Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Terminada a Cimeira na cidade de Kuwait: africanos e árabes estão empenhados em aumentar o investimento.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Cidade de Kuwait - A terceira Cimeira Afro-Árabe terminou ontem na Cidade do Kuwait. Africanos e árabes concordam em promover a cooperação e para criar as condições necessárias para investimentos nos países das duas regiões.

Os Chefes de Estado e de Governo que participam na terceira Cimeira Afro-Árabe assumiram vários compromissos, entre os quais, a promoção da cooperação Sul-Sul, entre a África e o mundo árabe, lidos na declaração final sancionada na cidade de Kuwait, cujas realizações foram nos dias 19-20 de novembro último. Eles também concordaram em estabelecer relações mais estreitas entre os governos e os povos, através de visitas freqüentes e consultas em todos os níveis. Africanos e árabes também querem " criar as condições necessárias para promover e facilitar o investimento " em seus países. Os líderes reafirmaram a necessidade de aumentar o volume dos fluxos de comércio e investimento, apoiando iniciativas para o desenvolvimento industrial, a fim de lutar contra a pobreza e criar empregos para os jovens. A energia foi discutido na cimeira, os dois parceiros estão fortalecendo e facilitando o investimento neste sector. Seus objetivos: " desenvolver conjuntamente novas e renováveis ​​fontes de energia e melhorar o acesso a serviços energéticos modernos, confiáveis ​​e acessíveis em ambas as regiões ", diz a Declaração de Kuwait.

Em breve, a África e o mundo árabe poderão falar a uma só voz em Bali (Indonésia), que abrigará, em dezembro, a Nona Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio ( OMC). Eles competem<<coordenar(suas) posições>> ao longo das negociações multilaterais e trabalharão em conjunto para alcançar resultados equilibrados em facilitação de comércio, agricultura e outras medidas aceitáveis ​​para os países menos desenvolvidos, bem como as disposições no tratamento especial e diferenciado para países em desenvolvimento. Para fortalecer o papel do setor privado e da sociedade civil no processo de parceria, a Declaração do Kuwait chama para o fortalecimento do Fórum Econômico Mundial Árabe -Africano. Instituições financeiras africanas e árabes, sociedade civil , setor privado e outras partes interessadas são convidadas a apoiar a aceleração do comércio inter-regional África e o Mundo Árabe, de acordo com o Plano de Ação Conjunto de 2011-2016 .

Os Chefes de Estado e de Governo gostariam que as câmaras de comércio e indústrias árabes e Africanos e outras instituições do setor privado, realizassem reuniões e consultas regulares para fortalecer suas relações mútuas. A Declaração do Kuwait exorta os governos, o setor privado e a sociedade civil em ambas as regiões a " desempenhar um papel importante no fortalecimento da agricultura. " Além disso, ele chama para uma maior cooperação em questões relacionadas ao desenvolvimento rural, desenvolvimento agrícola e segurança alimentar. Sobre este ponto, os líderes árabes e Africanos elogiaram o Reino da Arábia Saudita para a organização bem sucedida da segunda -Áfro-Árabe Reunião Ministerial sobre Agricultura e Segurança Alimentar Mundial, realizada em Riade em 02 de outubro. Em infra-estrutura, foram convidados a Comissão da União Africana e da Secretaria-Geral da Liga dos Estados Árabes para trabalhar com as instituições financeiras e do setor privado Árabe-Africano para apoiar na implementação de programas de desenvolvimento e infra-estrutura nas duas regiões. A Declaração recomenda foco em transporte, água e saneamento, telecomunicações e TIC.

Infra-estrutura, o terrorismo, a segurança alimentar no centro das preocupações

A Declaração do Kuwait se concentra em infra-estrutura, a luta contra o terrorismo, a segurança alimentar, o desenvolvimento agrícola, a protecção das mulheres e dos jovens.

