Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Tribuna: a crise no Mali deve despertar o ideal do pan-africanismo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Para Assane Diop, jornalista RFI, a situação no Mali deve ajudar a criar uma nova África.

Um jovem vendedor de bandeiras do Mali e da França, em Bamako, 24 de janeiro de 2013. © REUTERS / Malin Palm


Panafricanismo e o Renascimento Africano. Um tema desafiador e deliberadamente otimista, mas muito longe da realidade que dominaram os trabalhos da XXª cimeira da União Africana (UA), de 27 e 28 de Janeiro de 2013, em Adis Abeba, Etiópia.

Mais uma vez, os Chefes de Estado e de Governo têm sido sobrecarregados com a notícia e passaram a maior parte de seus trabalhos fazendo exame de conflitos e crises na África hoje. Com diferentes graus de intensidade, principais regiões africanas conhecidos como focos de forças de tensão.

Mas é, sem dúvida, o conflito do Mali que tem dominado as discussões na cimeira da UA. Desde o início, o Chefe de Estado do Benin e presidente cessante da organização, Thomas Boni Yayi, ouviu-se o tom em seu discurso inaugural.

Há muito que elogiou a "coragem" do seu homólogo francês, François Hollande, que impediu que grupos jihadistas Ansar Dine Mujao da AQMI a aproveitar tudo do Mali.

A operação Serval não tem apenas uma parada nos jihadistas de super rezzou em Toyota para Bamako, mas está em processo de restauração da integridade territorial do Mali, uma vez que a cidade de Kidal está totalmente libertado.

Entusiasmo sobre a operação Serval

Em seu discurso, o Presidente do Benim respondeu àqueles que continuam a questionar e até mesmo a denunciar a oportunidade da intervenção francesa na crise Africana. Alguns detratores viram na operação móvel Serval "como neocolonial  francês ou referidos em ouro e urânio", que regorgeiam o norte do Mali.

Enquanto as grandes potências muitas vezes atuaram em seus interesses em primeiro lugar, François Hollande provavelmente foi melhor compreendido do que outros líderes ocidentais que a expansão de grupos jihadistas na região do Sahel ameaça os interesses econômicos e de segurança de expatriados ocidentais na região.

O refém francês sequestrado no Níger na cidade da Areva e ainda está sendo realizada na região do Sahel e da desgraça de expatriados ocidentais e japoneses mortos recentemente na cidade de Amenas produtor do gás argelino e pelo grupo argelino Mokhtar Belmokhtar são as provas trágicas.

Thomas Yayi Boni também destacou outra verdade aos seus homólogos africanos. Há muito tempo, lamentou em seu discurso a incapacidade dos Estados africanos para se defender contra os ataques armados.

A conquista da província de Kivu do Norte, em dezembro de 2012 pela rebelião do M23 e da coalizão da ofensiva relâmpago dos rebeldes Seleka, na República Centro Africano, contra as forças governamentais em desordem são uma das evidências recentes.

Enquanto a inviolabilidade das fronteiras é um dos pilares da Carta da União Africana, grupos armados fanáticos ocuparam por mais de 10 meses cerca de 60% do território do Mali, sem realmente serem desafiados antes da eclosão da operação Serval, em 10 de janeiro.

Mais a sério, muitos países vizinhos do Mali, membros e não-membros da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental), há muito tempo tentaram negociar com os jihadistas invasores, ao mesmo tempo dando-lhes legitimidade quando hoje eles são tratados como "criminosos e terroristas".

Assim, vimos o papel do mediador CEDEAO sobre a crise no Mali, após o golpe militar de 22 de Março do capitão Sanogo, que se expandiu.


CEDEAO, um interlocutor indispensável

O Presidente burkinabe, Blaise Compaoré, foi tentando em vão desempenhar os bons ofícios entre Ansar Dine e poder de Bamako. Pelo menos duas reuniões foram realizadas em Ouagadougou.

Argel também patrocinou o caminho da paz, antes de ser enganado por sua vez por Ansar Dine. Hoje, parece que os proponentes de negociações de paz estavam errados.

Ao mesmo tempo, pode-se ver também no processo do Presidente burkinabe uma admissão de fracasso. Era melhor os países da CEDEAO tentarem negociar  e não desalojar a capacidade militar de 4000 jihadistas fortemente armados e experientes.

Com as armadas do exército Congolês e maliense da região Central sub-equipado e sem logística por si só não poderia empreender a reconquista do norte do Mali.

