Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Ilha de Bijagós, a tranquila Ilha numa Terra atribulada.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


lha de Bijagós na Guiné-Bissau

Alguns destinos tropicais foram descobertos há muito tempo e tornaram-se familiares, outros podem ainda ser descobertos, poucos de alguma maneira, mas é improvável que isso aconteça muito em breve. Muito nos separam deles, na cultura, espaço e no tempo.

O Arquipélago dos Bijagós é um lugar, um salpico de 88 ilhas-de-palmeiras no Oceano Atlântico, apenas 23 delas habitadas, ao largo da costa de um dos Estados mais disfuncionais, mas ainda sedutora da África Ocidental, Guiné-Bissau.

Para apenas dizer que esses pontinhos tropicais verdejantes possuem quilômetros de desertos, praias espetaculares, feitos peculiares na natureza como um rebanho rara de hipopótamos de água salgada, e costumes incomuns como um dos poucos matriarchies em funcionamento no mundo - as mulheres tradicionalmente escolhem os seus companheiros, com pouco direito de recusa, na ilha de Orango - é fazer-lhes uma injustiça. Porque para chegar na Ilha dos Bijagós, após a viagem de duas horas em uma pequena lancha do decrépito ainda insinuante de capital do país, Bissau, é entrar em um outro mundo e um outro século, apesar de que seria difícil apontar exatamente quais.

Em uma aldeia na ilha de Soga, as crianças pequenas beliscam minha pele branca para ver se é real, uma vez que surgem a partir de paredes de barro, cabanas com telhados de colmo, na ilha principal de Bubaque, na minha tarde elas correm após pegarem palmas  e as mangueiras, a longa pista de pouso usada por corredores-de-drogas da América Latina, as crianças chamm baixinho: "Branco, Branco!" - "homem branco, homem branco" em Português - não por hostilidade, mas porque elas tinha curiosidade.

Na pequena ilha desabitada de Anguruma, pegadas de caranguejos espalhados na areia como eu desembarquei em um mundo de puro branco, azul e verde. E de volta a Bubaque, no prédio Português arcadas de velho e graciosa administração, parte do telhado foi embora, mas os funcionários de Bissau tinham simplesmente uma tenda na varanda do segundo andar para compensar e seguir em frente. Bisbilhotando suas estruturas em volta das irmãs - uma escola, prédios de escritórios de estuque em ruínas - um funcionário saiu para nos receber e nos questionar sobre a América. Ele ofereceu, de forma amigável, para nos mostrar ao redor.

Eu tinha ido para a Guiné-Bissau para cobrir as eleições presidenciais de lá em junho passado - um evento normalmente não considerado interessante em um lugar deste pequeno país (com uma população de apenas 1,5 milhões), a antiga colônia Portuguesa Guiné atingiu um nível incomum de desintegração política. Ministros, um presidente e o chefe do Exército tinham sido todos assassinados recentemente, embora pouco dessa turbulência era aparentemente  indiferente em Bissau.

Com as eleições a mais e com vôos para fora do país esparsos, eu tinha vários dias para matar curiosidade, do que todos na capital falavam dos Bijagós como um lugar mágico, selvagem que deve ser visitado. O Português não conseguiu "vencê-los", os nativos até 1936, e até hoje, há ilhas no arquipélago os quais eles nunca conseguiram chegar.

As Ilhas de Bijagós, com sua flora e fauna rica, abundante e imperturbável, são classificadas Pelas Nações Unidas como Património Mundial da Reserva da Biosfera: além dos hipopótamos notáveis, há 155 espécies de peixes, tornando as ilhas mais que um destino raramente frequentado por pescadores esportivos e aventureiros , e há golfinhos, peixes-boi, crocodilos, macacos e antílopes listrados. Dos oito do mundo, espécies de tartaruga, o Heritage Center do mundo diz, cinco são encontradas lá.

As ilhas são um dos mais importantes locais notificados para as aves migratórias no continente, com cerca de 96 espécies. Os perigos de navegar pelos canais estreitos entre as ilhas, que são carregados com bancos de areia, têm protegido a ilha de Bijagós dos barcos de pesca gigante que dobram a costa Africana.

