa cisão, se isso acontecesse agora seria mau, porque é um momento de fragilização da RENAMO e que faz parte dos aspetos que estou a colocar como ameaça a sobrevivência do partido", responde Calton Cadeado.
Posição diferente tem Eduardo Sitói. Para o cientista político, o atual presidente interino do maior partido da oposição, Ossufo Momade, que agrega os valores das duas alas, é o factor que pode garantir a coesão.
"Neste momento a indicação é que esta é a figura que tem a maior probablidade de juntar as duas alas", acredita Sitói.

'Não sei onde Portugal vai colocar tanto brasileiro', diz conselheiro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Ângelo Horto traçou um cenário de crise à recepção dos brasileiros no país.

'Não sei onde Portugal vai colocar tanto brasileiro', diz conselheiro

conselheiro das comunidades portuguesas eleito pelo Brasil, Ângelo Horto, afirmou nesta segunda-feira (14) que "uma quantidade enorme" de brasileiros, assim como portugueses que moram no Brasil, estão decidindo se mudar para o país europeu.
"É uma quantidade enorme. Eu não sei onde Portugal vai colocar tanto brasileiro, é impressionante. Todos querem vir para cá", disse Horto, membro do Conselho Permanente do Conselho das Comunidades Portuguesas (CC-CCP), que iniciou hoje uma reunião de três dias, na Assembleia da República, em Lisboa.
Horto, nascido no Norte de Portugal e imigrante no Rio de Janeiro há 55 anos, afirma que os portugueses "que podem estão voltando para Portugal".
Já entre a população brasileira, se mudam aqueles que têm uma aposentadoria com a qual consigam viver em Portugal ou que têm condições para obter o chamado 'visto gold' - modalidade que exige compra de imóvel no valor mínimo de 500 mil euros.
No Brasil "não há futuro", afirma o conselheiro. "Todos aqueles que se imaginava que eram presidenciáveis, estão presos. É uma coisa muito triste. Hoje, para ser candidato tem de ser 'ficha limpa' e eu não consigo ver ninguém. Vamos ter eleições para Presidente da República, senador, governador, prefeito. Em quem votar", pergunta.
Horto também comentou sobre as condições de serviço nos consulados portugueses no Brasil. No Rio de Janeiro, por exemplo, "o serviço consular está muito mau, não se consegue agendar, não se consegue fazer a nacionalidade portuguesa, o próprio 'site' do consulado recomenda que as pessoas façam [os documentos] em qualquer conservatória" de Portugal, contou.
No entanto, alertou, em Portugal as conservatórias "não dão andamento aos processos que vêm de lá". A mesma situação ocorre em consulados portugueses de todo o Brasil e de países da América Latina como Argentina e Venezuela. "A rede consular, a meu ver, teria de ser redimensionada", avaliou.
O Conselho Permanente das Comunidades Portuguesas realiza a sua reunião anual até quarta-feira (16( no parlamento português, tendo encontros marcados com o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, e com os deputados da comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.
Com informações da Lusa.

ANGOLA: MIMINHO DE JOÃO LOURENÇO.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Azeredo Lopes, ministro da Defesa português e velho amigo do MPLA, foi esta segunda-feira recebido de surpresa pelo Presidente de Angola, João Lourenço, em Luanda, e à saída da audiência disse que os dois países partilham uma amizade e cooperação, que não é perturbada por “incidentes”. Como é óbvio. E quando há ”incidentes” lá estão os políticos para pôr na ordem o poder judicial.

