Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 22 de março de 2014

Guiné-Bissau: Começa a campanha para as eleições previstas para restaurar a estabilidade - eleições presidenciais da Guiné-Bissau (1) - Eleições legislativas da Guiné-Bissau (2)

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Des soldats patrouillent dans une rue de Bissau, en Guinée-Bissau le 21 octobre 2012.
Os soldados patrulhando umas das ruas de Bissau

A campanha para as eleições presidenciais e legislativas de 13 de Abril, começou neste sábado, na Guiné-Bissau, para as eleições que supostamente são para trazer a estabilidade após dois anos do golpe que havia atingido novamente este país, acostumado à violência política e militar.

A instabilidade crônica e a extrema pobreza na Guiné-Bissau, ex- colônia de Portugal, de 1,6 milhões de habitantes, registrou inúmeros golpes desde a independência  em 1974, facilitou a instalação de traficantes de droga com a suposta cumplicidade de altos oficiais militares, incluindo o seu chefe, o General Antonio Indjai.

Este pequeno país na África Ocidental, encravado entre o Senegal e a Guiné-Conacri, é citado por organizações internacionais de combate ao tráfico de drogas como um dos principais centros de tráfico de drogas entre a América do Sul e Europa.

Treze candidatos estão concorrendo à presidência e os quinze partidos às eleições parlamentares, que deveriam ter sido realizadas um ano após o último golpe militar de 12 de abril de 2012, mas foram adiadas em diversas ocasiões.

O golpe, liderado pelo general Indjai, derrubou o regime do primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior que ficou entre os dois turnos das presidenciais que de facto foi interrompido.

Entre os candidatos figuram: José Mario Vaz e Abel Incada, representando as duas principais formações  políticas do país, o Partido Africano para a Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde ( PAIGC ) e o Partido da Renovação Social (PRS ) do ex-presidente Kumba Yala, que abandonou a política.

O ex- primeiro-ministro Carlos Gomes Junior, do PAIGC venceu o primeiro turno das eleições presidenciais interrompidas em Abril de 2012, vive no exílio desde que seu regime foi derrubado.

Um outro candidato é Paulo Gomes, independente e único no panorama político da Guiné-Bissau, até então amplamente dominado por caciques da guerra de independência contra Portugal.

Paulo Gomes é um brilhante economista de 50 anos, que passou a maior parte de sua vida no exterior, incluindo o Banco Mundial, em que ele liderou a seção SSA.
Ele acredita que sua experiência econômica pode ajudar a endireitar o seu país que está entre os mais pobres do mundo, ocupando em 2012 o 177º lugar dos 187 em desenvolvimento humano estabelecido pela ONU.

Um país devastado
A economia é baseada na agricultura e nas pescas, que representam cerca de 63 % do PIB. A agricultura é responsável por 80% dos meios de vida e 90% das exportações, principalmente castanha de caju. As infra-estrutura são caóticas e 2/3 de sua população vive no limiar da pobreza.

Uma situação agravada pela suspensão da ajuda de seus parceiros internacionais - incluindo a maior, a União Europeia (UE) - após o golpe de 2012. Eles não reconheceram as autoridades de transição, que em seguida foi estabelecida com a aprovação dos golpistas militares.

O líder dos golpistas, o general Indjai, foi indiciado em abril de 2013 pelos Estados Unidos de complô ao narco- terrorismo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), do qual ele se defende.

Sua acusação ocorreu poucos dias após a prisão por agentes antidrogas dos EUA do ex-chefe da Marinha da Guiné-Bissau, José Américo Bubo Na Tchuto, e de mais supostos cúmplices nas águas internacionais da África Ocidental. Dois colombianos suspeitos de terem ligação com eles também haviam sido presos em seu país.

Seja qual for o vencedor da eleição presidencial, ele terá que lidar com um exército todo-poderoso e inchado, herança da guerra de libertação contra o Colonialismo Português.

Como notou Gilles Yabi, o analista político da África Ocidental, " o mais difícil na Guiné-Bissau, nem sempre é dotar o país de um presidente democraticamente eleito é o de assegurar-lhe uma boa chance de sobrevivência política e física até o final de seu mandato, principalmente se lhe vem na mente o interesse de tocar os interesses dos líderes militares e / ou os aliados locais das redes de tráfico internacional de drogas ativos neste país e em toda a África Ocidental ".

