Postagem em destaque

Nos Estados Unidos, a polícia de Memphis desmantelou a unidade envolvida na prisão fatal de Tire Nichols.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... A polícia de Memphis anunciou no sábado o desmantelamento da unidade...

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Copa do Mundo de 2014: " Allah akbar, Halilhodzic! " , quando Argélia celebra seus heróis! Alger (312) - Copa do Mundo de 2014 (264) - Abdelmalek Sellal(88) - Vahid Halilhodzic (56).

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Les Fennecs et leur entraîneur, Vahid Halilhodzic.
As Raposas do Deserto e seu treinador, Vahid Halilhodzic. © AFP

Foi o retorno dos heróis Argelinos, nesta quarta-feira. Os futebolistas argelinos, as Raposas do Deserto foram recebidos na capital por uma multidão de apoiantes e funcionários que vieram para felicitar sua seleção após o Mundial brasileiro, que terminou com uma qualificação histórica pelas oitavas-de-final e uma resistência heróica frente a Alemanha.
Em seu ônibus imperial aclamados por todas as pessoas nas ruas de Argélia, nós teríamos quase cridos que são os vencedores da Copa do Mundo de 2014. E isso diz muito sobre o desempenho histórico que conseguiram, não se curvaram sobre o fio, após o prolongamento, no final perderam por nocaute contra a Alemanha, um dos favoritos da competição.

 "Vahid Halilhodzic, o treinador que mudou a Argélia"
Saudado em pé na escada do avião, incluindo os jogadores, cumpriram o primeiro-ministro Abdelmalek Sellal que abraçou o técnico Vahid Halilhodzic, que estava fora do contrato, mas agora adorado por fãs que solicitam a sua continuidade através de petições nas redes sociais. "Allah akbar, Halilhodzic" também gritou a multidão no aeroporto. Um grito que ecoou depois pela multidão se alastrou pelas ruas da capital.

Após a recepção ministerial, as raposas do deserto embarcaram num ônibus de dois andares, pintado com as cores da equipe e levando o nome de cada jogador. Percorreram algumas das principais avenidas da cidade, seguido por uma multidão de milhares de pessoas, torcendo apesar do calor e o jejum do Ramadã.

# jeuneafrique.com



Ebola mata médico de Uganda na Libéria.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Lutando contra o vírus Ebola. Um médico de Uganda na Libéria Samuel Muhumuza Mutoro sucumbiu ao vírus oferecendo assistência médica aos pacientes. ARQUIVO | GROUP Nation Media.

Um médico de Uganda, na Libéria Samuel Muhumuza Mutoro sucumbiu ao vírus Ebola no processo de oferecer assistência médica aos pacientes no país do Oeste Africano. 

Dr. Muhumuza morreu na terça-feira à tarde e foi enterrado na quarta-feira, de acordo com o seu colega, o Dr. Ayella Ataro, o diretor médico de Last Mile Health (uma ONG) na Liberia.  

"No momento em que deixei Libéria (terça-feira), os arranjos estavam sendo feitos para que ele (Dr. Muhumuza) fosse enterrado. Sua família também foi notificada ", disse o Dr. Ataro, na quarta-feira, em uma entrevista por telefone. 

Dr. Muhumuza, do Distrito de Kasese, na parte Ocidental de Uganda tinha trabalhado na Libéria nos últimos três anos. 

Quando contatado por telefone na quarta-feira, a Associação Médica de Uganda (UMA)  reponsável pela comunicação, Dr. Ekwaro A. Obuku disse que o Dr. Muhumuza foi o terceiro médico de Uganda a morrer de Ebola. 

"Este é o terceiro médico de Uganda a morrer de Ebola após Dr Lukwiya e um colega de nome Bundibugyo", disse Obuku. 

O mais mortal 

Dr. Matthew Lukwiya, morreu no Hospital Lacor em 2000, durante o primeiro surto da doença já em Uganda. 

Dr. Kule Jonah de Bundibugyo se tornou o segundo a morrer no Hospital Mulago, em 2007, ao lado de outros quatro profissionais de saúde durante o segundo surto de Ebola em Uganda depois de contrair a doença em contato com pacientes no Distrito de Bundibugyo. 

O Ministério da Saúde da Libéria, disse na segunda-feira que o país havia registrado 49 mortes causadas pelo vírus mortal Ebola, dos quais 26 foram confirmadas por exames laboratoriais. 