Além disso, sua tarefa seria tão complicada pela Mauritânia e Argélia, dois grandes vizinhos do Mali que permaneceram por muito tempo contra a ação militar contra os jihadistas.

Solidariedade "comunidade berbere prevaleceu sobre todas as outras considerações em Argel e Nouakchott", diz um ex-diplomata maliano, que estava estacionado no Norte da África.

Lamentando a reação daqueles que denunciaram a intervenção francesa no Mali, o presidente do Benin provavelmente pensou também no Egipto e na Tunísia.

Os dois principais países da Primavera Árabe, os membros da UA são agora dirigidos por governo islâmico sob a influência da Irmandade Muçulmana, que sentiu que a crise deve ser resolvida entre os muçulmanos do Mali e Africanos. Na Tunísia e no Egito pós-revolução são tentados a mentir para o norte da África e na África do Norte.

Mas devemos reconhecer que a crise causou um choque no Mali. A União Africana e a CEDEAO devem unir-se e desempenhar um papel importante no pós-crise que surgiu no Mali.

Nós já mencionamos a possibilidade de envio de uma força da ONU sob as cores enquanto nenhuma das missões de paz na África que foram conduzidas pelas Nações Unidas nas últimas décadas têm sido bem sucedidas.

De Angola, Ruanda, em 1990, através da RDC e Costa do Marfim mais próximo de nós, a presença da ONU nesses países não foi um factor de paz, paradoxalmente.

Evitar erros do passado

O exemplo da AMISOM na Somália, podemos estabelecer uma força Africana, sob a égide da União Africano e da CEDEAO, com apoio financeiro internacional. Como tal, pode-se imaginar a criação de um clube como "Amigos do Mali". No modelo de países amigos da Síria ou Líbia para ajudar a reconstruir uma vez, não só no norte do Mali, mas o país inteiro.

Terça - feira, 29 de janeiro, os países doadores se reuniram em Adis Abeba em favor do Mali e prometeram cerca de meio bilhão de dólares em ajuda. Isso já é um grande esforço e com a ajuda militar francesa.

Para que os líderes políticos e militares assumam as suas responsabilidades no Mali e para mostrar a altura da mobilização internacional de seu país.

Isso exige diálogo, a reconciliação e os direitos dos povos do norte, em toda sua diversidade. Caso contrário, os velhos demônios estão acordados.

A cúpula 20 da União Africana marcou a estréia do novo Presidente da Comissão da organização. Dlamini Zuma da África do Sul, que orgulhosamente anunciou uma contribuição de US $ 50 milhões na reunião de doadores em favor do Mali.

Pan um gesto bonito como esse que merece ser elogiado. Mas o renascimento virá quando a União Africana vai se tornar financeiramente independente, enquanto mais de 90% do seu orçamento depende de ajuda externa, principalmente da União Europeia. Mas isso é outra história.