Na Declaração do Kuwait, os Chefes de Estado e de Governo agradeceram ao Emir do país anfitrião da Cúpula para pedir empréstimos de cerca de 500 biliões de francos CFA para África para promover a cooperação entre o continente e o mundo árabe em todas as áreas. Saudaram a garantia " de investimento e garantia de um bilião de dólares ( 500 mil milhões de francos CFA ) para países africanos durante vários anos, com foco em infra-estrutura, em cooperação e coordenação com o Banco Mundial e outras instituições internacionais ", acrescentaram . A Declaração também saudou a doação de US $ 100 milhões ( cerca de cinco biliões de francos CFA ) concedido pelo rei da Arábia Saudita, Abdullah bin Abdulaziz , a luta contra o terrorismo. Porque essa era também uma questão de segurança e paz durante a cúpula . Os líderes expressaram sua vontade de resolver as causas profundas do conflito e da violência na África e no mundo árabe, a fim de alcançar um ambiente propício para a prosperidade e o bem-estar no ambiente dos povos. O emprego dos jovens já foi mencionado, os Chefes de Estado e de Governos consideraram necessário continuar os esforços para as políticas para sustentar o crescimento econômico e as políticas financeiras para garantir a sustentabilidade, a fim de reforçar a luta contra a pobreza, incluindo consecução dos ODM e da Agenda 2015 para o Desenvolvimento. A Administração acredita que o déficit de alimentos e a insegurança alimentar são os principais constrangimentos " que aumentam a vulnerabilidade em determinados segmentos da sociedade. " Eles recomendam o reforço da cooperação no desenvolvimento agrícola e segurança alimentar. Quanto ao sexo, a Declaração apela para apoiar as estratégias e iniciativas para acabar com a discriminação contra as mulheres por meio da conscientização sobre os direitos humanos. Governos são propotos a desenvolver uma legislação para proteger os jovens e as mulheres . Protecção dos trabalhadores migrantes deve ser assegurada, foi proposto a coordenação de esforços das duas regiões nesta direção. A declaração pede apoio ao acolhimento de imigrantes, refugiados e pessoas deslocadas, incluindo os de Burkina Faso e do país Iêmen. Foi assegurando que a próxima Cimeira Mundial Árabe -Africano deve obedecer o princípio da rotação, pelo que a África poderia organizar a Cimeira em 2016.

O Xeque Sabah al- Ahmad al- Jaber Al- Sabah, Emir do KUWAIT : " As ambições são grandes e assustadores os desafios "

O emir do Kuwait, xeque Sabah Al- Ahmad Al- Jaber Al- Sabah, disse para os chefes de Estado presentes na cerimônia de encerramento da terceira Cúpula Árabe -Africano sobre o que ainda precisa ser feito para alcançar os objetivos. Convidando-os a consolidar os ganhos, o emir disse em um breve discurso: " somos chamados a continuar a construir sobre o que já foi alcançado. " Em sua opinião, esta é a única maneira de " adicionar pedras para a estrutura de cooperação em alta e traçar o futuro do nosso trabalho, pois temos diante de nós um grande caminho a percorrer e uma tarefa difícil que requer mais esforço e um acompanhamento atento, porque as ambições são grandes e assustadores os desafios. " Ele elogiou o discurso e as ideias levantadas durante os dois dias relevantes (Terça-feira e quarta-feira ) que durou a Cimeira. A presidência conjunta em colaboração com a Comissão da União Africana e da Secretaria- Geral da Liga Árabe vai monitorar e implementar as recomendações para atingir os objectivos . Houve muita conversa sobre cooperação económica durante a cúpula, e o Emir do Kuwait  espera que os temas discutidos serão o ponto de partida para alcançar resultados concretos.

Do nosso correspondente especial Malick CISS

fonte: lesoleil.sn

O Presidente de Cabo Verde, JCF, reafirma importância da parceria Afro-Árabe no Kuwait.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A importância da parceria estratégica entre a África e o mundo Árabe para fazer face às ameaças à estabilidade global, os avanços registados quanto à manutenção da paz e da estabilidade e os progressos alcançados em matéria de direitos do homem e da boa governação foram destacados pelo Presidente da República em um discurso proferido esta manhã na 3ª Cimeira Afro-Árabe sob o lema “Parceiros em Desenvolvimento e Investimento”.

