Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Senegal: Karim Wade - O "julgamento do século", finalmente, marcado para 31 de julho de 2014.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
{alt_text}

Face-a-face tão aguardada com o ex-ministro da Infra-estrutura, de transporte aéreo, da cooperação internacional, Karim Wade, que acontecerá em 31 de julho de 2014.

O filho do ex-presidente do Senegal, se apresentará perante a barra da corte de repreensão de enriquecimento ilícito afim de justificar a sua fortuna estimada em pouco mais de cento e dezessete (117) milhões de francos CFA, precisou a As.

A contagem regressiva está assim declinada pelo promotor especial Alioune Ndao, mas igualmente pelo conselho de Karim Wade: Srs. Ciré Cledor Ly, Seydou Diagne, Demba Ciré Bathily e os do bureau de Paris, que estiveram em Dakar há pouco tempo.
Um processo que, sem sombra de dúvida, será exagerado - comentou-se.

# seneweb.com

Economia da África Ocidental deverá crescer 7,1% em 2014.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Relatório indica que em 2013 o crescimento médio da região foi de 6,3%, mas seis dos 15 Estados-membros conseguiram taxas superiores, com a Serra Leoa na dianteira, apresentando um crescimento económico de 14,6%.

Procura de petróleo é um dos factores de crescimento económico.

Praia - A África Ocidental continuará a ser "a mais dinâmica" comunidade económica regional africana em 2014, com uma taxa de crescimento económico prevista para 7,1%, acima dos 6,3% em 2013, segundo um relatório da comissão da organização regional, citado pela agência Inforpress.
O documento foi apresentado na sexta-feira pelo presidente da Comissão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Kadré Desiré Ouedraogo, na cimeira de chefes de Estado e Governo, que termina este sábado em Yamoussoukro, na Costa do Marfim.
No relatório, citado pela agência noticiosa cabo-verdiana Inforpress, a Comissão da CEDEAO indica que, após um crescimento regional de 6,6% em 2012, seis dos 15 Estados-membros da comunidade alcançaram taxas de crescimento acima da média de 6,3% por cento em 2013, com Serra Leoa no topo da lista, com 14,6%.
Burkina Faso, Costa do Marfim, Gana, Libéria e Nigéria são os outros cinco países que, em termos de crescimento económico, ficaram acima da média regional.
No relatório, Ouedraogo referiu que o crescimento da economia regional foi impulsionado pela "forte procura" por minerais, hidrocarbonetos, pela resiliência de produção agrícola e de serviços, bem como pelas reformas macroeconómicas e sectoriais realizadas por alguns Estados-membros.
O documento refere também o acordo de financiamento de 56 milhões de euros assinado entre a Comissão da CEDEAO e a União Europeia (UE), no âmbito do 10.º Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED), como parte da operacionalização da reserva regional de segurança alimentar, lançado em Setembro de 2013 para melhorar a disponibilidade de alimentos na região.
Por outro lado, Ouedraogo salientou que o "bom uso" que a Comissão da CEDEAO deu ao envelope de 600 milhões de euros para o Programa Indicativo Regional (PIR), também incluído no 10.º FED, incentivou a UE a dobrar o envelope para 1.200 milhões de euros, já no âmbito do 11.º FED.
A cimeira vai discutir ainda outras questões, incluindo a paz e segurança na região, os relatórios de algumas reuniões ministeriais e do Conselho de Ministros, bem como eleger um novo presidente da CEDEAO, que vai substituir o chefe de Estado marfinense, Alassane Ouattara.
Cabo Verde estará representado na cimeira pelo primeiro-ministro, José Maria Neves, que, após o fim do evento, efectua uma visita oficial de dois dias à Costa do Marfim.
Além do arquipélago, a CEDEAO é composta pelo Benim, Burkina Faso, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guiné-Bissau, Guiné-Conacri, Libéria, Mali, Níger, Nigéria, Senegal, Serra Leoa e Togo.
# africa21digital.com

Internet: "Maghreb", "sionista", "Africano" ... essas palavras-chave confiscadas pelos racistas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Campagne diffusée sur les réseaux sociaux contre le racisme.
Na tela, o ódio de vento em popa. Doravante, cada sujeito da actualidade - ou quase - é uma oportunidade para uma série de usuários da Internet praticar o racismo, o anti -semitismo ou homofobia. E as salvaguardas implantadas lutando para conter a enxurrada de insultos.

Ninguém pode ignorar. Internet além do número considerável de seus aspectos positivos, é, infelizmente, cada vez mais violenta. Nele ainda aparece, às vezes, a leitura dos comentários em sites de de actualidade, para um alívio do estresse real.

E as plataformas francesas não são deixadas de longe. Considerando que, após as eleições europeias que consagram a Frente Nacional (FN), Marianne continua a se perguntar se ela é racista, a questão já se coloca mais para uma parte de internautas, uma minoria, mas infelizmente ativa.

