Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Camarões: duplo atentado suicida no norte, uma dezena de mortes.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Soldados camaroneses implantados no Extremo Norte. © Natal Quidu

Este duplo ataque suicida ocorreu nesta quarta-feira em Maroua, a capital regional do Extremo Norte. 13 pessoas, incluindo os dois homens-bomba que morreram, 32 ficaram feridas.

Quarta-feira, 22 julho em torno de 15:30 (13:30 GMT), dois homens-bomba ", duas meninas que estavam implorando" de acordo com uma fonte do governo, detonaram engenhos explosivos em dois locais da cidade, no mercado central e numa quadra vizinha e muito próxima a Haoussa. Segundo o comunicado da Presidência, o número é de 11 mortos, mais os dois homens-bomba, e 32 feridos.

"O presidente da República condenou de forma mais enérgica esses ataques covardes e odiosos contra civis inocentes e apresenta as suas mais sentidas condolências às famílias das vítimas", disse o comunicado. Paul Biya "apelou a população para a vigilância e uma estreita colaboração com as forças de segurança", garantindo que "as instruções dadas inevitavelmente é para por ordem de Estado e para conter os danos decorrentes da ação desses criminosos sanguinários. "

Maroua, capital regional do Extremo Norte, abriga a sede da operação militar na República dos Camarões contra os terroristas do Boko Haram.

Esta é a segunda vez que Camarões é vítima desses ataques. Na semana passada, um homem-bomba realizou duplo ataque e suicida tinha como alvo a cidade de Fotokol.

#jeuneafrique.com

Gâmbia: 22 de julho - A Revolução e suas conquistas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Um evento que é digno de comemoração e estará para sempre nas mentes dos Gambianos em todo o mundo - é o grande dia 22 de julho de 1994, a Revolução liderada pelo então tenente Yahya Jammeh AJJ. Vinte e um anos depois, Gambianos e até mesmo pessoas em todo o mundo continuam a admirar o Presidente Jammeh pelo seu destemor, prontidão e postura pró-ativa em tornar o país num super poderoso estado.

revolutio

Desde então, o presidente não olhou para trás enquanto ele continua a fortalecer um grande desenvolvimento socio-económico para as portas de Gambianos. Praticamente, os rápidos desenvolvimentos foram realizados especialmente em sectores fundamentais como a educação, agricultura, saúde e infra-estrutura, entre outros.

Esta grande revolução é um abridor de olho para cada cidadão e o Presidente da República Sua Excelência Sheikh professor Alhaji Dr. Yahya Jammeh AJJ Babili Mansa através de sua liderança e políticas pragmáticas continua a criar mais oportunidades, não só para Gambianos mas também para aqueles que residem no país.

O líder revolucionário está vivendo sustentando suas palavras e nunca se desviou delas. Em seu primeiro anúncio após o golpe de Estado em 22 de julho de 1994, o Presidente Jammeh deixou claro que "Uma nova era de liberdade, progresso, democracia e responsabilidade estará a ordem do dia." Esta declaração é bem-vinda para todos os Gambianos, é como um ventos harmattan, tomadas em consideração por muitas pessoas que acreditam que o novo governo trará maior desenvolvimento sócio-económico para o país.

Na mesma linha, o seu pronunciamento na Rádio da Gâmbia em 23 de julho de 1994, ainda é o que ele vive, de como ele incentivou o desenvolvimento participativo positivo para o desenvolvimento do nosso amado país. Desde então presidente Jammeh continua a renovar o seu apelo a todos os gambianos para que se unam para fazer do país um lugar melhor para se viver.

Enquanto isso, como parte das atividades de comemoração deste ano "Revolution 22", os nossos repórteres ouviram as opiniões de pessoas, incluindo alguns ministros, governadores, prefeitos e uma secção transversal da comunidade.

Eis aqui o trecho;

Lamin Nyabally, secretário-geral, chefe do Serviço Civil e ministro de Assuntos Presidenciais e das Pescas.

1

Eu me sinto ótimo e orgulhoso como gambiano que sou para testemunhar o 21º aniversário da Revolução de 22 de Julho, sob a liderança capaz e dinâmica de Sua Excelência, o Presidente. Nós todos vimos os resultados alcançados em todos os sectores com particular incidência na educação, saúde, agricultura, turismo, infra-estrutura, comunicação, entre outros. As conquistas são sem precedentes e com base em nossos recursos... mas tudo se resume a vontade política e o compromisso que o presidente continua a assumir.

Angola: O General Traoré da Guiné-Conacry em conversações no Estado-Maior.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Fotografia: Lucas Neto | Angop

“Angola é o parceiro ideal para ajudar a Guiné Conacri na modernização do seu exército”, afirmou ontem em Luanda o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas daquele país, Namory Traoré.
Discursando na abertura das conversações oficiais entre as delegações do Estado-Maior General dos dois países, Namory Traoré disse contar com Angola para ajudar o seu país a constituir um grande exército.
Namory Traoré lembrou que a Guiné Conacri está a desenvolver um processo de reformas no exército e que a prioridade recai para a formação de quadros, no aspecto logístico e no apetrechamento das unidades com equipamentos modernos. O general de divisão reconheceu o grande poder militar de Angola, fruto da experiência adquirida durante o longo período de guerra. Esta realidade, disse, tornou Angola possuidora dum grande exército.
Angola acolhe desde 2012 soldados das Forças Armadas da Guiné para formação. 

