Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Por que Obama não é mais o sonho dos africanos?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Obama se esqueceu do continente de seu pai em favor da Ásia. Uma enorme decepção com as grandes esperanças levantadas com a sua eleição. Por que, então, votará a África em 06 de novembro?





Obama deve virar a página, o primeiro presidente "negro" nos Estados Unidos, que esqueceu que seu pai era do Quênia? Caso, o insulto supremo seja de, lembra-lhe que George W. Bush foi um republicano que fez mais para a África através de financiamento de grandes programas anti-Aids?

Obama é o primeiro de um mal-entendido. Se seu pai era queniano, foi criado no Havaí e na Indonésia por sua mãe, uma americana branca de ascendência irlandesa. Ele não cresceu com raízes africanas, mas cresceu com da Ásia / Pacífico.

Se é "Africano-Americano", no sentido de que um de seus antepassados ​​era da África, quão não era a memória dolorosa dos grilhões da escravidão.

Vemos que a ligação emocional entre Obama e seu pai Africano é muito tênue.

E a África ao sul do Saara talvez tenha um pouco demais acreditado que a cor da pele era de um irmão de Barack ... Antes de ser "Africano" Obama é, em primeiro lugar, "americano" e a origem seu pai, ele também viu muito pouco, tem pouca influência sobre a política externa de Washington.

Sua eleição em novembro de 2008 tem consistentemente atraiudo enorme esperança para um mundo mais justo após as guerras no Iraque e no Afeganistão lideradas por George W. Bush (2001-2009). E em primeiro lugar na África, onde muitos líderes felicitaram-no calorosamente.


Um mundo melhor?

Nelson Mandela, o primeiro presidente negro da África do Sul e da icónica anti-apartheid - ele havia escrito que sua vitória mostra que "ninguém no mundo não deve ter medo de sonhar em mudar o mundo para melhor" .

Ele realmente fez do mundo um lugar melhor, quando os massacres diários na Síria emitiram  a mesma opinião pública, num momento em que o embaixador dos EUA na Líbia foi brutalmente assassinado por islamitas?

  Hoje, o que é o "equilíbrio Africano", Obama? E acima de tudo, entende-se que ele uma vez veio ao sul do Saara?

Sua visita ao Gana em 11 de julho de 2009, com um discurso generoso sobre África, que contrastava fortemente com o discurso de Dakar lamentável de Nicolas Sarkozy, não se esqueça todo o resto.

Obama fez o quê na África? Ele ajudou as forças franco-britânicas para desalojar Kadafi, apoiou os franceses de longe para lançar mão ao palácio presidencial do perdedor Gbagbo.

Ele "chocou" o mais novo da grande família Africana, no Sudão do Sul ele apoiou a força Africana na Somália contra a Shebab. Mas Mugabe continua no poder, como Omar al-Bashir.

Ele lançou a caça, com a ajuda de Hollywood contra o líder rebelde de Uganda, Joseph Kony. Mas provavelmente escondido no Sudão, os militares dos EUA ainda escapam partes em seus calcanhares.

É fino para um mandato à frente da primeira potência mundial. Na África, como em outras partes do mundo, o tipo Obama recusou-se a jogar com os "grandes".


Bom pai de família

Visivelmente desconfortável para colocar o manto da "polícia do mundo", ele conseguiu os assuntos do mundo, ser um bom pai, sem fazer ondas. Seus críticos o acusam por uma óbvia falta de liderança, seus partidários enfatizam sua humanidade e lembrem-se que Bin Laden foi removido sob seu mandato.

Com ele, a América tornou-se menos arrogante. Mas ela ganhou popularidade no mundo muçulmano e na África? Não tenho certeza.

Conhecimento sobre África, Obama tentou adquirir. Em agosto de 2010, ele foi premiado pela Casa Branca, com mais de cem jovens africanos para discutir a sua "visão sobre África para os próximos 50 anos", criticando implicitamente a geração de independência.

Em agosto de 2009 e agosto de 2012, ele enviou o diplomata chefe Hillary Clinton a visitar o continente. Mas, ele mesmo não vai lá.

Em junho de 2011, até mesmo sua própria mulher, Michelle, junto com suas filhas de dois e vários membros da família fizeram uma peregrinação ao continente de seus ancestrais. Mas Barack Obama, não.

Michelle Obama como Hillary Clinton disseram várias vezes a mesma coisa: a África deve assumir o comando.

É surpreendente que, nos últimos anos, a Europa e os Estados Unidos abandonaram a África em um momento em que o continente estava emergindo no cenário mundial, com um longo período de crescimento econômico. E peso demográfico (um bilhão de pessoas) faz com que seja um jogador chave.

O despertar africano

Negligência ocidental, que não viram o "despertar Africano" pelo menos um país se beneficiou: a China. Enquanto o Washington, Paris, Londres, Berlim e Bruxelas quando despertaram, já era tarde demais.

O lugar foi tomado: Comércio entre China e África aumentou em 10 anos (2001-2011) de 20 a 120 bilhões de dólares. Todos ficaram obcecados com caça por Bin Laden, os Estados Unidos deixaram os chineses fugirem com matérias-primas africanas.

O "Chinafrica" ​​está em execução disputam com seu modelo de autoritarismo político e de crescimento econômico. Ele ainda tem um modelo, Angola. O "Chinafrica" ​​sonha dar um grande salto em frente na crítica soberbamente ignorante de organizações ocidentais em defesa dos direitos humanos.

A última turnê Africano de Hillary Clinton, que um dia poderia ser tentado pela Casa Branca procurou contrariar esta expansionismo ação especial chinesa.

Obama, como Bush antes dele, não tinham visto na África o que vêm do "ogro chinês." Americanos, como os europeus, não previram nem a crescente ameaça de "fanáticos religiosos" em África.

Traumatizados pelo 11 de Setembro de 2001, obcecados com a busca de Bin Laden,  a negligencia sobre o islamismo Oeste Africano, que floresceu em paz.

O somali Shebab enfraquecido sempre têm uma grande capacidade para o mal e tentar mergulhar o Quênia em uma espiral de violência sectária.

No norte da Nigéria, os combatentes do Boko Haram assediando o exército e todos os símbolos do Estado, e especificamente a minoria cristã no Norte. Seu objetivo: uma independência do norte da Nigéria sob o controle de uma linha-dura islâmica.

E, especialmente na região do Sahel, os islamitas armados consideravelmente fortalecidos com o colapso da Líbia de Gaddafi. Com a excepção da Argélia, todos os países da África do Norte são governados por islâmicos, que têm a maior dificuldade para conter Salafi cada vez mais intrusiva e violenta.

Obama não fez nada para impedir o avanço dos chineses e islâmicos. Mas a África não vai votar em novembro para o seu adversário Mitt Romney, um republicano, Mórmon e, especialmente, imensamente rico, provavelmente muito rico?

Certamente que não. Sim, Obama tem decepcionado. Mas a África não quer que ele saia. Sem ele, seria pior.

Adrian Hart

fonte: SlateAfrique



Total de visualizações de página