A Comunidade Económica dos Estados da África (CEDEAO), parceiro da Guiné-Bissau que tem mantido o seu apoio, será o responsável em grande parte para garantir a segurança das eleições.

Ela já enviou 750 homens ao país após o golpe de 2012, mas este número deve aumentar com a aproximação das eleições.

# jeuneafrique

África Ocidental e África Central: O Porto de Abidjan o 1º com um tráfego de 21,5 milhões de toneladas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Mission

© Abidjan.net por Dia 
Missão Comercial do Porto Autónomo de Abidjan no Mali 
Bamako, 24 de setembro de 2013, no hotel Radisson Blu. O PDG do Porto Autónomo de Abidjan, Sr. Lamine Tounkara teve um grande diálogo com parceiros e clientes do Mali. Este encontro no Mali foi presidido pelo Sr. Samuel Ouattara, Embaixador  da Costa do Marfim no Mali. Foto: Hien Sié, DG do Porto Autónomo de Abidjan.


Resultados muito animadores após a crise de 2011. Na verdade, o porto de Abidjan, para o ano de 2013, registrou um tráfego global de 21,5 milhões de toneladas do tráfego total. O que torna esse porto, o primeiro da África Ocidental e da África Central. A informação foi dada ontem, na sede do Porto Autónomo de Abidjan, na ocasião da jornada comercial dessa estrutura, que celebra, na mesma ocasião, o dia do portuário.

Drepoba Leander Sery, diretor de vendas e marketing, explicou que o porto de Abidjan está indo bem, após dificuldades encontradas desde abril de 2011, observou que o tráfego foi de 21.476.565 toneladas, em 2013, embora para baixo em comparação com 2012, ou seja -1,1%, o que é consecutivo ao tráfego com base nos produtos petrolíferos. 

De fato, sem derivados de petróleo, o tráfego está na casa de 7%. Para o Diretor Comercial e de Marketing, é a imagem do porto que inquieta e desarmoniza por agora. " Viajamos ao Mali, Níger, Burkina Faso para trazermos ao porto de Abidjan, e aos países do "hinterland". Realizamos uma ação urgente, e as atividades de hoje foram retomadas. E as perspectivas são boas ", disse Drepoba Léandre Sery. 

Por sua parte, Hien Sie, DG do Porto Autónomo de Abidjan (PAA ), revelou que essa estrutura, o primeiro porto de contentores dessas duas sub-regiões e pulmão da economia nacional, quer navegar, surgir e tornar-se o terceiro porto hub em África depois Tânger (Marrocos) e Durban. 

Daí as estratégias implementadas para aumentar a competitividade do porto de Abidjan. Isso envolve a expansão do canal Vridi que irá melhorar a navegação e entrada de navios de 16 metros, no porto, a construção do segundo terminal de contêineres, a modernização do porto de pesca, cujo trabalho começou em abril, a construção de terminal de grãos e de minérios, o descongestionamento da área do porto, a construção da ponte Vridi - Biétry, reduzir o custo de passagem portuária, a construção da estação de tratamento e de gestão de resíduos líquidos, no estacionamento PK 24 para estacionamento de veículos dos países do Hinterland, etc. 

Em todo o caso, e de acordo com Sie Hien, o PAA é em 2018, terá um tráfego total de 27 milhões de toneladas para uma receita de 102 bilhões  FCFA, o que é o dobro de 2010. " A Costa do Marfim tem necessidades emergentes para um porto emergente ", afirmou Hien Sie. Operadores do Mali, Burkina Faso e Níger, aproveitaram esta oportunidade para fazer reclamações. 

Relacionadas com a construção de um parque de estacionamento,a visita de uma delegação portuária ao Níger, a fluidez das mercadorias ( bolas de algodão ) a partir de Ouangolo, reunindo forças de diferentes países para a construção de infra-estrutura que poderia beneficiar todos os operadores, etc . Além disso, Hien Sie que tranquilizou os países do hinterland sobre queixas de insatisfação, que na medida do possível, Gaoussou Touré, o ministro dos Transportes, que também opinou sobre o mesmo asunto. "Tomamos nota das suas preocupações e temos a intenção de pôr em prática a infra-estrutura de que precisamos" . 