Este não é um lugar para umas férias de praia convencional. Estar lá, finalmente, chegar a Ilha de Bijagós, depois de superar os obstáculos, se traduz em um sentimento de remoção, você não pode ficar por jorrando até o Caribe.

Por todo o prazer de sentar sobre a areia branca e não ver em tão pouco tempo os minutos e horas passarem, um prazer ainda maior está em estar em um lugar onde você é tão estranho para os habitantes como eles são para você. A relação habitual de turistas para com os nativos - que de mistura de cautela, culpa e hostilidade - não existe.

ADAM NOSSITER is the West Africa bureau chief for The New York Times.

fonte: nytimes.com


Angola: HRW apela ao encerramento dos processos contra o jornalista Rafael Marques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A mais recente cobertura noticiosa sobre corrupção, abusos de direitos humanos, violações da liberdade de imprensa e exclusão sócio-económica em Angola:

Luanda - A Procuradoria-Geral de Angola deverá retirar todas as acusações de difamação contra o jornalista de investigação Rafael Marques de Morais, uma vez que põem em causa o direito à liberdade de expressão, disse a Human Rights Watch (HRW) esta segunda-feira, 12 de Agosto.
De acordo com a organização internacional, o Governo angolano deverá revogar as leis de difamação do país, que são o fundamento da acusação. Os 11 processos-crime instaurados contra Rafael Marques de Morais, jornalista de investigação, defensor dos direitos humanos e activista angolano, são tentativas oficiais para silenciar os seus relatos, disse a HRW.

A organização não-governamental explica que Rafael Marques de Morais denunciou uma série de casos de alto nível de corrupção e violação de direitos humanos no seu blogue, realizando investigações a actos desta natureza na região diamantífera de Angola.

«Angola tem as suas leis de difamação muito úteis para reprimir relatos sobre corrupção e violações de direitos humanos», disse Leslie Lefkow, diretora-adjunta para África da HRW, acrescentando que o país «deveria estar a investigar estes relatos de graves violações de direitos humanos, em vez de tentar silenciar os portadores de más
Notícias».

Segundo a recomendação da instituição, a Procuradoria-Geral angolana deverá encerrar estes casos imediatamente e o Governo deve adoptar medidas para revogar as leis que permitem acusações «desproporcionadas».

A 31 de Julho o jornalista angolano foi ouvido pelo Departamento Nacional de Investigação e Ação Penal em Luanda, capital angolana, a propósito de dez novos processos-crime e um processo pré-existente de difamação, instaurados contra si. Segundo a HRW, o acusado e o seu advogado não foram autorizados a rever a documentação ou as provas relacionadas com cada um dos processos.

A Human Rights Watch aponta que os autores das queixas são vários Generais angolanos, incluindo três ex-Chefes do Estado-maior das Forças Armadas e o General Manuel Hélder Vieira Dias, «Kopelipa», Chefe da Casa Militar do Presidente e ministro de Estado, bem como parceiros de negócios civis e três empresas privadas.

Os processos terão sido levantados pelo livro de Rafael Marques de Morais, intitulado «Diamantes de Sangue: Corrupção e Tortura em Angola», publicado em Portugal em 2011. O livro baseia-se em investigações realizadas entre 2009 e 2011 e descreve mais de 100 casos de abusos graves de direitos humanos cometidos por militares e agentes privados de segurança, na região de Lunda Norte.

Em 2012 nove generais angolanos processaram o jornalista e o seu editor em Portugal, por difamação a propósito das alegações presentes no livro. O Ministério Público português rejeitou o processo legal em Fevereiro, tendo declarado que a publicação estava protegida pelo direito à liberdade de expressão de interesse público.

Posteriormente as mesmos figuras moveram um processo civil contra o autor e a sua editora em Portugal, «Tinta da China», acusando-os de «difamação».

Segundo a HRW, nos últimos anos vários jornalistas foram alvo de processos deste tipo instaurados por altos oficiais do Governo. A organização internacional defende que as leis de difamação devem ser revogadas.