JCF reafirma importância da parceria Afro-Árabe no Kuwait

Para Jorge Carlos Fonseca esta cooperação é determinante para fazer frente às ameaças à estabilidade, cujos efeitos devem merecer toda a atenção e vigilância. “Refiro-me ao terrorismo, seja qual for o seu rosto, que condenamos e repudiamos e aos perigos que representa para o Estado de direito e para as nossas instituições o crime transnacional, nomeadamente o tráfico de drogas e a pirataria marítima que afecta, de forma crescente a região oeste africana na qual Cabo Verde se insere”, afirmou, realçando que esta parceria deve ser também determinante na luta contra a pobreza e exclusão social, que são favorecedores dos conflitos.
Destacou, por isso, a revisão do Plano de Acção 2011-2016, apesar do seu fraco grau de execução. Mas disse estar confiante que as decisões tomadas no sentido de reforçar a coordenação e as capacidades institucionais a nível da União Africana e da Liga Árabe poderão conferir maior eficácia e determinação na sua execução.
“Importa reforçar a cooperação em áreas vitais da economia, tais como os transportes, a energia, o comércio e o investimento, bem como redobrar esforços nos domínios sociais como sejam os investimentos na saúde, na educação, no saber, na agricultura e na criação de empregos, envolvendo de forma crescente o sector privado”, enumerou.
Mas, para isso, diz, é preciso conhecer as características de cada Estado, suas dificuldades e potencialidades pelo que as relações bilaterais não podem ser substituídas por mecanismos multilaterais que tendem a esbater as diferentes entidades nacionais, devendo ser complementares. Nessa óptica, JCF disponibiliza-se para trabalhar no aprofundamento das relações de amizade e cooperação existentes.
“Os cabo-verdianos atribuem particular atenção às questões globais tais como as mudanças climáticas, o aumento dos preços alimentares, a desnutrição e a fome, as desigualdades sociais ou a volatilidade dos mercados internacionais”, evidenciou, colocando tónica na questão de mudanças climáticas que, a manter-se como está, poderá significar a ruína dos esforços de desenvolvimento e, pior, a agudização das tensões sociais.
O PR apelou ao cumprimento dos compromissos financeiros destinados a medidas de adaptação e reafirmou a importância da chamada economia azul para os pequenos países insulares como Cabo Verde. Nesse sentido, louvou a iniciativa dos países árabes de aumentar em 50% os montantes para financiar a cooperação com os países africanos, o que a seu ver atesta a vontade política e o compromisso com o sucesso desta parceria.
Saudou igualmente as recomendações saídas do Fórum Económico Afro-Árabe, bem como a necessidade de uma participação activa do sector privado e da sociedade civil nos esforços e nos processos do desenvolvimento, “apropriando-se” do processo de construção e afirmação crescente da parceria afro-árabe.
Refira-se que JCF chefia uma delegação de Cabo Verde a esta cimeira, integrado ainda pelo ministro das Relações Exteriores, Jorge Borges.
fonte: asemana.cv

Gâmbia: O presidente gambiano Jammeh PROPÕE um FUNDO DE PARCERIA AFRO-ÁRABE.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O presidente da República propôs a criação de um Fundo de Parceria Afro -Árabe ( AAPF ) a ser financiado através de contribuições proporcionais dos Estados membros que oferecem empréstimos a taxas de juros razoáveis ​​para projetos em consonância com os objectivos críticos das duas regiões.

Dirigindo-se a terceira cimeira Áfro -Árabe no estado Golfo do Kuwait, ontem, de manhã, Sua Excelência Dr. Sheikh Professor Alhaji Yahya Jammeh chamado para uma colaboração mais forte entre a África e o mundo árabe, particularmente nas áreas do comércio e da cultura. Ele disse que as duas regiões têm entre si relações longas, intermediárias entre a África e o mundo árabe em interação comercial e cultural e que, como tal, os intermediários não jogam bem do seu interesse.

Jammeh descreveu a cúpula árabo-África como uma oportunidade para criar novas formas de cooperação sócio-econômica que vai elevar os meios de subsistência e preservar o património cultural único e dignidade dos dois povos.

