Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Protestos contra o aumento da tarifa de ônibus(autocarros) se espalham pelo Brasil.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Leia aqui e assista vídeos clicando no Link: Leia e veja as imagens.

fonte: estadao.com.br

EUA aceitam negociar ao mais alto nível com Coreia do Norte.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Para haver diálogo, Pyongyang diz que Washington não pode exigir condições.


Regime de Kim Jong-Un garante que conservará o estatuto de potência nuclear KCNA/KNS/AFP
A Coreia do Norte propôs neste domingo aos Estados Unidos - que aceitem - a abertura de conversações ao mais alto nível para assegurar a paz e a estabilidade na península coreana, ao fim de meses de fortes tensões na região suscitadas pelo terceiro teste nuclear de Pyongyang e por uma nova ronda de sanções ao regime. A abertura ao diálogo, expressa num comunicado da Comissão de Defesa Nacional, acontece dias depois de a Coreia do Norte ter cancelado um encontro com responsáveis da Coreia do Sul. Com Washington, Pyongyang defende a realização de "negociações de alto nível", algo que não acontece desde 2009 (as partes mantêm apenas reuniões periódicas entre responsáveis). O apelo chega com um alerta: Pyongyang conservará o estatuto de potência nuclear "até terminarem as ameaças vindas do exterior". "Se os Estados Unidos querem verdadeiramente apaziguar as tensões na península coreana e assegurar a paz e a segurança sobre o continente americano e a região", defende o Norte, não devem exigir condições para o diálogo – apenas poderão decidir a data e o local. Na véspera deste pedido, Washington instou Pyongyang a realizar acções concretas para acalmar as preocupações sobre o armamento nuclear do país. Uma reunião entre Pyongyang e Seul chegou a estar agendada para a semana passada, mas acabou por ser anulada à última hora. Inicialmente o Norte propôs que o encontro tivesse lugar em Kaesong – complexo industrial intercoreano situado em território do Norte, a dez quilómetros da fronteira –, mas a Coreia do Sul sugeriu Panmunjom, conhecida com a cidade da paz, por onde passa a linha telefónica que liga as duas coreias. No auge do clima de tensão com os vizinhos do Sul e os Estados Unidos, no início de Abril, o Norte proibiu o acesso de sul-coreanos a Kaesong, mas já admitiu a reabertura do complexo industrial. O bloqueio ocorreu no contexto do agravamento da tensão na península coreana, após a aprovação de novas sanções pelas Nações Unidas, em resposta ao terceiro ensaio nuclear da Coreia do Norte, em Fevereiro. Os Estados Unidos responderam, mostrando-se disponíveis para dialogar. “Queremos manter negociações credíveis com os norte-coreanos, mas essas conversações devem passar pelo cumprimento das obrigações da Coreia do Norte perante o mundo, incluindo o cumprimento das resoluções do Conselho de Segurança da ONU, que devem levar, em última análise, à desnuclearização”, disse à Reuters Caitlin Hayden, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional norte-americano.

fonte: publico.pt



Costa do Marfim: Óleo de palma - Africanos mobilizam-se contra a "difamação".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Congrès
© Abidjan.net por Serge T
Congresso Africano de óleo de palma: O CNRA fez animação de uma conferência pública,
Terça-feira 12 junho de 2013, Abidjan (Cocody). Désiré Allou, pesquisador do Centro Nacional de Investigação Agronómica (CNRA) organizou uma conferência sobre o tema "Efeito do cruzamento genético sobre a distribuição da produção anual de óleo de palma."

Abidjan - os produtores africanos de óleo de palma se mobilizam contra a "difamação" visando a esta cultura, acusada de destruir florestas e ameaçar a saúde humana, preocupando-se que o sucesso de um rótulo "sem óleo de palma" não condena em termo os produtores.

Responder às acusações: esse é o principal objetivo do primeiro Congresso Africano de óleo de palma (APOC), que foi realizado esta semana em Abidjan, por iniciativa do governo da Costa do Marfim e da Associação Interprofissional das filiais na Costa do Marfim (AIPH).

