Postagem em destaque

"A França é inimiga da Rússia", diz o vice-presidente do parlamento russo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Em alguns dias, fará um ano desde o início do conflito russo-ucrania...

quarta-feira, 16 de março de 2022

BASQUETEBOL: Descobrindo os internacionais que fizeram o jogo em Dakar.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A conferência Sahara da Liga Africana de Basquetebol (temporada 02) decorreu no complexo desportivo Dakar Arena, em Diamniadio, de 5 a 15 de março. Nas suas regras, o BAL autoriza qualquer clube participante a recrutar quatro jogadores. Dois estrangeiros e dois africanos, jogando nos campeonatos africanos. Muitos clubes usaram internacionais, que apresentamos aqui.

Além da visibilidade que oferece ao basquete africano e local, o BAL é um verdadeiro impulso econômico. Isso significa que todos os clubes participantes estão se fortalecendo para esperar ganhar o jackpot. De fato, o vencedor da temporada inaugural embolsou um envelope de 100.000 dólares (mais de 50 milhões de francos CFA). $ 75.000 para o segundo e $ 50.000 para o terceiro. Somas exorbitantes que cada um dos 12 participantes gostaria de embolsar.

Reg: 7 internacionais ruandeses no elenco

Campeão de Ruanda na temporada passada, o Rwanda Energy Group está em sua primeira campanha na BAL. Parece ter tido sucesso em seu batismo de fogo. Autor de duas vitórias em outras tantas partidas, o representante do país das mil colinas tem quase certeza de disputar o play-off em casa (de 21 a 28 de maio na Kigali Arena). É a equipa com mais jogadores internacionais. São sete em número e todos representam a equipa A do Ruanda. Eles são Ntore Habimana, Jean Jacques Nshobozwabyose, Axel Mpoyo, Elie Kaje, Dieudonné Ndizeye, Olivier Shyaka e Pierre Thierry Vandriesche que se juntaram ao grupo durante a segunda janela da FIBA ​​disputada em Dakar em fevereiro passado.

Slac: Zecevi pode contar com seus elementos Syli

 

O Seydou Legacy Athletic Club também está em sua primeira campanha BAL. O clube guineense começou bem o torneio ao vencer o Dakar University Club antes de perder na segunda partida contra o REG. Durante a sua terceira saída, os homens do treinador Zeljko Zecevi, técnico sérvio, também treinador do basquete masculino syli A. O SLAC tem quatro players internacionais. Os guineenses Ibrahima Kali Fofana, Mamady Keita, Alpha Kaba e o internacional nigeriano do Trabzonspor, Christopher Obekpa.

Us Monastir: a vez da lenda Slimane

Finalista da primeira edição do BAL e líder indiscutível da Conferência do Sahara, o Us Monastir é a primeira equipa apurada para os play-offs nesta fase da competição, graças aos seus quatro sucessos em igual número de saídas. O clube tunisiano pôde contar com os jogadores experientes que compõem seu quadro de funcionários. Entre eles, a lenda do basquete africano, Radhouane Slimane homenageado durante o último Afrobasket por sua contribuição ao serviço de sua seleção. O forte extremo de 41 anos orienta-o desde o início do torneio no Dakar Arena. Entre seus companheiros de clube, Souleymane Diabaté, da Costa do Marfim, seu infeliz adversário na final do último Afrobasket.
Os internacionais tunisianos Mohamed Mokhtar Ghayaza e Oussama Marnaoui também fazem parte da equipe do Monnasterienne.

A espinha dorsal da seleção moçambicana

Na força de trabalho do Ferroviário da Beira, encontramos quase a espinha dorsal da selecção nacional moçambicana. Entre as estrelas, podemos citar os gêmeos Orlondo louis lovela e Ermelindo Orlondo Lovela. Ismael souse Nurmamade e helton Sergio Jacindo Ubisse também fazem parte da seleção.