Por: Assane Diop

fonte: SlateAfrique

Angola: Executivo responsabiliza e suspende actividade da Igreja Universal.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O Executivo anunciou hoje, sábado, que responsabiliza a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) pelo incidente ocorrido a 31 de Dezembro passado, no estádio da Cidadela Desportiva, que provocou a perda de vidas humanas e decidiu suspender a actividade da organização religiosa por 60 dias.
Segundo uma nota dos Órgãos Auxiliares do Presidente da República, “perante a gravidade dos factos de que resultaram lamentavelmente a perda de vidas humanas o Executivo decidiu que a matéria dos autos seja remetida à Procuradoria-Geral da República para o aprofundamento das investigações e a consequente responsabilização civil e criminal.
Os Órgãos Auxiliares do Presidente da República informam que a Comissão de Inquérito criada para apurar as causas que deram origem ao incidente ocorrido no Estádio da Cidadela Desportiva constatou que o incidente deveu-se à superlotação no interior e exterior do Estádio da Cidadela, causada pela publicidade enganosa, consubstanciada no slogan: “O Dia do Fim –venha dar um fim a todos os problemas que estão na sua vida; doença, miséria, desemprego, feitiçaria, inveja, problemas na família, separação, dívidas, etc. Traga toda a sua família”.
Adianta que esta publicidade enganosa criou no seio dos fiéis e não só uma enorme expectativa de verem resolvidos os seus problemas, tendo por isso atraído para o local do evento um elevado número de pessoas, entre velhos, crianças e doentes.
Diz ainda que a publicidade utilizada para a mobilização dos fiéis foi criminosa e enganosa pois, tal como estabelecem os artigos 14 e 16 da Lei nº 9/02 –Lei Geral da Publicidade, a mesma continha informações falsas, susceptíveis de alarmar o espírito do público e induzi-lo em erro.
Apurou ainda que em consequência da adesão maciça verificaram-se vários constrangimentos tais como a superlotação do recinto antes da hora marcada para o início da vigília, estacionamento desordenado no interior, exterior e áreas circundantes ao Complexo Desportivo da Cidadela, tendo suplantado a previsão dos organizadores do evento e dificultado a adequação devida das forças de asseguramento, designadamente a Polícia Nacional, Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros, Instituto Nacional de Emergências Médicas, Cruz Vermelha e outras.
Constatou também que apesar de ter recebido indicações da Direcção do Complexo da Cidadela que o estádio comportava apenas 30.000 pessoas, ainda assim, a Igreja Universal do Reino de Deus perspectivou acolher no referido evento um total de 152.600 (Cento e Cinquenta e Dois Mil e Seiscentos fiéis), sendo 35.000 (Trinta e cinco mil) pessoas nas bancadas do 1º anel, 30.000 (trinta mil) por traz da baliza norte, 30.000 (trinta mil) por traz da baliza sul e 57.600 (Cinquenta e Sete Mil e Seiscentas) pessoas na parte exterior, frontal à tribuna, sem contudo comunicar às autoridades a sua previsão de 152 mil e 600 pessoas.
O inquérito apurou que a projecção feita pela Igreja quanto ao número de pessoas para aquele recinto não foi realista e pecou por excesso.
Constatou-se também que de acordo com o cartaz publicitário sobre a vigília da IURD, o evento teria início às 20H00. Porém por volta das 18H00, os espaços reservados para os fiéis no interior do Estádio estavam completamente lotados, tendo a organização ordenado o encerramento de todos os portões, à excepção do portão VIP e do portão nº 6, onde uma parte considerável da população afluiu provocando deste modo uma enorme pressão sobre a entrada.
Verificou que as 100 pessoas voluntárias mobilizadas pela IURD não tinham preparação para realizar de forma efectiva a assistência médica, pois tinham apenas a incumbência de apoiar, em caso de necessidade, o pessoal do INEMA.
Segundo a sindicância mandada instaurar pelo Presidente da República notou-se que para permitir a entrada dos populares de forma ordeira, isto é, em fila, a organização abriu parcialmente o portão nº 6 e que, por volta das 18H30, começaram a ouvir-se cânticos e aclamações no interior, que geraram na população a presunção de se ter iniciado o evento, pelo que entendeu forçar a entrada.
“Devido a pressão exercida sobre o referido portão os membros da segurança da Igreja que se encontravam do lado interior não resistiram ao fluxo imediato, verificando-se a queda dos fiéis em cadeia, agravada pelo declive do túnel de acesso, pela falta de iluminação e pelo pavimento escorregadio em virtude do derramamento da designada “água consagrada” que estava a ser distribuída aos crentes”, lê na nota.
Apurou ainda que mesmo na sequência das mortes e desmaios de pessoas, a Igreja não interrompeu a actividade.
Provou-se que os desmaios em cadeia durante o culto ficaram a dever-se em grande medida ao agravamento do quadro clínico de pessoas já doentes que foram em busca de uma suposta cura “milagrosa”, incluindo asfixia, fome agravada pelo jejum, dado que muitas das vítimas recuperaram tão logo lhes foi dada uma leve refeição quer no local pelo INEMA quer no hospital Américo Boavida.
A Nota dos Órgãos de Auxiliares do Presidente da República orienta que em virtude de se constatar que as Igrejas Mundial do Poder de Deus, Mundial do Reino de Deus, Mundial Internacional, Mundial da Promessa de Deus, Mundial Renovada e Igreja Evangélica Pentecostal Nova Jerusalém apesar de não estarem reconhecidas pelo Estado angolano realizam cultos religiosos e publicidade, recorrendo as mesmas práticas que as da IURD, sejam igualmente interditadas de realizar quaisquer actividade religiosas no país.
Adianta que a suspensão e a interdição referidas nos pontos 2 e 3 sejam fiscalizadas pelos Ministérios do Interior, da Justiça e dos Direitos Humanos, da Cultura, da Administração do Território e da Comunicação Social e pelos Governos provinciais, devendo vigorar enquanto durarem as investigações pela Procuradoria Geral da República.
Estabelece que doravante a realização de cultos religiosos em recintos fechados, tais como estádios e pavilhões gimno-desportivos, seja condicionada a prévia criação de condições de segurança, assistência e primeiros socorros.
Determina que de futuro, para actividades similares, se exija no plano legal a realização de reuniões de concertação entre todas as forças e serviços intervenientes no asseguramento e a autoridade administrativa que as autoriza.
Os departamentos ministeriais competentes são orientados no sentido de procederem à revisão da legislação existente, nomeadamente da Lei nº 2/04 de 21 de Maio sobre a Liberdade de Consciência, de Culto e de Religião, da Lei nº 16/91 de 11 de Maio sobre o Direito de Reunião e de Manifestação, da Lei nº 9/02 sobre a Publicidade, do Decreto Presidencial nº111/11 de 31 de Maio sobre Actividades de Espectáculos e Divertimentos Públicos, bem como a criar outras normas que regulem a realização de actos religiosos fora dos templos e de outros actos de massas.
O Executivo angolano, face ao exposto, apela aos fiéis das igrejas visadas e a toda a população em geral no sentido de se manterem serenos e cumprirem cabalmente as decisões tomadas.