“Estes quadros dão uma inteira satisfação ao comando militar da Guiné Conacri e isto significa que o nosso Presidente Alpha Condé tem inteira confiança nas Forças Armadas Angolanas”, acrescentou o general, defendendo acções conjuntas, cooperação e troca de informações entre os países para fazer face às ameaças de terrorismo.

O chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA), general de exército Geraldo Sachipengo Nunda, lembrou que a Guiné Conacri albergou muitos nacionalistas angolanos nos primeiros anos da luta de libertação de Angola. Referindo-se aos conflitos no mundo, o general Geraldo Sachipengo Nunda falou da convivência das velhas e novas ameaças com o terrorismo e as armas de destruição em massa. Além disso, indicou como ameaças as pandemias, a disputa por matérias-primas e por recursos naturais, as tensões fronteiriças entre Estados, as pressões migratórias, os radicalismos étnicos e religiosos e o crime organizado.

O chefe do Estado-Maior General das FAA referiu que hoje se assiste a “guerras assimétricas” e  transnacionais, em que as fronteiras estabelecidas pelos Estados deixaram de desempenhar qualquer papel, sendo ignoradas pela violência entre grupos não estatais. Por outro lado, disse, os actos de guerras e os actos criminosos tendem a ser indiferenciados, sem perspectiva de um desfecho definitivo, no tempo e no espaço. Exemplo claro, acrescentou o general Nunda, são a Al Shabab, na região do Corno de África, com raízes na Somália mas que realiza acções nos países vizinhos, e o Boko Haram, na África Ocidental, que começou na Nigéria há dois anos e hoje realiza acções violentas nos Camarões, no Chade e no Níger. A delegação militar da Guiné Conacri fica em Angola até segunda-feira. Ontem visitou o Comando dos três ramos das FAA. Hoje visita a 101ª Brigada de Tanques do Exército, na Funda, o Instituto Superior Técnico Militar e a Escola Superior de Guerra. Amanhã a delegação é recebida pelo ministro da Defesa Nacional, João Lourenço, e visita o Comando da Academia Militar da Força Aérea Nacional, em Benguela. Na sexta-feira desloca-se à centralidade do Kilamba.
#jornaldeangola.sapo.ao

Obama urgi por pressionar o Quênia sobre questões de direitos humanos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O senador Barack Obama (segundo à esquerda) com um grupo de ativistas quenianos da sociedade civil, quando ele visitou o Quênia em 2006. ARQUIVO | NATION MEDIA GROUP 


O presidente Barack Obama deve pressionar o seu homólogo queniano Uhuru Kenyatta para reformar as forças de segurança do país e passar de restrições para facilidades para meios de comunicação e organizações da sociedade civil, e para vários grupos de defesa com sede nos EUA, disse nesta quarta-feira.

Eles pediram ao presidente Obama para se concentrar em denúncias de abusos por Unidade da Polícia Anti-Terrorismo (ATPU) em Nairobi, no litoral e regiões do Nordeste.

Os membros do ATPU e outras forças de segurança "têm rotineiramente respondido a alegados ataques pelo grupo armado Al-Shabaab com operações abusivas que parecem ter como alvo comunidades específicas - muçulmanas, somalis quenianos e refugiados somalis - com base em sua etnia, nacionalidade ou religião" disseram os grupos de direitos humanos em uma carta conjunta ao presidente Obama.

"Essas ações ameaçam minar ainda mais a confiança nas forças de segurança, tornando-as menos eficazes, e alimentando a radicalização em vez de confrontá-las."

Os grupos terroristas

A carta, assinada por dirigentes de ONGs proeminentes como a Anistia Internacional e a Human Rights Watch, também pediram ao presidente dos EUA a "continuar a enviar mensagens explícitas, tanto para o público como para privado," sobre a necessidade de Kenya respeitar as normas internacionais de liberdade de expressão.

Os grupos elogiaram o governo de Obama " por muitos esforços" para apoiar os muçulmanos defensores dos Direitos Humanos e Haki África, esses dois grupos ativos na região da costa do Quênia na defesa da sociedade civil.

Estas duas organizações têm enfrentado "um ataque de assédio administrativo", afirma a carta.

Ele cita uma ordem judicial do Kenya ", que estabelece que eles não têm ligações com grupos terroristas".

O presidente Obama também deve "lembrar" ao Presidente Kenyatta de suas promessas de respeitar os direitos dos refugiados, os 14 signatários da carta sub-escreveram.

"Até à data," foi observado que, "as autoridades não demonstraram evidência de que os refugiados somalis fornecem apoio material a militantes armados".

#africareview.com




Total de visualizações de página