"Por algum tempo, os ataques mais virulentos são contra o aumento do óleo de palma e degradação da sua imagem, bem como países produtores", lamentou Koreki Christopher, presidente da AIPH.

"A campanha de difamação taxada ao óleo de palma de destruir o meio ambiente ou ser a base de doença cardiovascular", foi explicada como a grande derrota junto as industriais, agricultores e pesquisadores, que foi realizado na Indonésia, o maior produtor do mundo.

Depois de vários dias de discussões, os participantes adoptaram uma "Declaração de Abidjan" para defender a cultura de óleo palma, apresentado como um fator de desenvolvimento e um meio de luta contra a insegurança alimentar em África.

Em particular, os actores africanos dessa indústria se comprometeram a lutar para "interditar quaisquer palavras depreciativas contra o óleo de palma em qualquer meio", e "todos os produtos etiquetados com expressões do tipo, "sem óleo de palma."

O rótulo de "sem óleo de palma", de fato, cresceu nos últimos anos nos países consumidores, incluindo a França.

E Costa do Marfim, o prmeiro produtor deste óleo no seio da União Económica e Monetária Oesteafricana (UEMOA oito países), está na primeira linha dessa batalha.

A feira marfinense em dezembro de 2012 ganhou uma ação judicial em Paris contra o grupo de distribuição Système U, que lançou uma campanha publicitária contra o óleo de palma.

Se destaca a partir da Ásia

Agricultores da Costa do Marfim tinha apresentado uma queixa perante uma controvérsia que eclodiu na França, provocada pela alteração diz "Nutella" - finalmente rejeitada pelo Parlamento - que estava considerando o aumento do imposto sobre o óleo de palma em 300%.

Em seu fundamento, os produtores africanos (3,8% da produção mundial) que procuram se destacar da Ásia sobre os dois temas mais quentes, meio ambiente e saúde, temendo o impacto da preocupação crítica, especialmente contra eles, Indonésia e Malásia (86% da produção mundial).

Eles asseguram também que sua produção contém menos ácidos em grau de saturação e que esta cultura "não se realiza sistematicamente à custa de desmatamento em África."

Responsáveis da ONG marfinense Ação para a Conservação da Biodiversidade (ACB), Antoine N’Guessan disse muitas vezes junto as empresas, "o desejo de alargamento para encontrar novas áreas", notadamente na Costa do Marfim, onde a cacau, de cujo país é o maior produtor, já se consumiu três quartos da floresta ao longo de décadas. Para o óleo de palma, esta pressão corresponde a uma "forte demanda no mercado mundial", disse o especialista.

A Broffodoumé, uma grande aldeia da região de Abidjan, tem lançado há 50 anos, os primeiros planos de desenvolvimento para produtores de óleo de palma também estão preocupados com a má reputação que se fez deste óleo.

"Esta é uma campanha muito ruim que pode arruinar muitas famílias que vivem da produção de óleo de palma", adverte Jean Atsin, um jovem fazendeiro.

O óleo de palma na Costa do Marfim faz a vida de um total de cerca de dois milhões de pessoas. A produção atingiu 450.000 toneladas em 2012, representando 3,13% do PIB.

Além desse mesmo discurso negativo sobre esta cultura, Mathieu Beche plantador e chefe da aldeia, receia pelo futuro da indústria na Costa do Marfim. Em botas de plástico e chapéu de cowboy no meio da sua vasta plantação, ele critica "envelhecimento dos pomares, a falta de manutenção das estradas, ferramentas ultrapassadas de produção" e pediu o estado para agir .

O governo da Costa do Marfim vai impulsionar o setor através de uma novo plano "plantação de palmeiras" que deve decorrer até 2020.

Em sua "Declaração em Abidjan," as empresas Africanas, dominada pela indústria, também estão comprometidas com a defesa do "bem-estar" dos plantadores. A próxima reunião está prevista para o final de 2013 na Costa do Marfim capital política marfinense Yamoussoukro, para tentar  declinar realmente essa profissão de fé.

Por Christophe Koffi

fonte: abidjan.net





Total de visualizações de página