Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sábado, 30 de junho de 2012

Sudão: como fazer sumir o Omar al-Bashir?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A revolta que aconteceu a 16 de junho em Cartum não é nova. A repressão jamais. Ela ainda é mais dura que o regime de Omar al-Bashir que está enfraquecido.


"Hurriya" (liberdade), que gritou de 16 de junho pelas ruas de Cartum ... Os eventos estão aumentando devido aos preços dos combustíveis e alimentos.

O governo de Cartum é financeiramente estrangulado pela decisão do Sudão do Sul, independente desde um ano, para suspender as entregas de petróleo para o Norte. Como resultado, o Sudão perdeu 75% de suas receitas de petróleo.

Tendo falhado a negociar com Juba partilha das receitas do petróleo, o Sudão paga as consequências da sua aplicação à força, com bombas, para resolver o diferendo ... Os cofres estão vazios depois que as  autoridades do Sudão do Sul de retiraram a 18 de junho os subsídios de combustíveis, com efeito imediato sobre os preços na bomba.


Um milhão de manifestantes

Os estudantes foram os primeiros a demonstrar em Cartum contra o aumento dos preços (30,4% em maio), atraindo um cassetete em seus dormitórios. Um estudante, de acordo com um vídeo que gira em torno da Internet, foi publicamente chicoteado por ter participado de uma demonstração. Jornais independentes são regularmente presos e impedidos de publicação. O principal partido da oposição, Umma, não tem mais o direito de realizar manifestações em frente à sua sede.

Mas a repressão está a aumentar a ira popular. As procissões não são muito impressionantes, em muitas pessoas - não mais de 20.000 manifestantes no total de acordo com o The Independent. Mas os protestos estão se espalhando já em cidades secundárias do Leste, al-Obeid e Gedaref, onde 200 manifestantes foram dispersados ​​na praça do mercado com gás lacrimogêneo.

O ras-le-bol, de frente para um chefe de Estado denunciou as ruas como um "ditador", já não tem medo de falar. O clube e o chicote será que não vão ser usados por causa da revolta, mais uma vez? Síria um novo risco a ocorrer? Um apelo a uma manifestação maciça para sábado, 30 de junho, o aniversário do golpe que levou Bashir ao poder em 1989, exatamente 23 anos, foi lançado. O nervosismo de poder já se reflete em uma implantação massiva de forças de segurança.

A chamada para "um milhão de manifestantes", lançada em 30 de junho é copiado de Tahrir Square ... Esquecemo-nos muito rapidamente, mas um vento de revolta já foi levantado em janeiro de 2011 em Cartum, no momento da primavera árabe, em um país que compartilha fronteiras com o Egito e a Líbia. Qualquer indício de revolta foi cortado pela raiz, em um reflexo do regime repressivo de Omar al-Bashir. As manifestações que pedem sua saída, 30 de janeiro de 2011, tinha terminado com centenas de detenções.


Ben Ali, Mubarak, Gbagbo

O Egito tem um monte para o Sudão. Testemunhe a jornada de Omar al-Bashir, formado numa academia militar no Cairo. Um ex-coronel com 68 anos serviu no exército egípcio durante a guerra contra Israel em 1973. Mas o Sudão não é o Egito. Os acontecimentos de janeiro de 2011 não havia resistido à repressão.

No Sudão, o chefe de Estado ridicularizado publicamente, ainda hoje é o contágio da primavera árabe. E por uma boa razão: ele não pode pensar em deixar, seguindo o exemplo de Ben Ali na Tunísia ou Mubarak no Egito. É muito certo para terminar no presídio em Scheveningen, Haia, em uma célula semelhante ao de Laurent Gbagbo, o ex-presidente da Costa do Marfim. O Tribunal Penal Internacional (TPI) foi lançado em março de 2009, um mandado de captura internacional contra Omar al-Bashir. A decisão dramática deste mandato foi o primeiro emitido contra um chefe de Estado no cargo.

Bashir não está impedido, uma vez que, pode multiplicar o seu deslocamento a países que decidiram ignorar esses processos: membros da Liga Árabe, como o Iraque, mas a maioria dos países da UE africano, com a notável exceção do Malawi. O homem forte de Cartum também visitou a China, um dos seus principais parceiros, bem conhecida por não ser muito específico sobre o respeito pelos direitos humanos.

Crimes contra a humanidade

Hoje, é impossível para Omar al-Bashir para encontrar uma saída honrosa é um dos piores efeitos do mandado de detenção emitido de forma dramática pelo ex-promotor do TPI Luis Moreno-Ocampo. Cartum já havia tentado em 2011 para a independência do Sul do Sudão como uma moeda de troca. E procurou retirar o mandado de prisão contra Bashir. "Como recompensa," de acordo com o embaixador do Sudão na ONU, em Nova York para a secessão do sul e ao final de doze longos anos de guerra (1983-2005), que fez 2 milhões de mortes.

O único problema: essa tática não funcionou. Em primeiro lugar procurado por crimes de guerra e crimes contra a humanidade em Darfur, al-Bashir é também procurado por TPI, desde julho de 2010, por "genocídio" contra três grupos étnicos em Darfur. Isso não impediu para ele continuar a exercer a vara, com a impunidade. Seus métodos evocam aqueles da Síria antes do protesto maciço do regime de Bashar al-Assad:. uso de milícia para dispersar manifestações, prisões secretas e do uso generalizado da tortura. Onde é vai parar al-Bashir? Seu destino será como que de 32 milhões de sudaneses, que estão em suas mãos.

Sabine Cessou

fonte: slateafrique






Total de visualizações de página