Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Burkina Faso: A Lei Eleitoral em debate na União Africana. - UA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O grupo de contacto internacional sobre o controlo da transição no Burkina se reuniu nesta sexta-feira, em Joanesburgo, à margem da cimeira da UA. Uma reunião durante a qual o grupo discutiu longamente a nova lei eleitoral.
Faz sentido ou não excluir os apoiantes do Presidente Blaise Compaoré nas próximas eleições presidenciais e legislativas no Burkina Faso? Mais de dois meses após a adopção da nova lei eleitoral pelas autoridades de transição, que torna inelegíveis as pessoas que apoiaram a proposta de emenda constitucional de "Blaise", esta questão espinhosa suscita sempre as interrogações de parceiros regionais e internacionais de Burkina.

Sexta-feira, 12 de junho, o grupo de contacto internacional sobre o controlo da transição para Burkina Faso, reuniu-se à margem da 25ª cimeira da União Africana (UA) em Joanesburgo. O objetivo desta reunião foi para fazer um balanço da evolução do processo de transição e o processo eleitoral. Os membros do Grupo de Contacto acolheram por unanimidade o êxito da transição e têm mostrado confiante sobre a realização do primeiro turno das eleições presidenciais e legislativas em 11 de Outubro.

A vizinha Burkina dividida sobre lei eleitoral

Mas eles tiveram também um longo debate sobre a nova lei eleitoral. "O governo Burkinabé (representado por Nebie Moussa, Ministro da Cooperação Regional, etc) explicou isso. Ele não exclui ninguém e todos os candidatos serão submetidos ao Tribunal Constitucional, que decidirá sobre a sua validade ", declarou Smail Chergui, Comissário para a Paz e Segurança da União Africana (UA). De acordo com uma fonte diplomática que participou das discussões, os representantes da Comissão Económica dos Estados Oeste Africano (CEDEAO), mais uma vez expressa a favor das eleições "inclusivas". Os franceses terão eles também reclamado de que  "as eleições abertas também são possíveis." A nível regional, a opinião está mais que dividida. A Costa do Marfim e Senegal se opõe a qualquer exclusão, enquanto Mali e Níger são bastante autoridades favoráveis as autoridades de transição Burkinabés.

"Este debate realmente não tem lugar para acontecer, deu com a língua um diplomata fora da reunião. Todo mundo joga com palavras, mas na realidade, esta medida diz respeito a apenas duas ou três pessoas, cujos nomes não foram mencionados ". Nenhuma personalidade foi mencionada, mas, sem dúvida, o caso de Djibril Bassolé, o ex-ministro das Relações Exteriores de Compaore agora está disputando a presidência, estaria na cabeça de todos.

Além da lei eleitoral, também foi discutida a questão do financiamento eleitoral. Segundo Smail Chergui, ele ainda carece de cerca de vinte milhões de dólares para a organização de eleições, mas a UA, a CEDEAO e a União Económica e Monetária do Oeste Africano (UEMOA) anunciou as suas contribuições para preencher esse vazio.

#jeuneafrique.com

Total de visualizações de página