AS Salé: três marroquinos nas fileiras

O representante do reino Cherifian tem apenas três internacionais em suas fileiras. Este é o experiente Zakaria el Masbahi, um dos executivos do time de basquete marroquino. Há também Soufiane Kourdou e Aderahim Najah, todos internacionais marroquinos.

O DUC por trás

O clube estudantil tem a colônia mais fraca de internacionais em sua força de trabalho. Eles são apenas dois. Cheikh Bamba Diallo, que recentemente se juntou à cova. Ele também participou do último basquete afro disputado em Kigali, com a seleção do Senegal. Membro do AS Douanes na época, ingressou na Universidade de Dakar no início da temporada.
Thierno Ibrahima Niang não é convocado para a seleção desde fevereiro passado, durante a última janela de qualificação da FIBA ​​para o Afrobasket. A sua ausência na lista do treinador (adjunto) Mamadou Gueye, no seu posto de rei da época anterior, durante o último agrupamento, foi muito mal vista pelos amadores.

fonte: seneweb.com


Guerra na Ucrânia: os riscos para o Senegal.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Petróleo, gás, farinha, pão, cimento… sem falar nos produtos que podem ser impactados pelo custo do frete. A guerra na Ucrânia corre o risco de ser paga caro no Senegal. O governo tranquiliza, os consumidores da Sos acusam.

Os alertas são suficientemente claros para deixar qualquer dúvida sobre as consequências na África e no Senegal do conflito entre a Ucrânia e a Rússia. “A guerra na Ucrânia não poupará nossa economia”, disse o presidente Macky Sall ao Daaka em Medina Gounass no sábado, 12 de março. Poucas horas antes, na cúpula de Versalhes, em 10 e 11 de março, coube primeiro ao presidente francês, Emmanuel Macron, soar o alarme. “A Europa e a África estarão profundamente desestabilizadas em termos de alimentos”.

Para compreender estas preocupações, é necessário saber, a título informativo, que 30% das exportações mundiais de trigo passam pelo Mar Negro. No entanto, desde que o Ocidente decidiu boicotar a Rússia, nada saiu disso, enquanto Moscou representa quase 20% das exportações mundiais de trigo. "Os preços dos cereais já superaram os do início da Primavera Árabe e dos distúrbios alimentares de 2007-2008", disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, acrescentando que o índice de preços dos alimentos da FAO nunca esteve tão alto.

Alguns países serão mais afetados do que outros. O Senegal pode estar entre os mais atingidos, já que metade de seu trigo vem da Rússia. Amadou Gaye, o presidente da Federação Nacional dos Padeiros do Senegal, prevê mesmo o pior cenário. “Com esta guerra, o preço do pão pode chegar a 500 FCFA por baguete antes do final do ano, se esta situação continuar”, avisa no PressAfrik.

“É de temer um impacto no preço da farinha, mas”

Por enquanto, nada mudou no lado do preço da farinha e do pão. Mas nada é certo a médio prazo. "É de temer um impacto no preço da farinha no Senegal, mas esse impacto não é automático logo que existam stocks adquiridos com preços diferentes dos actualmente praticados no mercado internacional", tempera o director do Comércio Interno, Oumar Diallo, juntou-se a Seneweb.

Só que os estoques estão entre dois e três meses, se acreditarmos em Amadou Gaye da Fnbs. Experimentaremos então uma aplicação de preços de mercado? Amadou Gaye não esconde seu pessimismo. Segundo ele, o Estado do Senegal já esgotou as alavancas fiscais ao abolir o IVA sobre a farinha. Há também a suspensão total dos impostos internos incidentes sobre trigo e farinha, lembra Oumar Diallo. “Eu me pergunto hoje, com essa crise, o que o Estado do Senegal pode fazer”, pergunta Amadou Gaye que só vê aumento de preços.