Rafael Marques de Morais já tinha sido processado em Angola. Em 2005, a Comissão dos Direitos do Homem das Nações Unidas, organismo especializado que monitoriza a conformidade com o Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos, ordenou que Angola indemnizasse o jornalista pela condenação injusta por difamação do Presidente José Eduardo dos Santos, em 2002.

O autor foi submetido a julgamento e condenado a seis meses de prisão, bem como ao pagamento de uma indemnização. O Governo angolano ainda não adoptou as diligências necessárias para pôr em prática a decisão da Comissão dos Direitos do Homem, defende a HRW.

A 2 de Agosto, 17 organizações angolanas e internacionais de direitos humanos e liberdade dos meios de comunicação social apelaram a especialistas em direitos humanos das Nações Unidas e da União Africana para que instassem o Governo de Angola a retirar os processos contra Rafael Marques.

Em 2011, o seu blogue sofreu vários ataques, aparentemente por parte de piratas informáticos, que bloquearam o serviço. Quando viajou de Luanda para Lisboa, em Março de 2011, 70 documentos em papel que continham testemunhos de vítimas foram roubados da bagagem registada. No início de 2013 o seu computador pessoal foi alvo de vários ataques com software maligno personalizado, comprometendo a comunicação com advogados, organizações internacionais e outros, sobre a sua defesa nos processos.

A HRW denuncia agora que as autoridades angolanas não realizaram ainda uma investigação credível sobre as alegações dos casos na Lunda Norte, expostos no livro de 2011.

Em novembro de 2011, o autor apresentou uma queixa-crime na Procuradoria-Geral de Angola contra os mesmos queixosos que agora o acusam de difamação. Em Junho de 2012, a Procuradoria-Geral arquivou a queixa como «infundada», após uma instrução marcada pela aparente relutância do Governo em levar a cabo uma investigação.

Durante a instrução, o Procurador-geral ouviu quatro das dez testemunhas apresentadas pelo jornalista, alegadamente por falta de confirmação independente das suas declarações, tendo referido que estavam apenas a repetir o que já tinham dito a Marques.

Em janeiro de 2013, uma delegação de autoridades tradicionais de Lunda Norte solicitou formalmente a reabertura da instrução, munida de uma petição assinada por mais de 100 autoridades tradicionais. No entanto, não obteve resposta da Procuradoria-Geral.

«Os processos-crime instaurados contra Marques demonstram precisamente por que razão a leis da difamação são um problema: podem ser facilmente abusadas e usadas para fins políticos», disse Lefkow, acrescentando que «o Governo de Angola parece não ter aprendido muito com os anteriores esforços insensatos para silenciar Marques».

(c) PNN Portuguese News Network

Mali: Ouattara promete a "IBK" o apoio da África Ocidental.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O dirigente marfinense Alassane Ouattara, presidente da organização regional da África Ocidental, felicitou o novo presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, e prometeu o apoio da região depois de sua eleição "brilhante", relatou quarta-feira a presidência da Costa do Marfim.

Sr. Ouattara, que atualmente preside a Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental (CEDEAO) enviou ao "IBK" suas "vivas e calorosas felicitações por sua brilhante eleição", no segundo turno, no domingo, para a presidência maliana de acordo com um comunicado da Presidência da Costa do Marfim enviado à AFP.

Em entrevista por telefone, o chefe de Estado da Costa do Marfim também expressou seu "compromisso e disponibilidade para acompanhar com a CEDEAO" no exercício de sua missão, referiu Ouattara.

Sr. Ouattara disse que estava "confiante sobre a capacidade de Mali para enfrentar os desafios que enfrenta, a saber: a reconciliação nacional e o desenvolvimento para o benefício de todos os malianos".

O novo presidente do Mali terá que enfrentar, atender e conciliar o Mali, ferido e dividido por 18 meses de crise política e militar.

