Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Senegal: O Presidente Macky Sall aos Sindicalistos - "A proteção aos trabalhadores, uma preocupação central"

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




Ontem, em recepção no Palácio da República recebeu uma lista de reclamações de diferentes centrais sindicais, o Chefe de Estado, Macky Sall, convidou-os a se unirem a fim de facilitar o diálogo social e a negociação. Para ele, o Estado quer sindicatos fortes, credíveis, capazes de defender os interesses dos trabalhadores.
O Presidente Macky Sall, recebeu ontem a lista de queixas de diferentes sindicatos do Senegal. Nesta ocasião, o Chefe de Estado apelou a unidade dos movimentos sindicais. Segundo ele, a unidade seria simplificar o diálogo social e a negociação coletiva, tornando-os mais "credíveis e eficazes". "Eu não posso apoiar a divisão do movimento operário. Em vez disso, queremos parceiros credíveis com as quais podemos trabalhar em paz ", disse o presidente. Ele acrescentou: "Nós queremos ter organizações fortes, representativas e credíveis".
O Chefe de Estado lembrou a melhoria do diálogo social e sua construção, em princípio, um novo sistema para o gerenciamento de reclamações de sindicatos foi iniciada. Trata-se de recolher as suas queixas para colocar em prática mecanismos de estudo e solução com as partes interessadas e identificadas. De acordo com o Presidente da República, "nem o governo nem os sindicatos, muito menos os empregadores devem perder de vista os interesses da nação." Ele estima que as questões energéticas, tais como estratégia em saúde, educação e ensino superior requerem um consenso. "A escola, a universidade, o hospital e as empresas devem ser lugares de serenidade, onde a produtividade, qualidade, cultura de mérito e motivação justa devem ser estabelecidas como princípios", disse ele, acrescentando que a sua vontade e a vontade do governo é de colocar o trabalhador e a empresa no centro de suas ações. No entanto, ele disse que os frutos de tais esforços não poderiam ser alcançados sem o clima social sustentável, a paz em todos os níveis, tanto público como privado. "E isso começa com o sentido de responsabilidade de todos os atores para confiar um no outro e se comprometer com acordos realistas e exequíveis", comentou o chefe de Estado.


O estado está a trabalhar para reforçar o bem-estar dos trabalhadores

Ontem, o chefe de Estado reiterou a sua determinação e compromisso do governo de não poupar esforços para fortalecer o bem-estar dos trabalhadores, da paz social, mas também um senso de responsabilidade nas decisões e ações diárias do Estado.
Ele lembrou que o empenho constante e dedicação dos sindicatos são a base poderosa no qual o desenvolvimento e o futuro do Senegal se baseia. O presidente reconheceu que o Senegal, como a maioria dos estados, está enfrentando ao mesmo tempo crises econômica, financeira e alimentar, incluindo a duração, complexidade e acuidade que são excepcionais. "Por isso, tantos desafios como grande desafio nós temos", disse Macky Sall.
Estes desafios, segundo ele, demanda de todos os segmentos da sociedade um espírito de construtivo ultrapassado, baseado no supremo senso de patriotismo e responsabilidade. Ele pediu ao Senegalês a ser "exigente para si e para melhor servir a nação." Para ele, a obrigação de servir uma nação unida e próspera também exige o cultivo de disciplina nacional, de sacrifício, mas também uma melhor complementaridade. "Temos de perceber, o Estado, os sindicatos, os empregadores, os trabalhadores e a sociedade civil, em um mundo marcado pela competição implacável, estamos num ponto de viragem no desenvolvimento do nosso país e da vida da nação", disse ele. Além disso, "temos, como determinação e pragmatismo, envolvendo modernização exemplar de nosso país na superação de barreiras sociais de qualquer tipo e em uma constante trajetória de desempenho econômico", disse ele.

Política Social

É por isso, disse o presidente Macky Sall, que o governo, apesar das condições difíceis, muito cedo iniciou medidas corajosas para reduzir para as populações o custo exorbitante de vida. Ele citou, como um lembrete, a queda nos preços de alguns bens essenciais, que o imposto de renda, entrou em vigor em 1 de Janeiro, bem como a revalorização da pensão em cerca de 10 %. "Todas estas medidas são uma ilustração eloquente" elogiou ele.
Sublinhando que os sindicatos têm uma leitura diferenciada das regras que definem a representação dos trabalhadores nos órgãos legislativos e o bem-estar social, ele pediu ao primeiro-ministro para iniciar consultas com as estruturas institucionais para permitir a operação nas organizações sociais ". Macky Sall também pediu a aplicação da legislação e regulamentação em todo o seu rigor para apoiar a restauração para a população do estado de bem-estar, observando que a protecção dos trabalhadores constitui uma "preocupação central" do governo. O que justifica as reformas em curso, tais como seguro de saúde. Macky Sall disse que a política social é evidenciada pela alocação no orçamento de 2013, um montante de 10 bilhões de francos CFA para apoiar o intercâmbio de segurança da família e o início da cobertura de saúde universal cujas primeiras transferências serão emocionais no decorrer do ano, para não mencionar o acesso livre que já está em hemodiálise.