Fundo de Estabilização e Equalização de Preços

Por enquanto, o Ministério do Comércio quer ser tranquilizador. “Estamos nos organizando para garantir um abastecimento correto mesmo além do período do Ramadã, ou seja, mais de 6 meses”, afirma Oumar Diallo. A ideia aqui é ter um mecanismo de abastecimento que permita comprar trigo suficiente no mercado internacional a um preço competitivo o suficiente para não ter impacto no preço atual da farinha, muito menos no preço do pão.

No total, lembra Oumar Diallo, 47 bilhões foram mobilizados em 2021 como medidas de apoio aos preços contra 50 bilhões em 2022. Diallo promete um dispositivo em conexão com o Ministério das Finanças.

No entanto, essas medidas não parecem convencer um dos defensores do consumidor. Me Massokhna Kane acha que o Estado não está fazendo seu trabalho. “É preciso criar um fundo de estabilização e equalização de preços. Há 10 anos que pedimos a criação deste fundo e o governo é teimoso. Ele permite que você gere receita quando os custos são baixos. E quando os custos aumentam, tiramos as receitas do fundo para estabilizar os preços e evitar um aumento. É o que se faz nos países responsáveis”, afirma o presidente da Sos consommateurs.

“O Estado não joga limpo com as variações de preços”

Me Kane lamenta que a verdade dos preços só se aplique em caso de aumento, nunca em caso de diminuição. Para tomar o exemplo do petróleo, o barril caiu de 120 dólares para 40 ou mesmo 30 dólares no início de 2020. No Senegal, houve apenas uma queda de 10% no preço da eletricidade e 100F no combustível. Ou seja, quase zero de repercussão. “O problema é que o Estado não joga limpo com as variações de preços”, lamenta Me Kane.

Além disso, além do trigo, há o custo de transporte que aumentou e que afeta os preços. Quer se trate de frete marítimo ou aéreo, a evasão da Rússia por navios e aviões de países ocidentais induz uma sobrecarga.

fonte: seneweb.com

Guerra na Ucrânia pode provocar crise alimentar mundial.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Fundo Monetário Internacional (FMI) já alertou que a guerra na Ucrânia pode provocar uma crise alimentar mundial. Também o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que o mundo pode enfrentar um "furacão de fome".



O preço do trigo sobe todos os dias, atingindo recordes máximos. Na bolsa de mercado futuro de Chicago, a maior praça mundial de produtos agrícolas, o preço aumentou 50% depois do ataque russo à Ucrânia. Ambas as partes em conflito, a Rússia e a Ucrânia, estão entre os maiores exportadores de trigo do mundo.

Segundo o economista agrícola Matin Qaim, diretor do Centro de Pesquisa de Desenvolvimento, em Bona, na Alemanha; "a Rússia e a Ucrânia, juntas, têm uma enorme participação no mercado de trigo mundial. Chega a ser 33,3% do que é comercializado no mundo."

A Rússia é de longe o maior exportador de trigo, seguido dos Estados Unidos, Canadá, França e Ucrânia, que ocupa, assim, o quinto lugar entre os maiores exportadores do produto.

"Grandes problemas ainda estão por vir"

Agora, com a guerra entre Rússia e Ucrânia, os maiores impactos ainda estão por acontecer, diz o analista. "A maioria dos cereais da Rússia e da Ucrânia é exportada em meados do ano e no final do ano. Os grandes problemas ainda estão por vir", alerta.

A guerra não dificulta apenas a exportação dos estoques de cereais existentes. Se o conflito se prolongar, pelo menos na Ucrânia, não será possível realizar o plantio e a colheita como habitualmente.

Assim, o preço do trigo deverá disparar ainda mais, representando um enorme problema para os países compradores, particularmente para os países em desenvolvimento, que dependem da importação.

Países como o Líbano ou o Egito, por exemplo, importam a maior parte da sua cesta básica. O mesmo acontece em países como o Quénia, que também está dependente das importações de trigo.

Mas o trigo não é o único produto alimentar exportado pela Rússia e pela Ucrânia. A fatia destes países no mercado internacional do milho e da cevada corresponde a quase 20%. Quanto ao óleo de girassol, chega aos 80%.