" Frente Nacional : altas máscaras! " e " O Diabo Veste de Marinha "
Julgue por si mesmo. De acordo com a empresa Netino, que monitora vários milhões de comentários a cada mês sobre os principais sites de notícias francesa, cerca de 20% destes conteúdos são excluídos. o que pode parecer muito. No entanto, esse número mais que dobrou ou triplicou depois que comentários examinados revelaram conter as seguintes palavras: " do Norte da África ", " africano", " Imigrantes ", " Islã", "árabe ", " muçulmano", " sionistas".

Criação Infográfica
"Todas as mensagens que nós rejeitamos, as rejeitamos porque são racistas ou têm motivação racial. Isso inclui , entre 27 % e 30 % dos comentários consagrados por um artigo a um facto diverso " análisado no Mundo de David Corchia, o Presidente de Concileo de uma empresa que monitora de 4,8 a 6 milhões de comentários por mês.

" Cass'toi pov "
O número de contribuições não subiu além da conta nos últimos anos, mas o vocabulário deteriorou-se consideravelmente, notadamente durante o "casamento para todos", onde o Ministro da Justiça assumiu um alvo perfeito para o ódio homofóbico e racista. "Houve um antes e depois" do casamento para todos", diz Jeremias Manni de Netino.

Há um antes e um depois " do casamento para todos"
pode se dizer que, nos últimos anos, a liberação de discurso político não tem ajudado o debate sobre a Internet. "Quando você tem um presidente que lança " Cass'toi pov " con" diante das câmeras, então é difícil pedir aos usuários um comportamento exemplar ", explica Jeremias Manni, de Netino.

"O discurso político é mais livre hoje, notadamente desde que o Twitter se impôs e que as personalidades buscam os bons modos, sem necessariamente pensar ", ele acrescenta.

Também difícil de ser surpreendido pelo surgimento de um vocabulário de ódio quando o primeiro presidente honorário do partido francês no Parlamento Europeu diz que quer resolver o problema da imigração com " Monsenhor Ebola. " Na esteira da declaração de Jean -Marie Le Pen, por dois a três dias, mais de 55 % das mensagens que contenham a palavra " Ebola " foram eliminados, de acordo com a empresa Netino, após isso, e durante a epidemia de março e Abril, a taxa de rejeição é inferior a 30 %.
Nos últimos 90 dias, cerca de 20% dos comentários foram apagados, em média, para sites de notícias francesas, incluindo comentários racistas e anti-semitas. Mas, para os que contêm certas expressões, a percentagem pode ser muito maior. Aqui estão os mais "perigosos":

Pourcentage de commentaires supprimés dans les 90 derniers jours0102030405060ImmigréIslamAfricainArabeMaghrébinMusulmanSionisteLobbyGayTaubiraVallsFabiusSinge


Existem agora comandos digitais reais galopantes, especialmente a extrema direita que polui a internet. O desafio: ser o primeiro a postar a fim de influenciar o curso do debate sobre um artigo. E isso funciona. Um exemplo? Christiane Taubira mencionou em um artigo econômico sobre os preços das bananas.

Resultado: Sobre os sequestrados, debate podre, na raiz.

O anonimato? Não só ...
Por que essa banalização do racismo na internet? "A primeira é o anonimato, o que dá uma sensação de impunidade e liberdade de expressão ", um relatório de análise da Comissão Consultiva Nacional de Direitos Humanos ( CNCDH ) no seu relatório anual, publicado em 2013.

# jeuneafrique.com


Polícia angolana impede nova vigília de jovens ativistas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Cerca de vinte jovens terão sido detidos esta terça-feira (27.05) quando se preparavam para realizar uma manifestação pacífica e uma vigília em pleno centro de Luanda.

Jovens angolanos protestam contra iregularidades nas eleições gerais de 2012
Um forte dispositivo policial impediu na tarde desta terça-feira o acesso ao centro do Largo da Independência, na cidade de Luanda, onde deveria ter lugar uma manifestação de jovens ativistas para protestar contra assassinatos alegadamente levados a cabo por forças ligadas ao Governo e que coincidiu com mais um aniversário da alegada tentativa de golpe de Estado de Nito Alves em 1977. Vinte jovens terão sido detidos.

Segundo fontes contatadas pela DW África, o acesso ao interior do largo, numa
das rotundas mais movimentadas do centro da capital angolana, começou a ser vigiado muito cedo por dezenas policiais.

