Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sábado, 23 de agosto de 2014

Ebola: Costa do Marfim fechou suas fronteiras terrestres com a Guiné e Libéria.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Arrivée
© Gabinete do Primeiro Ministro por DR 
Chegada do primeiro-ministro após a cúpula EUA-África. 
Segunda-feira, 11 de agosto de 2014. Abidjan. Foto: O primeiro-ministro Daniel Kablan Duncan.

Abidjan - Costa do Marfim, onde não foi detectado nenhum caso de Ebola, decidiu encerrar as suas fronteiras terrestres com a Guiné e Libéria afetadas pela epidemia, segundo um comunicado do primeiro-ministro Kaban Daniel Duncan. 

A decisão "excepcional", mantida ativa desde sexta-feira, foi feita "com o surgimento de novos casos e a reativação de antigos casos" nas "repúblicas irmãs da Guiné e Libéria", diz o texto. 

A medida foi tomada "sob estritas medidas preventivas para proteger todas as pessoas, inclusive estrangeiros, que vivem no território da Costa do Marfim", ressaltou a declaração. 

Primeiras mortes foram relatadas na sexta-feira na fronteira sudeste da Libéria e da Costa do Marfim. Esta região é a única que não foi afetada pelo vírus em um país onde o progresso parece inexorávelmente alarmante. 

"Esta informação muda o jogo", admitiu Daouda Coulibaly, um médico epidemiologista do Instituto Nacional de Higiene Pública (INHP), disse à AFP que a vigilância das fronteiras, já era forte, ainda assim está a "crescer "estado de alerta e tornar-se" extremo ". 

A Organização Mundial de Saúde tem contado 2.615 casos de Ebola, por 
1.427 mortes em quatro países da África Ocidental, de acordo com o seu mais recente balanço patrimonial de 20 de Agosto e publicado nesta sexta-feira. 

Libéria continua a ser o país mais afetado, com 1.082 casos e 624 mortes. O presidente Ellen Johnson Sirleaf anunciou no fim de julho o fechamento de quase todas as fronteiras do país, incluindo aquelas com a Costa do Marfim. 

Na Guiné, onde o primeiro surto de Ebola havia sido diagnosticado em março a 150 km a partir do território da Costa do Marfim, 407 pessoas morreram no total, com 607 pacientes afetados. Serra Leoa (392 mortes) e Nigéria (5) também são afetados. 

Em cinco meses, o governo da Costa do Marfim tem intensificado as medidas para bloquear a entrada no país do vírus. Em 11 de agosto, ele havia suspendido todos os vôos para os Estados afetados. Na terça-feira o Governo marfinense proibiu todos os eventos esportivos internacional no país. 

jf / jpc

# abidjan.net

Serra Leoa vai rever os laços com o Kenya em resposta ao Ebola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Serra Leoa ameaçou rever a sua relação com o Quênia e com vários outros países africanos sobre o seu isolamento após o surto de Ebola. 

Assessor Presidencial Ibrahim Ben Kargbo disse que o país está irritado com países como o Quénia, África do Sul e Senegal cujas ações sugerem que os países afetados por Ebola são "Estados párias". 

Transportadora nacional Kenya Airways suspendeu seus voos para alguns Liberianos e Serraleoneses após o surto de Ebola. 

Sr. Kargbo, que dirige o braço de mídia do Grupo de Trabalho Presidencial sobre Ebola, disse que ficou surpreso com a decisão 

A África do Sul proibiu os viajantes de Serra Leoa para entrar no país. 

Abandonado 

Ele criticou o Senegal por ter "quase recusado" um avião da ONU provinente de Freetown-bound de passar por Dakar. 

"Dá a impressão de que somos um Estado pária, que não é o caso", disse à emissora estatal, SLBC, e destacou que a epidemia de Ebola não era um crime. 

Outros dirigentes também pediram uma revisão das relações internacionais com os países que têm isolado Serra Leoa, quando o surto de ebola está contido. 

No início desta semana, o líder da maioria parlamentar Ibrahim Bundu, prometeu que a Serra Leoa vai rever as suas relações com os países que o abandonaram em um "momento de maior necessidade." 

O Parlamento deve convocar uma sessão especial para indentificar qual o país ou parceiro de desenvolvimento estrangeiro que estava hospedado na Serra Leoa, e em seguida, estabelecer um "registro permanente" de "nossos verdadeiros amigos". 

Vários países africanos adotaram proibição de viajar para os cidadãos dos países afetados pela doença que já custou mais de 1.000 vidas na Serra Leoa, Libéria, Guiné e Nigéria. 

Tem sido divulgado notícias de serra-leoneses retidos em aeroportos estrangeiros e centenas foram incapazes de viajar do país, devido ao cancelamento de voos. 

A proibição de viajar tem sido responsabilizado por dificuldades acrescidas com o caos econômico, incluindo escassez de alimentos e disparada de preços das commodities no país.

# africareview.com

Total de visualizações de página