"Notamos aumentos de preços não apenas no trigo, mas também noutros alimentos. Para os mais pobres, nos países em desenvolvimento, o aumento dos preços dos alimentos significa, acima de tudo, mais fome. Não há outra saída que não seja comer ainda menos", afirma Qaim.

Esta foi uma preocupação compartilhada, esta semana, pelo secretário-geral da ONU. "Devemos fazer tudo o que for possível para evitar o furacão da fome e o colapso do sistema alimentar mundial", disse António Guterres.

Difícil compensar as perdas da Rússia

Neste momento, países como a Índia e a China ainda possuem elevadas reservas de trigo e poderiam abastecer o mercado mundial. "Claro que estes dois países podem reduzir os seus estoques e aumentar a oferta de trigo no mercado internacional. No entanto, isso não é suficiente para compensar a quota da Rússia e da Ucrânia", explica Qaim.

Por outro lado, o trigo e outros alimentos continuam a ser cultivados e colhidos na Rússia. "A questão agora é saber se poderemos encontrar formas de garantir que, apesar da guerra, as exportações de alimentos russos evitem uma catástrofe humanitária. Nomeadamente, os impactos da guerra noutras partes do mundo", diz o especialista.

Pelo menos, por enquanto, isso não deverá acontecer. Devido aos aumentos de preços resultantes das sanções económicas impostas por países ocidentais à Rússia, o Kremlin restringiu as exportações de vários produtos para assegurar o abastecimento da sua população nacional.

As restrições russas à exportação de cevada, centeio, trigo, milho, açúcar e outros produtos começaram esta terça-feira (15.03) e permanecem em vigor até 30 de junho.

As sanções impostas contra a Rússia não só tornam as exportações deste país mais difíceis, como inviabilizam também os pagamentos, já que vários bancos russos foram excluídos do sistema de pagamentos internacionais SWIFT. Neste sentido, o economista Matin Qaim alerta que "é preciso discutir seriamente aqui as isenções para os alimentos".

A Ucrânia, outrora chamada "o celeiro da Europa" devido aos seus solos férteis, está a ser fortemente abalada pelo conflito com a Rússia. Mas não deverá sofrer sozinha os efeitos desta guerra.

fonte: DW Africa

Últimas notícias: Alarmes soam por toda a Ucrânia.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Sirenes de alerta para ataques aéreos são ouvidas de Kiev a Odessa e Lviv. Imagens divulgadas nas redes sociais mostram colunas de fumaça se erguendo sobre a capital. Acompanhe as últimas notícias da guerra.



07:53 – Cidade para onde fugiram habitantes de Mariupol é bombardeada

A cidade de Zaporínjia, no sul da Ucrânia, que tem servido como refúgio seguro para milhares de pessoas que fogem da cidade portuária sitiada de Mariupol, foi atacada pelas forças russas nesta quarta-feira, informaram autoridades ucranianas.

"Objetos civis foram bombardeados pela primeira vez em Zaporínjia", escreveu o governador regional, Alexander Starukh, no Telegram. "Os foguetes caíram na área da estação ferroviária Zaporozhye-2". Segundo ele, não houve vítimas.

Zaporínjia está situada a cerca de 230 quilômetros a noroeste de Mariupol, cidade que está isolada do resto do país, contornada por tropas russas, e que enfrenta uma catástrofe humanitária em meio a uma drástica escassez de água, alimentos e energia.

A Rússia nega atacar civis.

07:20 – Lavrov vê esperança de acordo

O ministro do Exterior russo, Serguei Lavrov, vê chances de um acordo nas negociações entre Moscou e Kiev. As conversas não são fáceis, disse, "mas há certa experança de que se chegue a um acordo", disse à emissora do jornal russo RBK.

Segundo Lavrov, já há formulações concretas, o que indicaria que se está perto de um acordo. De acordo com o ministro, está em discussão que a Ucrânia declare sua neutralidade, o que está sendo "seriamente discutido, naturalmente em conjunto com garantias de segurança".

