Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Guiné Conacry: "O medo tem mudado de lado".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


As forças de segurança entraram em confronto com manifestantes em Conacri. (foto de arquivo)


Conakry - Três anos depois de um massacre no estádio de Conacri, capital guineense, em que centenas de pessoas foram mortas, feridas e estupradas durante uma repressão militar sobre uma manifestação para protestar contra a candidatura presidencial do líder do golpe, Moussa Dadis Camara, há indícios de que a impunidade pode estar chegando ao fim.

A juventude guineense com Thierno Ousmane Diallo diz que esses dias quando ouve funcionários de segurança em determinados rádios, ele tem notado uma ligeira mudança no tom. "Eu ouvi uma diferença sempre tão leve", diz ele. "Eles não soam tão descarados como antes."

A diferença é que eles estão pegando e pode ser parte dos que dizem muitos guineenses, são os rumores de uma transformação na luta pelo Estado de Direito.


Diallo está entre vários homens supostamente torturados por policiais em 2010. Inquietação seguinte ligada a uma campanha eleitoral presidencial aquecida. Este ano os nacionais e internacionais grupos de direitos humanos registraram queixas sobre o caso, bem como uma repressão violenta em 2007 pelas forças de segurança contra manifestantes. Em maio de 2012 os juízes guineenses fezeram acusações no caso de tortura de 2010, permitindo que as investigações criminais possam ser abertas.

As acusações de Maio fazem parte de uma série de lances legais guineenses que dizem que foram "impensáveis" apenas um par de anos atrás. Em fevereiro os juízes guineenses apresentaram acusações contra alto nível militar o oficial Col Moussa Tiégboro Camara por suposto envolvimento no massacre de 28 de setembro no estádio em 2009.

Em 13 setembro de 2012 um outro oficial, Col Abdoulaye Chérif Diaby, foi indiciado pelo ataque ao estádio. Os dois estão entre várias pessoas nomeadas por uma comissão de inquérito da ONU como possivelmente os a sofrer pena.

"As ações legais que vimos contra alguns agentes de segurança - muitos deles considerados como intocáveis ​​- pode ter colocado um germe de dúvida na mente das pessoas que possam ter, no passado, cometidos abusos, sem um segundo pensamento", disse Hassan II Diallo , um magistrado em Conakry que comanda um programa de reforma judicial no Ministério da Justiça.

Em 54 anos de independência da Guiné temos visto inúmeros casos de violação, tortura e outras violações por parte das forças de segurança, sem conseqüências legais. O próprio fato de que os juízes guineenses trouxeram acusações é notável, dizem os guineenses.

Mamadou Alpha Barry, oficial de comunicações na Gendarmerie, disse à IRIN: "Eu não posso comentar sobre a luta contra a impunidade é o departamento de justiça que lida com isso eu só posso falar de segurança ... estão em curso reformas na segurança.. forças armadas. Estamos trabalhando com a população e as relações entre as forças de segurança e a população são muito melhores. "


"Germe da dúvida"

Se as acusações contra o ex e atuais funcionários planta um "germe da dúvida" nas mentes das forças de segurança, mas também encoraja as vítimas e aço de suas determinações de ir atrás de seus agressores, os feridos no ataque ao estádio e outros eventos ao IRIN.

"O medo tem mudado de lado", disse Aliou Barry, presidente da Liga Guineense de direitos humanos ONDH, que foi severamente espancado por soldados na eleição, violência relacionada em 2010. "As autoridades estão agora claramente cientes de que a justiça realmente pode ser processada na Guiné.

"Eu estava surpreso que um juiz guineense sequer nos ouviu", ele disse. "Isso era inédito aqui." Ele disse que o progresso jurídico tem incentivado as vítimas a não serem manipuladas por ofertas de dinheiro para o silêncio, que costumava acontecer com as famílias a assumir automaticamente que, não vêem nenhum uso na via judicial.

Uma mulher, que preferiu o anonimato mostrou cicatrizes IRIN em seus braços e pernas, onde, segundo ela, os soldados atacaram com facas como a estupraram no estádio em 28 de setembro de 2009. Ela disse que está determinada a continuar testemunhando e fazendo o que ela deve fazer.

"Meu desejo mais ardente é ver meus estupradores atrás das grades", disse à IRIN. "Estou lutando para restaurar minha dignidade."

Ninguém diz que as vítimas não estão mais com medo ou que as forças de segurança já não realizam mais abusos. Tortura à vítima Diallo, desde acusações foram feitas nesse caso, recebe regularmente ameaças pessoalmente e por telefone. Alguns funcionários indiciados, como Camara, que mantem suas posição no governo.

Guiné ainda tem de colocar em prática um mecanismo de proteção às vítimas e testemunhas, disse Louis-Marie Bouaka, chefe do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos na Guiné.

"O judiciário guineense não mudará durante a noite", disse a Federação Internacional para os Direitos Humanos (FIDH), em um relatório recente. "Mas um clima diferente parece ser predominante" no Judiciário, a sociedade civil e executivo.

FIDH está trabalhando ao lado dos direitos humanos e grupos de guineenses apresentou queixas em nome das vítimas de tortura e de outras violações.


Barra baixa

Magistrado Diallo diz que "só na Guiné" haveria indiciamentos e a abertura de investigações criminais a ser visto como notável.

"Nós estamos vindo de tão longe recordando atrás - o barra é tão baixa", disse ele. "Esses movimentos estão longe de ser suficiente. Ninguém pode saber o quão sério as autoridades estão debruçando sobre isso até que vejamos atos concretos para seguir estas acusações."

Foromo Frédéric Loua, advogado e presidente da ONG de Direitos legais guineenses (direitos iguais para todos), diz que para ele as acusações não representam muito. "Nada foi feito oficialmente para realmente ir atrás daqueles que violaram os direitos humanos. Ainda há muito a ser feito. E as violações continuam."

Na verdade muitos guineenses dizem os cidadãos continuam a enfrentar abusos cometidos por policiais e gendarmes. Eles não percebem uma mudança no clima, ou o progresso na luta contra a impunidade. IRIN falou com as famílias dos dois jovens que foram mortos a tiros durante distúrbios em 21 e 22 de Setembro - as famílias dizem que foram gendarmes.

Ganhos de vedação

Trabalho duro pela frente para um sector judicial que tem grave falta de recursos humanos e materiais.

Foi apenas em agosto de 2012 que os juízes guineenses que investigam o ataque 28 de setembro de 2009 receberam materiais como computadores e outros equipamentos para realizar seu trabalho.

A parte do orçamento nacional destinado ao Judiciário é de 0,29 por cento, de acordo com magistrado Diallo.

"O sistema judicial continua a ser grosseiramente subfinanciado", disse Corinne Dufka, pesquisadora sênior para a África da Human Rights Watch (HRW), que fez uma extensa pesquisa sobre a impunidade na Guiné. "Para se ter progresso no Estado de direito tem de financiar adequadamente, treinar e equipar a polícia, você tem que financiar o Judiciário."

fonte: AllAfrica






Total de visualizações de página