Audiovisual: O licenciamento da televisão será regulada

O Presidente Macky Sall, prometeu colocar ordem no sector audiovisual. Ele revelou que o regime anterior já distribuiu mais de 100 licenças de políticas de televisão, empresas e pessoas próximas às autoridades da época. "Precisamos regulamentar o setor audiovisual. Nós não podemos dar licenças de televisão a ninguém. Deve haver um caderno de encargos e que os responsáveis ​​por esses canais assumam os seus compromissos ", insistiu o presidente Macky Sall, durante a cerimônia da lista de queixas dos sindicatos. Ele lembrou que para a TV, as especificações identificam uma série de condições a serem cumpridas. Infelizmente, algumas pessoas têm 2-3 licenças de TV sem que satisfaçam as especificações. "Se continuarmos por este caminho, amanhã não vamos dar as frequências de televisão para pessoas credíveis. Eu instruí o ministro da Comunicação a falar com o presidente do Conselho de Audiovisual que é para recuperar a ordem e as coisas perfeitamente "ser organizado, disse o presidente- Estado.
Ele estava reagindo após o lamento do Secretário-Geral da União de Informação Profissional e Comunicação do Senegal (Synpics) Khaliloulah Ibrahima Ndiaye. Este último denunciou o encerramento de algumas TVs, criando os desempregados. Se o Chefe de Estado reafirmou o seu compromisso para descriminalizar os delitos de imprensa, no entanto, ele lembrou que o jornalista não está acima da lei. "Este é um repositório da ética que deve verificar as informações antes de enviá-las às pessoas. Infelizmente, a investigação nem sempre é feita ", ele está desiludido, convidando jornalistas para mais responsabilidade.

Em 2012, Sar Senelec custou quase 222 bilhões de francos CFA para o Estado.

Interrogado pela união sobre a questão da energia, o presidente revelou que a Sociedade Africana de Refinaria (Sar) e Senelec aglutinaram em 2012, quase 222 bilhões de francos CFA. "É quase duas vezes o orçamento da agricultura que alimenta o povo do Senegal", disse ele. O Chefe de Estado prometeu dar uma olhada  na gestão dessas empresas. Com a Sar, por exemplo, o estado está gastando cerca de 40 bilhões de francos CFA por ano, sem dar satisfação. Ele pediu aos sindicatos para ajudar a encontrar soluções para esta empresa. Ele disse que o Estado não tem a vontade de fechar o negócio, mas quer garantir o seu modo de governança.

fonte: lesoleil.sn

Chineses dormem muito mas descansam pouco.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Chineses dormem muito mas descansam pouco


Um estudo revela que os chineses dormem cerca de nove horas por dia, mas que, na maioria dos casos, o sono não é reparador. Ser casado ou solteiro, homem ou mulher são alguns dos fatores que condionam a qualidade do sono.
A conclusão é de um estudo realizado pela Associação Médica da China que apurou, em 20 cidades e outras 40 povoações do país, que "pelo menos metade das pessoas inquiridas disseram-se sentir-se cansadas quando acordam".
Em Pequim, capital da China, mais de 80% dos inquiridos, admitiu que "o stresse lhe afeta o sono", sublinha o jornal "China Daily".
Em Pequim, aquela que foi considerada a terceira pior cidade chinesa para se adormecer, a maioria da população deita-se às 22.15 e acorda por volta das 6.30 horas.
Deitar cedo é uma realidade transversal a todo o país, onde apenas 14% da população se deita depois da meia noite.
Todavia, nos centros urbanos, cerca de 67% da população admite usar o telemóvel ou o computador antes de dormir.
Segundo Han Fang, as perturbações do sono afetam 38% da população chinesa, uma percentagem que supera a média mundial, estimada em 27%.
"O tempo que os chineses passam a dormir não é pouco, mas a qualidade do seu sono é bastante baixa", é a conclusão de um dos promotores do inquérito conduzido em novembro e dezembro de 2012, segundo a mesma fonte.
O inquérito conclui ainda que se dorme "melhor no campo do que nas cidades" e que "as pessoas solteiras dormem melhor do que as casadas e os homens melhor do que as mulheres".