O ex-ministro das Finanças do Mali, Soumaila Cisse, seu adversário, reconheceu a vitória do Sr. Keita, de 68 anos, antes mesmo de os resultados esperados na sexta-feira.

fonte: Slate Afrique

Exército massacra 238 partidários de Morsi e decreta emergência no Egito.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Ministro do Interior diz que 43 policiais também morreram nos confrontos; vice-presidente renuncia.


Mulher se coloca entre escavadeira e jovem ferido. Foto: AFP/ Mohammed Abdel Moneim
(Atualizada às 23h45) CAIRO - O Exército egípcio decretou nesta quarta-feira, 14, estado de emergência por um mês e toque de recolher em parte do país, depois de usar tanques, helicópteros e atiradores de elite contra milhares de acampados que exigiam a volta do presidente deposto Mohamed Morsi. Ao menos 238 civis e 43 policiais morreram – cerca de 2 mil ficaram feridos, segundo o governo.
O massacre detonou uma onda de violência que se espalhou pelo Egito. O governo interino decretou estado de emergência em 11 das 27 províncias. "Quem violar essas ordens será preso", disse um porta-voz do governo em comunicado lido na TV estatal. Ao menos oito líderes da Irmandade Muçulmana foram detidos e bancos foram fechados.
O vice-presidente Mohamed ElBaradei renunciou ao cargo em protesto contra o derramamento de sangue. Em meio ao massacre, ele enviou uma carta ao presidente interino, Adli Mansour, comunicando a decisão. "Os beneficiários do que ocorreu hoje são aqueles que pedem por violência, terrorismo e os grupos mais extremistas", escreveu. "Ficou difícil continuar a ter responsabilidade por decisões com as quais eu não concordo."
A operação começou às 7 horas (2 horas no Brasil). Testemunhas dizem ter ouvido tiros de fuzis enquanto uma nuvem branca de bombas de gás lacrimogêneo se misturava com a fumaça preta de pneus queimados pelos manifestantes. Para defender o local, membros da Irmandade ergueram barricadas e lançaram coquetéis molotov e pedras contra a polícia.
"Isso é sórdido, eles estão destruindo nossas barracas. Nós não podemos respirar e muitas pessoas estão no hospital", disse Ahmed Murad, membro da Irmandade Muçulmana, no limite do acampamento, onde o grupo tinha colocado sacos de areia na expectativa de uma invasão policial. O grupo islamista acusou a polícia de atirar contra ambulâncias.
Imagens de TV mostraram médicos usando máscaras de gás e óculos de natação enquanto tentavam tratar os feridos. O governo defendeu a operação. O porta-voz do Conselho de Ministros, Sherif Shauqi, leu um comunicado que chamava os manifestantes de "os arruaceiros" e pedia que a Irmandade Muçulmana parasse de ameaçar a segurança nacional.
Havia relatos também de ataques de grupos islamistas a igrejas cristãs coptas em várias províncias do sul do Egito, que seriam uma retaliação à ofensiva do Exército contra a Irmandade Muçulmana. Os confrontos se espalharam para outras cidades, como Alexandria e Fayoum, onde nove pessoas morreram. Ali, partidários de Morsi atacaram pelo menos duas delegacias de polícia e incendiaram veículos policiais.
Segundo Mohamed Soudan, membro do secretariado da Irmandade Muçulmana, protestos realizados na capital e no interior estão sendo reprimidos com violência. "É um terrível massacre que está em curso. Estão prendendo manifestantes e até médicos que socorrem os feridos", disse Soudan ao Estado. Ainda assim, o militante acredita que a resistência continuará. "Há milhares de pessoas se mobilizando em outras cidades contra os líderes do golpe."
Apesar da esperança de reação, a estratégia de terror das forças de segurança parece surtir efeito. Entre os militantes islamistas ouvidos pela reportagem, o medo é onipresente. Ferido por um tiro na perna há duas semanas, durante massacre em Rabaa, o advogado Ramiz Nabil retornou a Alexandria, sua cidade, e desistiu de voltar às ruas. "Eles são criminosos, não policiais. Eles atiram com munição real na população civil", conta. "Há um genocídio em curso." / NYT e REUTERS. COLABOROU ANDREI NETTO

Total de visualizações de página