Assim, ele observou que a nova parceria deve criar ligações directas entre a África e o mundo árabe para que os ganhos econômicos resultantes que poderiam ser úteis na migração e mitigação ilegal, intolerância religiosa, sangue ruim na política e ódio entre as sociedades. Presidente Jammeh propôs ainda a criação de um secretariado permanente, que seria responsável pela coordenação das decisões e acordos de cúpulas afro- árabes.

Ressaltando a importância da cúpula árabo -África e as oportunidades que ela oferece, o presidente Jammeh sublinhou a necessidade de reuniões mais freqüentes entre os dois grupos. Ele disse que as reuniões recentes geram tendências globais entre a África e o mundo árabe que devem ser realizadas a cada dois anos, para que as suas decisões e sua implementação possam ser dada um monitoramento e relevância de perto.

O líder gambiano concluiu elogiando o emir do Kuwait, xeque Sabah Al- Ahmed Al- Jaber Al- Sabah - que prometeu em dólar americano o valor de EUA US $ 1 bilhão como empréstimo em condições favoráveis ​​para financiar projetos na África - por seu compromisso com o desenvolvimento da África.

fonte: Daily Observer

Leia mais-->>

Kuwait promete mil milhões de dólares a África até 2018.

O Kuwait vai emprestar mil milhões de dólares com juros reduzidos a vários países africanos nos próximos cinco anos, anunciou esta terça-feira o xeque Sabah al-Ahmad Al-Sabah na abertura da cimeira afro-árabe, na capital do Kuwait.
DALATI NOHRA / HANDOUT/DALATI NOHRA
DALATI NOHRA / HANDOUT/DALATI NOHRA

Os líderes africanos e árabes estão esta terça-feira reunidos numa cimeira que se prolonga até quarta-feira para rever os passos necessários para promover o aprofundamento das ligações económicas entre os abastados Estados do Golfo e os seus parceiros africanos, ávidos de investimento externo.
"Ordenei aos responsáveis do Fundo do Kuwait para o Desenvolvimento Económico Árabe que providenciem empréstimos a juros reduzidos ['soft loans', em inglês] no valor de mil milhões de dólares [cerca de 740 milhões de euros] nos próximos cinco anos", disse o xeque Sabah.
Neste encontro estão 34 chefes de Estado, 7 vice-presidentes e 3 chefes do Governo, representado 71 países e organizações, de acordo com a AFP.
O encontro, que tem o título 'Parceiros no Desenvolvimento e Investimento', é o primeiro desde 2010, na Líbia, e vai discutir, entre outras medidas, a criação de um mercado comum entre o mundo árabe e o mundo africano, juntando 1,2 mil milhões de consumidores, e vai também debater a maneira de acelerar os fluxos de investimento para África, que tem enorme potencial mas enfrenta uma grave crise de investimento.
Por outro lado, os líderes africanos e árabes deverão também aprovar uma resolução que prevê a criação de um Mecanismo Financeiro Conjunto Afro-Árabe para garantir financiamento para a implementação de projetos e encorajar novos investimentos, além de discutir o estabelecimento de um comité técnico sobre as migrações, destinado a proteger os trabalhadores.
Segundo o Banco Mundial, são precisos pelo menos 30 mil milhões de dólares só para desenvolver o sistema de energia de um continente que, segundo o Fundo Monetário Internacional, vai crescer 4,8% este ano e acelerar para os 5,1% em 2014.

MBA // VM

fonte: noticias.pt

Indústrias de extração senegalesas: Aminata Touré - " A exploração mineira deve ser melhor enquadrada".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O primeiro-ministro Aminata Touré, presidiu uma reunião ontem de manhã com profissionais de indústrias extractivas. Ela queria uma gestão racional e transparente dos recursos minerais.

