Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sábado, 20 de julho de 2013

Senegal: O Tribunal de Justiça da CEDEAO considera a prisão e detenção de Karim Wade de não-arbitrária.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O Tribunal de Justiça da CEDEAO rejeitou as petições do ex-ministro de Estado, Karim Wade. Elas não tinham competência para interferir em um processo em curso no Senegal. O Tribunal também determinou que a prisão e detenção não são arbitrárias.

O Tribunal de Justiça da Comunidade Económica dos Estados Oeste Africano (CEDEAO) rejeitou, ontem, o pedido do ex-ministro de Estado Karim Wade, das acusações que o opõe no caso entre ele e o Estado do Senegal. Em seu veredicto, o tribunal sub-regional decidiu que a prisão e detenção do Sr. Wade não são arbitrárias. Além disso, o Tribunal não tinha jurisdição no que diz respeito ao processo judicial no Senegal. Portanto, pedidos de indemnização e outras feitas pelo ex-Ministro de Estado, através de seus advogados foram rejeitados.

Em seu pedido, os advogados de Karim Wade, os Srs. Ciré Clédor Ly, Demba Cire Bathily e Seydou Diagne pediram à Corte que condene o Estado do Senegal em diversos processos declinados pelo Tribunal de procedimentos de repressão contra o enriquecimento ilícito dos dignitários do antigo regime e, particularmente, contra o seu cliente. Eles teriam também contestado a suspensão do Estado do Senegal das instâncias da CEDEAO, os danos pelo prejuízo sofrido pelo seu cliente, o levantamento da proibição de deixar o país, além de sua plena liberação. Os advogados do Estado, por sua vez, saudaram a decisão do Tribunal de Justiça. "A decisão do Tribunal é muito clara. O Tribunal não queria interferir neste assunto que está em curso no Senegal, em conformidade com o Protocolo n º 9 do protocolo da CEDEAO ", disse Pap Khaly Niang, um advogado para assuntos do estado. De acordo com ele, essa decisão tem duas vantagens: imediatas e futuras. "As portas estão fechadas para aqueles que tentam apelar para o Tribunal de Justiça da CEDEAO para os casos de enriquecimento ilícito", acrescentou.

Souleymane Dia SY

O PDS exige a libertação imediata do ex-ministro

Em seu comunicado enviado a nossa redação, o PDS informou ao tribunal de justiça da CEDEAO, que veio proferir o acórdão no caso que opõe o Estado do Senegal ao seu irmão Karim Wade. "A Comissão de Coordenação saúda esta decisão, apesar de não atender a todos os nossos pedidos, no entanto, mantem e insisti que a implementação das suas decisões não é uma opção para os Estados, mas uma obrigação nos termos do artigo 15 do Tratado da CEDEAO", diz o comunicado.

O Partido Democrático Senegalês, lê-se no texto, lembra o Governo do Senegal a lição de casa ao dizer que o Tribunal de Justiça da CEDEAO já decidiu, no seu acórdão de 22 de Fevereiro de 2013, que "a Alta Corte da Justiça da República é a única jurisdição para julgar atos cometidos por membros do governo no exercício de suas funções. " Além disso, o comitê diretor pediu ao governo para anular as decisões ilegais da saída do território e repressão de alguns responsáveis ​​pela sua gestão. "As várias reviravoltas no caso de Dubaï Port World e os caprichos da investigação que estabelece formalmente que processos contra o nosso irmão Karim Wade baseiam-se exclusivamente no desejo de vingança e acerto de contas", diz o documento, acrescentando que o PDS solicita a libertação de (Karim Wade), libertação imediata e de todos os outros funcionários arbitrariamente detidos.

Por: Babacar Dieng

fonte: lesoleil.sn

Cuba: Declaração à Imprensa da delegação cubana à Rodada de Conversações Migratórias com os Estados Unidos, Washington, 17 de julho de 2013.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Em 17 de julho de 2013, foram reatadas as conversações migratórias entre delegações dos Estados Unidos e Cuba, presididas, respectivamente, pelo vice-secretário assistente do Bureau para Assuntos do Hemisfério Ocidental, do Departamento de Estado, Edward Alex Lee, e a diretora para os Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Josefina Vidal Ferreiro.
A reunião se desenvolveu em um clima respeitoso. Revisou-se o andamento dos acordos migratórios vigentes entre os dois países e foram avaliados os principais resultados das ações empreendidas por cada uma das partes e de forma conjunta para enfrentar a emigração ilegal e o tráfico de emigrantes.
Como expressão de seu compromisso com o combate a estes fenômenos, a delegação cubana informou acerca da ratificação pelo governo de Cuba do Protocolo contra o tráfico ilícito de imigrantes por terra, mar e ar e do Protocolo para prevenir, reprimir e sancionar o tráfico de pessoas, especialmente mulheres e crianças, ambos instrumentos complementares da Convenção das Nações Unidas contra a Delinquência Organizada Transnacional. Ainda, reiterou que o contrabando de emigrantes não poderá ser eliminado nem se poderá atingir uma emigração legal, segura e ordenada entre os dois países, enquanto se mantenha a política de pés secos-pés molhados e a Lei de Ajuste Cubano, que estimulam a emigração ilegal e as entradas irregulares de cidadãos cubanos aos Estados Unidos.
A parte cubana também ofereceu informação de interesse sobre a atualização dos procedimentos migratórios cubanos e seu processo de implementação.
A delegação de Cuba reiterou sua disposição a manter estes intercâmbios no futuro, pela sua importância para os dois países.

fonte: granma.cu

Burkina: manifestação contra o poder e "custo de vida".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Vários milhares de pessoas participaram  num meeting  neste sábado em Ouagadougou contra o "custo de vida", que transformou-se em uma manifestação contra o regime do Presidente Blaise Compaoré, em pleno debate sobre a sua sucessão, constatou um correspondente da AFP.

Organizado pela Coalizão contra o custo de vida, que reúne sindicatos e grupos da sociedade civil, o meeting  foi realizado na calma, na principal praça da capital.

Ele tinha o slogan "não pela vida cara", mas que se transformou em um protesto contra a "corrupção", a "impunidade" e o futuro Senado criado pelo presidente Compaoré e que será em breve instalado.

O governo está tentando "forçar a passagem através das tentativas de alterar o artigo 37 da Constituição e da criação de uma segunda câmara do Parlamento, que vai sair caro para o contribuinte", disse Tole Sagnon, o chefe da coalizão.

A oposição argumentou que "sem reservas" este meeting, é mais para fazer acusações ao regime que quer rever o artigo 37 através do Senado que limita o número de mandatos presidenciais, para permitir que o chefe do Estado concorra novamente à sua reeleição em 2015.

Fonte: AFP

Total de visualizações de página