fonte: OPAIS.NET

Em Lisboa, líder do PAICV e Primeiro Ministro de Cabo Verde defende recuperação de tradições progressistas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Em Lisboa, líder do PAICV defende recuperação de tradições progressistas

O primeiro-ministro de Cabo Verde e presidente do PAICV disse este domingo que o encontro da Internacional Socialista (IS) que se vai realizar na terça e quarta-feira em Lisboa e Cascais deve recuperar as tradições progressistas e promover o combate às desigualdades.
“É fundamental reflectirmos em conjunto enquanto partidos de esquerda. Temos compromissos com a liberdade, com a igualdade e com a solidariedade e tendo em conta esta crise teremos de encontrar, enquanto partidos de esquerda, soluções que levem a um maior crescimento, à geração de empregos e que levem a mais fraternidade, a menos desigualdades na distribuição do poder e ao bem-estar social para todos”, disse à agência Lusa José Maria Neves.
"Economia Global: a nossa visão de Crescimento, Emprego e Desenvolvimento Sustentável" é o tema central do Conselho da Internacional Socialista que se prolonga até terça-feira com encontros que se vão realizar também em Cascais.
Na reunião no Conselho da Internacional Socialista vão estar presentes 250 representantes de 90 delegações de partidos políticos e organizações de todo o mundo, incluindo figuras como o ex-primeiro-ministro grego George Papandreou, o secretário-geral da IS, o chileno Luis Ayala, o primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, o presidente da Assembleia Constituinte da Tunísia, Mustapha Ben Jaffar, e a ex-candidata presidencial francesa Ségolène Royale.
Para o líder do Partido Africano para a Independência de Cabo Verde há compromissos que os “poderes públicos devem ter no sentido de se promover o bem comum”, para “combater” as desigualdades e todas as outras formas de exclusão e de garantir “espaços mais iguais” na distribuição do poder.
Para José Maria Neves já há, sobretudo na Europa, “situações de ruptura e de crise” que os socialistas devem corrigir através de condições contra o “aperto social”, o aumento das desigualdades e à defesa dos serviços dos serviços públicos do Estado
“Saúde, educação e políticas de solidariedade que são fundamentais para a garantia da coesão social e para se garantir uma maior igualdade de oportunidades”, reforçou o líder do PAICV sublinhado que as referências históricas dos socialistas e progressistas devem ser recuperadas.
“Temos de recuperar esses princípios e esses valores, não apenas no plano do discurso mas também no plano da acção quotidiana da governação: de Mário Soares, Mitterrand, Filipe González, Willy Brandt, Olof Palme e de todos esses grandes socialistas. Também Leopold Senghor, Mandela e esses grandes homens de esquerda e progressistas mundiais e que têm referências importantes”, disse José Maria Neves.
O líder do PAICV encontrou-se também este domingo em Lisboa com o secretário-geral do PS, António José Seguro, que anunciou a criação de "uma aliança progressista no espaço lusófono".
"A ideia é criarmos um espaço onde, não só os partidos socialistas que estão na Internacional, mas também outras forças progressistas se possam juntar a nós com o objectivo muito simples de afirmar as nossas ideias de progresso social, de desenvolvimento humano e de cooperação entre os diferentes países que usam a mesma língua - a língua portuguesa - como a sua língua oficial", afirmou António José Seguro, com José Maria Neves ao seu lado.
fonte: expressodasilhas

Tributo aos Heróis da Nação angolana.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Acção heróica de 4 de Fevereiro conduziu à conquista da Independência Nacional
Fotografia: JA.


