Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

domingo, 19 de outubro de 2014

Nigéria: Livra-se do Ebola - o país está "melhor preparado" em caso de uma nova epidemia.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Vérification de la température de passagers à l'aéroport internaitonal Murtala Mohammed à Lagos
Verificação da temperatura dos passageiros no Aeroporto Internacional de Lagos Murtala Mohammed  © AFP

Três meses após a chegada do primeiro paciente na Nigéria com Ebola, a epidemia, sem controle, tem um número limitado de vítimas no mais populoso país da África, graças a iniciativa rápida e eficaz da reação, apesar de um sistema saúde em más condições.

Enquanto os resultados da febre hemorrágica continuam a subir, com 4.555 mortes em sete países no total, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o seu fim, oficialmente, na segunda-feira na Nigéria, após Senegal, na sexta-feira. Este anúncio seria após a conclusão do período de 42 dias exigidos --seriam dois períodos de incubação de 21 Dias de casos registrados no país.

Quando um oficial da Libéria, Patrick Sawyer, morreu do vírus Ebola em uma clínica particular, cinco dias depois de chegar a Lagos em 20 de julho, os piores cenários de catástrofe foram considerados em relação ao caos que poderia resultar ao primeiro caso importado do vírus mortal em uma megalópole de mais de 20 milhões de habitantes. Com hospitais públicos em condições precárias, sem água potável para a maioria e, mais importante, sem médicos - em greve protestando contra suas condições de trabalho.

Foram 1800 pessoas mobilizadas

No entanto, a epidemia foi contida rapidamente e fez apenas 20 vítimas neste país de 170 milhões de habitantes, dos quais oito morreram. Na Nigéria, como no Senegal -- onde um caso foi importado da Guiné pudera ser tratado sem gerar outros casos-- a reação muito rápida das autoridades e a implantação de equipes para monitorar todas as pessoas que entram em contato com pacientes, foram elementos fundamentais para parar a cadeia de infecção.

Este trabalho meticuloso foi possível em uma cidade como Lagos, com um dispositivo de emergência existente para a luta contra a pólio, imediatamente adaptado para Ebola, por especialistas dos Centros Americanos para Controle de Doenças e Prevention (CDC), já presente na Nigéria. Cerca de 900 pessoas potencialmente em risco foram seguidas em Lagos e Port Harcourt, onde um colega do Sr. Sawyer, infectado, tinha fugido e contaminou, por sua vez, um médico.

Um total de 1.800 funcionários foram mobilizados e treinados para identificação de pessoas em risco, a descontaminação das instalações e tratamento de pacientes infectados, diz Dr. Faisal Shuaib, chefe do centro de operações de emergência contra Ebola.
Além disso, graças ao suporte para a maioria dos pacientes, os primeiros sintomas e a administração de sais de reidratação oral, "A Nigéria tem uma das mais altas taxas de cura de Ebola no mundo", disse Samantha Bolton, Porta Voz da OMS. 60% das pessoas infectadas sobreviveram, contra menos de 30% em Serra Leoa e na Libéria, os dois países mais afetados, assim como a Guiné.

"A ameaça ainda está presente"

Se todos concordam que o fator sorte também jogou em vários níveis, na Nigéria, especialmente porque Sawyer, doente no momento da chegada, foi ao hospital rapidamente, evitando lugares públicos, especialistas de saúde acham que hoje, a Nigéria está um pouco melhor preparado no caso de importação de um novo caso de Ebola.

Graças a campanhas de conscientização por parte das autoridades na rádio e na televisão e um sistema de alerta SMS enviada por uma rede de informantes da Unicef, "o nível de consciência da população é muito alta hoje na Nigéria., podemos imaginar como seria fazer alerta rapidamente a um novo caso, pelo povo "disse o epidemiologista Chikwe Ihekweazu.

Logisticamente, "centros de isolamento foram identificados na maioria dos estados na (Nigéria) e seis laboratórios do país foram credenciados pela OMS" para realizar testes de Ebola. Assim, "mesmo no caso em que vários casos (seriam importados) ao mesmo tempo, devemos ser capazes de conter a epidemia", disse o Dr. Shuaib. "Todas as partes do país não atingiram o mesmo nível de preparação, mas em geral sim, o país está melhor preparado", diz John Greenleaf da CDC.

É importante, no entanto, que o Estado federal da Nigéria estejam prontos para liberação de recursos mais rapidamente, no caso de um novo surto e que continuemos a aumentar a conscientização sobre o fato de que "a ameaça ainda está presente" , diz ele. Em Lagos, distribuidores de géis à base de álcool ainda são instalados nas entradas e locais públicos e algumas instituições continuam a controlar a temperatura de visitantes todos os dias. Mas os moradores, asseguraram, que tendem a ser menos vigilantes.
Mas, como a epidemia continua a causar estragos na África Ocidental, ainda "é muito cedo para comemorar", na Nigéria, disse o Dr. Ihekweazu.