Da agenda oficial divulgada pelo Ministério da Defesa português constava apenas que o ministro José Azeredo Lopes iria ter um encontro privado com o seu homólogo, general Salviano de Jesus Sequeira, seguido da 17ª reunião bilateral luso-angolana no domínio da Defesa, ambos em Luanda.
O convite para a audiência com João Lourenço não constava assim do programa e, após a abertura da reunião bilateral, Azeredo Lopes reuniu-se com João Lourenço num breve encontro. Os amigos são, como muito bem sabem os portugueses, para as ocasiões.
À saída, em declarações aos jornalistas, o ministro da Defesa português declarou que Angola e Portugal partilham uma relação de “história comum, de amizade e de cooperação, que evidentemente não é perturbada por pequenos incidentes”. Evidentemente.
O governante português considerou excelentes as relações entre os dois países no domínio da defesa, área em que “sempre trabalharam muito bem”. E, convenhamos, quem diz na defesa diz em tudo o resto, desde que Portugal aceite e cumpra as ordens superiores que o MPLA/Estado dá. Simples.
Segundo Azeredo Lopes, do chefe de Estado angolano leva para o Governo de Portugal “uma mensagem de amizade e de normalidade”.
“As relações entre os dois países são tão históricas, tão antigas, que evidentemente a minha presença é um convite que me foi endereçado pelo ministro da Defesa de Angola, há bem mais tempo do que os factos recentes que têm sido notícia, isso significa normalidade, o reiterar de uma relação de amizade, que traduz na circunstância de eu ter convidado o ministro da Defesa de Angola em retribuição a esta visita”, referiu o ministro.
Sobre a vinda do primeiro-ministro de Portugal a Angola, António Costa, o ministro da Defesa português, que é o primeiro governante português a visitar Luanda depois de na quinta-feira o Tribunal da Relação de Lisboa ter aceite – conforme pretendia o Governo angolano, o Governo português e o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa – remeter para o arquivo morto do poder judicial do MPLA o processo que envolvia o ex-vice-Presidente da República de Angola, Manuel Vicente, disse ter a certeza que virá cá.
Para Azeredo Lopes, as relações entre os dois países “nunca foram interrompidas”, porque isso não existe “entre amigos e povos que se amam e se respeitam”. Embora o amor não seja recíproco, é bem certo que os políticos portugueses amam de forma “sui generis” o partido que governa Angola desde 1975. Aliás, é um amor à moda antiga blindado a todas as modernices. Ou seja, segue à risca o adágio: “Quanto mais me bates mais eu gosto de ti”
Pode sempre “haver aqui e ali um ou outro percalço, uma ou outra divergência (…), mas prevalece sempre aquilo que são os laços históricos e a grande amizade e a grande relação que existem entre os nossos dois países”, sublinhou Azeredo Lopes.
Durante a sua estada em Angola, o governante português cumpre uma agenda de trabalho iniciada hoje com a abertura das conversações da 17ª reunião bilateral luso-angolana no domínio da Defesa, tendo como ponto mais alto a assinatura, na quinta-feira, do novo Programa-Quadro para 2018-2021.
Azeredo Lopes vai igualmente realizar visitas à Escola Superior de Guerra, Academia Naval, três projectos de cooperação técnico militar no Lobito, província de Benguela, à Brigada de Forças Especiais e à Escola de Fuzileiros Navais.
Foto: Pedro Parente/Angop
Folha 8 com Lusa

ANGOLA: MAIS 110 MILHÕES PARA PROJECTOS DESTINADOS, TALVEZ, A MELHORAR A SAÚDE,

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

ANGOLA. O Banco Mundial vai financiar com 110 milhões de dólares (92 milhões de euros) um projecto para melhorar o desempenho de 300 estabelecimentos de cuidados primários de saúde em Angola, foi hoje anunciado em Luanda.
Segundo uma nota da Casa Civil do Presidente da República, o chefe de Estado angolano, João Lourenço, exarou hoje um despacho a aprovar o Acordo de Financiamento “a celebrar em breve” pelo Ministério das Finanças e o Banco Mundial, “para a cobertura do Projecto de Fortalecimento do Sistema Nacional de Saúde”.
Este projecto, acrescenta a nota, “beneficiará mulheres em idade reprodutiva e crianças menores de cinco anos”, em 21 municípios de um conjunto de sete províncias angolanas, casos de Luanda, Bengo, Lunda-Norte, Moxico, Malanje, Uíge e Cuando Cubango.
O acordo de financiamento “vai permitir melhorar o desempenho” de aproximadamente 300 estabelecimentos de cuidados primários de saúde, repartidos por postos de saúde, centros de saúde e hospitais municipais, localizados nos 21 municípios.
Já em Janeiro deste ano o Banco Mundial acertou um financiamento de 70 milhões de dólares (58,6 milhões de euros) projectos de desenvolvimento local em Angola, segundo um acordo aprovado pelo chefe de Estado angolano, o primeiro desde a eleição de João Lourenço.
A informação consta do primeiro despacho presidencial de 2018, com data de 4 de Janeiro, no qual João Lourenço aprovava o acordo de financiamento com o grupo Banco Mundial, a concretizar através do International Bank for Reconstruction and Development (IBRD).
O documento justifica este financiamento com a necessidade de “concretizar o programa do executivo, no que tange à diversificação das fontes de financiamento para execução dos Programas de Investimentos Públicos”, neste caso para cobertura do Projecto de Desenvolvimento Local, não especificado.
Neste momento, o Banco Mundial financia sete projectos no país, um investimento de 806 milhões de dólares (cerca de 675 milhões de euros), nos sectores das águas, agricultura, saúde, desenvolvimento estatístico, educação, e protecção social.
Em Dezembro, a organização manifestou-se disponível para aumentar o seu apoio financeiro. Actualmente, a cooperação entre aquela instituição financeira mundial e Angola está focada em três eixos – assistência técnica, estudos e financiamentos de projectos.
Lusa

Total de visualizações de página