Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Estados Unidos: Obama pede ao Congresso que aprove US $ 6 bilhões em ajuda para Ebola na África Ocidental.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Barack Obama (à direita) falando com o Diretor Tony Fauci (2, à esquerda) do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) dos Estados Unidos durante uma excursão ao centro de pesquisa de vacinas nos Institutos Nacionais de Saúde em 2 de dezembro de 2014 em Bethesda, Maryland . O NIH publicou recentemente os resultados de uma fase de ensaios clínicos de uma vacina candidata contra Ebola. PHOTO / AFP.

O Presidente dos EUA, Barack Obama renovou as chamadas para o Congresso para aprovar US $ 6 bilhões (R $ 3,8 bilhões) em ajuda de emergência para combater o surto de Ebola na África Ocidental.

O presidente fez o apelo em uma visita aos Institutos Nacionais de Saúde, onde ele felicitou os cientistas sobre o trabalho no sentido conseguir uma vacina.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que 6.055 pessoas morreram na Libéria, Serra Leoa e Guiné.

A caridade médica, Médicos Sem Fronteiras (MSF), mais uma vez criticou fortemente a resposta internacional.

Ela descreveu como irregular e lenta, o trabalho de combate à crise, em grande parte pelos médicos, enfermeiros e organizações de caridade.

O relatório MSF disse que os governos estrangeiros - nomeadamente o do Reino Unido em Serra Leoa e China e, mais recentemente na Libéria - continuavam a construir centros de tratamento de Ebola.

Mas estes eram, por vezes, nos lugares errados e usando equipes local sub-qualificados.

"É extremamente decepcionante que os estados com as capacidades de resposta ao desastre-biológico optaram por não implantá-las," Dr Joanne Liu, presidente internacional do MSF, disse em um comunicado.

Mais cedo nesta terça-feira, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e (FICV) disse que foi um estigma a ação contra viajantes de países infectados por Ebola que estava dificultando a luta contra a doença, desencorajando os médicos ocidentais em ajudar.

"Presente de Natal"

O presidente Obama disse que a estratégia de combate Ebola está "começando a mostrar resultados".

"Nós estamos vendo algum progresso, mas a luta não está nem perto de chegar ao fim ", disse ele.

"Cada "hotspot" é uma brasa que se não for contida pode se tornar num novo fogo, por isso não podemos baixar a guarda nem por um minuto. E nós não podemos apenas lutar contra esta epidemia, temos de extingui-lo."

Ele disse que era encorajador ver as taxas de infecção em declínio na Libéria e chamou atenção ao progresso na pesquisa da vacina, o que é "emocionante".

Ele instou o Congresso a dar um "bom presente de Natal" para o mundo, através da aprovação US $ 6 bilhões em financiamento de emergência.

Congresso está trabalhando em um projeto de gastos em massa, mas a legislação se envolveu com Ebola e com o partidarismo político.

Membros conservadores do Congresso são esperados a  desafiar o apelo do Presidente Obama para os fundos em resposta às recentes ações executivas controversas do presidente sobre a imigração, ajudando mais de quatro milhões de imigrantes ilegais.

Enquanto isso, a Casa Branca disse que os EUA estavam melhor preparados para lidar com o surto de Ebola em casa, e os esforços para combater isso na África Ocidental estavam progredindo.

Uma rede de 35 hospitais em todo os EUA estão prontos para tratar pacientes de Ebola e o número de laboratórios utilizados para testar o vírus aumentou de 13 para 42.

Cerca de 200 civis e 3.000 militares também foram mobilizados para a África Ocidental, e três unidades de tratamento de Ebola e um hospital foram criados na Libéria.

# africareview.com


Novo embaixador de Portugal na Guiné-Bissau apresenta cartas credenciais.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Foi assessor diplomático de Durão Barroso e Santana Lopes.


O novo embaixador de Portugal na Guiné-Bissau, António Leão Rocha, entrega esta quarta-feira as respectivas cartas credenciais ao Presidente da República guineense, formalizando as funções que na prática já exerce, disse à Lusa fonte diplomática. O cargo já não era ocupado há dois anos.
As cartas credenciais são enviadas pelo chefe de Estado do país de origem do diplomata, pedindo ao homólogo do Estado de destino que o aceite como embaixador. António Leão Rocha foi nomeado por Portugal por decreto presidencial publicado em Diário da República a 16 de Setembro.
Após o golpe de Estado de Abril de 2012 na Guiné-Bissau e com o fim da missão do embaixador português à época, não voltou a haver nenhum representante no cargo, numa altura em que Portugal não reconhecia as autoridades de transição – que tomaram o poder após a insurreição militar.
A designação de António Leão Rocha, que já se encontra em Bissau desde Abril nas funções de encarregado de negócios, surge depois da posse de órgãos de soberania eleitos este ano.
O novo embaixador tinha sido anteriormente cônsul-geral em Bordéus e, ainda antes, representante permanente adjunto de Portugal junto da comissão política e de segurança da União Europeia, em Bruxelas. No currículo conta com ligações à realidade africana. Foi ministro conselheiro na embaixada de Portugal na África do Sul durante quatro anos e posteriormente adjunto diplomático dos primeiros-ministros Durão Barroso e Santana Lopes com o pelouro de África.

#publico.pt

Total de visualizações de página