O Governo está a trabalhar arduamente para resolver o problema de estacionamento de caminhões no interior. Sejam tolerantes e pacientes ", disse Gaoussou Toure. Que não deixou de salientar que o Governo pretende apoiar ações empreendidas pela Direcção-Geral.

Por: Jean Eric ADINGRA

# abidjan.net


Quem não deseja a estabilidade na Guiné-Bissau?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


 

Estava programada uma conferência em Bissau levada a efeito por uma missão internacional que agruparia várias organizações internacionais para analisar e debater a situação constitucional da Guiné-Bissau.
Estaria, se não fosse a CEDEAO ter pautado pela sua ausência, no primeiro dia agendado, da referida reunião.
Daí que a reunião tenha sido adiada para hoje, 22/03/2014, o que aconteceu conforme despacho do MNE do Governo de Transição (que legitimidade?)
Note-se que, de acordo com o ministro da presidência e porta-voz do governo de transição, Fernando Vaz, em declarações recentemente proferidas, "os países que recusam vistos à Guiné-Bissau também não terão visto para entrar no país", ora, Portugal é um destes casos, pelo que não se sabe se está, ou esteve, presente.
Ainda assim, a CPLP, enquanto organização a que a Guiné-Bissau ainda pertence, está presente através do novo secretário executivo da comunidade lusófona, o moçambicano Murade Murargy que afirmou que "O que a CPLP quer é defender os interesses dos guineenses. Não queremos interferir no processo, queremos é que eles se entendam".
Pois esse parece ser a vontade contrária da CEDEAO.
Enquanto os Bissau-guineenses estiverem desavindos não haverá unidade nacional, estabilidade política e social e paz militar!
Na realidade a CEDEAO não deseja a unidade Bissau-guineense. Pelo contrário.
O que a CEDEAO deseja, ou melhor dizendo, o que dois dos países que integram a CEDEAO desejam - e são dois dos principais, sendo, um deles, potencial player regional - é a "shatterização" do país para dele obter mais-valias como o petróleo, o bauxite e, principalmente, as férteis planícies e bacias hídricas Bissau-guineenses.
É altura dos Bissau-guineenses perceberem, de vez, que não podem desprezar o apoio dos vizinhos e dos verdadeiros amigos - nas relações internacionais estes são difíceis de serem descortinados porque os interesses privados são mais importantes que os interesses públicos - também não devem deixar perder o seu maior valor público: a defesa da sua unidade nacional.
Daí que, como afirmou Murargy, o que se torna necessário é que os Bissau-guineenses se entendam! E, se puderem, sem a presença de terceiros cuja a principal - única -- conveniência é a defesa dos seus interesses.
Eugénio Costa Almeida, Ph.D
Investigador/Researcher do CEA (ISCTE-IUL)
# pravda.ru

Guiné-Bissau: Gambia Bird vai ligar Bissau a três capitais africanas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Vista da cidade de Bissau (foto AP)


A partir de 1 de abril, a companhia aérea Gambia Bird passará a efetuar ligações aéreas entre Bissau, capital da Guiné-Bissau, e Banjul, capital da Gâmbia, Conacri, capital da Guiné-Conacri, e Dakar, capital do Senegal.

Os voos serão realizados às terças e quintas-feiras, com preços que deverão rondas os 137 euros para Dakar, 149 euros para Banjul e 173 euros para Conacri.

A Gambia Bird foi fundada em 2009 e entrou em atividade em 2012. Sedeada na Gâmbia, a companhia aérea é financiada pelo grupo alemão Germania.

A companhia junta-se assim à Royal Air Marrocos, Asky e à Senegal Airlines, que também realizam voos de e para Bissau.

Recorde-se que as ligações mantidas pela TAP foram suspensas em dezembro passado, depois de as autoridades de transição guineenses terem obrigado ao embarque de 74 passageiros ilegais de Bissau para Lisboa.

# abola.pt

Total de visualizações de página