A direcção do MPLA garante continuar a promover acções de natureza política, económica, social e cultural para a dignificação dos antigos combatentes e veteranos da pátria, em reconhecimento pela “prestimosa participação na história da criação da Nação angolana”.
Num comunicado por ocasião do 52º aniversário do início da luta armada, que hoje se assinala, o bureau político do MPLA dirige uma “palavra de apreço aos antigos combatentes e veteranos da Pátria” e afirma que o seu “exemplo inapagável” deve servir de incentivo às novas gerações de angolanos.
O MPLA defende que a bravura e determinação dos combatentes devem motivar os mais jovens a participar no desenvolvimento económico e social do país, no quadro da promoção da igualdade de direitos e de oportunidades, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade, crença religiosa, opção política ou quaisquer outras formas de discriminação. “As comemorações do 4 de Fevereiro deste ano decorrem numa altura em que o MPLA e o seu Executivo estão empenhados em redobrar esforços, rumo à satisfação das necessidades dos cidadãos, cumprindo o seu Programa de Governo para o período 2012/2017, que mereceu a preferência dos angolanos, nas eleições gerais de 31 de Agosto”, lê-se no comunicado.
O bureau político do MPLA reitera, no documento, a “firme disposição de continuar fiel aos ideais do 4 de Fevereiro, lutando pela preservação da unidade e coesão nacional, pela consolidação da democracia e das instituições e pela garantia dos pressupostos básicos necessários ao desenvolvimento, através do aumento da produção, da estabilidade financeira e da transformação e diversificação da estrutura económica, para que o país possa crescer mais e distribuir melhor”.
No comunicado, o MPLA considera que o 4 de Fevereiro, que este ano se realiza sob o lema “Honremos os nossos heróis, servindo a nação com lealdade”, figura nos anais da história recente do país e marca o início de uma longa e heróica luta armada, empreendida por nacionalistas angolanos contra o regime colonial português para a conquista da independência de Angola.
“O 4 de Fevereiro de 1961 foi produto da tomada de consciência nacionalista e revolucionária de destacados patriotas, que souberam interpretar os anseios mais legítimos do povo angolano, contra a recusa, pelo então regime colonial, das propostas pacíficas para a autodeterminação dos angolanos”, sublinha o documento, que acrescenta que os angolanos passaram da acção política à luta armada, porque estavam cientes de que o colonialismo português não cairia sem luta. Imbuídos do espírito e determinação dos artífices do 4 de Fevereiro, a direcção do MPLA exorta a todos os angolanos, de Cabinda ao Cunene, a mobilizarem-se em torno do Executivo, participando nas iniciativas tendentes à construção de uma Angola melhor, honrando, desta forma, a memória de todos quantos lutaram pela conquista da liberdade e da Independência de Angola. O MPLA reconhece os “enormes sacrifícios consentidos por todos os antigos combatentes e veteranos da pátria, que superaram todos os obstáculos para que, a 11 de Novembro de 1975, fosse proclamada, perante a África e o Mundo, a Independência de Angola, passando o país a ser soberano e igual, no concerto das nações”.