" A mineração em grande escala é um fenômeno novo para o Senegal, que merece ser bem enquadrado . É necessário um esforço de aprendizagem de todos os envolvidos na sua monitorização, como a administração pública, o setor privado e a sociedade civil ", disse ontem o primeiro-ministro Aminata Touré, a abertura de um diálogo com profissionais e interessados ​​na mineração no Senegal . De acordo com o chefe do governo, a adesão do Senegal para a iniciativa e para a transparência das indústrias extractivas ( Itie ) faz parte da ordem normal das coisas. Aminata Touré lembrou que o Senegal é um dos primeiros países a aderir à Itie sob a influência da nova norma . "Além do consenso necessário entre as partes interessadas, é importante para nos prepararmos que já em um impulso particular, para afastar a maldição dos recursos naturais ", afirmou a Sra. Touré. Se o Princípio 11 da iniciativa está comprometido com o mais alto nível de transparência, como explica o secretário permanente da Itie do Senegal, Ibrahima Touré, o primeiro- ministro salientou que esta iniciativa tornou-se uma exigência crescente da sociedade civil e as pessoas em países ricos em recursos naturais.

De fato, o chefe do governo disse que as orientações da CEDEAO e da UEMOA pela política comum de mineração e reconhecer o verdadeiro potencial do setor de mineração e petróleo para estimular o crescimento. " Mas, além disso, eles postulam a necessária coordenação com outros setores da economia, como indústria, energia, infra-estrutura e as PME. Melhor, eles também reconhecem a necessidade de uma gestão a montante e a jusante responsável e cooperativa para alcançar o desenvolvimento sustentável, que produz e realmente gera lucros em benefícios sociais, econômicos e ambientais ", disse ela explicando.

Aminata Touré citou a aprovação pelo Senegal, do Código de transparência da UEMOA e a sua transposição na lei senegalesa. Porque, para ela, essa política vai nos permitir ter os contratos assinados entre o governo e as empresas privadas, a cargo da exploração dos recursos naturais. "Maior transparência na gestão das nossas indústrias extractivas contribuem para a melhoria das decisões econômicas. Ele permite que os parlamentos e os cidadãos exijam prestação de contas sobre o uso dos recursos públicos ", disse o primeiro-ministro .

Além disso, Aminata Touré deixou claro que o Itie pode validamente participar da segmentação de reformas pertinentes para melhorar os indicadores do "Doing Business". Esta ferramenta tornou-se uma referência para os investidores e estados. Neste sentido, ela disse que os estudos empíricos têm mostrado correlações positivas entre a transparência, o desempenho fiscal e a percepção da solvabilidade do Estado.

 A confiabilidade dos dados e garantia de qualidade

 Aminata Touré exortou aos membros do Comitê Nacional para garantir que o nosso país é o primeiro país a atingir o teste de validação das novas exigências.

Por sua parte, o presidente da Comissão Nacional de Itie, Ismaïla Madior Fall qualificou esta missão de emocionante sustentado por uma decisão histórica. O Sr. Fall acredita que Itie é uma ferramenta poderosa que deve se estender até a indústria da pesca. Conselheiro para auxiliar o Chefe de Estado, o Sr. Fall elogiou o clima de diálogo que vai promover Itie entre o Estado, o setor privado e a sociedade civil.

Por sua parte, o Diretor de Operações do Banco Mundial, Vera Songwe, observou que o Senegal deu um passo em frente para a gestão transparente dos recursos minerais. "O principal desafio é a recolha e partilha equitativa da receita ", diz a Sra. Songwe, nós somos um forte defensor para o envolvimento das mulheres. No entanto, ela adverte que o nosso país vai apresentar seu primeiro relatório até 17 de Outubro de 2015.

Como representante das organizações da sociedade civil ( OSC ) Ibrahima Sory Diallo, salientou sobre a importância de fornecer o assento funcional a Itie, de acordo com as diretrizes da nova norma, que em seus olhos, apresenta vantagens. Sr. Diallo confirma que as reuniões serão organizadas em áreas de alto potencial mineral como Kédougou, Tambacounda, Ziguinchor, etc . Mas ele prometeu também equipar os jornalistas e suas organizações em rede.

Por: Serigne Mansour Sy Cisse

fonte: lesoleil.sn

Total de visualizações de página