Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

O Brasil um modelo para o Marrocos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O crescimento econômico, a demografia, religião ... da atual semana marroquina traça um paralelo entre Brasil e Marrocos, e convida o reino Sharifian a seguir o modelo brasileiro.


O Rei Mohammed VI e o Presidente Lula da Silva, em 26 Novembro de 2004, em Brasília. © REUTERS / Jamil Bittar.


É um país cheio de sol e rico em contrastes: riqueza opulenta da burguesia arrogante esfrega favelas enormes.

Este é um país religioso e quase mística, um país que gosta de festa e pegar fogo nos jogos de futebol.

A população está concentrada nas cidades costeiras e sua capital económica é um trabalho em frente para o Atlântico. É um país que se assemelha a nós. Esta poderia ser a nossa referência.

Como o Brasil emergiu de seus anos de chumbo e seu aprendizado democrático é combinado com um crescimento econômico sem precedentes.

Hoje, este país é a sexta maior economia à frente do Canadá e do Reino Unido.

Nós nunca vamos atingir o tamanho de tal gigante, mesmo com o Magrebe unida ainda sim poderia chegar perto, mas isso não é o ponto. Este é o método que deve ser aclimatados no lado leste do nosso oceano comum.

Compartilhar a riqueza

Se o Brasil esteve fora por cerca de dez anos de uma longa estagnação econômica e sobreviveu à crise desde 2008, foi graças a uma política voluntarista desenvolvida pelos presidentes que deixaram em torno de dois eixos: o apoio as indústrias de exportação e, sobretudo, a partilha da riqueza.

No governo do presidente Lula, a classe média ultrapassou 50% da população.

Estes velhos pobres tornaram-se os novos consumidores que têm impulsionado o mercado nacional, atraindo capital estrangeiro.

Diante de um abrandamento do crescimento devido à nova crise europeia, o Brasil mantém suas metas e se recusa a alinhar com as medidas de austeridade do velho continente.

"O nosso caminho é manter o investimento, garantindo que os subsídios, benefícios e ganhos de desenvolvimento são distribuídos", disse apenas a presidente Rousseff.


Penúria doméstica

Efeito colateral desse círculo virtuoso, agora há uma falta de bom em São Paulo!

O preto interno ou misto na região de Salvador da Bahia já não precisa ir longe como escravo no Sul rico.

Mesmo as províncias mais remotas se beneficiaram com o desenvolvimento, e na região Nordeste muito tempo longe de milagre brasileiro hoje dá emprego aos seus habitantes.

O equilíbrio de poder mudou a favor dos trabalhadores domésticos que são sindicalizados em massa, como aprendemos em um recente artigo no L'Express, o preto é o passado e o poder de compra dos trabalhadores domésticos aumentou 40% em uma década ...

Graças às suas políticas sectoriais e fortalecendo sua infra-estrutura, o Marrocos tem também experimentado um enorme crescimento em sua economia.

Mas quem fez? O Reino pode se orgulhar de sua taxa de crescimento, para não despencar no ranking de desenvolvimento humano.

O desafio de redistribuição da riqueza

Enquanto quedas de crescimento e de sofrimento económico por parte dos nossos parceiros, sentimos agora cruelmente a estreiteza de nosso mercado interno para estimular a economia.

Redistribuição da riqueza, e não de caridade, como evidenciado pelo modelo brasileiro.

Uma ambiciosa política social pode se tornar um veículo para o desenvolvimento econômico. Este é o desafio que devemos enfrentar nos próximos anos. Mesmo se passar de bom ...

fonte: slateafrique

Total de visualizações de página