Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sexta-feira, 18 de novembro de 2022

DIVULGAÇÃO DA ONU SOBRE A DETENÇÃO DE LÍDERES SEPARATISTAS DE CAMARÕES: Como água nas penas de um pato?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
É uma postura que deve trazer um pouco de luz atravessando as janelinhas das celas dos separatistas anglófonos do imaginário estado da Ambazônia detidos. Com efeito, como prelúdio do julgamento de recurso de Sisiku Julius Ayuk Tabé, chefe deste autoproclamado Estado e dos seus camaradas, o Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Detenção Arbitrária fez uma saída que não passou despercebida. Segundo a ONU, “a privação de liberdade” dos dirigentes da luta pela independência da Ambazónia, não tem “base jurídica”. Também preocupados estão o opositor Maurice Kamto e seus companheiros do Movimento para o Renascimento de Camarões, que estão presos há vários meses. Ao fazê-lo, o poder de Paul Biya, segundo a ONU, deve proceder à sua libertação imediata. A força-tarefa da ONU acabou de derramar água nas penas de um pato? Em outras palavras, as autoridades de Yaoundé se recusarão a responder favoravelmente ao pedido da ONU? É muito provável. A prova é que o desembargador rejeitou o recurso da condenada. Também vimos as coisas chegando, pois o governo camaronês já havia dado o tom. “Camarões é um país soberano e aqueles que violam nossas leis são julgados pelos tribunais”, reagiu. Tudo isso não era um bom presságio para o futuro. Isso significa que nem Sisiku Julius Ayuk Tabé nem Maurice Kamto, muito menos seus companheiros, tinham ilusões. É provavelmente o mesmo para as Nações Unidas, várias das quais foram ignoradas muitas vezes na África ou em outros lugares. Estaria na moda para o poder de Biya avançar para um compromisso político Ainda assim, se dependesse do poder de Biya, os prisioneiros de língua inglesa cumpririam integralmente suas sentenças. Num contexto de real separação de poderes, os presos poderiam ter esperado um destino melhor. Mas ninguém é enganado. Porque as decisões judiciais parecem ser ditadas dos corredores do Palácio Etoudi. Claramente, a saída da ONU provavelmente não teria um impacto decisivo no destino dos separatistas em apuros. No entanto, o governo camaronês teria muito a ganhar se levasse em consideração as conclusões do grupo de trabalho da ONU. Especialmente porque, de Kidal a Biafra via Casamance ou Tigray, a história ensinou suficientemente que nem o Kalash, nem a tortura ou a prisão podem extinguir para sempre um foco secessionista ou separatista. E a parte de língua inglesa dos Camarões não será exceção. Estaria na moda quando o poder de Biya caminha para um compromisso político colocando corajosamente e sem pretensões na mesa o debate sobre o futuro da Ambazônia. De qualquer forma, uma coisa é certa, as tendências de independência de Sisiku Julius Ayuk Tabé e seus companheiros têm fundamentos. E Biya faria bem em fornecer uma resposta política a essas fundações, alcançando os falantes de inglês. Mais do que ninguém, o homem do "6 de novembro" é diretamente desafiado; aquele que acaba de completar quarenta anos no poder. Sabendo que vai entregar, Paul Biya deve trabalhar para deixar para seus filhos e netos, um Camarões livre de crises sócio-políticas. Este também é o desafio que mais deveria importar para ele, se ele realmente ama Camarões e seu povo. Michel NANA