fonte: jn.pt

Holandeses imaginam estradas do futuro carregando bateria do carro.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Placas luminosas na estrada avisariam motoristas se há gelo na pista Foto: Divulgação

Placas luminosas na estrada avisariam motoristas se há gelo na pista
Foto: Divulgação
Há décadas montadoras se esforçam para melhorar a tecnologia de seus carros. As condições das estradas, porém, parecem não ter evoluído no mesmo ritmo.
Agora, dois holandeses prometem mudar essa realidade com inovações como placas luminosas com alertas para condições meteorológicas adversas e uma pista que recarrega carros elétricos conforme eles andam.
Daan Roosegaarde, um artista conhecido por seus projetos excêntricos, e Hans Goris, diretor em um escritório de engenharia, já se envolveram em outros projetos ousados no passado - particularmente Roosegaarde, que chegou a desenvolver uma pista de dança com luzes ativadas pelos pés dos baladeiros e um vestido que fica transparente quando a mulher fica excitada.
A nova aposta da dupla, porém, são tecnologias que, segundo eles, podem revolucionar a construção e uso de estradas. O projeto foi batizado de "Rota 66 do futuro" - uma alusão à icônica estrada americana que até os anos 80 ligava Chicago a Los Angeles.
"Sempre me impressionou o fato de que gastamos bilhões em projetos de pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias para os carros, mas as estradas ficaram completamente imunes a esse processo", diz Roosegaarde. "Nessa área, ainda estamos presos na Idade Média."
Fim dos postes
Uma das inovações vislumbradas por Roosegaarde é uma pintura de estrada que emitiria uma luz forte no escuro, dispensando a instalação de postes de luz nas estradas.
"Quando começamos este projeto, Heijmans estava tentando criar uma luz de rua que funcionasse por meio de painéis solares", diz Roosegaarde. "Fiz com que considerassem outras opções. Como é que uma água-viva emite luz, por exemplo? Elas não têm painéis solares, nem conta de energia.
"Voltamos à prancheta de projetos e saímos com a ideia dessas tintas que 'se carregam' durante o dia e emitem luz à noite."
Mas ter a ideia é uma coisa - e transformá-la em realidade, outra. E é nesse desafio, que a experiência de Goris pode fazer a diferença.
Segundo o engenheiro, uma das opções para criar as tais placas luminosas, por exemplo, seria misturar na sua tinta grandes quantidades de um cristal especial, que contém aditivos como o európio.
Outra tecnologia que já está sendo testada diz respeito ao uso de uma mistura de tinta termossensível para criar grandes placas de sinalização em formato de flocos de neve que avisariam aos motoristas sobre a presença de gelo na pista.
Ilustração mostra estrada com capacidade para carregar carros elétricos Foto: Divulgação
Ilustração mostra estrada com capacidade para carregar carros elétricos
Foto: Divulgação
Estrada que recarrega energia
Também há um grande entusiasmo dos dois holandeses em relação ao projeto de uma pista exclusiva para carros elétricos com bobinas que carregariam as baterias dos veículos conforme eles passam.
A ideia pode parecer absurda, mas uma tecnologia semelhante já está sendo usada em um trem elétrico sem cabo em Bordeaux, na França. "Não acho que cada autoestrada holandesa terá uma pista como essa, mas poderíamos pensar em ter isso em alguns lugares específicos", diz Goris.
Uma quarta ideia que a equipe holandesa pretende desenvolver até 2015 diz respeito a implantação de pequenas turbinas em locais estratégicos das estradas para usar o vento gerado pela passagem dos veículos para acender lâmpadas de sinalização.
"Descobrimos que principalmente na frente e no fim de túneis, há muito vento e poderíamos usar esse movimento de ar (para gerar energia)", acredita Roosegaarde.
Ainda é cedo para saber quanto dessas ideias sairão do papel. "Mas a menos que alguém esteja disposto a assumir o risco de ter ideias que à primeira vista parecem impossíveis, nunca progrediremos", opina Bill Thompson, especialista em tecnologia e colunista da BBC.
Entre outros centros e institutos que também estão tentando criar novas tecnologias para estradas estão a Universidade de Stanford, a empresa canadense Bombardier e a empresa de engenharia alemã IAV.
fonte: terra.com.br


Total de visualizações de página