"Chega de chacinas em Angola"- lema da vigília

O autointitulado Movimento Revolucionário, um grupo de jovens ativistas dos direitos cívicos angolanos, convocou uma concentração seguida de uma vigília para aquele local, sob o lema "Chega de chacinas em Angola”.
Mbanza Hamza, um dos ativistas presentes na concentração, disse à DW África que “a polícia voltou a servir o mesmo prato de sempre, ou seja, detenções e agressões”. Segundo o nosso entrevistado, o número de detidos é agora de 20 jovens e não se sabe "para onde os levaram". "A única coisa que sabemos é que um jornalista angolano que foi detido já foi libertado", diz Hamza, acrescentando que "enquanto levavam os detidos, a polícia disparou uma bomba de gás lacrimogéneo para dentro do carro onde os jovens se encontravam”.
O jovem Nito Alves que terá sido presos mais uma vez
E Hamza cita alguns nomes dos jovens que foram detidos: “Nito Alves, Raul Mandela, Teka Petrovski, Adolfo Campos, Abrão, Agostinho Pensador, Adriano Catumbela e outros tantos que não conseguimos por enquanto identificar”.
A concentração seguida de vigília era uma atividade puramente pacífica e, para os ativistas, "seria um momento de reflexão sobre o 27 de maio, que se quer a todo o custo calar”, sublinha Hamza, ao justificar que, precisamente por esse facto, comunicaram "com a devida antecedência ao governo da província a realização dessa atividade". "Mas, enfim...”, conclui.

Jovens totalmente desapontados com atuação da polícia de Luanda
A polícia angolana está sempre pronta para atuar contra os manifestantes(Foto tirada em 2013)
Por seu turno, Pedro Malembe, um outro jovem que estava na concentração, manifestou-se totalmente "desapontado com esta situação que deveria acabar de uma vez por todas", porque “tudo o que estava programado foi atempadamente comunicado às autoridades". "E nem sequer recebemos nenhuma resposta", afirma. "Neste caso, partimos do princípio de que tudo iria correr da melhor forma. O dever da polícia era apenas manter a ordem pública e proteger os bens públicos, mas ela fez precisamente o contrário, reprimiu a concentração, algo que é contra os princípios de um Estado de direito um país que se diz ser democrático", considera o jovem ativista.
Malembe deixou claro que os jovens estão a entrar em contacto com o comandante geral da Polícia Nacional Ambrósio de Lemos. “Queremos que os nossos amigos e colegas sejam libertados porque não fizeram nada de mal, apenas queriam reivindicar um direito que todo o cidadão angolano pode e deve”, justifica.
A DW África telefonou várias vezes para o telemóvel do Comandante Geral da Polícia Nacional de Angola, mas ninguém atendeu.

37° aniversário da "purga" no seio do MPLA contra os "fraccionistas"

Recorde-se que este movimento de jovens tem protagonizado manifestações de protesto na capital angolana desde 2011, nomeadamente com críticas à atuação das forças de segurança, terminando geralmente em confrontos com a polícia.
A vigília desta terça-feira acontece na passagem do 37.° aniversário da liquidação da ala do MPLA dirigida por Nito Alves e José Van Dunem. Sobre esta data, e segundo a convocatória colocada a circular pelo movimento, estes exigem a criação de uma "Comissão da Verdade" sobre o que aconteceu em 1977.

O movimento reclama ainda justiça para o caso dos ativistas e ex-militares Alves Kamulingue e Isaías Cassule, que desapareceram em maio de 2012. Estes tentavam, na altura, organizar uma manifestação de outros antigos camaradas de armas, para exigir o pagamento de subsídiosalegadamente em atraso, nalguns casos há mais de 20 anos sem serem pagos.

DW.DE

Ataque do Boko Haram mata 31 seguranças na Nigéria.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Damaturu/Maiduguri - Atiradores do Boko Haram atacaram uma base militar da Nigéria e instalações adjacentes da polícia na cidade de Buni Yadi, no nordeste do país, matando 31 seguranças, disseram fontes de segurança e testemunhas.
Mapa da Nigéria
O ataque desta segunda-feira no Estado de Yobe ocorreu perto de onde os insurgentes islâmicos mataram a tiros ou incendiaram 59 estudantes de um colégio interno em Fevereiro.
Os militantes, cuja luta violenta por um Estado islâmico no norte nigeriano já vitimou milhares e fez do grupo a maior ameaça à segurança do maior produtor de petróleo da África, ainda detêm mais de 200 raparigas sequestradas em 14 de Abril, acto que despertou revolta em todo o mundo.
O porta-voz da polícia de Yobe, Nansak Chegwam, disse estar ciente do atentado, mas não forneceu mais detalhes.
Um morador de Buni Yadi, que se identificou como Mustafa, disse que os militantes chegaram num veículo blindado e seis gipes, saltando dos carros e disparando para o alto.
Eles dispararam granadas lançadas por foguetes contra as duas bases. Uma autoridade de segurança do alto escalão do Estado de Yobe disse que 17 soldados e 14 policiais morreram.
Num gesto raro para um movimento que matou milhares de civis no último ano, o Boko Haram pediu às pessoas nas ruas que não fugissem, já que só procuravam as forças de segurança, disseram Mustafa e a fonte de segurança.
# portalangop.co.ao

Total de visualizações de página