# jeuneafrique.com

Da Libéria: A Presidente Ellen Johnson Sirleaf pede ajuda mundial para Ebola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Ellen Johnson Sirleaf. IMAGEM | GRUPO Nation Media

A Presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf diz que o mundo inteiro tem uma participação na luta contra o Ebola.

Em uma "carta para o mundo", transmitido pela BBC, ela disse que a doença "não respeita fronteiras", e que cada país tinha que fazer tudo o que podia para ajudar a combatê-lo.

Presidente Johnson Sirleaf acrescentou que a geração de africanos está em risco de enfrentar "a catástrofe econômica".

O surto de Ebola já matou mais de 4.500 pessoas em toda a África Ocidental, incluindo 2.200 na Libéria.

Os doadores internacionais têm dado quase US $ 400 milhões (£ 250 milhões) para as agências da ONU e organizações de ajuda, longe dos $ 988 milhões solicitados.

Nos países mais afetados - Guiné, Libéria e Serra Leoa - cerca de 9.000 pessoas foram detectadas como possuidores de vírus, que mata cerca de 70 por cento das pessoas infectadas.

Os Estados frágeis

A carta, publicada no site da Sra. Johnson Sirleaf começa com as palavras "Querido Mundo".

Ela continua a dizer que a luta contra Ebola "requer um compromisso de todas as nações que têm a capacidade de ajudar com os fundos de emergência, material médico ou experiência clínica".

"Todos nós temos um jogo na batalha contra o Ebola", diz ela. "É dever de todos nós, como cidadãos globais, para enviar uma mensagem de que não vamos deixar milhões de africanos ocidentais para se defenderem sozinhos."

Ela disse que não é por coincidência que o Ebola havia tomado conta de "três estados frágeis ... todos lutando para superar os efeitos de guerras interligadas".

Libéria, ela notou, tinha cerca de 3.000 médicos qualificados no início da guerra civil na década de 1980 - e no fim dessa guerra, em 2003, tinha apenas três dúzias.

A mais recente crise na África Ocidental é a pior de todas, o surto de Ebola. 

O vírus se propaga entre seres humanos pelo contato direto com sangue infectado, fluidos corporais ou órgãos, ou indiretamente através do contato com ambientes contaminados.

# africareview.com

Obama pede que americanos não cedam à histeria pela epidemia de ebola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Em seu discurso semanal ao país, Obama também afastou a ideia de proibir viagens com destino e a partir da África Ocidental, epicentro da epidemia.

Washington - O presidente Barack Obama pediu neste sábado que os americanos não cedam à histeria ou ao medo diante da epidemia de Ebola, considerando que neste momento é necessário ter paciência.


As declarações foram feitas um dia depois de o Banco Mundial ter advertido que o mundo está perdendo a luta para conter o Ebola

Em seu discurso semanal ao país, Obama também afastou a ideia de proibir viagens com destino e a partir da África Ocidental, epicentro da epidemia, dizendo que uma restrição desse tipo só vai agravar a crise. "Todos nós -cidadãos, líderes, meios de comunicação- temos uma responsabilidade e um papel a desempenhar", disse Obama. "É uma doença séria, mas não podemos ceder à histeria ou ao medo, porque isso só torna mais difícil para que as pessoas consigam as informações exatas de que precisam. Temos que nos guiar pela ciência. Temos que lembrar os fatos básicos".

As declarações do presidente dos Estados Unidos foram feitas um dia depois de o Banco Mundial ter advertido que o mundo está perdendo a luta para conter o Ebola e de a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter indicado que 4.555 pessoas morreram de 9.216 casos registrados até 14 de outubro.

Os Estados Unidos -onde um liberiano morreu de Ebola em 8 de outubro e duas enfermeiras americanas que trataram o paciente foram diagnosticadas com a doença- não enfrenta uma epidemia, enfatizou Obama. No momento em que o medo do Ebola cresce entre os americanos, Obama reconheceu que é possível que surjam mais casos "isolados". "Mas sabemos como travar esta luta", disse.

"E se dermos os passos necessários, se nos guiarmos pela ciência -os fatos, não o medo-, estou absolutamente seguro de que podemos evitar uma epidemia grave aqui nos Estados Unidos e de que podemos continuar na liderança mundial neste esforço urgente". No entanto, ele advertiu que uma proibição a viagens com destino e a partir da África Ocidental não é a resposta adequada.

"Nossos especialistas médicos nos dizem que a melhor maneira de conter esta doença é detê-la em suas fontes, antes que se alastre ainda mais e seja ainda mais difícil contê-la", disse. "Tentar isolar toda uma região do mundo -se isso for possível-, na realidade, pode piorar a situação".

"Seria mais difícil deslocar equipes de saúde e materiais em ambos os sentidos. A experiência mostra que também pode levar as pessoas na região afetada a mudarem suas viagens para escapar da detecção, e isso vai tornar a doença ainda mais difícil de ser rastreada", alertou.

# correiobraziliense.com.br

Total de visualizações de página