Reconhecimento da FNLA

O bureau político da FNLA destaca o papel protagonizado pelo cónego Manuel das Neves nos acontecimentos de 4 de Fevereiro de 1961.Numa nota por ocasião da data que marca o início da luta armada de libertação nacional, o órgão de cúpula da FNLA lembra que os acontecimentos se deram numa sexta-feira, quando o cónego Manuel das Neves, que era o vigário da Arquidiocese de Luanda da Igreja Católica, deu ordem de ataque ao comandante Neves Bendinha e companheiros. O objectivo do ataque, acrescenta, era de impedir a transferência dos presos políticos encarcerados nas cadeias de Luanda, libertando-os à força. “O ataque foi precipitado, uma vez que estava previsto para 4 de Fevereiro, sábado. (Os atacantes) iriam aproveitar-se do relaxar do fim-de-semana, pois as autoridades coloniais todas se deitavam um pouco mais tarde, assim como a guarnição militar dos “araraquaras” (polícia de choque de guarnição de Lisboa que havia sido deslocada de emergência para Luanda semanas antes) que estaria a descansar, depois do cansaço das patrulhas durante a semana”, lê-se no documento.
A FNLA considera que um dos motivos fundamentais que fez com que se adiantasse tal operação foi uma pretensa transferência dos presos que estavam na fortaleza do Penedo, pelo avião militar que sairia domingo de manhã, dia 6 de Fevereiro de 1961, para Portugal.
Uma vez preso, acrescenta o documento, o cônego Manuel das Neves, com o pseudónimo de “Makarius”, foi deportado para Portugal, em 22 de Março de 1961, onde acabaria por morrer vítima de sevícias.Natural de Golungo-Alto (Kwanza-Norte), o sacerdote foi um dos grandes impulsionadores da luta de libertação nacional, porque as suas cartas enviadas a Leopoldville (actual Kinshasa) eram claras e convincentes e comoveram toda a agente na diáspora.
 O bureau político da FNLA conclui a nota inclinando-se perante a memória dos nacionalistas do 4 de Fevereiro e rendendo “homenagem sublime” a todos os angolanos que deram a suas vidas para que o mundo tomasse conhecimento do jugo colonial português.
O ministro-conselheiro da Embaixada de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, Eduardo Sangueve, falou à comunidade angolana sobre a importância do 4 de Fevereiro e pediu o seu empenho nas tarefas para a consolidação da paz no país.
O diplomata fez este pronunciamento quando proferia a palestra “Honremos os nossos heróis, promovendo a solidariedade social”, no âmbito das actividades políticas, recreativas e culturais que visam saudar o 4 de Fevereiro, data que marca o início da luta armada de libertação nacional. Eduardo Sangueve estendeu o apelo à necessidade do empenho dos angolanos nas tarefas de reconciliação nacional e reconstrução do país em todas as suas vertentes.
O diplomata centrou a sua comunicação na “perspectiva sócio-histórica da luta de libertação nacional de Angola”, “desenvolvimento sócio-cultural do país”, “estratégia do governo angolano para o crescimento económico” e na “integração e contribuição da diáspora” no contexto do desenvolvimento de Angola. O encontro serviu também para o ministro-conselheiro apelar a comunidade a aderir à regularização da documentação, um dos seus direitos fundamentais, por formas a evitar transtornos. O programa da Embaixada de Angola no Reino Unido alusivo ao 52º aniversário da data do início da luta armada de libertação nacional incluiu um encontro com os líderes comunitários e uma visita guiada à escola primária da Diocese de Salford “Holy Name”, que alberga mais de 32 crianças angolanas. Na visita guiada à escola, o diplomata foi informado que as alunas angolanas têm conseguido notas brilhantes e adquirido conhecimentos sólidos de cultura geral universal.

Combatentes no Namibe


Os antigos combatentes do Namibe juntaram-se, na noite de sexta-feira, à volta de uma fogueira para comemorar o início da luta armada de libertação nacional, que hoje se assinala, e homenagear os heróis tombados por amor a Pátria. O evento decorreu nas instalações da Direcção Provincial dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria. 
Vários ex-militantes da luta de libertação nacional disseram à nossa reportagem que esta é a Angola que sonhavam há 52 anos, quando se entregaram à luta pela dignidade e cidadania do angolano.Daniel Jorge, antigo combatente, conta que se envolveu na luta porque viu o país a ser invadido. “Sendo nós os donos do país, não admitimos”, frisou, afirmando que, depois da luta, “temos uma Angola tal como nós sonhávamos”. O antigo combatente acrescentou que agora é momento de unir forças e se juntar ao Executivo angolano, apoiando os seus projectos para que todos angolanos participem na reconstrução do país e para que economicamente Angola possa estar cada vez melhor.
O director dos antigos combatentes e veteranos da pátria no Namibe, Alberto António, disse na ocasião que o lema das comemorações deste ano exorta a sociedade a valorizar o esforço empreendido na luta pela libertação de Angola, bem como na criação de oportunidades para melhor inserção socioprofissional do antigo combatente.
António Alberto acrescentou que são vários os instrumentos jurídicos aprovados para atribuírem dignidade aos sobreviventes do processo de libertação e suas famílias. Considerou que a nova geração quase nada sabe sobre a luta de libertação nacional, “razão suficiente para que os antigos combatentes não encontrem em vários funcionários públicos a especial atenção que devem merecer pelo seu contributo para a independência do país”.
No Namibe, o aniversário do início da luta armada de libertação terá como ponto mais alto o acto político de massas defronte ao Estádio Joaquim Morais, com actividades socioculturais e desportivas, deposição de coroa de flores no túmulo do soldado desconhecido, entre outras actividades.


fonte: JORNALDEANGOLA

Total de visualizações de página