CUMPRIMENTO DA FRANCOFONIA EM DJERBA: Que transformação para um espaço atormentado?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Abre, este sábado, dia 19 de novembro de 2022, durante 48 horas, na ilha de Djerba, na Tunísia, a 18. conforme sugerido pela Organização Internacional da Francofonia (OIF) e pela diplomacia tunisiana em outubro de 2021. Para esta reunião de chefes coroados do mundo francófono, são esperados nada menos que trinta para uma organização que atualmente possui 88 países, incluindo 54 membros, 7 associados e 27 observadores. Para acompanhar estes Chefes de Estado, estarão em torno das mesas de debate, 89 delegações oficiais e representantes de diversos organismos internacionais. O tema escolhido é: “Conectividade na diversidade: o vetor digital de desenvolvimento e solidariedade no mundo francófono”. O mundo francófono continua sendo a classe burra da democracia Embora devamos saudar a realização desta cúpula, que marca o compromisso dos atores que tornaram possível resistir à rajada de Covid-19 e à situação mundial marcada pela guerra na Ucrânia e o ressurgimento da insegurança no país do Na faixa sahelo-saariana, também podemos nos felicitar pela relevância do tema em um contexto hiperconectado, onde os movimentos sociopolíticos e o crescimento econômico são impulsionados pelas novas tecnologias de informação e comunicação. Mas essas conquistas não devem ofuscar as questões existenciais da Francofonia. E a primeira dessas questões existenciais é a própria questão da língua francesa no mundo. Mesmo que o francês ainda tenha 321 milhões de falantes e apresente uma marca de avanço de 7% em relação ao ano de 2018, notamos uma clara queda em relação ao inglês que oferece mais facilidade. Tratar-se-á, portanto, durante esta cimeira, de tomar as medidas necessárias para que a língua francesa "seja ensinada, falada, utilizada" e para que "continue a ocupar o seu lugar" como entende o primeiro responsável pela a organização francófona. Mas imaginamos que além do uso prático da língua francesa, ela implica todos os valores que a acompanham, em termos de democracia, paz, direitos humanos, mas também cooperação econômica e sociocultural. E é nisso que reside a segunda preocupação existencial da Francofonia. De fato, apesar de a organização ter feito da promoção da boa governança e das liberdades individuais e coletivas seu cavalo de batalha, observa-se que o mundo francófono continua sendo a classe dos burros da democracia. Atestam-no os regimes resultantes dos golpes de Estado no Mali, no Burkina Faso ou na Guiné, sem esquecer as ditaduras vermes dos Camarões ou do Congo. Podemos esperar que deste país deixe um novo impulso para a África nas suas relações com a língua francesa. fonte:lepays.bf

O comentário forte de Ronaldo sobre Messi que promete fazer manchetes.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Na 2ª parte da entrevista que Cristiano Ronaldo concedeu a Piers Morgan, Lionel Messi foi um dos temas abordados. O astro português começou por revelar que este será o seu último Mundial, o 5º da sua carreira. Veja também: Escritor português sobre Ronaldo: “Quem é indiferente ao que nos faz chorar não merece o nosso respeito” Ronaldo abordou as hipóteses de Portugal e aqueles que serão as seleções favoritas à vitória final. "Vai ser provavelmente o último Mundial. Estou muito otimista. Temos um treinador fantástico e grandes jogadores. Estou convicto de que vamos fazer um grande Mundial. Já sonhei em ganhar o Mundial, vai se difícil, mas tudo é possível. Vamos ser competitivos. Nunca somos favoritos. A França, Espanha, Argentina e Brasil são os favoritos", afirmou. Ora neste sentido, Piers Morgan colocou o seguinte cenário ao astro português. Ronaldo marca dois golos, Messi também marca dois golos e depois, já no último minuto, aos 90'+4, o craque luso faz o hat trick e Portugal sagra-se campeão do Mundo. Veja também: Rui Santos arrasa em carta aberta a Ronaldo: “Não dês esse prazer a Ten Hag” Um cenário que Ronaldo assinaria por baixo, nem que fosse outro jogador a marcar o golo da vitória. "Vá lá… isso seria bom demais. Não esperaria um sonho assim tão bom quanto esse. Por mim pode marcar outro jogador, não me importa. Se Portugal chegar à final e alguém marcar que não eu, mesmo que seja o guarda-redes, eu serei a pessoa mais feliz do Mundo. Mas se isso acontecesse, posso dizer que terminaria a minha carreira se isso acontecesse", referiu. O internacional português não teve problemas em reconhecer a qualidade de Messi, ao ponto de apontá-lo como o melhor jogador que alguma vez defrontou. Ronaldo revelou que também não teria problemas em jantar com Messi "Jogador incrível, mágico, de topo. Como pessoa… Partilhámos o topo durante 16 anos, tenho uma grande relação com ele. Não somos amigos, mas é como um colega de equipa. Respeito-o muito pela forma como fala sempre de mim. É argentino, a minha namorada também… É um grande rapaz, faz tudo pelo futebol. Provavelmente o melhor que vi, a par do Zidane. Jantar com ele? Porque não? Adoro conhecer pessoas, partilhar coisas, ideias, aprender, novos pensamentos… Vou fazê-lo, de certeza, daqui a alguns anos", concluiu. fonte: https://www.msn.com/pt

Total de visualizações de página