O surto na África Ocidental já é o mais mortífero da história, matando 367 pessoas de acordo com os números mais recentes da Organização Mundial de Saúde. 

A maioria das mortes registraram-se na Guiné, onde foram notificados os primeiros casos.

# africareview.com

Moçambique: Novo presidente do Supremo anuncia "tolerância zero" para corrupção.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Adelino Muchanga diz que há entre os juízes situações que envergonham a classe e por isso devem ser rapidamente combatidas.


Em Moçambique, o recém-nomeado Presidente do Tribunal Supremo diz que vai decretar tolerância zero para a corrupção na magistratura.

Adelino Muchanga disse haver no seio dos juízes, situações que envergonham a classe e por isso, devem ser rapidamente combatidas.
Nomeado há pouco menos de um mês para  Presidente do Tribunal Supremo, Adelino Muchanga, esteve hoje (terça-feira) no parlamento, para explicar as linhas fortes com as quais quer  dinamizar o funcionamento daquela instituição. A corrupção no seio da magistratura é um fenómeno que lhe vai merecer atenção especial.
Durante a audição aos membros da Comissão dos Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos e de Legalidade, a quem cabe recomendar a rectificação ou não da sua nomeação, Muchanga defendeu a necessidade da revisão dos critérios de nomeação de juízes para a magistratura, como forma de purificar as suas fileiras.
# voaportugues.com

Cuba: Honras fúnebres do general-de-corpo-de-exército da reserva Sixto Batista Santana.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

OFERENDAS florais do líder histórico da Revolução Fidel Castro Ruz, e do primeiro secretário do Comitê Central do Partido e presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, general-de-exército Raúl Castro Ruz foram depositadas junto das cinzas do general-de-corpo-de-exército da reserva, Sixto Batista Santana.
Honras fúnebres do general-de-corpo-de-exército da reserva Sixto Batista Santana

Durante as honras fúnebres, realizadas na segunda-feira, 30 de junho, no cemitério Colombo, de Havana, o general-de-corpo-de-exército Ramón Espinosa Martín, vice-ministro das Forças Armadas (FARs), expressou que o desaparecimento físico de Sixto Batista causou grande comoção, “por sua limpa e brilhante folha de serviços prestados à Pátria e porque constituía uma pessoa que conseguiu ganhar o afeto de todos os que o conheciam”.
 “Apesar de sua doença, sempre o observamos fazendo um grande esforço para dar sua contribuição à Revolução, com a mesma atitude e inteireza que o caracterizou sempre”, manifestou o general-de-corpo-de-exército Espinosa Martín.
 De sua parte, Ulises Rosales del Toro, vice-presidente do Conselho de Ministros, referiu que a morte daquele que foi seu companheiro em inúmeras tarefas é uma grande perda, pois “para os homens e mulheres de nossa geração, é um ícone”.
 A cerimônia foi presidida pelos membros do Bureau Político, generais-de-corpo-de-exército Abelardo Colomé Ibarra e Leopoldo Cintra Frías, ministros do Interior (Minint) e das Forças Armadas Revolucionarias, respectivamente; dirigentes do Partido e do governo, oficiais de altapatente das FARs e do Minint, assim como por familiares.

Por: Arianna Ceballo González
# graanma.cu

Guiné-Bissau: Moçambique aplaude acto eleitoral.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Armando Guebuza (foto AP)

O Presidente de Moçambique, Armando Guebuza, aplaudiu esta terça-feira a eleição de um novo Presidente e Governo na Guiné-Bissau, após dois anos de autoridades de transição, defendendo o apoio internacional, mas também cautela no respeito pela Constituição.

«Devíamos todos festejar o momento que a Guiné acaba de ter, com a cautela necessária, mas devíamos festejar», declarou Armando Guebuza, em Lisboa, destacando que o resultado daseleições no país representou «uma vitória».

No entanto, a situação «exige sempre a cautela de termos a certeza de que tudo vai continuar a respeitar as normas e a Constituição deste país irmão», disse.

Armando Guebuza prometeu o apoio de Moçambique e de outros países, incluindo Portugal, às novas autoridades da Guiné-Bissau.


«Nós estaremos juntos, com Portugal, nessa batalha de apoio e com os outros países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e eu creio, também, com a própria União Africana», declarou.


# abola.pt

Total de visualizações de página