Representantes de ambos os países devem dar continuidade a negociações nesta quarta-feira, por videoconferência. (ARD)

05:37 – Quase 175 mil refugiados da Ucrânia registrados na Alemanha

O número de refugiados da Ucrânia que chegam à Alemanha continua aumentando. De acordo com o Ministério do Interior alemão, 174.597 refugiados foram registrados até agora.

No entanto, o número real pode ser maior, porque não há controles regulares na fronteira entre a Polônia e a Alemanha, e as pessoas com passaporte ucraniano podem circular livremente pela União Europeia por 90 dias.

Um registro é necessário somente se a pessoa desejar solicitar benefícios do Estado. (ARD)

04:29 – Autoridades reportam 500 mortes em Kharkiv desde o começo da guerra

De acordo com a administração local, ao menos 500 moradores foram mortos na cidade de Kharkiv, no leste da Ucrânia, desde o começo da invasão russa. A informação não pôde ser verificada de forma independente pela DW. A Rússia nega mirar civis em suas operações militares. (ots)

Negociações entre Ucrânia e Rússia seguem nesta quarta-feira

Um dos negociadores-chefe da Ucrânia, Mykhailo Podoliak, disse que as negociações com a Rússia continuarão nesta quarta-feira, mas afirmou que existem "contradições fundamentais" entre os dois lados. Ele descreveu as conversas como difíceis.

As conversações por videoconferência ocorrem após três rodadas de negociações pessoalmente em Belarus, que fracassaram em produzir resultados concretos.   

Moscou insiste em obter garantias de que a Ucrânia não vá aderir à Otan, além de um acordo de neutralidade. Por sua vez, Kiev exige o fim imediato da guerra e a retirada das tropas russas.

Horas antes, o assessor da presidência ucraniana, Ihor Zhovkva, afirmou que as negociações se tornaram "mais construtivas". (AP)

04:00 – 90% dos ucranianos em risco de pobreza

De acordo com o especialista em desenvolvimento da ONU Achim Steiner, nove em cada dez ucranianos estão em risco de pobreza no caso de uma guerra duradoura. 

Na pior das hipóteses, a economia do país entraria em colapso e acabaria com duas décadas de crescimento, disse Steiner, administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). (ARD)

03:35 – Ucrânia relata morte de mais um general russo

A Ucrânia disse que o major-general russo Oleg Mityaev foi morto nesta terça-feira em combates na cidade de Mariupol, no sudeste do país. A informação foi divulgada pelo assessor do Ministério do Interior ucraniano, Anton Gerashchenko.

Mityaev era comandante da 150ª divisão de fuzileiros motorizados e havia servido na Síria, disse Gerashchenko.

Não houve confirmação da Rússia sobre a morte. Segundo a Ucrânia, trata-se do quarto general russo morto desde o começo da guerra. (DW)

03:32 – FMI alerta que guerra na Ucrânia é grande golpe na economia global

O FMI alertou em um relatório publicado em seu site que a crise na Ucrânia causará um crescimento mais lento e uma inflação mais rápida em todo o mundo.

Preços mais altos de commodities como alimentos e energia vão impulsionar ainda mais a inflação, disse o FMI. A Ucrânia e a Rússia são grandes exportadores de trigo, e a guerra pode colocar pressão sobre a oferta global do grão. O preço do trigo atingiu um recorde nos últimos dias, disse o FMI.

Os países dependentes das importações de petróleo, do qual a Rússia também é um grande exportador, podem ter déficits maiores e mais pressão inflacionária, de acordo com o FMI. Alguns países exportadores de petróleo do Oriente Médio e da África, porém, podem se beneficiar de preços mais altos.

"As consequências da guerra da Rússia na Ucrânia já abalaram não apenas essas nações, mas também a região e o mundo", disse o FMI. (DW) 




Total de visualizações de página